quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O inexistente defensivamente meio campo leonino

Não Rinaudo. O argentino teve de correr por três face à inexistência de dinâmica colectiva leonina. 

O problema táctico é de tal forma grave no Sporting que nem é preciso ir aos princípios específicos do jogo para perceber erros atrás de erros. Nem o simples recusar inferioridade numérica ou evitar igualdade o meio campo leonino parece perceber. 

É crível que as melhoras que Jorge Jesus visualizou no adversário estejam sobretudo relacionadas com a colocação de Rinaudo na posição seis. Todos sabemos como, e bem, Jesus dá enorme importância ao espaço à frente dos centrais. Porém, o jogo não é estático. Rinaudo não é uma âncora presa ao relvado. O jogo pede que se desloque. Que aproxime dos corredores laterais para dar coberturas aos colegas, que saia à bola quando é o jogador mais próximo do portador. E foi sempre nos desposicionamentos do argentino que o Benfica foi somando ataques com um potencial perigoso enorme. Rinaudo era "arrastado" para outros espaços e ninguém ocupava o seu espaço. 

Inacreditável a presença de Elias no derby. Não contou em termos defensivos. Sempre à frente da linha da bola, só participava no jogo defensivo quando eram os três de trás do SL Benfica (Garay, Jardel e Matic) que tinham a bola. A partir do momento em que o primeiro passe entrava, o brasileiro era espectador privilegiado no campo.

O Sporting jogou com três centrocampistas, mas durante demasiado tempo tinha menos médios centro a participar no jogo que o SL Benfica com apenas dois. Nunca estão os três em jogo. Ou está um (quando Rinaudo sai à bola), ou estão dois (quando Pranjic ou Elias saiem à bola, Rinaudo dá cobertura. O terceiro está alheado do jogo).

André Martins estava indisponível. Porém, é fácil perceber que mesmo apto não jogaria. O que é de todo lamentável. O português é muito mais inteligente, muito mais maduro, muito mais técnico, muito mais táctico, muito mais tudo que qualquer outra opção para a posição. É inacreditável o quão nocivo pode ser para a qualidade de uma equipa o formar onzes com base em estatutos e preços. Para além de todas as questões colectivas que são sempre aqui abordadas.







Parece impossível de acreditar, mas é possível que os extremos leoninos tenham passado mais tempo atrás da linha da bola que os próprios médios!

Adenda. Aqui, uma possível organização defensiva num meio campo a três.

25 comentários:

JR disse...

Pum, pum, pum. O post mais cheio de verdades que me lembro de ler. Penso exactamente o mesmo.

A parte do André Martins, então, estou farto de apregoar.

josé carlos disse...

Incrível. Eu trabalho isto em todos os meus microciclos na minha equipa de Iniciados. Como é possível uma equipa profissional não ter referências de nada a cada situação de jogo, não ter comportamentos adequados e reajustamentos necessários a cada situação? O que é que esta equipa treina? Será que trabalha o que é mais importante, a sua organização colectiva ou será que não? Mau demais para ser verdade.

PB, fantástico trabalho que tens feito cá. Adoro cá vir e todos os dias passo cá a ver se há algo de novo. É tão bom este espaço, esta análise sobre futebol, que a vontade de escrever nunca te passe. Um abraço e obrigado pelo serviço público.

PB disse...

Obrigado José. Abraço

CAC disse...

PB, durante o jogo apercebi-me de uma situação, que me ficou evidente nas imagens que escolheste para partilhar connosco (excluindo a primeira delas).
Não terá havido, da parte do Vercauteren, instruções a Elias e Pranjic para «bloquearem» a progressão dos centro-campistas do Benfica?
A sensação com que fiquei, durante o jogo, é que a pressão, do Sporting, a meio-campo (produzida por Elias e Pranjic a Matic e André Gomes, e Ricky aos centrais do Benfica) era facilmente ultrapassável desde que o Benfica conseguisse libertar um dos alas, partindo a equipa do Sporting em dois. E pelas imagens, já sem me recordar do contexto, dá a entender que foi o que se passou. Libertando um ala do Benfica, saía Rinaudo em contenção ou em cobertura aos laterais, e Pranjic com Elias a dezenas de metros de distância, sendo humanamente impossível recuperarem posicionalmente como se exigia (em compensação à saída do Rinaudo).
E talvez por causa desse mesmo efeito, Capel e Carrillo foram obrigados a «sprintar» todo o jogo, em apoio constante aos laterais. Rebentando de exaustão a meio da segunda parte.

A impressão com que fiquei não fará algum sentido?

Mike Portugal disse...

Eu já sabia que o Elias se escondia do jogo (nunca dá uma linha de passe aos colegas) e desconfiava sobre a sua falta de bom posicionamento defensivo. Curiosamente quando calha ele estar bem posicionado defensivamente até é capaz de fazer uma boa pressão recuperar inumeras bolas (vi-o fazer isso muitas vezes o ano passado).

Este post vem mostrar que a minha desconfiança está certa.

