sábado, 15 de dezembro de 2012

Eric Dier

Tem dezoito anos e está no primeiro de sénior aquele que poderá ser já o melhor central do Sporting. O seu potencial é imenso, mas é também a sua habilidade actual que faz justificar mais vezes a chamada.

Como lateral demonstrou qualidade posicional, mas adivinhavam-se dificuldades técnicas. Com pouco espaço perdeu dezenas de bolas. Más recepções, maus passes. Alguns previsivelmente fáceis. 

Hoje, como central, talvez pelo hábito do espaço e pela repetição das situações que enfrenta pareceu um jogador totalmente diferente, também em termos técnicos. 

Verdadeiramente impressionante não só a sua qualidade, mas sobretudo a personalidade. O miúdo tem dezoito anos e não se coíbe de procurar levar o Sporting à vitória. Como central soube na maior parte das vezes escolher e executar o melhor passe. O seu passe (que diferença ?!) quebrou várias vezes sectores e corredores adversários. As suas subidas com bola dominada foram bem possívelmente o que de melhor o Sporting criou em todo o jogo. No golo do empate, progride, fixa e solta em Cédric. Não que se deva dar especial importância à assistência porque o golo do lateral fala por si. Todavia, não foi esse o único lance em que descompensou a organização adversária.

Foi com larga distância para os demais, o melhor jogador ofensivamente do Sporting. Se as suas saídas descompensam a equipa defensivamente? Não têm necessariamente que descompensar. Há que pegar nas qualidades do miúdo e integrá-las num modelo de jogo que as potencie. Contra o Nacional, não foi somente uma ou duas vezes em que progredindo, foi possível vê-lo com o braço a sugerir a Gelson que baixasse. De todas as vezes que indicou o caminho ao suiço, este nem um passo ao lado se moveu. E nisto a responsabilidade não poderá, seguramente, ser atribuída ao prometedor central inglês.

Já lá vão muitos anos, desde que o Sporting não tem um defesa central que prometa qualidade no momento ofensivo. Tal como Patrício começou a jogar no momento oportuno, Dier tem de ser aproveitado desde já. Não se pode adiar o futuro de quem joga assim!

5 comentários:

Ricardo Galeiras disse...

O miúdo ainda é júnior de 2 ano

PB disse...

A sério? inacreditável!

Diogo Albuquerque disse...

partilho da vossa opinião, fez uma boa exibição, posicionamento bem melhor que o seu colega Xandão, mais 2 ou 3 situações onde compromete a organização defensiva da equipa. Nota para o Cedric, melhor (ainda falhou pelo menos 1 vez) a fechar o meio, concordam?

Rearviewmirror disse...

Tem muito que crescer.
Logo aos 2 minutos deixa-se antecipar por Mário Rondon, e não dá golo porque o venezuelano pega mal na bola, e no lance do golo do Nacional, deixa o jogador adversário receber a bola e fazer tudo o que quis com ela...

Mas é como tudo... ao lado de Rojo e Xandão parece um craque, se tivesse Pepe ou Pique ao lado, a coisa já era diferente...

Joel disse...

E o Jesualdo como manager?