sábado, 29 de novembro de 2008

Depois de Carvalho, Daniel Carriço


Bem sei, que ao afirmá-lo depois de 4a feira, muitos esboçarão um desaprovador sorriso. Estaremos por aqui, daqui a uns anos, para o confirmar.



Antes de visualizar o video, esqueça o erro de Polga (que deveria ter feito a cobertura defensiva (colocando-se entre Daniel e a sua própria baliza), em vez de ficar a cortar uma qualquer linha de passe) e troque mentalmente Tonel por Daniel Carriço.

Exacto. É canto para o Barcelona, e todos os adeptos do Sporting estão um pouco mais felizes (todos, excepto o infeliz espectador que, por azar, estava no lugar da bancada, em que o balázio de Tonel foi parar).

Que importa isso? Exclamam. Com Tonel, estaria 0 a 0. Quase que se pode afirmar, tratar-se de um facto. Daniel Carriço é jovem. Com a idade ele corrige, pensam. Nada mais errado. Não é da idade, é da personalidade.

Carriço é jovem, sim. Mas, não está destinado a ser apenas mais um defesa central de uma qualquer Liga Sagres. Tem talento às carradas, boas características físicas e uma personalidade forte. É um jovem fino no trato, bem educado e extremamente inteligente. Em suma, o sonho de qualquer treinador.

Sim, aquela bola fugiu. Mas, não vai fugir muitas vezes. Daqui por uns bons anos, de Daniel guardaremos a imagem daquele central, que desarma, e inicia ele próprio o processo ofensivo da sua equipa. Aquele jogador que nos orgulhamos de dizer que tem classe até a andar. Quem com ele trabalhou ao longo de dias / meses / anos a fio, não tem dúvidas. Futuro central da selecção, o sucessor de Ricardo Carvalho. Porque tem lá tudo e porque merece!

P.S. - Confesse, é preciso ser-se mesmo diferente, para tentar sair com a bola controlada, dum lance disputado com Messi, não é? Das duas, uma. Daniel é louco, ou então, sabe que consegue fazê-lo, apesar de ter tido um deslize. Eu, sei que é a segunda, e sei também que não o veremos muitas vezes a cometê-los.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Concentração Defensiva e...é à Zona, David!







1 - Demasiado lento, a colocar-se entre Jorge Ribeiro e a baliza de Quim, garantindo a cobertura defensiva





2 - Fora da sua zona, deveria ter permanecido bem próximo de Sidnei





3 - Que parte do bem próximo de Sidnei e Jorge Ribeiro, continua David Luiz sem entender?





4 - Também tu, Sidnei?





5 - O raio da concentração defensiva, não é David? Mais uma vez, demasiado lento a aproximar-se de Jorge Ribeiro.



Ao longo de quase todo o jogo, David Luiz pareceu posicionar-se como um atacante, promovendo mais à largura, que a concentração. Agora percebe-se o porquê de Quique ter afirmado que Luisão é quem está a assimilar melhor o que é pedido.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Velocidade e Talento


Equipas há, que perdurarão eternamente na memória de quem gosta de futebol.

Já foi em 1999, mas, ainda hoje, não consegui perceber, quem, em pleno Camp Nou, desviou o estéticamente perfeito chapéu de Mehmet Scholl, para a barra da baliza defendida pelo enorme Peter Schmeichel. Quase 10 anos volvidos, continuo sem uma única explicação lógica para o que viria a suceder 10 minutos depois, já em pleno período de compensação do tempo perdido.

Aquele Manchester foi a primeira equipa da minha vida e mais do que tudo, merecia ficar imortalizada na história do futebol. Não o fizeram por menos. Guardaram o momento especial, para um estádio mitico, na mais famosa das finais europeias dos ultimos 20 anos.

2006, voltou a presenciar a consagração como melhor equipa europeia, de uma máquina trituradora. Eu, que torço sempre pelos mais fortes. Pelos mais velozes, pelos mais talentosos, cedo percebi que o Barcelona, de Ronaldinho, Deco e Eto'o se tornaria campeão europeu, assim houvesse justiça, nisto do futebol.

