quarta-feira, 31 de Março de 2010

Mais e Menos da Semana


MAIS

Jorge Jesus

Ainda que tenha estado longe das exibições mais conseguidas ao longo da época, o SL Benfica foi sempre bastante superior no jogo mais importante da Liga. Se o nível técnico poderá ter estado um pouco aquém do habitual, o SL Benfica voltou a demonstrar que é das melhores equipas europeias a nível táctico. Chegar à área dos encarnados sem ser de bola parada, quase não parece ser possível.

MENOS

Sinama Pongolle

É, à data, uma enorme desilusão. Há que esperar para perceber o real valor do francês. Porém, nem nas previsões mais pessimistas se poderia supor que um dos jogadores mais caros da história do Sporting, tivesse tantas dificuldades para entrar na equipa, e demonstrar valor, naquela que está a ser a pior época do Sporting da última década. O seu primeiro (auto)golo em Portugal personifica a desilusão que tem sido um jogador de quem se continua a esperar muito.

MAIS OU MENOS

Domingos

Perdeu o jogo do titulo, mas ainda não perdeu a Liga. Os resultados obtidos no campeonato têm sido extraordinários e dificilmente seria possível melhor. A classificação final do Sp. Braga ainda é uma incerteza.

domingo, 28 de Março de 2010

Quanto vale Domingos Paciência?


"Este Braga faz tudo o que deixei em termos de estratégia posicional" Jorge Jesus.


Da sugestão para desmistificar a nossa desconfiança sobre o valor de Domingos Paciência, nasce o presente post.

A primeira vez que neste espaço se falou de Domingos, foi após uma excelente entrevista a um qualquer jornal desportivo. "Surpreendeu numa entrevista. Enunciava princípios de jogo, explicava de forma clara as ideias que tinha para o modelo de jogo da Académica. Pressupostos interessantes para uma equipa com individualidades muito débeis".

É falso que por aqui se afirme que Domingos é um treinador sem valor. Mas, é bem verdade que iremos esperar mais algumas épocas para lhe conceder o crédito, que possívelmente já merece ter.

Isto porque,

É inegável que todos os jogadores do seu Sp. Braga (Viana é a excepção. Mas, também não precisava) beneficiaram imenso, em termos de conhecimentos tácticos, com a aventura da época passada. É inegável que o Braga de Domingos está bastante mais próximo do Braga de Jesus, que da Académica de Domingos. É inegável que o comportamento defensivo (concentração sobre o lado da bola, distância de posicionamento para a bola e jogo de coberturas) do actual Braga (melhor defesa da Liga e factor primordial para o actual primeiro lugar) foi aprendido na época passada, e é também inegável que foi com Jorge Jesus que praticamente todos os jogadores do Sp.Braga se tornaram melhores jogadores (a propósito. A frase do dia, ainda que inúmeras vezes repetida por seus ex jogadores, é de Javi Garcia: "Nunca aprendi tanto como nesta época" ).

Ninguém neste espaço nega que Domingos poderá ser um treinador de eleição, e já aqui foram feitas previsões que se confirmarão erradas (suposemos que este Braga não atingiria os 50 pontos). Porém, e apesar dos bons indícios desde o tempo da Académica, continuamos a precisar de ver algo mais.

P.S. - Jorge Jesus, que é para nós, em Portugal, e a seguir a José Mourinho, a maior referência táctica, é treinador há mais de vinte anos, e somente quando passou pelo Belenenses nos começou a conquistar. Não há pressa, portanto.

P.S. II - Ver algo mais não será, necessariamente, atingir resultados extraordinários. Obter com outros jogadores a mesma performance defensiva será suficiente. Quando se refere "performance defensiva" fala-se essencialmente em comportamento da equipa dentro de campo, quando não tem a posse da bola, e não numa quantificação do número de golos sofridos.


Texto recuperado de Janeiro.

A percepção continua exactamente a mesma.

quarta-feira, 24 de Março de 2010

SL Benfica - FC Porto. Para além da qualidade técnica.


As diferenças técnicas são óbvias e acentuadas. Não foi contudo, apenas por aí que o SL Benfica se superiorizou.

O jogo do Algarve tornou-se bastante parecido com o do Estádio da Luz (Ainda que com intervenientes diferentes. Relembre que na Liga, O Benfica terminou com um meio campo formado por Luis Filipe, Menezes e Weldon). Mais uma vez, a chave da partida passou pelo bloquear das saídas para o ataque do FC Porto.

