segunda-feira, 11 de junho de 2012

Portugal back to basics no meio campo. Primeira parte portuguesa no Euro2012.

A resposta à pergunta do post anterior é:

Onde Ozil estava. Não foi trinco, não foi médio interior direito ou esquerdo. Foi cão de caça.

A decisão não foi obviamente sua. Antes de Paulo Bento. É fácil afirmar que Portugal defendeu bem, apenas porque não sofreu golos. Nada mais falso. Foram mais que muitas as vezes que a Alemanha chegou próximo da finalização. Portugal nunca controlou o jogo como o seleccionador português ficou convencido. A Alemanha demorou a perceber a forma mais fácil de chegar à área portuguesa, mas percebeu-o. E não foi casual a possível imagem com que a Europa ficou de Hummels. O encaixe no homem a homem ia abrindo espaço e caminho para a progressão do central alemão.

A pergunta do post anterior não pretendia minorizar Veloso. Dada a tarefa que lhe foi concedida é impossível afirmar que não esteve bem. A estratégia é que foi de valor altamente duvidoso. Seria sempre uma questão de tempo até a Alemanha se adiantar no resultado.

Ofensivamente bem fraca a prestação na primeira parte. A pressa e total ausência de criatividade de Meireles dificultaram a qualidade das transições portuguesas. O meio campo nacional sabe e tem disponibilidade para defender se programado para tal. Porém, não tem criatividade de decisão para os momentos ofensivos. Ronaldo não pareceu confiar nos colegas e nunca temporizou. Em todas as bolas que recebeu, foi para cima a toda a velocidade.















11 comentários:

Vagui disse...

A 1ª parte foi assim!
Mas a 2ª não, tanto que é na 2ªparte que o Miguel Veloso sobe de forma.

E mesmo na 1ª é certo q houve falhas, todas as equipas dão, mas o Moutinho e o Meireles havia alturas e pareciam os 2 trincos enquanto o outro não largava o Mesut.

Grande análise, mais uma :)

Anónimo disse...

"Recepção dirigida para a baliza adversária, e jogar o mais simples possível. Dois, três toques. Faze-la chegar o mais rápido possível aos avançados." Raúl Meireles.
Tirado das tuas etiquetas sobre ele. Meireles para o bem e para o mal é isto, com os comprimentos de Jesualdo Ferreira (a obsessão com as transições dá nisto).
O problema é que portugal não tem ninguém suficientemente criativo para jogar no meio campo.
4-4-2 losango com um meio campo com Meireles-Moutinho-Viana e Nani na posição 10 talvez fosse a melhor opção.
Porque assim portugal ofensivamente limita-se ás burrices que queiroz continua a debitar: «Esta não é uma seleção com médios tão bons como os da «geração de ouro», mas ainda assim tem uma das melhores equipas europeias em termos atacantes. Basta darem a bola a Ronaldo e Nani e vê-los fazer a sua magia»
Hummels podia dar uma lição a Pepe e B.Alves, progredir com a bola é bem mais eficaz que uma passe de 30-40 metros...

Luis Santos disse...

Boas!

Já agora, na imagem em que o Meireles tem uma má decisão com o Pepe ao lado, na tua visão, o movimento do Nani também é errado?
Diria que naquela situação se pedia um movimento mais vertical e que obrigasse Lahm a ficar longe dos outros defesas. A ida dele para zonas interiores também retiraria a Pepe uma linha de passe.

Cumprimentos!

Nuno disse...

Mas olha que o Moutinho e o Meireles também foram cães de caça. Mas do Khedira e do Schweinsteiger. Pelo menos, na primeira fase de construção, estavam sempre encostados a eles. Daí também o protagonismo do Hummels, que me parece mesmo muito, muito bom. Já tinha esta ideia dele, e ontem confirmei-a.

Rui Paiva disse...

Nada de admirar, MAIS UMA ENORME ANÁLISE DO LATERAL ESQUERDO! Não há mais ninguém na blogosfera que faça isso! Muito Bom, parabéns !

Não perca Entrevista Exclusiva com Tengarrinha, jogador do Vit.Setubal, formado no FCP e no SLB, que ja teve no Olhanense, Estrela da Amadora e Santa Clara!
Excertos: "Existe grandes diferenças na formação entre o SLB e o FCP" ; "Quando estava no Santa Clara o treinador ia na cantiga dos jogadores" e "Estava à espera de jogar mais em Setúbal

VEJA, COMENTE E PARTILHE !

Abraço e continue o bom trabalho!

João Mira disse...

Excelente este acompanhamento que tens feito aos jogos do Euro, continua o bom trabalho!

PB disse...

Pois é Nuno. Parecia o q o FS fez com os seus interiores. Mas ao menos o FS libertou o Katsouranis.

Luis, se a bola entra no Pepe, o Nani voltaria a abrir.

obrigado João e Rui.

E sim, o Meireles é isto. É bastante bom em 80 por cento do q faz, mas os 20 q faltam são precisamente aqueles 20 q fariam a diferença.

Espero na próxima competição já lá ter o A.Martins.

José Rodrigues disse...

PB:
Para esta competição os 20% que faltam a Meireles não podiam ser dados pelo H. Viana?

Phant disse...

Também não sou fã desta excessiva referência no homem, ainda para mais numa zona tão valiosa como o centro do meio-campo onde é tão importante manter um jogo de coberturas correcto. Controla-se o homem, mas não se controla o espaço.

O que apontas ao Meireles é muito bem visto e faz-me pensar se não seria ele a melhor opção para 6 pela facilidade com que joga a um/dois toques e pela própria segurança e critério que demonstra. Falta claramente a esta selecção um médio que consiga progredir com bola e decidir de forma inteligente como faziam Rui Costa e Deco. Pensem por momentos num meio-campo com Meireles a 6, Moutinho a 8 e André Martins a 10.

João Mendes disse...

PB todos sabemos que o Meireles não é um prodígio na criatividade, mas também acho que concordamos que é melhor do que foi no outro dia.

Tal como o Veloso teve ordens para não largar Ozil, também me parece que tanto Meireles como Ronaldo tiveram ordens para transição rápido.
Vê-se claramente nesse lance por exemplo, que tanto Ronaldo apenas teve ideia de sair rápido nas costas da Alemanha e em Meireles lhe colocar a bola.

Tenho pena que abordemos o jogo desta maneira, mas enfim...

Anónimo disse...

O Paulo Bento corrigiu este erro e na segunda parte já jogamos em 4-2-3-0 (o postiga nao conta), o Meireles desceu e passou a segunda parte ao lado do Veloso. Isto fez com que o Meireles deixasse d ter tanto protagonismo e deixou o Veloso mais confortável, fazendo com que aparecesse melhor.