quinta-feira, 19 de abril de 2012

Ao intervalo na Semi Final da Liga Europa

"Mais um miúdo magrinho no meio campo

Era um adolescente quando em 1991 Portugal se sagrou bi campeão do Mundo de Juniores. Lembro-me de antes do torneio se iniciar de conhecer o nome das grandes figuras portuguesas. O Figo, o Peixe, o Gil, o Rui Bento, o Paulo Torres, o Toni e claro, o João Pinto.

Para além destes, havia por lá um miúdo magrinho no meio campo de quem eu nunca tinha ouvido falar. Jogava no Fafe, e talvez porque a informação não chegava tão rápido quanto hoje, eu nem fazia ideia que o miúdo tinha ligação ao Benfica. Ser um médio e jogar com o número cinco, também não ajudava, e na minha mente parecia mais que certo que o miúdo magrinho seria seguramente o elo mais fraco de tão grande constelação de estrelas.

Mas, depois vi-o jogar.

"Passes com sugestão". Recordo um post relativamente recente no Centro de Jogo. Foi a melhor definição que encontrei até hoje para aqueles passes que aliam à qualidade técnica, uma tomada de decisão extraordinária. Aquele tipo de passe que indica o caminho. Que mesmo quando colocado no espaço como que pára no local exacto, à hora correcta.

Aqueles vinte minutos de ontem do outro miúdo magrinho valeram o bilhete. Detesto parecer fundamentalista, mas sei do que falo. Há vinte anos atrás, do alto da minha adolescência, não teria dado oportunidade a um dos melhores futebolistas que alguma vez vi jogar. Era magrinho e o seu nome não era (ainda) famoso.

Não matem o miúdo porque já lá vão muitos anos desde o último talento destes em Portugal." Texto de Janeiro de 2012.

O futebol tem destas coisas. O estatuto e o vencimento auferido contam muito. Justiça ou coragem houvesse e o miúdo estaria em trânsito para jogar o Europeu. Assim, joga nas sobras de colegas inúmeras vezes menos talentosos. Porque o futebol se joga com os pés e se pensa com a cabeça, Martins é o melhor médio do Sporting. E apenas Matias se pode comparar.

7 comentários:

Mike Portugal disse...

Não concordo totalmente PB. O Matias e o Izmailov têm os 2 a inteligencia de Martins, embora hoje o Izmailov tenha estado uns furos abaixo do que pode.

João Mendes disse...

Mas aqui temos que dar os parabéns a Sá Pinto, porque ao contrário de outros (que se calhar até pensariam em Renatos Netos) não teve qualquer problema em o colocar numa meia-final Europeia como já lhe tem dado muitos minutos.

Grande talento que está ali a crescer.

Portugal bem precisa e o futebol agradece.

Miguel disse...

Hoje estive em Alvalade, apesar de não ser adepto do Sporting (ai rapariga a quanto obrigas) e as movimentações, o passe, a definição deste menino.. Meu Deus.. e os adeptos pelo que pude perceber adoram-no... O meu colega que estava lá ao intervalo diz-me "O André Martins faz dois Aimares" também não é para tanto digo-lhe eu, o rapaz estava naquela loucura do jogo e sai-lhe uma destas, é normal. No fim do jogo digo-lhe "se o Ruben Micael vai ao europeu e o André Martins não, está tudo dito"

Bernardo disse...

lembro-me de na última campanha europeia do sporting que os levou à final, ter pensado precisamente em moutinho em termos semelhantes. como era fantástico o caminho que aquele miúdo tinha percorrido e ser titular na final ao lado de pedro barbosa e restantes colegas a jogar com uma sobriedade, inteligência e qualidade. martins impressiona pelo mesmo, no jogo com o metalist fora, quando a equipa mais precisava de calma no jogo ele parecia o jogador mais maduro em campo. a temporizar, por a bola a circular e fazer a equipa jogar. muito bom. é pena realmente pensar que jogadores como micael, só para dar um exemplo, têm lugar praticamente assegurado no europeu. pereirinha ainda deu um ar da sua graça no fim também ;)

SportingSempre disse...

é muito promissor, adoro vê-lo jogar, tenho orgulho que o meu clube forme jogadores assim mas...

tem juizo rapaz!

os nomes Rinaudo, Izma, Scharrs, Matias, Elias dizem-te alguma coisa?!

o objectivo do André é chegar ao nivel deles (como espero que chegue brevemente).. era o sufeciente pa ser titular da selecção.

Gonçalo Correia disse...

SportingSempre,

Todos os jogadores que referes, à excepção de um ou outro, têm problemas significativos (coisa que para mim o Martins não tem).

O Rinaudo tem o problema de não ser muito bom no passe vertical (jogando a médio-defensivo) e ainda se desposicionar excessivamente na pressão (parece-me). Mas sobretudo o primeiro aspecto, fulcral num médio-defensivo.

O Izmailov, como o Matías, é (ainda) melhor, mas tem constantes problemas físicos (embora sejam problemas muito diferentes - os de Izma poucos mas de longuíssima duração, os de Matías pouco importantes mas constantes).

O Elias tem um problema, que me parece ser o facto de não definir suficientemente bem em zonas mais adiantadas (e estando ele - ainda - mais longe de ser trinco, leva-o a ser um médio-centro muito bom, mas com problemas significativos para a posição - que o André não tem).

Quanto ao Schaars, é melhor a jogar desde trás. Ontem, por exemplo, viu-se no rendimento do Sporting muito da forma como rodava rapidamente o jogo e com qualidade (passes rápidos e bem medidos, a assumir com qualidade a primeira fase de construção).

O André tem uma qualidade (o Izmailov é outro), que é o facto de ser tão bom jogador que nunca jogará mal em posição nenhuma. Seja a 6 (como na Ucrânia), a 8 ou a 10.

É futebol, da cabeça aos pés. Ver o miúdo a movimentar-se, saber dar apoio e linhas de passe, sair com a bola de forma tão convicta e inteligente...

Encheu o meio-campo, como tem enchido sempre que joga, mais que qualquer outro colega. E vai ser titular no próximo ano, seguramente.

Quero ver um triângulo com Rinaudo (ou Schaars), André Martins e Matías Fernandez (ou o Izmailov a jogar no centro, e o Matías mais à frente, a aproximar-se do pl... era uma ideia muito interessante, mas que requeria treino).

From Alcochete (não gosto de made in, soa a "fábrica" que pega em qualquer coisa e a transforma em qualidade, quando o mérito é observar o que é bom e fazê-lo crescer).

Antonio disse...

Considero, no minimo, curioso que, passadas 24 horas, ainda ninguém tenha referido que na última semana e meia o scp não fez qualquer jogo enquanto o athletic jogou duas vezes para o campeonato.

Num País em que os comentadores desportivos estão sempre preocupados com os periodos de recuperação das equipas, não deixa de ser interessante e revelador