08 / 09, promete ser a época, de Guardiola e o seu FC Barcelona, repleto de talento e velocidade, capaz de por um lado assumir o jogo e obrigar os adversários a regerem-se ao momento defensivo do jogo ao longo dos quase 90 minutos, e por outro, cumprir com mestria os processos de transição (que tornaram o Man Utd a melhor equipa da época anterior) a uma velocidade soberba, entrarem na história, ou pelo menos no coração de quem gosta de futebol.

Aguardasse confirmação.

P.S. - Não é por hoje, que o Sporting deixa de ser uma equipa bem organizada. Mas, como competir contra jogadores com muito mais talento, capazes de fazer o mesmo, mas a uma velocidade incrivelmente superior ?

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Quique & Pako Ayestaran, a dupla de uma vida


Se afirmado por Katsouranis ganha relevo, pelo jogador que é. Daqueles que poderá facilmente tornar-se treinador, assim o deseje. Foi quando Nuno Assis o afirmou que comecei a confirmar o que pensava de Quique e seus colaboradores.

Assis, jogador com cultura táctica bem acima da média, apenas trabalhou um mês com a dupla Quique e Pako, ainda assim, não se coibiu de a eleger como a melhor da sua carreira. Sintomatico.

De facto, as equipas de Quique parecem tornar-se, com o tempo, bem mais do que a soma das individualidades. Para além disso, as individualidades parecem tornar-se cada vez mais fortes!

De José Mourinho, é comum afirmar-se que transforma jogadores aparentemente banais em estrelas cintilantes. Pois bem, e que tem feito Quique de Jorge Ribeiro? de Maxi Pereira? de Amorim? até de Luisão! Imagine que o Benfica de Camacho entrava em campo com o mesmíssimo 11 com que Quique entrou no jogo de Coimbra. Pois. Ontem, em Coimbra, até Bynia pareceu um jogador diferente!

A forma como compreende e explora os factores de rendimento, sempre com a parte táctica do jogo presente, tornam-o um treinador diferente, para melhor, relativamente ao contexto em que está inserido.

Um modelo de jogo bem definido, com principios de jogo compreendidos por todos os jogadores é bem mais de meio caminho andado para o sucesso na Liga Sagres, onde grande parte das equipas parecem apresentar-se com 11 jogadores soltos em campo.

P.S. - Em Coimbra, pareceu-me ser o jogo em que o Benfica mais se aproximou do pretendido por Quique, no momento defensivo do jogo. Defesa bem subida, sempre bem longe da sua baliza, sectores próximos e os 4 do meio campo bem pressionantes, iniciando o processo defensivo ainda no meio campo ofensivo, garantindo, não só, várias recuperações de bola nesse espaço (uma delas, culminou com o golo de Amorim), mas também inviabilizando a tentativa dos médios e defesas da Briosa servirem de forma lúcida, a velocidade dos seus atacantes.

P.S. II - No plano ofensivo, poucas oportunidades criadas, mas com o deficit de velocidade e criatividade presente no 11 inicial, difícil seria esperar melhor.

P.S. III - E porque o jogo não se faz só de desiquilibrios.. Mais um daqueles jogos de Amorim e Yebda.

domingo, 23 de novembro de 2008

Que bem se trabalha na Academia


Quando Soares Dias deu por terminada a partida que opôs a Naval ao Sporting, não eram só 9 bravos guerreiros que estavam de parabéns.

Uma vitória perante tal cenário só se consegue com muito saber táctico. Garantir equilíbrios, contenções e coberturas face a uma equipa que joga com mais dois jogadores, é uma tarefa que só é passível de ser bem sucedida se cumprida por jogadores dotados de um profundo conhecimento sobre o que é o jogo e sobre que tomadas de decisão a adoptar em cada momento.

Apesar dos 9 x 11, não houve, em momento algum, uma única situação de 1x1 no meio campo defensivo do Sporting. Uma única situação em que não estivesse garantida uma boa cobertura defensiva! Se é claro que a Naval não soube explorar a superioridade numérica, é também óbvio que muito desse facto se deveu à leitura realizada pelos jogadores leoninos.

