quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Triângulo do meio campo


Falemos do momento do jogo, e do comportamento mais aprazível, em termos tácticos, do FC Porto.

A dinâmica do trio do meio campo, aquando da organização defensiva.

Sem posse, o triângulo passa a ter dois vértices defensivos. A ocupação do vértice mais ofensivo, depende da zona do campo onde a bola está. Se sobre o lado direito, Meireles sai à bola (contenção), ocupando o vértice mais ofensivo do dito triângulo. Atrás de si, numa linha paralela à linha de fundo, Fernando (sobre o lado direito) e Guarin (à esquerda de Fernando) realizam uma dupla cobertura. Após cada passe, há um reajustar de posições. Se a bola, é passada para um adversário, posicionado no lado direito do corredor central, Guarin sai rápido para a contenção, ocupando ele o vértice mais ofensivo, enquanto que Meireles baixa rapidamente para a linha que Fernando ocupa no campo.

O importante é, a todo instante, garantir o tal triângulo, e impedir, pela proximidade dos jogadores em questão, que a bola entre no espaço formado pelos três centrocampistas do FC Porto. Sem falhas posicionais, e respondendo rápido (pela troca de funções. Contenção - Cobertura) à troca de bola adversária, garante-se que o espaço onde tudo acontece (corredor central) é praticamente inviolado.



P.S. - O respeito pela dinâmica defensiva, é a única explicação plausível para a titularidade de Guarin.

P.S. II - No Sporting, a perda de Izmailov, e a respectiva troca por Simon, no vértice esquerdo do losango (com a expectável perda de inteligência posicional), foi provavelmente, o principal catalizador para o insucesso na primeira metade da época.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Best "I told you so" ever. But not yet.

Ainda não é. Mas será.

É óbvio que é apenas um rumor. De difícil confirmação, até. Porém, porque aqui sempre o defendemos, particularmente nos momentos em que estava mais vulnerável, a noticia não deixa de provocar um ligeiro sorriso.

O adepto português não valoriza o que é realmente importante. Yebda, pelo conhecimento que tem do jogo, pela extraordinária capacidade física e porque a sua capacidade técnica, ainda que não tão aprazível quanto os outros traços, não o limita tanto quanto se pode querer fazer crer, tem pela frente uma promissora carreira.

P.S. - A crença de que estaria por ora bastante valorizado, se tem tido a felicidade de ter sido treinado por Jesus, e não por Flores, mantém-se. Obviamente.

domingo, 27 de dezembro de 2009

João Vieira Pinto tem classe até a andar...




A frase, proferida por Deus (o nosso, pelo menos), sintetiza de forma perfeita o jogador que foi.

"O Nuno Assis tem algumas coisas parecidas. Eu era mais ofensivo, podia jogar até como ponta de lança, ele actua mais recuado e aparece de trás para a frente. Mas há aspectos em que me revejo nele. No estilo, nas decisões que toma, no modo como se relaciona com o jogo." De acordo. Mas João, e o Aimar? e o Saviola?

"Falhei muitos passes, perdi alguns lances, tive dificuldade nas recepções. Até ao primeiro golo não perspectivava uma noite de glória, bem pelo contrário." Sobre uma exibição que não estava a correr de feição. A percepção de que é no valorizar das coisas simples (passe, recepção, perdas de bola), que os melhores se destacam.

"Eu tinha a particularidade de entender quem se movimentava na minha zona. Fala do Jardel, mas também podia falar do Rui Costa. Sabia sempre o que ele ia fazer e o contrário também era verdade. Com o Jardel era a mesma coisa." Quanto do rendimento de um futebolista depende da sua capacidade intelectual, para com o jogo?

Por não ter emigrado, João Vieira Pinto jamais terá o reconhecimento que merece. A permanência na Liga Portuguesa, para além de lhe ter retirado visibilidade, coarctou-lhe uma previsível evolução. Permite-nos a ousadia de pressupor que com outras decisões na sua carreira, tamanho talento e inteligência, deveria e teria sido consagrado com uma bola de ouro?

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Falemos de Fernando


O jogador dos apoios.

Ainda que com reduzida notoriedade, Fernando é o jogador mais interessante do FC Porto. Porventura, o único do meio campo azul e branco com categoria europeia.