Quando pressionados, nenhum dos jogadores da defesa e do meio campo do FC Porto demonstra ter capacidade para sair para o ataque de forma jogável (leia-se por futebol apoiado e curto). Para Jorge Jesus foi bastante fácil encurtar o campo de jogo ao adversário. Defesa próxima da linha do meio campo, e contenção ao adversário, logo na imediação da sua grande área.

Sem capacidade para sair a jogar com a bola no chão (e como o FC Porto o tentou fazer, sempre sem sucesso, na segunda parte), o FC Porto ficou, demasiadas vezes confinado à opção pelo jogo directo. Foi precisamente aí que Jesualdo falhou na preparação do clássico.

A procura, através de futebol directo, do seu avançado Falcão sempre posicioando no corredor central, foi um erro. Ao contrário de Lisandro, o colombiano que até é terrívelmente eficaz na grande área, não tem capacidade para segurar a bola, perante a presença de adversários como Luisão, David Luiz e Airton. Incapaz de prender a sua posse, por breves segundos que fosse, o FC Porto jamais teve tempo para subir uns metros no relvado. Não foi de estranhar que a segunda parte, e ainda que em desvantagem, tenha trazido um FC Porto a jogar sempre no seu meio campo defensivo. Asfixiado.

Se tivesse previsto a mais que óbvia pressão encarnada, Jesualdo deveria ter preparado o jogo directo, na direcção do corredor lateral, onde Falcão poderia aparecer a disputar os lances no jogo aéreo os lances com Maxi ou Fábio (Como saiu o Marselha de Deschamps da pressão, no Estádio da Luz?). Para além do incrementar das possibilidades de segurar durante mais tempo a bola, havia sempre a possibilidade de a bola transpor a linha lateral. Independentemente de quem sairia a jogar por lançamento, seria possível à equipa de Jesualdo subir uns metros no relvado. Obrigando o SL Benfica a jogar um pouco mais atrás.

P.S. - Rúben Amorim tem mais que qualidade para estar presente no Mundial. E não é só como defesa direito. Se Raúl Meireles lá estará e previsivelmente como titular...

segunda-feira, 22 de Março de 2010

Mais e Menos da Semana


MAIS

Jorge Jesus

O seu trabalho é notável. Os treinadores não são bons porque ganham. Antes, ganham porque são bons. Mesmo aqueles que precisam de quantificar em troféus o valor de um treinador, parecem rendidos à qualidade táctica do mestre Jorge Jesus. Não foi em vão que David Luiz o parabenizou pela forma como preparou a equipa para Marselha. Toda a sua qualidade não é surpresa. Quem desconfiava deveria ter percebido os sinais (Não foi um acaso ver o Sp Braga ou o Belenenses, a jogar de igual para igual com Milan, Real Madrid e Bayern. Tão pouco é por cortesia que quase todos os seus ex jogadores o catalogam como o melhor treinador em termos tácticos das suas vidas. E claro, quantos e quantos jogadores não assinaram os contratos das suas vidas, depois de passar pelas mãos de Jesus?)

A semana foi de sonho para o SL Benfica. E muito o devem ao seu treinador.

MENOS

Bruno Alves

É um assassino. A cada minuto que pisa um campo de futebol, há vidas em risco. Todos os que são complacentes com tão vil figura são, obviamente, cúmplices. É o rosto do desnorte do FC Porto.

MAIS OU MENOS

Jesualdo Ferreira

Foi novamente incapaz de traçar um plano de jogo que pudesse permitir ao FC Porto superiorizar-se à equipa de Jorge Jesus. Em todos os momentos do jogo, o SL Benfica pareceu sempre melhor preparado. É importante perceber, no entanto, que e embora o SL Benfica tenha abdicado de quatro titularissimos (E como jogam Saviola, Ramires, Javi e Cardozo), a qualidade individual dos azuis e brancos continuava bastante aquém do onze que subiu ao relvado do adversário. Contam-se pelos dedos de uma mão os jogadores do FC Porto que teriam lugar nos 18 do SL Benfica. Quando falta qualidade, está-se mais próximo do insucesso.

quinta-feira, 18 de Março de 2010

SL Benfica. A mais encantadora equipa da europa?


Porque não me foi possível assistir ao jogo, o desafio é lançado para si.

No dia em que chega aos 100 golos numa só época, igualando também o segundo melhor registo de golos na sua longa história europeia, o SL Benfica voltou a ser enorme nas provas europeias.

