segunda-feira, 11 de junho de 2012

Segunda parte portuguesa no Euro 2012


Igualmente bastante fraca até bem próximo do minuto 75. Todos os que creêm que Portugal controlou considerarão um infortúnio o lance que terminaria com a bola dentro da baliza nacional. Todavia, a tremenda facilidade com que os alemães chegaram sempre com a bola dominada ao último terço de Portugal fazia antever o desfecho.

Talvez tenha sido a opção alemã por tirar dezenas e dezenas de cruzamentos que não lhes permitiu criar mais lances catalogados como oportunidades de perigo. Havia de ser dessa forma, obviamente, porque o fizeram inúmeras vezes, que se adiantariam. Mas, seria essa a melhor forma de atacar as zonas de finalização? Lembrando até aquilo que Bruno Alves e Pepe oferecem na resposta a tais situações.
Nunca se saberá. Cada qual com as suas convicções. O que é certo é que ao longo os noventa minutos foram mais de vinte os cruzamentos bastante perigosos que sobrevoaram a área portuguesa. As probabilidades de todos eles terminarem sem finalização não seriam muitas. Portugal permitindo tamanha facilidade aos alemães teria de esperar o golo germânico a cada momento. E foi assim até aos setenta minutos. 

Porém, poderia ter sido pior. Se chegar às zonas adiantadas onde chegava a cada dois minutos aproximava a Alemanha do golo, foi uma enorme felicidade perceber que os alemães terminavam os seus ataques, invariavelmente com cruzamentos para a área. No fundo, chegavam com toda a facilidade do mundo próximo do objectivo, mas depois de o fazerem, escolhiam o caminho que mais beneficiava Portugal. E foi assim que Portugal foi resistindo. Mesmo que pelo volume (não tanto qualidade) ofensivo alemão se adivinhasse o que viria a suceder.

Diferentes os últimos quinze minutos. Mérito de uns ou demérito de outros, Portugal finalmente em ataque organizado. Os portugueses a demonstrarem qualidade técnica para jogar em curtos espaços. Duas transições bastante perigosas, ambas iniciadas no pé esquerdo do melhor português do jogo, deram a sensação de que tudo poderia ter sido diferente. 

Na primeira Coentrão aproveita espaço aberto e progride na direcção do corredor central. Fixa o defesa solta em Ronaldo, posteriormente recebe mas o seu remate é interceptado. A segunda transição bem perigosa surge de um lançamento do esquerdino a procurar Nélson Oliveira em profundidade. O avançado recebe e trabalha bem. Faltou um pouco de classe ou criatividade na abordagem de Varela à finalização.

Não foi nada injusto o resultado, ao contrário do que pareceu ser crença geral. Porém, é bastante bom que Portugal saia com a moral intacta. E porque não na segunda jornada entrar com a disposição com que se terminou o primeiro jogo? Nani no meio, a pedir a bola no espaço que a Dinamarca revela maior dificuldade em controlar.






A figura. Hummels. A estratégia portuguesa potenciava a saída com bola de um dos centrais alemães. Porém, não tivesse a categoria que aparentou e teria mudado as suas decisões. Jogo tranquilo defensivamente, foi o primeiro desequilibrador ofensivo da Alemanha.

A figura portuguesa. Fábio Coentrão. Foi sempre dos seus pés que nasceram os ataques mais assertivos de Portugal. Progride quando tem espaço, procura os colegas quando fixa os adversários. Sem ele Portugal teria sido inexistente. Francamente bem defensivamente, tendo em especial relevo o facto de a estratégia portuguesa condenar os seus laterais a enfrentarem a oposição sem coberturas próximas. Ainda assim, não se recorda uma única vez em que tenha sido ultrapassado.

5 comentários:

Gonçalo Correia disse...

E a movimentação do Postiga, salvo erro, no lance da primeira imagem?

Não revi, mas fiquei com a impressão que arrastou um dos jogadores próximos do Ronaldo e o deixou mais liberto.

Mike Portugal disse...

Relativamente à 2ª imagem, não poderá ser uma explicação o defesa estar ali porque podem tentar o fora-de-jogo caso consigam antecipar um cruzamento do sitio de onde o alemão que tem a bola está?

B Cool disse...

o postiga foi um dos melhores defesas alemães

Edson Arantes do Nascimento disse...

Concordo com quase tudo o que tens escrito sobre o Europeu, e dou-te os parabéns pelas análises PB. Muito interessantes. Mesmo.

Queria apenas acrescentar duas opiniões minhas.

1. Mesmo sem prestar total atenção ao jogo da tuga (e, no geral, aos jogos de selecções) fico espantado e surpreendido com a mentalidade que Portugal assumiu neste jogo. Tudo formatado em função do adversário! Com o potencial que têm custa muito jogar com a defesa subida, um meio-campo bem posicionado (e criativo) e um ataque organizado? Marcações individuais? Por alma de quem? Meu rico JJ...

2. Gosto de pessoas com ideias e convicções fortes - e é neste sentido que entendo a imagem com a jogada do Moutinho. É que foi a única que ele assumiu contra a Alemanha - finalizada com um excelente passe! Com certeza. No entanto eu diria que para alguém que está, segundo muitos, no lote dos melhores do mundo e arredores é... muita poucachinho. É uma pena haver, no mínimo!, cinquenta melhores médios do que o Moutinho. Neste jogo ele foi o que sempre foi - diligente, obstinado, atento mas sem presença física e técnica para fazer a diferença. O FCP sem Lucho não teria sido campeão.

xirico disse...

Totalmente de acordo em relação ao Hummels e Coentrão.Com os passes para e de Ozil controlados pelo Moutinho e Meireles,foi Hummels que assumiu o jogo.