A simplicidade de processos, o excelente posicionamento, essencialmente na forma como serve de apoio ao portador da bola (coberturas ofensivas), e a forma eficaz e assertiva como contribui para a circulação de bola, são traços visíveis aquando do processo ofensivo.

É, contudo, nas tarefas defensivas que Fernando se aproxima da genialidade. Fantástico do ponto de vista da ocupação dos espaços, é no cumprimento dos princípios defensivos, que se destaca. Mesmo quando as recuperações de bola não passam pelas suas botas, é inegável que os seus apoios (coberturas defensivas) aos colegas que saíram à bola (contenção) são decisivos no garante do equilíbrio defensivo colectivo.

A habitual leveza com que resolve inúmeras situações é, também, para os que crêem que a agressividade desmesurada deve ser apanágio de quem ocupa a posição de médio defensivo, uma lição.

Bastante jovem, e aparentemente com enorme sede de triunfo, o futuro de Fernando deverá, inevitavelmente, passar por uma liga de maior gabarito.

Futebolistas de uma vida. XLII


quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

À atenção do treinador português


Aproveitando a quadra natalícia, uma sugestão de leitura para os treinadores portugueses. Em especial para o nosso seleccionador.

Paradigma Guardiola

Parece que foi assim que venceram tudo...

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

João Pereira


Uma contratação com sentido.

Provavelmente não consegue esquecer o quão asqueroso, enquanto pessoa, João Pereira parece ser. Sentimentalismos à parte, Pereira é uma contratação bem pensada. Chegará, porventura, com seis meses de atraso.

O novo leão é, indubitavelmente, um jogador mais interessante, que os restantes quatro laterais do plantel. Juntos!

Veloz e agressivo, João Pereira, ainda que nem sempre de forma assertiva, é o lateral mais dinâmico da Liga. Não o melhor. Ainda assim é, obviamente, uma mais valia e um reforço premente para um Sporting que se pretende mais competitivo. Independentemente do seu passado, o pequeno reguila vem para somar. Houvesse no mercado um igual para o corredor lateral esquerdo...

P.S. - Só com um avançado de indiscutível categoria, o Sporting poderá dar um salto qualitativo, e encurtar distâncias.

Recordas-te? XXII


terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Mais e Menos da Semana


MAIS

Jorge Jesus

Se a competência do SL Benfica é táctica, o maior responsável é, obviamente, o seu treinador. Na conferência de imprensa pós jogo, explicou de forma bastante assertiva, como divide o campo e as fases do jogo, e de que modo, tão bem preparou o bloqueio às saídas para o ataque, do FC Porto. Se a forma do seu discurso chega a ser patética, o conteúdo é sublime. Finalmente, o mestre da táctica tem nas mãos, o brinquedo que merece (leia-se qualidade individual).
Independentemente do adversário, o SL Benfica é, na actualidade, uma equipa dominadora. A linha defensiva consegue jogar muitos metros à frente, fruto da competente pressão que a equipa é capaz de fazer, desde o primeiro momento. Com Saviola, Cardozo, Urreta e Ramires, sempre predispostos para bloquear as saídas para o ataque do adversário, o FC Porto foi obrigado a recorrer incessantemente a um tipo de futebol mais directo. Sem bola para jogar, a equipa nortenha viu-se asfixiada. A justa vitória e a categórica demonstração de superioridade, poderá ser um tónico muito importante para o resto da temporada.

MENOS

Jesualdo Ferreira

As suas competências tácticas são, por aqui, bastante apreciadas. Depois das equipas de Jesus, as do professor, são sempre as mais organizadas da liga. Excelentes do ponto de vista defensivo, essencialmente. Porém, não se consegue perceber a tentação por, sempre que enfrenta adversários potencialmente mais fortes, recorrer a jogadores com traços físicos mais acentuados. A melhor forma de defender, é ter a bola. Abdicando do talento e da criatividade, em detrimento da força, está a dar-se a um jogo sem bola, que só o poderá prejudicar. Guarin não deveria ter subido ao relvado.