Num jogo que terminou com Rui Patrício, Daniel Carriço, Miguel Veloso, João Moutinho, Bruno Pereirinha e Adrien Silva em campo, os motivos de regozijo e de orgulho extendem-se a quem, durante anos a fio, transmitiu conhecimentos a tão jovens jogadores.

De Alcochete nem sempre saiem jogadores talentosos e com dimensão física (a fábrica de extremos é essencialmente fruto de uma prospecção de excelência, porque nenhum formador / treinador deste mundo tem capacidade para dotar de talento e velocidade quem com tais atributos não nasceu) para serem bem sucedidos (particularmente a nível internacional), mas só por muito demérito próprio se sai da formação do Sporting sem cultura táctica.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Aquisição de Inverno no SLB




Após intensas negociações com a águia Vitória o SLB não chegou a acordo, tendo já apresentado uma ave rara para a substituir. Esta apresenta-se ambientada, e mostra-se polivalente, podendo inclusive, cantar o hino do benfica...

Bom fim de semana... Galera...

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Um Lucho!







Porque no futebol, é essencialmente a bola que deve correr, aqui fica uma estatistica muito interessante.

No passado FC Porto - Vitória Guimarães, Lucho Gonzalez teve a bola na sua posse durante 72 segundos, ao longo de 90 minutos. Sim, 72 segundos! Realizou 33 passes e apenas por uma vez conduziu a bola durante um bom par de metros.

O video documenta o tal lance em que Lucho correu com a bola (precisamente quando se impunha que o fizesse).

Lucho, tal como Aimar, percebe o jogo como ninguém. A sua excelente capacidade de analisar (e a velocidade a que o faz) o jogo, permite-lhe ser um dos mais influentes jogadores da liga portuguesa, e por certo um dos poucos cá do burgo, que teria condições para ter sucesso em qualquer equipa do mundo.

P.S. - Repare, já agora, na (má) decisão de Rodriguez no lance documentado no video (promovendo, como de costume a confusão no corredor central). Para Lucho e Lisandro, "gramarem" Rodriguez e Hulk na equipa, deve mesmo ser um pesado castigo.

domingo, 16 de novembro de 2008

Carlos Martins, Zidane na mente



Na mente dele, claro.


Esse será, porventura, o seu maior defeito. Claro que eleger o maior defeito de Carlos Martins é um exercício ambicioso e de difícil resolução, tantos são os seus pontos negativos. Todavia, estou convencido que corrigindo esse, a sua prestação poderia subir vertiginosamente.


Se no plano defensivo, a sua incapacidade para cumprir os princípios do jogo pode ser minimizada quando joga como médio direito (é mais fácil compreender as suas tarefas, quando joga mais próximo do corredor lateral), no momento ofensivo do jogo, Carlos Martins continua o desastre de sempre.


No fundo, há duas leituras que podem ser feitas, e ambas terminam com uma avaliação negativa para Carlos Martins.


Se percebe o jogo, não tem qualidade técnica para o executar. Se tem qualidade técnica, não o percebe. Só assim se justifica que jogo após jogo persista em passar a bola sempre para o adversário. Quando a bola está nos seus pés, já só se pode esperar que siga para a outra equipa. Claro que os adeptos de futebol adoram a expressão "ai se ela passa", mas, quando sai dos pés de Carlos Martins, nunca passa.


Poderá não ser, apesar de tudo, um caso perdido, desde que perceba as suas limitações. No entanto, Carlos, é no momento, a antítese de Aimar. Só complica. Qual jogador de rua, para Martins, a única possibilidade é o espaço vazio, o passe longo (sempre condenado ao insucesso), é o ser protagonista maior, não conseguindo compreender que lhe falta talento para tal. E claro que, não compreendendo isso, acaba por tornar-se também um jogador terrível ao nível das tomadas de decisão.


