segunda-feira, 30 de Abril de 2012

CAMPEÕES e CAMPEÃS



No mesmo dia campeonato masculino e feminino decididos.

sexta-feira, 27 de Abril de 2012

Os parabéns a Sá Pinto

Não conhecia o Athletic. Em Alvalade não havia estado este Bilbao. Mérito de uns ou demérito de outros? Um pouco de ambos seguramente.

Impossível crer que ontem o mundo não se tenha rendido ao futebol dos bascos. Com um quarto de hora de jogo, os espanhois já tinham entrado com a bola dominada na grande área leonina uma mão cheia de vezes. Verdadeira avalanche de futebol ofensivo. Linhas de passe, mais linhas de passe, mobilidade mais mobilidade. Incrível facilidade para penetrar na direcção da baliza do Sporting. Bastaram quinze minutos para se perceber a qualidade ofensiva dos homens de Bielsa.

Todavia, o Bilbao é, ou foi sempre uma equipa bastante débil sem bola. Ocupa mal o espaço, persegue a movimentação e expõe-se. Bielsa em tempos referiu que para defender, manda correr. Mas, como o Bilbao defensivamente há milhares. A questão é que é preciso qualidade ofensiva para explorar tais debilidades.

E ai os parabéns a Sá Pinto. Fez tudo bem. Podia ter sido feliz, mas não foi. Só havia uma forma de seguir em frente. Fazer golos. O Sporting pode voltar a Bilbao o número de vezes que for necessário, que é altamente improvável sair de Espanha sem sofrer dois, três, quatro golos. O caminho o Sá procurou. Ir atrás do resultado. Procurar o um a um, o dois a dois, o três a três, o quatro a quatro. Não aconteceu. Não se pode é deixar de pensar que sem a coragem do seu treinador, o Sporting não teria sido vergado inapelavelmente.

Por coragem entenda-se André Martins, Matias e Pereirinha em simultâneo. Só assim poderia o Sporting continuar a responder e a ir atrás do resultado.

Foi infeliz por pouco. Não que se possa clamar por injustiça. O Athletic jogou, jogou, jogou. O Sporting respondeu. Poderia ter dado para o outro lado. E isso é um bom elogio.

E o miúdo, hein?

Tweets de ontem

Com 0 a 0.

"Vendaval de futebol ofensivo do Bilbao. Mas o Sporting tem mais que capacidade para fazer até mais que um golo"

Com 1 a 0

"defensivamente é o adversário mais fraco do SCP até à final. Ou entao é porque juntaram Matias ao André que assim parece"


"percebo agora todos os elogios . Maquina ofensiva. Mas defende muito mal. Tudo é possivel e o Sporting vai marcar"

Com 1 a 1

"Falta um!"

Com 2 a 1

"Já não sei se só falta um. O Bilbao tem capacidade para fazer mais 1 ou 2. O Sporting tem de continuar a responder, porque também vai fazer golos!"


Hoje Sá arrisca-se a ir à final. Sem ele (que é como quem diz sem Pereirinha, Matias e Martins) o Sporting seria trucidado. No matter what...está de parabéns! Fosse para lá com a trincalhada toda e já estaria tudo resolvido"


quinta-feira, 26 de Abril de 2012

Parabéns, Sá Pinto

Voltaremos ao jogo mais tarde.

Ir ao Porto jogar já não é só para homens de barba rija

AQUI

Um grande beijo de solidariedade e de parabéns às bravas guerreiras pela(s) vitória(s).

sábado, 21 de Abril de 2012

Não nunca me esqueci de ti...

Jesus, eu estava certo. Tu estavas errado.

O Saviola, o Nolito e o Capdevilla.

Em quarenta e cinco minutos o Estádio da Luz viu mais futebol que na segunda volta inteira. Desde que deixaste cair o Saviola, curiosamente.

Jogas futebol em Portugal? És inteligente? Então, estás fodido.

Basicamente é isso.

Sabes que não deves perder a bola, então arriscas menos os passes de ruptura porque não queres passar o jogo a meter bolas a sair pela linha de fundo. Arriscas menos o remate em condições deficitárias porque percebes que perderás uma quantidade infindável de posses por tentar algo cujas probabilidades de sucesso são reduzidas. Jogas mais no pé, desmarcas em apoio para poder manter a bola e faze-la rodar para outros espaços, e como tal apareces menos em zonas mais notórias. Jogas simples e temporizas porque percebes que a situação de jogo poderá estar condenada ao fracasso, mesmo que o público se levante e te exija velocidade no transporte. Estás fodido. Procura um clube com um treinador que perceba o jogo. Que entenda uma equipa como um todo, e que não procure nos impulsos individuais a solução para problemas que são de todos.