PB disse...

CAC, a distância q a linha defensiva dá p o meio campo, realmente dificulta o regresso. Mas nc, mm nc houve a preocupação de voltar p tras da linha da bola. Em transição por x é qs impossível. Mas mm qd era possivel e milhares de x era, nc foi adoptado esse comportamento.

E sim,os extremos rebentaram pq lhes foi pedido q acorressem sp q se esticava o jogo e depois tinham de voltar rápido para vir defender os laterais. Fizeram dezenas de piscinas!

João Mendes disse...

Dá ideia que Elias está a defender a baliza adversaria.

Impressionante os buracos que se criam num espaço tão perigoso/importante como aquela área frente da área.

Este Sporting está ao nível que tenho incapacidade de qualificar, e os jogadores estão se completamente a "cagar" para esta situação, por muito fraco que seja o treino e o jogador que há situações claras que o jogador não faz o que devia simplesmente porque não lhe apetece.

CAC disse...

Mas PB, se «nc houve a preocupação de voltar p tras da linha da bola», não será mais importante analisar o comportamento do treinador, em vez de analisar o comportamento individual dos atletas?

Em tempos, quando competia nos júniores, fui obrigado (por falta de atletas) a posicionar-me a interior, e o treinador, que tinha tirado curso na Holanda, ensinou-me num único treino, o comportamento que devia adquirir; o mesmo que sugeres no link disponibilizado na tua adenda. Foi-me fácil adaptar! Era lógico, e o homem era, e deve continuar a sê-lo, um verdadeiro pedagogo. A questão que te coloco é a seguinte: Vercauteren já tem semanas de treino, e como tal, já deve ter instruído Elias e Pranjic a se comportarem para as exigências das diferentes abordagens que a posição deles acarreta. Não acredito que tanto Elias como Pranjic sejam menos lestos a aprender como eu fui, num único treino. Como tal: o problema não estará no treinador?

Aproveito para agradecer o espaço que disponibilizas! É de uma sensação indescritível encontrar alguém que vem confirmar o que aprendi a interpretar sobre um dos mais belos desportos contemporâneos. Muito Obrigado.

PB disse...

CAC, tens razão. Daí se falar em problemas na dinâmica "colectiva"

Verdade João. É tudo tão péssimo que só os maus treinadores não justificam. Ou as outras equipas todas do mundo têm todas bons treinadores?

João Mendes disse...

O meu comentário ficou com um Português muito ruim... é o que dá estar a trabalhar e a comentar ao mesmo tempo :)

De facto o treinador não justifica tudo, mas penso que um bom treinador era das coisas que davam mais jeito ao Sporting neste momento.

Gostava tanto de perceber o que o treinador pensa depois de ver um jogo como estes!

hertz disse...

Então mas como se explicam estes erros todos, muitos deles amadores?
A defesa do Sporting é provavelmente a pior do campeonato, dupla de centrais é péssima, Rojo comete erros que nem nas distritais, agora mostras o que o Elias (não) andava a fazer em campo, etc, etc...
Como é que alguns jogadores experientes cometem estes erros? É o péssimo treino? São os treinadores que são maus? São os jogadores que se calhar são piores do que o que pensávamos?
É que custa a acreditar os erros de equipa amadora que eles cometem. Por exemplo, como se explica numa equipa profissional, o Pranjic, jogador experiente e internacional, ele ter-se posto ao lado do poste no livre do Cardozo? Se o Cardozo tem cruzado a bola para a área rapidamente o livre teríamos visto talvez um dos golos mais ridículo da história do futebol. Como é possível esta situação do Pranjic ter acontecido? De quem é a culpa de tanto amadorismo?

Blessing Lumueno disse...

Estou impressionado com o teu trabalho ;)

Anónimo disse...

PB
Na tua opinião qual é a melhor forma de preencher o meio campo ?
Um trinco com dois interiores,sem um 10 puro, ficando o trinco adversário livre para pautar o jogo, ou, dois médios defensivos com um 10, obrigando os extremos a baixarem e a desgastarem-se mais para conferirem o equilibrio ?

Vasco disse...

o anónimo é o Vasco Pereira, sorry!

Anónimo disse...

No estádio, tive o jogo concentrado nas movimentações do Elias e é de facto escandaloso a forma como se esconde do jogo quando o Sporting está em posse e como passa grande parte do jogo a passo. Para além de não defender como referes no post!

Não tem comparação o que um André Martins dá ao jogo e um Elias. Espero bem que o brasileiro saia em Janeiro.

Mais um grande post PB!

PM

Joel disse...

Estão surpreendidos com o quê? O Sporting andou a treinar na praia...e toda a gente sabe que as referências na praia são as raparigas de biquini...

PB disse...

anónimo. gosto mais com 3 (trinco+2 interiores). Quem sai ao trinco adv já é uma questão de dinâmica e nao de sistema táctico

João Mendes, tu não tens noção. Só a rever o jogo se percebe o que para ali vai. Posso qs garantir-te, e se tiver tempo e pachorra (pq infelizmente n ganho dinheiro c o blog) tentarei provar por imagens ou videos que este foi provavelmente o jogo mais fácil da carreira do Cardozo em Portugal.