Até à data, tem sido sempre o pior, ou dos piores jogadores do Benfica em campo. Mas, isso não escandaliza, diria até, que é normal. Estranho é o cartel que este jogador tem. Aparentemente, com uma boa imprensa, até Bynia seria comparável a Eusébio (desde que, obviamente, tratasse daquele cabelo). Mas claro, compreendo que seja fácil para o comum adepto gostar dele. O que há para não gostar? Só passa para a frente ("para trás mija a burra", dizem os sábios), corre que nem um louco, gesticula imenso, entregasse ao jogo e festeja os golos como ninguém. No fundo, joga como um adepto! Mas isso, não é mau... é péssimo!


Por esta altura, já se percebeu que dificilmente Carlos Martins será solução. A questão que se coloca, é, se se tornará problema.


P.S. - Infelizmente não tenho estatisticas dos jogos realizados por Carlos Martins, mas seria interessante verificar a percentagem de passes errados (de certeza absoluta, bem acima dos 50 porcento) e de asneiradas, em qualquer um dos jogos realizados.


P.S. II - Se a ideia é valorizá-lo pelos livres laterais e cantos, esqueça. São importantes sim, mas não definem a categoria de um futebolista, e ter em campo alguém incapaz de fazer um passe correcto, esperando por um livre, nunca compensou.


P.S. III - Carlos, tu não tens os pés do Zidane, pah!!

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Aimar-te assim perdidamente


Ponto Prévio. Este texto poderá não estar ao alcance de todos. Se percebe, ou tenta perceber o que é um jogo de futebol, continue. No caso hipotético de tomar Hulk por um (bom) futebolista, aconselho, desde já, a terminar por aqui a sua leitura (digo-o, com todo o respeito que o Givanildo me merece, que é bem mais do que aquele que o rapaz tem pelo melhor avançado da liga portuguesa. Leia-se Lisandro).


Minuto 40. SL Benfica - Feyenoord. Ataque rápido conduzido por Aimar, desde o corredor lateral esquerdo, até ao central. Situação de igualdade numérica. Urretaviscaya não percebe como resolver a situação e permanece a correr ao lado de Aimar. Este, enquanto conduz a bola, gesticula, indica-lhe o caminho a seguir. Urretaviscaya desmarcasse pelas costas de Aimar (conforme sábia sugestão de Pablo), arrastando consigo um defesa do Feyenoord, garantindo mais espaço no corredor central, espaço esse, aproveitado por Aimar para servir de bandeja Cardozo. Foi esse o momento que percebi quem é Aimar.


Sim, já tinha visto golos, assistências e incríveis dribles. Já tinha visto resumos e videos no Youtube, mas nunca tinha percebido realmente quem era Aimar (e acredito que muito poucos já tenham percebido).


Aimar é tudo isso, mas tudo isso é pouco para o descrever. Aimar demarca-se de tantos outros pela forma como interpreta o jogo e pela velocidade a que o faz. Em Guimarães, independentemente da dificuldade do gesto técnico (passe de letra), impressiona a velocidade com que Aimar decidiu. Mais do que a beleza estética que empresta ao jogo, Aimar vale pelas suas decisões. Sabe sempre qual a melhor opção a tomar e tem capacidade técnica para a por em prática. Dos seus pés, a bola sai sempre para onde deve sair e sempre bem redondinha.


Imaginar uma equipa com 11 jogadores com este nível de compreensão do jogo e com esta capacidade técnica para o executar, é dos exercícios mais deliciosos que qualquer amante de futebol pode (tentar) fazer.


Quem espera vê-lo em slalooms batendo adversários atrás de adversários, desengane-se. Aimar pensa colectivo, e a menos que os adversários estejam em desiquilibrio, isso não irá suceder. Aproveite para ver as coisas simples, tão simples, que só alguém com o nível de Aimar lhe consegue oferecer. Delicie-se com cada passe para a frente...ou para trás, com cada recepção sempre dirigida no sentido da baliza adversária, com cada toque na bola, com cada desmarcação, ou com cada sugestão dada aos colegas de equipa... porque Aimar é futebol!