Já aqui haviamos lançado o desafio. Se conhece equipa mais encantadora que a do SL Benfica de Jorge Jesus, informe-nos. Arsenal e Barcelona estão no mesmo lote, claro.

terça-feira, 16 de Março de 2010

Mais e Menos da Semana

MAIS

Dupla de avançados

Do Sporting e do Benfica.

Liedson confiante é um terror. Recupera bolas, faz golos, assiste. Promete muito a sua ponta final de época. Saleiro é a surpresa. Já aqui referimos que ainda que inteligente, e com outros traços interessantes, dificilmente o jovem português demonstraria qualidade para jogar no Sporting. Porém, Saleiro teima em provar que tal palpite poderá estar bem errado. É mais um jogador a atravessar um momento de enorme confiança e isso reflecte-se na qualidade de jogo. O seu golo é sublime. O gesto técnico, e a desmarcação. A forma como correu numa linha horizontal, para não ser apanhado em fora de jogo, demonstra um conhecimento muito grande sobre o jogo.

Saviola prova a cada jogo que passa ser o melhor jogador da Liga Sagres. A qualidade como baixa no terreno, como serve de apoio frontal, como recebe e enquadra é única. O golo na Madeira prova que demasiadas vezes o mais difícil e mais decisivo não é o golo, nem a assistência. Saviola parece ser sempre o melhor em campo. Cardozo esteve tão terrível nas situações de finalização quanto brilhante no processo de criação de jogo ofensivo. Capaz de segurar a bola com enorme mestria, o paraguaio é uma enorme surpresa. Ainda que perdulário, Cardozo está a jogar como nunca.

MENOS

Onze do FC Porto

A falta de qualidade é demasiado latente, e já aqui havia sido apontada. Mesmo os jogadores que fazem, por ora, as delicias dos adeptos (Varela, Rodriguez e Rúben Mical) estão bastante longe de serem valor acrescentado. Sem Fernando, o seu melhor jogador, o naufrágio em Londres era previsível. O Arsenal joga demasiado futebol para um FC Porto, tantas vezes entregue às iniciativas individuais. Há que atacar o mercado. Com critério.

MAIS OU MENOS

Fucile

O uruguaio está no top 3 dos melhores laterais em Portugal. Muito culto tacticamente e com excelente performance física, Fucile é um dos indispensáveis do FC Porto. Um dos que ainda sobram, em que se pode confiar. Porém, fica ligado da pior maneira ao desastre de Londres. Não lhe retirem potencial, contudo. Não é naquele lado que o FC Porto precisa de reforços.

segunda-feira, 15 de Março de 2010

Mais uma lição


"Crendo como verdadeira, a esfarrapada desculpa de Jorge Jesus para os quatro dedos no ar, é inegável que sobra uma lição, que se aprendida, poderá, eventualmente, catapultar Machado para outros voos.

Aprender com a interpretação que Jesus sugeriu para o gesto, seria produtivo para Machado. É que, de facto, é assim que se deve posicionar uma defesa a 4. Os quatro defensores devem permanecer alinhados (na horizonal, ou ligeira diagonal), formando uma linha de jogadores próximos entre si. Se assim for, o comportamento do adversário, não cria rupturas no sector defensivo. Mantendo o alinhamento e a proximidade entre os quatro, o adversário dificilmente será capaz de explorar a profundidade nas costas da defesa. O adversário, portador da bola, encontrará sempre uma barreira de defesas entre a bola e a baliza.

Quando se troca o comportamento zonal pelo perseguir do adversário, o posicionamento defensivo é quase aleatório. É definido pelos avançados. Não há linhas. Há uns jogadores mais à frente, outros mais atrás. No sector defensivo, há buracos, a todo o momento. Criados pela mobilidade e aclaramento de espaços dos jogadores adversários.

Numa perspectiva de evolução, talvez Machado deva mesmo ser anjinho e interpretar o gesto da forma como Jesus o expôs. Retirando daí o máximo possível. Quem sabe, quando souber organizar defensivamente a sua equipa, Manuel Machado não esteja em condições de chegar a uma equipa com outras ambições?"
Post recuperado do jogo da 1a volta. SL Benfica - 6 - Nacional - 1.


Manuel Machado continua a ser derrotado, o que é natural tendo em conta a acentuada diferença de valores, como o próprio referiu. Continua, porém, sem perceber as nuances tácticas que dizimaram o Nacional (7-1) nos jogos com Jorge Jesus.