MAIS OU MENOS

Carlos Saleiro

Marcou o golo da vitória, e ouviu um rol de elogios do seu treinador. Todavia, é um jogador com bastantes limitações. Demasiado lento, na execução e na passada e longe de impressionar em termos técnicos, Saleiro até poderá ter qualidade suficiente para o actual Sporting. Porém, num Sporting que se pretende de grande poderio, a sua presença no plantel não fará sentido. Não é suficientemente bom. No Sporting, tanto quanto as laterais defensivas, urge a contratação de um avançado de grande categoria. Ou Simon… ?

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

A competência do SL Benfica é táctica



Pós Atenas, a interrogação. Como reagiria o Benfica? Nesta semana, muitos foram os que voltaram a questionar a capacidade do actual SL Benfica para reagir a um resultado adverso.

Estas potenciais dúvidas surgem na mente dos que creêm que a forma no futebol é fisíca e/ou anímica. Tais factores são fulcrais no jogo moderno. Mas, estão longe de ser a principal alavanca para o sucesso.

Na temporada passada, e perante as injustas críticas, alusivas à falta de atitude, ou motivação de que os jogadores do SL Benfica foram sofrendo, sempre fomos referindo que esse estava longe de ser o problema. Bem pelo contrário.

Ao contrário do que uma larga maioria deduz, o actual bom momento não passa por uma questão de mentalidade. Não está na atitude ou na perseverança a diferença do actual SL Benfica para o do acéfalo Quique Flores.

A competência do actual Benfica é táctica. A equipa é extremamente competente no principal factor de rendimento do jogo. O físico e o anímico poderão ajudar ou prejudicar. Porém, quando a principal qualidade passa pela ocupação / reocupação dos espaços e pela tomada de decisões, facilmente se obtêm níveis elevados de confiança, pois está-se sempre mais próximo do sucesso.

P.S. - O Belenenses e o Sp.Braga de Jorge Jesus foram, do ponto de vista táctico, as melhores equipas da Liga nas épocas passadas. A expectativa sobre o que poderia fazer Jesus com jogadores de maior qualidade era grande. Não nos enganámos. Somente as dúvidas sobre as capacidades de liderança e comunicação, nos impedem de o catalogar, desde já, como um dos melhores da Europa. Talvez esteja na altura de aprender inglês.


Post recuperado de 6 de Novembro

Há muito que o SL Benfica não demonstrava uma superioridade tão clara sobre o FC Porto. A diferença de qualidade? Táctica, claro.

Na ocupação do espaço, o FC Porto continua uma equipa extremamente competente. É, no entanto, ao nível da tomada de decisão que a situação se inverteu. O FC Porto perdeu duas referências incontornáveis (Lucho e Lisandro). No momento ofensivo, não há um pensar colectivo. Antes, um cada um por si, previamente condenado ao insucesso.

O SL Benfica é, como nunca, uma equipa bem posicionada no campo, com vários processos bem definidos, que lhe permitem jogar mais à frente no campo, mantendo sempre o equilíbrio. Porém, a qualidade táctica não se esgota na vertente da ocupação dos espaços. É na tomada de decisão que o SL Benfica tem feito a diferença. Impressiona a forma simples e eficaz como com poucos toques na bola, retira a bola das zonas de pressão adversárias. Ter onze jogadores em campo, com a mesma ideia de jogo, é uma vantagem. No classico, foi bom não ter Di Maria em campo.

P.S. - É tipica do treinador português a opção por, em jogos de elevado grau de dificuldade, dotar de melhores atributos físicos a sua equipa. Jesualdo fá-lo incessantemente, esquecendo-se que o talento e a inteligência são os atributos mais louváveis no jogo moderno.

domingo, 20 de dezembro de 2009

Mudar de opinião é sinónimo de humildade


Afinal, Hulk é capaz de ser menos jogador que Di Maria.

P.S. - Ter Urretaviscaya em detrimento de Di Maria foi uma benção para Jesus.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Recordas-te? XXI


segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Acorda, menino Jesus. Ave César!



Num momento em que um sentimento de alguma descrença parece ter tomado o espirito de alguns adeptos do SL Benfica, o Lateral Esquerdo, dá-lhe uma boa noticia. Se padece de tal condição, claro.

Com os castigos de Di Maria e Fábio Coentrão, Jorge Jesus irá, finalmente, utilizar o melhor médio interior esquerdo do plantel na sua posição.