Quique Flores foi quem melhor o definiu, "Há muitos jogadores que decidem bem e há muitos que decidem rápido. Jogadores que decidem rápido e quase sempre bem, há muito poucos. Aimar é um deles" e é a quem cabe enquadrar a equipa em Aimar. Que as lesões não o persigam, é o voto de todos os amantes de futebol.

domingo, 9 de novembro de 2008

Givanildo, o melhor jogador da sua rua



Ao contrário do algodão, coisas há que enganam... Hulk é uma delas (e não me parece que o "coisas" venha a despropósito).

Consigo vê-lo no seu bairro, driblando todos os seus vizinhos, vezes sem conta. Consigo visualizá-lo no intervalo da escola, marcando golos atrás de golos. Consigo imaginá-lo como o heroi da sua rua, após mais um estrondoso golão, fruto de um remate potentíssimo. Consigo perceber o porquê de todos os seus vizinhos o considerarem fantástico, e consigo perceber porque é sempre o primeiro a ser escolhido da sua equipa, na aula de Educação Física. Ter Hulk é garante de vitória, na batalha contra o 8ºA!

Mas, por estranho que possa parecer, de cada vez que o vejo assumir o papel de futebolista profissional, belisco-me, tentando acordar de um pesadelo.

Sim, Hulk tem um potencial incrível. Se conseguir desenvolver a sua capacidade cognitiva (se a tiver, e eu já começo a duvidar disso), poderá ser um caso sério. Mas, no momento...nem 3 golos de antologia por jogo poderão compensar os 327 lances de ataque que ele estraga da sua própria equipa por cada 20 minutos que pisa um relvado.

Já não é de estranhar que alguns dos jogadores mais fortes do FCP, não só a nível técnico e físico, mas principalmente táctico (Lucho e Lisandro), já não o consigam ver à frente. Ter Hulk, é regra geral jogar com 10 e isso... mesmo que marque à média de um golo por jogo...não compensa!

Mas, há um ponto positivo em ver Hulk como profissional de futebol. Hulk abre novos horizontes para tantos jovens! Se tens 12 anos, consegues driblar todos os teus amigos de rua, se percebes na maioria das vezes, em que baliza deves introduzir a bola... tens boas chances de ser futebolista profissional! Se ele conseguiu, porque não tu?

P.S. - De resto, o Sporting é aquilo. A equipa mais bem organizada e mais forte em termos tácticos da liga portuguesa, mas que é demasiadas vezes traída pela falta de qualidade (seja de talento ou de características físicas) de alguns dos seus atletas.

Competitivo!! Porque Será?



Depois de mais uma excitante jornada no campeonato inglês decidi partilhar algumas ideias acerca desta competição, onde tenho estado atento ás suas incidências mais de perto desde 2004 quando mudei de residência para as terras de sua majestade!


À primeira vista, pode-se dizer que os clubes mais ricos do mundo sao os ingleses, nao discordo, dir-se-ia que a classe média inglesa terá maior poder de compra (dai maior participacao junto do seu clube) tambem nao discordo, estarão os melhores jogadores do mundo em Inglaterra ? Grande parte deles.. mas isto só nao explica o que se passa na própria tabela classificativa depois de 12 jornadas completas ( excepto 2 equipas que tem um jogo em atraso).


Se fizermos uma analise mais atenta a segunda metade da tabela classificativa apercebemo-nos que do 10 lugar ate o 20 e ultimo as equipas distam-se por uns meros 3 pontos....!!!!!

Espantado? Nao diria se acompanha o campeonato por perto.


Num fim de semana uma equipa poderá começar a jornada numa posicao de despromocão e dai os seus jogadores revelarem uns indicies de nervosismo maior, estes mesmo jogadores poderão acabar a jornada numa "confortável" 10 posicão, isto seja para alem das ultimas 3 ( na zona de despromoção) ainda estarem à frente de mais 7 equipas!!!! E mais distarem de uns escassos 6 pontos de um lugar europeu!!! É obra!