Porque se não, podes até ser um André Martins, que nem na segunda divisão calças.

"José Mota não viu qualidades no médio e utilizou-o apenas em 5 partidas, tendo sido titular apenas numa delas e saído ao intervalo, na visita a Freamunde. Em janeiro acabaria por ser dispensado e teve, novamente, de procurar clube." in Record.

sexta-feira, 20 de Abril de 2012

O Jaime Pacheco visitou o Lateral Esquerdo

"Mas e a maioria dos teóricos dos livros e afins, porque tem a mania que percebem de bola!

A bola vai muito mais que exercicios e livros, pois 75% é da inspiração/qualidade dos jogadores e treinador muitas vezes no momento e 25% do resultado do treino realizado no seu geral.

O resto é história para encher capas e vender o seu ego!".  Nos comentários aqui.

Se não foi o Jaime Pacheco foi o Vitor Oliveira!


quinta-feira, 19 de Abril de 2012

Ao intervalo na Semi Final da Liga Europa

"Mais um miúdo magrinho no meio campo

Era um adolescente quando em 1991 Portugal se sagrou bi campeão do Mundo de Juniores. Lembro-me de antes do torneio se iniciar de conhecer o nome das grandes figuras portuguesas. O Figo, o Peixe, o Gil, o Rui Bento, o Paulo Torres, o Toni e claro, o João Pinto.

Para além destes, havia por lá um miúdo magrinho no meio campo de quem eu nunca tinha ouvido falar. Jogava no Fafe, e talvez porque a informação não chegava tão rápido quanto hoje, eu nem fazia ideia que o miúdo tinha ligação ao Benfica. Ser um médio e jogar com o número cinco, também não ajudava, e na minha mente parecia mais que certo que o miúdo magrinho seria seguramente o elo mais fraco de tão grande constelação de estrelas.

Mas, depois vi-o jogar.

"Passes com sugestão". Recordo um post relativamente recente no Centro de Jogo. Foi a melhor definição que encontrei até hoje para aqueles passes que aliam à qualidade técnica, uma tomada de decisão extraordinária. Aquele tipo de passe que indica o caminho. Que mesmo quando colocado no espaço como que pára no local exacto, à hora correcta.

Aqueles vinte minutos de ontem do outro miúdo magrinho valeram o bilhete. Detesto parecer fundamentalista, mas sei do que falo. Há vinte anos atrás, do alto da minha adolescência, não teria dado oportunidade a um dos melhores futebolistas que alguma vez vi jogar. Era magrinho e o seu nome não era (ainda) famoso.

Não matem o miúdo porque já lá vão muitos anos desde o último talento destes em Portugal." Texto de Janeiro de 2012.

O futebol tem destas coisas. O estatuto e o vencimento auferido contam muito. Justiça ou coragem houvesse e o miúdo estaria em trânsito para jogar o Europeu. Assim, joga nas sobras de colegas inúmeras vezes menos talentosos. Porque o futebol se joga com os pés e se pensa com a cabeça, Martins é o melhor médio do Sporting. E apenas Matias se pode comparar.

quarta-feira, 18 de Abril de 2012

Hate to say "told you so"

"E aqui, a "culpa" terá de ser toda atribuída a Cristiano Ronaldo. Tantas e tantas vezes, optou por não dar seguimento às tabelinhas e às desmarcações do "caxineiro". Sem jogo de equipa, aquele corredor fica entregue apenas à inspiração momentânea de um e outro. Ronaldo garante desejar Fábio no Real. Não se percebe bem porquê. Na selecção raras são as vezes em que lhe dá a bola, e com tantas e tão boas oportunidades que tem para o fazer. Também Coentrão, quando refere que apenas trocaria o Benfica pelo Real, deveria ser bem mais inteligente do que isso. Fábio seria o jogador perfeito num modelo de jogo como o Barcelona. A forma como privilegia a troca de bola e as tabelinhas no corredor lateral, numa equipa como a dos catalães, onde o colectivo está sempre acima dos egos pessoais, fariam de si, pelo talento e persistência que tem, um dos melhores laterais esquerdos da história do jogo." in Lateral Esquerdo, 5 de Junho de 2011.


sábado, 14 de Abril de 2012

Tinha tantas saudades tuas...