A sua tentação por valorizar as loucas correrias e os dribles estonteantes, é compreensível. Errada, no entanto. Para um modelo de jogo que contemple futebol apoiado, e a rápida e inteligente circulação de bola, a aposta deverá cair num jogador capaz de perceber, com grande assertividade, os timings para prender e/ou soltar a bola, e para onde o fazer. O jogador mais apto para tal estilo de jogo, não é o que mais dá nas vistas, mas o que percebe o que de melhor deve ser feito a cada instante, mesmo que isso lhe retire visibilidade. E claro, é absolutamente decisiva a excelente capacidade de passe e de recepção.

Uma equipa que se pretende de posse e de grande dominio, pode e deve utilizar um dos melhores jogadores do plantel na vertente colectiva do jogo. A curiosidade para perceber como, César Peixoto, jogando como médio interior, se relacionará com Aimar e Saviola é muito grande.




P.S. - Os problemas, e de difícil resolução, poderão estar no corredor oposto. E porque não Urretaviscaya? Não duvide que é mais jogador que Di Maria...

Mais e Menos da Semana


MAIS

André Villas Boas

O impacto causado, sintetiza de forma perfeita, a importância que um treinador tem no rendimento de uma equipa. Chegou a uma equipa limitadissima em qualidade individual, e que ocupava o último lugar na classificação. Em duas semanas, conseguiu implementar muitas das suas ideias. No Dragão, a equipa já tinha demonstrado um salto qualitativo muito grande. Defesa à zona, e simplicidade de processos, no momento ofensivo. Em pouco tempo, a Académica subiu vários lugares na classificação, e de um dos maiores candidatos à descida, passa a uma das prováveis surpresas da Liga. Mesmo sem um pingo de qualidade individual. Fantástico.

MENOS

Di Maria, Carlos Carvalhal e Vitória de Setúbal

O argentino é antítese da equipa de Jorge Jesus. Incapaz de jogar a poucos toques, e de tomar, a cada momento, a melhor opção, que é, na larga maioria das vezes, a mais simples, Di Maria é o Hulk de vermelho. Sem qualquer qualidade de passe, todas as bolas em que toca, estão condenadas ao insucesso. De positivo, só as faltas que sofre. Em Olhão, fez uma exibição horripilante, coroada com uma patética expulsão.

Não duvide da qualidade e capacidade que Carvalhal poderá ter para implementar as suas ideias. As modificações são óbvias. Porém, das alterações efectuadas duvida-se que o Sporting beneficie por jogar com um duplo pivot defensivo. Como por certo sabe, somos acérrimos defensores das tácticas que utilizam somente um médio no espaço imediatamente à frente dos defesas centrais. Mude e trabalhe lá outra táctica, Mister!

O plantel do Vitória de Setúbal, parece ter menos qualidade do que qualquer equipa da segunda Liga. Quando à latente falta de jeito de uma larga maioria de jogadores, se junta a infelicidade de não poder contar com os três jogadores cedidos pelo FC Porto, o máximo a que os comandados de Manuel Fernandes podem aspirar, é não ser goleados. Quem construiu tal plantel, deve ter sido sujeito a uma lobotomia.

MAIS OU MENOS

Jorge Jesus

As qualidades são imensas. Já aqui foram expostas por diversas vezes. Todas na vertente mais importante do jogo. A táctica. Porém, em Olhão, Jorge Jesus foi o primeiro a errar. A escolha do onze não foi a mais correcta. Ainda que já tenha vencido alguns jogos com Coentrão e Di Maria em simultâneo dentro do relvado, tal opção não deveria ser considerada. Se a equipa poderia ganhar algo em velocidade, seria óbvio que perderia em cérebro. De equipa dominadora e capaz de circular a bola, com enorme mestria, pouco sobrou. Nem sempre o melhor caminho é o mais rápido, e isso é algo que Fábio e, principalmente, Di Maria ainda têm de aprender. Com a aposta num jogo demasiado vertical e individualizado, o SL Benfica perde o brilho.

sábado, 12 de dezembro de 2009

Há, na Liga Sagres, um jogador pior que Hulk


Curiosidade. O comentador da Sportv garantia-nos que Di Maria faria tão bem, quanto Pablo Aimar, a posição de número dez, porque tem uma excelente capacidade de passe. Di Maria e passe na mesma frase?!?

