sábado, 1 de setembro de 2012

O estilo pausado e o estilo mais veloz

"Agora podemos optar. Com Salvio e Rodrigo temos mais profundidade e velocidade, quando colocámos o Aimar e o Carlos Martins ficámos com um estilo mais pausado." Jorge Jesus.

Em tempos Jorge Jesus garantia que o trabalho de um treinador incidia sobretudo no processo defensivo. Ofensivamente a sua preponderância seria mais reduzida, havendo mais ênfase sobre as qualidades individuais dos atletas. 

Pelas suas declarações percebe-se que poderá estar a ponderar dois estilos de jogo distintos. A vertigem da velocidade e a paciência do toque de bola. O que Jesus parece ignorar, é que as equipas devem jogar o que jogo dá. E o que o jogo nos dá não se percebe antes do jogo, independentemente do adversário. Percebe-se segundo a segundo, decisão a decisão. Cada situação é uma situação. Por vezes, porque há superioridade numérica em determinado espaço há que acelerar. Outras, impõe-se mais toque, mais paciência. Uma situação ao segundo dez do décimo minuto de jogo pode pedir uma decisão a explorar a profundidade, outra cinco segundos depois pede outro tipo de decisão. Não faz sentido o estilo mais veloz ou o estilo mais pausado. Há que identificar cada situação de jogo, e são as situações de jogo que determinam a acção que cada jogador deve ter em cada momento. Há que ser veloz quando assim se impõe e há que ser pausado quando é isso que se pede.

Aimar não dá um estilo de jogo mais pausado. Aimar dá o estilo que se pede. Diria que mais que qualquer outro colega sabe interpretar quando o jogo deve mudar o ritmo. Se parece pausado, é porque o Benfica passa demasiado tempo em organização ofensiva. Contra imensos adversários atrás da linha da bola, não se pedem correrias.

E se Rodrigo ainda não interpreta com clarividência os momentos em que deve segurar ou ir para cima, tal apenas significa que tem de evoluir na forma como decide a cada instante, e não que deve ficar guardado para um estilo de jogo mais veloz. A Jesus não se pede que escolha o estilo mais pausado ou o mais veloz. Pede-se que escolha o melhor onze. E garantidamente que o melhor onze será aquele que tenha mais jogadores que saibam identificar e colocar em prática a velocidade ou a "pausa" quando o jogo o pedir.

A titulo de exemplo, considerar o jogo do Barcelona pausado é altamente redutor. É pausado quando o deve ser, mas é veloz, muito veloz, quando assim se impõe. Se a cada segundo houver espaço, tempo e condições de sucesso exequíveis para ser explorado o espaço nas costas da defensiva adversária, ninguém terá um estilo de jogo tão veloz como os catalães. Parece pausado? Pois claro, a maior parte do tempo, contra adversários com oito,nove ou dez atrás da linha da bola assim o exige.

4 comentários:

Anónimo disse...

há muito tempo que JJ joga sempre do mesmo modo seja com adversário A ou B. Não é novidade nenhuma ....e comete sempre os mesmos erros já para não falar que é uma aberração a gerir um plantel.Espero que este ano eu esteja errado e que o Benfica tenha uma boa época e com títulos.

Anónimo disse...

grande post!

o jesus desaprendeu muita coisa. ou melhor, como todos os arrogantes e egocentricos acha que não tem de aprender mais nada. é pena.

Anónimo disse...

O Jesus nesta altura já nem sabe de que terra é, quanto mais falar de tipos de jogo. Desde que entrou foi sempre a mandar cada vez menos, em tudo, nas compras, nas vendas e até em quem joga. Sabe dos negócios pelos jornais, mas não faz a mais pequena ideia de quem decidiu. Ou foi ele que prescindiu do Javi? Alguém foi, abaixo da cláusula.

Agora teve que vir dizer que Matic vai despontar, há 3 épocas despontava o Airton! O homem queria um defesa esquerdo mas não conhece as contas do clube, nem quem investe. Deixem lá o nosso senhor em paz. É quem tem menos responsabilidades naquela grande confusão. E ainda levou com o Lima. Vai ser outro grande avançado, mais ou menos como o Djaló, Hugo Vieira, Nelson Oliveira, Mitchel, Kardec, Éder Luis, Djanini, só para falar dos últimos e esqueci-me de alguns de certeza. E extremos...

O homem não tem tempo para treinar todos. Eram precisos mais dois treinadores e só compram jogadores?

No natal cozinham-no. Vamos ver quem acompanha.

xirico disse...

Já nem vale(cruzes canhoto)falar do JJ.Mas o plantel também é da responsabilidade do Presidente.E este plantel está altamente desiquilibrado.Se juntarmos a isso a teimosia do JJ as minhas expectativas de ver bom e ganhador futebol pelos lados da Luz são mínimas.E há contratações que não fazem sentido.Já outras que ficaram por fazer e não foi acautelado a venda do Javi.Estou com a pulga atrás da orelha e estou muito céptico.