Penso que isto se deve não só a atitude das equipas mas ao grau de difiduldade de cada jogo, seja em casa ou fora, torna-se tao dificil conseguir os 3 pontos quer se jogue com os chamados poderosos ( Chelsea, Arsenal, M. United, Liverpool) quer se jogue contra os recem promovidos, diga-se Hull City que neste preciso momento ocupa um honroso 6º lugar com 20 pontos, depois de ter batido equipas como o Arsenal em pleno Emirates!!!! Depois de uma "falsa partida" de alguns notaveis com o Tottenham que nos ultimos 12 pontos possiveis alcancou 10!!!! Notável! fez com que a equipa deixa se a "embaraçosa" posição de lanterna vermelha.


Mas porque será que isto se passa ? Porque será a Premier League uma das mais disputadas do mundo?


Penso que se trata da mentalidade dos jogadores, treinadores, adeptos e todo o mundo que a rodeia. Exemplo evidente, e que na europa a Inglaterra foi um dos primeiros paises que introduziu os 3 pontos por vitoria e 1 por empate, deixando o sitema de 2 pontos por vitoria!! Questão de mentalidade!! Mas não se pense que isto terá origem também nas camadas jovens, um dado curioso e digno de registo é que a própria "competiçao a valer" só começa nos Sub 18 chamados juniores em portugal, antes de chegarem a essa idade todos os jovens que frequentam as academias estao privados da propria competitividade, pois essa e inerente em todos os jogos, sejam eles amigaves ou nao, mas sim dá pressão e responsabilidade de obter resultados, o que faz com que desde os chamados infantis até ao juvenis só existam jogos amigaveis!


Por outro lado poderá dizer-se que esta competitividade deve-se ao poder de compra dos clubes ingleses e ao dinheiro que os seus donos tem (de referir que cada clube que participe na premier league recebe como "premio" 37 MILHOES DE LIBRAS! Concordo com este facto, mas nem todos os clubes são clubes milionarios, nem todos têm um dono que não necessita de verificar o extracto bancario para comprar os ronaldinhos e os lampards, mas sim e acentuo novamente a mentalidade ganhadora e nao mentalidade de não perder que está inerente na sociedade inglesa e nesta liga!

Faça a sua própria análise à tabela classificativa!


quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Benfica, quantos jogadores que não compreendem o jogo são possíveis no mesmo sector?



Um jogador que não consegue compreender que tarefas, que funções executar em campo, por mais talentoso que seja, por mais velocidade e / ou força que possua, nunca conseguirá ter sucesso num clube de topo mundial.

Outros há, que de tão talentosos e de tão bons argumentos físicos que apresentam, conseguem, apesar de tudo, ser úteis em determinado contexto. Penso em Reyes, em Di Maria e em Carlos Martins.

Todos eles já foram, podem ser e serão úteis à sua equipa. Mas quantos jogadores medíocres em termos tácticos, quantos jogadores incapazes de compreender o jogo, ao mesmo tempo em campo, suporta uma equipa? Quantos jogadores indisciplinados tácticamente aguenta um meio campo?





Pare a imagem logo no 1º segundo. Que está a fazer Carlos Martins? Porque não está colocado entre a bola, na posse do adversário e a baliza? Porque não fez Carlos Martins a contenção? Porque nem sequer conseguiu pressionar de forma activa o portador da bola, deixando-o ter tempo e espaço para pensar e executar tranquilamente?

e Di Maria? Reveja o video. Concentre-se no argentino. Que terá acontecido? Parou o cérebro?

Ao longo de todo o jogo, metade do sector do meio campo do Benfica foi composto por jogadores incapazes de cumprir os princípios defensivos do jogo. Se na liga portuguesa isso poderá ser suficiente para não vencer, nas competições europeias, é garante de derrota...!

P.S. - Carlos Martins, no actual modelo de jogo só poderá jogar numa das alas. Não compreende os princípios defensivos do jogo, e mesmo em posse de bola, decide quase sempre mal. Parece ser incapaz de passar a bola para o pé dos colegas, procura sempre a profundidade, sempre o espaço vazio, mesmo quando se impõe (e neste modelo, como médio centro, é quase sempre) que jogue simples. Se no momento ofensivo, perde a bola de quase todas as vezes que a toca e no defensivo não cumpre, como pode jogar a médio centro, neste modelo ?