Silas. A qualidade não tem idade


Aos trinta e três anos, e ainda que sem as capacidades físicas intactas, Silas continua a ser um dos melhores jogadores da Liga.

Excelentes atributos técnicos e uma invulgar capacidade, para perceber o jogo, tornam-o uma figura decisiva na sua União de Leira. Independentemente da idade, seria assim em quase todas as equipas da liga.

Em privado, garante que se tem trabalhado com Jorge Jesus mais cedo, teria tido uma carreira de elevado nível. Como o percebemos. Para jogadores talentosos, com enormes capacidades intelectuais, que os levam a optar, em todos os momentos pelo que é realmente melhor para a equipa, mesmo que tais decisões façam parecer que não aparecem no jogo, não há nada mais lamentável que perder anos de carreira com quem é incapaz de perceber a essência colectiva do jogo.

O ano passado com Mourinho e os dois com Jesus, provam-o. Silas merecia ter tido outras oportunidades. A par do ex colega Zé Pedro, é um dos melhores jogadores portugueses. Ambos mereceriam ter tido uma segunda vida.

P.S. - Sabia que se Deco tivesse partido mais cedo, Silas seria o eleito de José Mourinho para reforçar o FC Porto?

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Recordas-te? XX


terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Mais e Menos da Semana


MAIS

Cardozo & Saviola

Formam uma dupla fantástica. Que se complementa. El Conejo é rapidíssimo, bastante astuto e com uma técnica soberba. Desde o primeiro momento que se percebeu que alguém com tanto talento estaria, obviamente, condenado ao sucesso na Liga Sagres. Cardozo é, pós Mário Jardel, o goleador da Liga. Tal como o brasileiro, Óscar Cardozo tem uma apetência fora do vulgar para fazer golos. Finaliza de qualquer forma, sempre com enorme mestria. Mesmo quando integrado numa equipa bastante débil, o paraguaio foi sempre capaz de marcar golos. Fazer parte de uma equipa com tanta capacidade para produzir lances de golo, é uma dádiva para Cardozo. Tanto quanto para o SL Benfica ter alguém com tamanha capacidade para traduzir em golo, a superioridade que vem evidenciado ao longo do campeonato. Contra a Académica, a imensa qualidade da dupla atacante do SL Benfica, tornou simples o que poderia complicar-se.

MENOS

Hélder Postiga

Uma semana terrível. Mais uma. Tem algumas qualidades. Dá-se à equipa, procura sempre o sucesso conjunto. Contudo, a sua capacidade de finalização parece ser inferior à de qualquer jogador de uma qualquer série da terceira divisão. Pode alegar que a equipa não lhe tem dado condições para o sucesso. Porém, o contrário é bem mais real. Mesmo nos jogos em que beneficia de lances para marcar, Postiga raramente consegue acertar na baliza. Um desastre. Os zero golos, quando quase metade da época está cumprida, sintetizam, de forma bastante cruel, aquela que tem sido a época do internacional português. Não admira que Carvalhal procure um sistema que utilize um só avançado.

MAIS OU MENOS

André Villas Boas

O resultado no Estádio da Luz é o que se sabe. As declarações finais, parecendo desde logo agradar a outrém, também não foram felizes. Ainda assim, a sua Académica, que é provavelmente a pior equipa da Liga, em termos de qualidade individual (há também o Vitória de Setúbal, claro), conseguiu ser, à data, a melhor que passou pelo Estádio da Luz. Excelente organização colectiva. Cumpridora defensivamente, garantindo em todos os momentos o necessário equilibrio, coberturas e concentração sobre o lado da bola, e com ideias claras no processo ofensivo, quer na forma como tentava sair rápido para o ataque, quer na tentativa de circular a bola. Deu sempre a sensação que o que não corria bem, se devia à pouca qualidade individual de cada um dos executantes. Villas Boas continua a prometer.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

"Reforços tornam o Benfica uma equipa melhor".


"Tem cinco reforços muito importantes, que são titulares, e que tornam a equipa melhor". Quique Flores sobre o SL Benfica.

Sim. Tem. Peixoto (Leo), Javi (Katsouranis), Ramires (Reyes) e Saviola (Suazo).

Porém, é no quinto reforço que a diferença é abismal.