E desta vez, Jorge Jesus até fez questão de as explicar na conferência de imprensa, pós jogo na Madeira.

"Ao intervalo decidimos explorar outros movimentos. Decidimos que o Ramires passaria a ocupar espaços mais interiores, aquando da posse da bola, por forma a trazer consigo o Salino para dentro, ganhando espaço no corredor para as entradas do lateral". Jorge Jesus.

Equipa que marca Homem X Homem, torna-se na presa, quando o adversário abusa do princípio da mobilidade. Move-se por onde o adversário quer. Há muito que se perdeu a conta à quantidade de golos que o SL Benfica já marcou fruto dos apoios frontais dos seus avançados (quando baixam no campo de jogo, trazem consigo os centrais, e depois acabam a servir outros jogadores que aparecem no espaço outrora ocupado pelos defesas adversários).

Manuel Machado, que até tem o mérito de colocar as suas equipas a praticar bom futebol, é responsável por um processo defensivo lastimável. Enquanto não o perceber, jamais terá qualidade para chegar a um grande.

P.S. - Mobilidade e aclaramento de espaços, é a chave para um ataque que se pretenda forte na Liga Sagres. É que em Portugal, raras são as equipas que optam por uma zona defensiva.

domingo, 14 de Março de 2010

Não o leves ao Mundial, deixa-te andar.


Opinião aqui.

terça-feira, 9 de Março de 2010

Tão, tão, tão previsível...


Não há milagres. Com uma equipa completamente desprovida de qualidade individual e com vários jogadores incapazes de se darem ao colectivo, não era uma previsão difícil.

Para o FC Porto, não há nada mais importante a fazer que ir ao mercado. Mas, com sentido.


E você? Já colocou o fanatismo cego e odioso de lado, e acredita no que lhe vamos dizendo?

segunda-feira, 8 de Março de 2010

Mais e Menos da Semana



MAIS

Liedson e Plantel do SL Benfica

A referência a Liedson é óbvia. A época não lhe tem corrido nada bem. Ao nível da do Sporting, portanto. Quando a equipa sobe, Liedson aparece. Se houver qualidade e facilidade em chegar com frequência, a zonas de finalização, o Levesinho na grande área é temível. Quatro golos num só jogo. É o regresso do Sporting?

Não há como negar. O SL Benfica tem um plantel de sonho. Privado de três (Aimar, Javi e Ramires) centrocampistas titulares (num meio campo de quatro), poder-se-ia supor que estariam reunidas condições para que o SL Benfica tropeçasse. Além de que, o Paços de Ferreira, que até já havia jogado com FC Porto e Sporting, não somara uma única derrota no ano de 2010 na Liga. Puro engano. Com Carlos Martins na melhor exibição de águia ao peito, Rúben Amorim com (mais) um jogo sublime e Airton na posição de trinco, o SL Benfica rubricou uma exibição assombrosa. Três golos e oportunidades em catadupa. Quase sempre desperdiçadas. Com tantas e tantas boas exibições, fica difícil eleger as melhores. A da noite de Domingo entra no vasto lote de jogos muito bem conseguidos no Estádio da Luz. Se conhece equipa com futebol mais encantador neste planeta, avise-nos. Gostaríamos de o ver.

MENOS

Plantel do FC Porto

Se o onze inicial já é do mais fraco que há na memória recente, quando se abdicam de alguns jogadores determinantes, não se pode esperar muito do FC Porto. Mais uma exibição horrível. Em termos ofensivos é o mesmo de sempre. Uma tremenda falta de creatividade e talento. Porém, sem Fucile e com Maicon e Miguel Lopes, a equipa torna-se uma lástima, até no momento defensivo. O terceiro lugar será o melhor que este plantel poderá almejar na presente época.

MAIS OU MENOS

Airton

Impressionou o brasileiro. Futebol muito simples nas saídas de bola, muita qualidade a proteger a sua posse, boa capacidade atlética e maturidade. Airton parece ser uma enorme promessa. Fica, contudo, ligado ao golo do Paços de Ferreira. Não respeitou a linha defensiva formada por Maxi e Luisão. Ao não ser rigoroso, posicionando-se um metro à frente da dita linha, permitiu que a bola entrasse no espaço onde deveria estar colocado (com Javi em campo, jamais teria dado golo). Precisamente onde William apareceu a finalizar. Promete muito, no entanto.