Para já é só isto. Outro dia "rasgarei" o Jesus, cujo prazo de validade já expirou.

P.S. - Adoraria poder conviver de perto com Aimar, só para poder questioná-lo sobre o que pensa de ver Oliveira e Rodrigo jogarem em detrimento de Saviola.

Redondo para Maradona Maradona para Redondo Redondo para Maradona

“si yo fuera Maradona
viviria como él
Si yo fuera Maradona
Nunca m’equivocaria”

Tudo em Maradona é uma lenda.

Foi em noventa e quatro, que a FIFA destroçou, definitivamente todo um sonho de criança que virara adolescente.

Era uma criança oito anos antes, mas já Argentino. Eles têm o Maradona, não se cansava de repetir o meu mais velho, e mais astuto primo Sérgio.

Os telejornais abriam com os feitos de um baixinho que dominava o mundo. Foi o meu primeiro melhor jogador do mundo, e todos sabemos quão especial isso é. Os seus golos no México, as suas infindáveis jogadas que destroçavam todos quanto os que cruzavam o seu caminho. Ainda que de baixa estatura, de tão brilhante que é salta mais alto que Peter Shilton e de cabeça elimina a Inglaterra. A nossa Argentina sagrara-se Campeã Mundial. Como poderia ser diferente? Nós temos o Maradona!

Três anos depois, quis o destino que o caminho do Napoli se cruzasse com Portugal. O Maradona vem a Portugal. Recordo perfeitamente a emoção que foi saber que tal aconteceria. De facto, impossível é recordar um outro momento em que alguém com maior importância por cá tenha passado. É em oitenta e nove que pela primeira vez me desiludo. Não com Maradona. Nunca com ele. Alberto Bigon deixa o astro sentado no banco de Alvalade, e ainda hoje não percebo porque não se colocou aquele banco no museu do clube. Maradona entra, mas é o dezasseis. O melhor dezasseis da minha vida, garantidamente. Mas Maradona era o dez, e desde então que não esqueci mais o nome do treinador italiano que me atraiçoou. É nessa eliminatória que alguém comete o maior feito que recordo. Ivkovic, guarda redes do Sporting, defende um penalty de Maradona.

É em noventa e quatro que se comete a mais terrível injustiça de que há memória. Maradona está de volta, está bem e recomenda-se. Volta a carregar um país nos seus ombros. Joga, marca, faz jogar. Vamos ser outra vez campeões, penso. Temos o Maradona!

Já depois de destroçada a selecção grega, o telejornal volta a abrir com Diego. A infame FIFA volta a castigá-lo. O uso de cocaína é a mentira avançada para retirar do torneio o seu mais brilhante astro. É claro que uma organização maior teme o que pode almejar a Argentina nas asas de Maradona. Uma enorme mentira, que será um dia corrigida. Ainda hoje estou certo disso.

Nao. Maradona nunca me desiludiu. A culpa esteve sempre nos que à sua volta gravitavam.




Revi hoje. O golo e depois o texto de Outubro de 2011. É ligar o som e deliciar-se.


terça-feira, 10 de Abril de 2012

Justo, ainda que curto

Até ontem não tinha sido bom o Sporting de Sá Pinto. Tem ganho quando precisa realmente de ganhar, mas não havia sido bom. Defende com todos, mas sempre incapaz de sair para o contra ataque. Incapaz de ter a bola.

Ontem foi diferente. Talvez não se deva arriscar creditar todo o mérito ao Sporting e ao seu treinador. O Benfica foi o que é. O que havia sido contra o Sporting de Braga. E foi o mesmo Benfica da última derrota com o Sporting, na altura com Quique Flores ao comando. Quatro Quatro Dois clássico, e uma incrível incapacidade para garantir uma boa transição defensiva. São demasiados os jogadores que jogam à frente da linha da bola e a cada perda sobram por norma apenas quatro para defender (os centrais, Javi e um dos laterais). O Braga não goleou na Luz porque não teve Matias ou Izmailov a conduzir os ataques rápidos. O Sporting não goleou em Alvalade porque não tem Lima para finalizar as suas jogadas. E é assim que o Benfica vai sobrevivendo. Muito pela latente falta de qualidade aqui e ali de um ou outro jogador adversário. É bom não ter de ir ao Dragão nesta fase da época.