Tudo o que de positivo tem sido construído, pelos novos jogadores, mas também, pelo incremento da capacidade dos que ficaram, é de inteira responsabilidade do tal quinto reforço. Jorge Jesus, claro.

P.S. - Como facilmente se percebe, o potencial de uma e outra equipa não difere tanto quanto o espanhol nos quer fazer crer. A grande diferença está, obviamente, na competência táctica do treinador. Pode ser difícil para si, percebê-lo. Porém, é forte a nossa convicção de que com o modelo de jogo da época passada, também os novos jogadores estariam, por ora, bastante desvalorizados. A qualidade individual nunca foi o problema do SL Benfica de Quique Flores.

domingo, 6 de dezembro de 2009

O mito da insubstituibilidade de Javi


Caiu por terra. Claro.

Não pense, contudo, que o propósito do texto é desvalorizar o espanhol. Já aqui foi referido. Javi é fantástico em tudo o que faz. A par de Fernando é o melhor médio defensivo da liga.

Se porventura, pensou que pelas suas qualidades, quase únicas, Javi Garcia seria insubstituível, enganou-se.

Se Javi tem sido o centro de todo o futebol (processos defensivos, e também ofensivos) do SL Benfica, tal facto deve-se, não só à sua imensa qualidade, mas também ao facto de o modelo de jogo preconizado por Jesus, assim o definir. O principal atributo para a posição, é a cultura táctica. A capacidade para perceber o jogo, para restabelecer os necessários equilíbrios. Para perceber quando deve sair à bola, quando deve juntar à linha defensiva.

Rúben Amorim, possui todas estas qualidades, pelo que as diferenças, no rendimento colectivo, jamais se fariam notar de forma muito nítida.

Não conclua, no entanto, que para o SL Benfica, é indiferente ter Javi ou Rúben a ocupar a posição seis. Se as diferenças não são tão grandes, quanto o que o adepto comum suporia, é inegável que Javi ganha nos extras.

Garcia supera Amorim em termos morfológicos. Por ser mais alto, no modelo idealizado por Jesus, Javi é o jogador encarregue de disputar a primeira bola, quando o adversário sai a jogar em pontapé longo. A sua altura, torna-se também benéfica, nos momentos em que integra a linha defensiva. Pequenos pormenores que acrescentam algo mais, mas que não impedem a equipa de ser igualmente forte na sua ausência.

P.S. - Jogadores verdadeiramente insubstituíveis no SL Benfica? Aimar e Saviola pela enorme relevância que assumem em todos os momentos. Cardozo pelos seus atributos únicos e Ramires, pela importância que a sua velocidade e cultura táctica assume nas transições. Essencialmente na defensiva, ainda que seja a forma como aparece em zonas de finalização, na transição ofensiva, que lhe dá maior notoriedade.

Um melhor FC Porto


Naval - FC Porto, FC Porto - Nacional e Vitória Guimarães - FC Porto. O que têm em comum os jogos da 2nda, 3a e 12a jornada? Para além de terem sido os jogos onde o FC Porto produziu maior caudal ofensivo, há a coincidência de Hulk não ter participado, pelo menos durante muito tempo, em qualquer dos tais jogos.

Jogo após jogo, percebe-se que de super heroi, Givanildo pouco ou nada tem. A questão não passa pelo estar ou não estar em forma. Hulk é aquilo. Correrias, dribles e remates fortissímos. Quem com tanta potência, opta por resolver problemas colectivos sozinho, acabará sempre por marcar três, quatro golos fantásticos por época. Nos dias em que a bola entra, Hulk fará as capas do jornal 'O Jogo'. Valerá 100 Milhões de euros. A quantidade infindável de ataques que condiciona, será ignorada.

"No derby contra o Inter, fiz asneira. Perdi a bola". Rui Costa.

"Fico doido com a quantidade de vezes que perdemos a bola". Jesualdo Ferreira.

Para o adepto comum, a perda de bola é algo com pouca importância. Apenas os jogadores mais inteligentes percebem a relevância que tem não ceder a posse de bola a qualquer preço. Uma equipa que se pretende dominadora, não pode arriscar a sua posse a cada momento. Há que ter paciência, fazer a bola circular de sector a sector, de corredor a corredor, esperar pelo momento em que o adversário se desiquilibra no relvado, para investir. A melhor forma de o fazer é, naturalmente, a rápida circulação de bola. Jogadores que a prendem em demasia, são uma dádiva para os defesas. É bastante fácil organizar uma situação defensiva, quando a bola está sempre na posse do mesmo adversário. Mesmo que tal jogador tenha, pelo seu drible, capacidade para desiquilibrar.