Pare a imagem no segundo 34 e confira.


domingo, 7 de Março de 2010

O melhor defesa direito português


É Bosingwa, que não estará no Mundial. Há também Miguel, que não parece ter muito interesse em demonstrar capacidade para ocupar o lugar.

É neste contexto que surge aquele que é o melhor defesa direito português da actualidade. Ele que na realidade, nem é um lateral de origem.

Dos melhores jogadores portugueses na vertente táctica (seja na ocupação/reocupação do espaço, seja na tomada de decisão), Rúben Amorim é também, fisicamente um jogador extremamente interessante. A sua imensa força e resistência, aliadas a uma inteligência invulgar, permitem-lhe não perder os duelos individuais que vai travando ao longo dos jogos. Colectivamente, já se sabe. É classe. Interliga-se com enorme categoria com a equipa e não falha um posicionamento.

Não é um criativo, mas a sua boa técnica permite-lhe sair com relativa facilidade e grande assertividade, com a bola para o ataque. É um jogador extraordinário ao nível dos apoios concedidos ao portador da bola. Com ele em campo, nunca falham opções ao portador da bola. Há sempre uma linha de passe disponível.

O jogo de Rúben poderá não ser muito vistoso, mas a sua previsível ausência do Mundial será mais um dos marcos da terrível incompetência do nosso seleccionador.

P.S. - É melhor jogador que Maxi Pereira.

sábado, 6 de Março de 2010

Falemos de Fernando. Outra vez.


O jogador dos apoios.

Ainda que com reduzida notoriedade, Fernando é o jogador mais interessante do FC Porto. Porventura, o único do meio campo azul e branco com categoria europeia.

A simplicidade de processos, o excelente posicionamento, essencialmente na forma como serve de apoio ao portador da bola (coberturas ofensivas), e a forma eficaz e assertiva como contribui para a circulação de bola, são traços visíveis aquando do processo ofensivo.

É, contudo, nas tarefas defensivas que Fernando se aproxima da genialidade. Fantástico do ponto de vista da ocupação dos espaços, é no cumprimento dos princípios defensivos, que se destaca. Mesmo quando as recuperações de bola não passam pelas suas botas, é inegável que os seus apoios (coberturas defensivas) aos colegas que saíram à bola (contenção) são decisivos no garante do equilíbrio defensivo colectivo.

A habitual leveza com que resolve inúmeras situações é, também, para os que crêem que a agressividade desmesurada deve ser apanágio de quem ocupa a posição de médio defensivo, uma lição.

Bastante jovem, e aparentemente com enorme sede de triunfo, o futuro de Fernando deverá, inevitavelmente, passar por uma liga de maior gabarito.

Texto recuperado de Dezembro.

P.S. - Ainda dúvida?

quarta-feira, 3 de Março de 2010

Mais e Menos da Semana


MAIS

Jorge Jesus e Carlos Carvalhal

Uma semana de sonho para ambos. Se face à dificuldade dos jogos em questão, já era difícil prever quatro vitórias, um saldo de catorze a zero em golos é feito totalmente inesperado.

Jorge Jesus é o treinador da melhor defesa e do segundo melhor ataque da europa. Muito, mas mesmo muito do mérito é seu. É fácil lembrar a grande qualidade individual de inúmeros jogadores encarnados. Porém, quem os potenciou? À semelhança do que havia acontecido em Belém e em Braga, nas suas mãos, todos têm crescido enormidades.

Finalmente bom futebol em Alvalade. O problema deste Sporting não é, nem nunca foi falta de qualidade dos seus jogadores. Consiga o Sporting manter o nível exibicional, e Carvalhal terá provado competência. Aguarda-se, no entanto, maior consistência. A decisão sobre a sua permanência no cargo, promete tornar-se uma dor de cabeça para Costinha.

MENOS

Colectivo do FC Porto

Em termos ofensivos, simplesmente não existe. O FC Porto vale pela sua competência defensiva. Porém, por ser uma equipa com menor qualidade relativamente a épocas passadas, o FC Porto passa agora menos tempo com bola. Logo sujeito a mais ataques, contra-ataques e golos adversários. Não há um pensar colectivo para o processo ofensivo, e as individualidades que compõem o meio campo ofensivo e o ataque são relativamente débeis. Sem Fernando, o melhor jogador do FC Porto, não se deve esperar muito dos comandados de Jesualdo. Pela primeira vez em muitos anos, o FC Porto arrica-se a ficar em terceiro lugar. Estranhamente, nem surpreende.