Recebeu e enquadrou à vontade mais de uma dezena de vezes, no espaço à frente dos centrais. O corredor central do SCP não tem paralelo com nada. Aposto q nem na distrital um av. centro consegue receber e enquadrar tantas x como no derby o Cardozo fez. E estamos a falar de um jogador q precisa de 3 ou 4 segundos p se virar! Os defesas fogem, qs p perto do gr, os médios n descem, o Rinaudo é atraído p outras zonas...

Se n fosse a qualidade individual comparada com o das outras equipas em Portugal eu diria que estava aqui um forte candidato à despromoção.

Bem sei que me vão "rasgar" todo por o dizer, mas nunca vi nada assim!

PB disse...

obrigado Blessing

Pedro S disse...

É inacreditável, o Elias. A forma como se esconde do jogo e como se nas bancadas a atitude de estrela que tem para com os companheiros em campo. Corrige, berra e intimida os colegas. Quando ele é por norma dos piores jogadores em campo. E ainda lhe dão a braçadeira de capitão. Tudo vai muito mal no meu Clube. Ficaria extremamente feliz se conseguissem vender o Elias em Janeiro.

Quanto ao André Martins, estava confiante que finalmente tínhamos um treinador que entendia o seu potencial. Ainda por cima depois daquela bomba no jogo de solidariedade do Algarve.
Mas o miudo lesiona-se no aquecimento quando finalmente o chamam para a titularidade. Também acontece tudo, porra.

SLBfan disse...

O Rinaudo numa equipa do Jesus, ia ser um caso sério.

PB disse...

O JJ n joga c 6 q n sejam gigantes. N lhe daria oportunidade ai. Mas se calhar à frente do 6, onde está a jogar o AGomes...

Blessing Lumueno disse...

Não tenho visto muito destes jogos porque me esqueço de gravar antes de sair para o treino... E no final parece que vi cada minuto com estas análises.
Gosto do detalhe. Do enquadramento e sobretudo da percepção que tens sobre os princípios de jogo e do jogo na globalidade.
Se te vão rasgar não sei. Mas nem a minha equipa de juvenis no distrital tinha estes comportamentos passados 2meses de competição. É ridículo o que estes jogadores estão a fazer.
Acho que concordo com a referência do biquíni... De facto única explicação plausível.

KARLOS disse...

PB
Concordo com sua análise a respeito do posicionamento do Elias... É bem verdade q o Sporting defende como time Brasileiro!!

Como bom jogador Brasileiro, o Elias não entende muito de tática, se não houver alguém para ensiná-lo difícilmente ele vai mudar... (o JJ seria ótimo na carreira dêle!)

PS.
Eu não sei se vcs sabem...O Elias começou sua carreira no Palmeiras, jogando oito anos nas categorias de base, porém acabou não sendo aproveitado pela equipe e foi dispensado.
Apos a saída do clube alviverde, foi para o Náutico, de Recife na posição de atacante com a pompa que seria o Robinho do Nordeste, não correspondeu dentro de campo. Elias não recebeu salários, pouco jogou e logo voltou a São Paulo depois da troca da diretoria, após ficar apenas dois meses no clube nordestino.
Voltando para São Paulo, o jogador era desconhecido dos times paulistas, e sem emprego acabou entrando em depressão. Com a ajuda de amigos, o jogador começou a disputar a várzea (campeonato amador) paulistana pelos Leões da Geolândia.
Pela amizade de amigos com empresários, conseguiu um teste para jogar pelo São Bento sob o comando do ex-jogador corinthiano Freddy Rincón para a disputa do Campeonato Paulista A-1. Logo no primeiro treino o técnico colombiano transformou Elias que atuava como atacante em meio-campista.
Depois do time de Sorocaba foi para o Juventus, da Mooca, onde foi campeão da Copa Federação Paulista de Futebol de 2007.
O bom rendimento fez com que o agora meio-campista fosse contratado pela Ponte Preta, onde foi um dos destaques do time de Campinas, onde era o cobrador de faltas. Junto com a Alvinegra conseguiu chegar as finais do Campeonato Paulista de 2008 onde acabou como vice-campeão... Contratado pelo Corinthians fez sucesso como volante ofensivo...
Ou seja, até os 21 anos (mais ou menos) ele era atacante e amador, depois virou meia, depois volante...sem um técnico dessente para lhe passar conhecimento tático!!
Não justifica, mas explica tamanha falta de senso tático!

abraço PB.
;)

Anónimo disse...

Tive o cuidado de analisar os lances em tempo real, através de vídeo. O vídeo desmente a tese de todos os frames com tempo (que, desse modo, pude identificar). Os outros não sei de onde vieram.

mas isto diz muito acerca de quem fez esta análise.

PB disse...

oi!? Looooooooooooool