P.S. - Quando Hulk não está, ou estando não toca na bola, é inegável que o potencial ofensivo (criatividade, imprivisibilidade, velocidade de circulação de bola e simplicidade de processos) do FC Porto atinge níveis bem mais elevados.

P.S. II - Não são só as bolas que perde. Mesmo quando não entrega a sua posse, perde timings e linhas de passe, por demorar imenso a decidir, a "ler" o jogo.

P.S.III - Varela não é melhor que Givanildo. Só o facto de não ter um estatuto e um capital de confiança tão elevado, tem levado o português, em alguns lances, a decidir melhor do que é costume.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Recordas-te? XIX


terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Da ignorância sem fim


Nos momentos em que, por falta de ideias, se torna mais difícil a actualização do blog, há um exercício que não dispensamos. Ler o Correio Sport. Luis Sobral e Querido Manha são inspiradores.

Diz Manha que o modelo de Jesus está esgotado e que Javi Garcia tornar-se-à no novo Yebda.

A razão que leve alguém a crer que uma equipa que em 11 jogos da Liga, soma 26 pontos, marca por 31 vezes, consentido somente 7 golos, e que na Liga Europa lidera com enorme categoria o seu grupo, tem o seu modelo esgotado, só poderá ser estupidez, ignorância ou maldicência. Provavelmente, a mesma estupidez ou ignorância, encontrada em todos os que supunham que o jogo de Alvalade não seria jogo de tripla.

O ridiculo do texto centra-se, contudo, na sugestão de uma nova táctica para o SL Benfica. Diz Manha que Javi se tornará no novo Yebda. Não percebendo que o francês, esse sim, foi vitima de um sistema táctico que coarctou todas as possibilidades de êxito colectivo e individual a que o SL Benfica poderia aspirar.

Se Javi Garcia tem estado em plano de destaque, tal deve-se, não só à imensa qualidade do espanhol, mas, principalmente à importância que tal posição assume no sistema táctico do SL Benfica. No modelo de Jesus, o trinco é o responsável pelo equilibrio da equipa. Não raras vezes, o vemos a ocupar a posição de defesa central. Em situação ofensiva, quando o central sai com a bola. Em situação defensiva, quando um dos elementos do sector defensivo, sai à bola, cabendo-lhe nessas ocasiões, o reassumir de uma posição na linha de 4 (troca com o tal jogador que saiu da linha, por forma a pressionar o portador da bola). Javi é o centro da equipa. Não por ser Javi, mas porque o modelo de jogo assim o impõe.

A principal mudança do anterior para o actual SL Benfica, reside precisamente no espaço que o espanhol ocupa. Sugerir o regresso ao duplo pivot, para uma equipa que tão poucos golos sofre, e tão poucos ataques consente é hilariante e demonstradora da percepção que os tipos do Correio Sport têm do jogo. Quando se pensava que seria impossível afirmar uma barbaridade tão grande, quanto o sugerir a troca de Saviola por Weldon na equipa titular, eis que é sugerido o abandono do actual sistema táctico. Priceless.

P.S. - Talvez nem todos tenham a percepção daquele que é o valor da equipa do Sporting, e da dificuldade e imprivisibilidade que é jogar um derby. Por aqui, que o sabemos, parece-nos que a exibição bastante madura e o resultado do SL Benfica em Alvalade, poderá ter significado um passo bastante importante rumo à glória que Jesus tanto ambiciona.

P.S. II - Sobre Yebda. Quando Javi, eventualmente, for transferido, o francês será uma opção bastante interessante. Não dúvide que num modelo de jogo com tanto sentido, e que tanto valoriza quem joga à frente dos centrais, Yebda, estaria de novo com a cotação em alta.

P.S. III - Não se percebe se desvalorizando o resultado do SL Benfica em Alvalade, se pretende desvalorizar a equipa de Jesus, ou a do Sporting. Seja qual for a ideia, está bastante errada.