MAIS OU MENOS

Carlos Queiroz

Percebe-se que o amigável contra a China possa interessar pouco ou nada. Contudo, quando se orienta uma selecção deve-se desde logo procurar rotinar a equipa, dotando-a dos conhecimentos tácticos que o seu treinador pretende ver aplicados na competição. Se Queiroz o está a fazer, então fá-lo com os jogadores errados. A convocatória é absolutamente ridicula. Desde a constante aposta em jogadores que se fazem valer somente pelos atributos físicos, ao facto de não estar um único jogador da melhor defesa da Europa. E relembre que Rúben, Fábio, César Peixoto e Quim, são habitualmente titulares no sector defensivo do SL Benfica. E o melhor Veloso dos últimos anos, porque não foi convocado?

segunda-feira, 1 de Março de 2010

Que forma de defender é essa, Jesus?


Todos o sabem e reconhecem. O ataque encanta e é o segundo mais concretizador da Europa. Porém, provavelmente não saberia que o SL Benfica, é a equipa que menos golos , à data, consentiu em todo o continente europeu.

A propósito de tal noticia, aqui fica a recuperação de um post de Janeiro.


Nos últimos sete jogos da Liga Sagres, apenas o Olhanense conseguiu marcar golos ao SL Benfica. Notável. Naval, Sporting, Académica, FC Porto, Rio Ave e Maritimo não foram capazes de o fazer.

Competência individual? Sim. Seguramente. Luisão é por ora um jogador bastante mais seguro, Maxi Pereira continua com uma cultura posicional fantástica. Peixoto, ainda que débil na abordagem às situações de 1x1, interliga-se com grande qualidade com os restantes colegas, e David Luiz cresceu enormidades na ocupação do espaço.

Porém, são os indicadores colectivos que fazem a diferença.

O quarteto defensivo ocupa o espaço com base em referências zonais. São a bola e o posicionamento dos próprios colegas que determinam o posicionamento. Já assim o era na temporada passada. Difere essencialmente na forma como o sector defensivo se coordena com o meio campo. A base para todo o posicionamento é o criar de uma linha formada por 4 jogadores, alinhada de forma horizantal e paralela à linha de fundo. A tal linha, pretende contar sempre com quatro jogadores. E é essa a principal diferença para o método defensivo de Quique Flores. Na temporada passada, sempre que um defesa era obrigado a sair para a contenção (sair ao portador da bola), a linha passava a três jogadores, e demasiadas vezes se tornava insuficiente para cobrir toda a largura do campo de jogo. Com Jesus, o trinco articula com a linha defensiva. Se o defesa sai da linha, o trinco baixa, garantindo o necessário equilíbrio. Entre a bola e a baliza de Quim, há sempre alguém na contenção, e a tal linha de quatro jogadores, que pela sua proximidade entre si, garantem que a bola não passa no espaço entre ambos, impedindo assim os avançados adversários de serem servidos na profundidade.

Torna-se, igualmente importante, salientar a fantástica pressão efectuada logo na saída de bola do adversário, que permite à equipa jogar bastantes metros mais à frente, em relação ao que era habitual. Dificilmente, nos jogos do SL Benfica, encontramos um adversário com tempo para pensar e executar com assertividade.

P.S. - Na última Liga Sagres, o Sp. Braga sofreu menos onze golos que o Benfica. Na Liga Europa, e ainda que tenha realizado mais oito jogos europeus, a antiga equipa de Jesus, também sofreu menos golos que a de Quique. Cinco a menos. Sintomático, não?

P.S. II - Para quem no início da época, teve a oportunidade de seguir um treino do SL Benfica, cujo objectivo era precisamente a aprendizagem das referências zonais, e a percepção sobre os comportamentos tácticos a adoptar a cada nova situação (como reagir quando um colega é batido? Como reagir quando a bola entra na zona de outro defensor?), a performance defensiva da equipa de Jesus não surpreende minimamente.

P.S. III - Por maior injustiça que possa estar a ser cometida ao afirmá-lo, é impossível não associar, a mesma excelência táctica defensiva do Sp Braga, à passagem de Jesus pela Cidade dos Arcebispos, e à consequente aprendizagem de que todos os jogadores do Braga beneficiaram. Estaremos cá para nos retratar, assim que Domingos o repita com outra equipa. Com o FC Porto, por exemplo.