P.S. II - A chave para este Benfica, pelo menos enquanto Quique não conseguir que alguns dos seus jogadores compreendam o jogo, chama-se Rúben Amorim!

Paulo Bento, Izmailov e Moutinho, deram-lhes asas


Há ainda Romagnoli, portador de uma excelente capacidade técnica, jogador capaz de decidir quase sempre bem e com um sentido táctico muito acima da média, mas cujas caracteristicas físicas o impedem de ser mais decisivo e melhor jogador.

Mas, é sobretudo à custa da excelência táctica, das fantásticas tomadas de decisão, da boa capacidade técnica e física, e da forma como Izmailov e João Moutinho se dão ao jogo, que o Sporting de Paulo Bento entrou pela primeira vez na sua história nos primeiros 16 da Europa.

Paulo Bento, não será, por certo, um poço de virtudes enquanto treinador, mas tem, até ver, a equipa mais bem organizada da liga portuguesa. Só não se sabe se isso será suficiente para se sagrar campeão, perante tamanha ausência de talento na maioria dos seus atletas.

Para finalizar, há também Liedson, que é um jogador da bola, tão forte, tão forte, que para além de ter conseguido atingir o profissionalismo, ainda consegue ser titular numa equipa de topo, e mais do que isso, ser decisivo em vários jogos!

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Diga 5 mil...







Depois de quase ter sido insultado, por colocar o video do golo do Vitória, ainda que num post a elogiar a prestação do benfica, aqui está o golo que se impõe (e que golo)!

PS - Eusébio, és tu?

Hino à Pedagogia

A Equipa dos "Milionários do Oeste" - finalistas da taça de Portugal em 55 -56. O melhor central do Benfica é o 3.º a contar da esquerda, dos que estão em pé... Este é o António Manuel, nesta foto, como jogador do Torreense.

Uma das histórias que ouvi do Tó Manel, foi sobre Otto Glória. Esta é um hino à pedagogia.
O episódio passou-se num jogo com a CUF, em que o António Manuel, na altura com 20 anos, tem uma entrada mais dura sobre um jogador adversário, tendo este de abandonar o jogo, que fez o ambiente ficar ao rubro, as pessoas que estavam atrás do banco do benfica chamaram logo o rapaz de assassino e coisas piores. Otto Glória para acalmar os ânimos (numa altura em que não existiam substituições!!), chamou o António Manuel e disse bem alto:

"Cuidado Menino... você não vai querer magoar um colega de profissão, tem de pedir desculpa por essa entrada feia..."

e de seguida chamou-o para junto dele e disse baixinho:

"Mas lembre-se sempre, menino, jogarmos contra dez, é melhor do que jogarmos contra onze..."

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

A arte de bem defender, por Quique Flores





Comecemos pela excepção documentada no Video. É muito fácil pegar em golos e analisarem-se os erros cometidos. Poderá, eventualmente, ser mais complicado fazê-lo com lances que não terminem em golo. No entanto, hoje o Benfica de Quique foi perfeito na fase defensiva do jogo, pelo que se torna impossível encontrar mais excepções.

O golo surge do incomprimento, em termos colectivos do princípio da concentração, e posteriormente do incumprimento do mesmo princípio, por um erro individual.

Se pararmos a imagem no momento em que o jogador do Vitória (o defesa) tem a bola, verifica-se uma distância demasiado grande entre a linha defensiva e a do meio campo do Benfica. Essa ausência de concentração, permitiu ao jogador vimaranense receber a bola, entre estes sectores, com tempo suficiente para se enquadrar com a baliza e fazer a assistência para o golo de Douglas. Para além deste erro colectivo (que poderia ter sido colmatado, ou com o subir da linha defensiva, ou com o recuar dos médios centro, para zonas mais próximas dos centrais, há ainda um erro de leitura do lance de Maxi Pereira (tão elogiado num post anterior), que não garante, a titulo individual a mesma concentração, permanecendo demasiado longe de Luisão, e consentindo dessa forma o passe em profundidade.

Na 2nda parte, e depois da expulsão de Reyes (que continua sem conseguir compreender a fase defensiva do jogo), viu-se uma equipa muito concentrada (em termos mentais, e essencialmente no cumprimento do tal princípio de jogo, que garantiu que os sectores permanecessem muito próximos, para além de um grande algomerado de jogadores no corredor central).

Amorim, Aimar e posteriormente Carlos Martins foram gigantes no apoio aos laterais, sendo muitas vezes eles próprios os jogadores encarregues da contenção aos extremos adversários, libertando Maxi e Jorge Ribeiro para a cobertura aos lances. Katsouranis e Yebda demonstraram conhecer o jogo como ninguém. A forma como alternaram funções (contenção / cobertura defensiva) no corredor central, no meio campo, bem como a forma como perceberam os momentos de se deslocarem aos corredores laterais, por forma a realizar as coberturas a Maxi e Jorge Ribeiro (sempre que Amorim e Aimar / C.Martins não garantiam a contenção aos laterais adversários) no momento defensivo do jogo, garantiu o equilibrio da equipa, em todos os momentos do jogo.


Em 45 minutos, não me recordo de uma única situação de jogo em que o Vitória tivesse vantagem numérica no seu meio campo ofensivo, apesar dos 11x10!! Claro que a incapacidade para decidir bem, prejudicou o Vitória, mas acima de tudo, a forma perfeita como o Benfica cumpriu em termos tácticos o momento defensivo do jogo (contrariamente a jogos anteriores, toda a gente soube participar neste momento), permitiu-lhe almejar uma vitória moralizadora.


P.S. - Esta vitória é essencialmente de Quique Flores. A forma como os jogadores demonstraram perceber e como cumpriram os princípios defensivos do jogo, é totalmente mérito seu.


P.S.II - Continuo a precisar de ver mais de Suazo, mas pela amostra, finalmente Lisandro tem um concorrente à altura!

domingo, 2 de novembro de 2008

O MELHOR CENTRAL DO BENFICA FOI FELIX...


Venho aqui postar o meu primeiro contributo, sobre algo que definitivamente não domino, Futebol... (mas vou falando com quem domina).

Definitivamente, após lerem a seguinte história, ficarão a saber que havia um central no benfica, na década de 50 que era um fenómeno...

Aqui fica a minha pequena homenagem ao Homem que ainda continua vivo pela amizade que deixou... quando falam em filantropo, este foi o maior que conheci...

Então, esta é uma história que em alguns almoços ouvi contar, pelo António Manuel, confirmada por vários amigos, onde ele orgulhoso piscava o olho...

António Manuel, foi na década de 40 e 50 jogador de futebol, defesa central do Torreense, rumando ao Benfica e terminou a carreira no Torreense, fazendo parte a equipa dos "milionários do oeste", onde acabou por fazer dupla com Félix.

Então a história é a seguinte:

Numa digressão a África, o Benfica foi fazer alguns jogos às antigas colónias, jogando em Angola e Moçambique, estávamos no ano (??) não sei mas foi o ano em que se descobriu o José Águas, viajando este para Lisboa na comitiva.

Então num jogo em que Félix não participou por lesão(?), o seu substituto, António Manuel fez uma exibição daquelas em que o jogador está na "zona", recebendo elogios de todos, tendo sido um dos destaques nos jornais desportivos locais.

Um dos recortes que tive acesso dizia o seguinte (qualquer coisa como isto):

O Benfica apresentou-se neste jogo na máxima força, com os jogadores da primeira linha do clube, excepção do defesa titular Félix. Tivemos pena de não o ter visto a jogar, pois se o seu suplente(António Manuel) joga daquela maneira, então Félix deverá ser um fenómeno...

oiiiiiinnnnccccc
(aqui fica o meu abraço... onde que que estejas...)