Curioso que Jesus tenha criticado de forma bastante acérrima os treinadores britânicos e de forma indirecta Quique Flores, mas que uns anos depois se tenha convertido ao sistema táctico de quem tanto criticava, mesmo que consiga na sua dinâmica ter uma boa relação entre linhas. Pelas suas ideias (Javi) e pelas ideias dos seus melhores jogadores (Aimar e Saviola).

E é muito pela péssima resposta táctica do Benfica que se condiciona um pouco a análise às virtudes leoninas. Defendeu junto o Sporting, com alma, coração e cabeça. Soube aceitar e perceber que o domínio do Benfica o favorecia. E soube sempre que mais tarde ou mais cedo o adversário se haveria de descompensar. Soube esperar e teve na classe de Matias quem conduzisse os mortíferos contra-ataques. 

Era um jogo de paciência para o Sporting. Sá Pinto foi capaz de incutir essa mesma necessidade de saber esperar, e o jogo tornou-se muito mais fácil para o Sporting que para o Benfica. Mais fácil porque quando atacava encontrava situações de 3 ou 4x 4 ou 5 com meio campo para correr. Mais fácil porque quando defendia as situações eram de 6,7 x 9,10, em apenas meio campo. 

Jogo bastante semelhante ao Benfica x Braga onde o Benfica também havia sido subjugado ao longo de quase toda a partida. Por incapacidade individual não ganharam uns e não golearam outros.

Notas Individuais.

Matias. Melhor jogo do chileno em Portugal. Classe, classe e mais classe. Cada ataque por si conduzido parecia ser bola de golo. As suas simulações, o seu toque de bola, as suas decisões. Matias foi o homem do jogo, numa exibição verdadeiramente soberba.

Izmailov. Sabe quando progredir e quando soltar. Defende com tudo, sempre concentrado no jogo. Umas vezes mais sacrifício que inspiração, mas o russo é fantástico. É um jogador inteiro. Técnica, táctica (a ocupar e a decidir) e fisicamente, quando apto.

Elias. É certo que o adversário quando usa em simultâneo Cardozo e Rodrigo perde qualidade entre sectores. Todavia, Elias fez um jogo muito interessante. Sempre rapidíssimo a pegar em quem recebia a bola na sua zona, não permitiu nem por um instante que o Benfica trocasse a bola à frente dos dois centrais, que salvo as coberturas que foram obrigados a dar aos laterais puderam ter um jogo descansado.



segunda-feira, 9 de Abril de 2012

Ronaldo versus Messi.

Aqui

"El Real Madrid gana un 90% de los partidos en los que marca Cristiano. Si juega, pero no marca, sólo un 58% de trinfos."




domingo, 8 de Abril de 2012

É o futebol, Viana.

De possível heroi da liga a vilão. É o futebol.

Sem o seu futebol jamais o Sporting de Braga teria chegado à fase de decisão na frente.

Ontem apenas por milagre ou competência alheia não viu os seus livres e cantos terminarem no fundo da baliza azul e branca.

Todavia, hoje são dois outros os lances que se recordam. Viana poderia ter definido outro rumo no campeonato. Desfecho diferente no remate por cima, após uma jogada soberba e no remate de Hulk, após um mau passe numa zona perigosa e poderia ser o homem do campeonato.

Independentemente do epíteto que lhe colocarem, Viana é um dos jogadores do ano. Deixá-lo permanecer mais um ano em Braga será um erro tremendo.

sexta-feira, 6 de Abril de 2012

Já foste Pereira, nem o provável titulo te salvará a pele

"Nunca pedi ao Lucho para jogar entre linhas e não sair de lá. Peço-lhe apenas para baixar quando acha que tem de baixar, porque acredito e fundamentalmente a este nível, que é a qualidade do próprio jogador que o faz perceber quando é o momento de baixar ou de abrir." Vitor Pereira.

Vitor Pereira tem ideias. Todos quanto os que leram algumas das suas entrevistas concedidas bem antes do estrelato o reconhecem. O treinador portista sabe do jogo e é indesmentível que na fase preparatória da época soube preparar de forma bem interessante a supertaça europeia.

Todavia, mesmo nos momentos de vitórias importantes foi sempre ficando a sensação de que o FC Porto está/estaria orfão de um líder.

É seguro que Pereira, ao contrário do que afirma, não crê que devem ser os jogadores apenas por si a identificarem as situações e a resposta que devem dar as mesmas a cada momento. Mesmo que os jogadores se chamem Lucho ou Hulk.

Pereira foi engolido pelo grupo, ou pelo grupinho. Talvez creia que ser amigo da malta, dando toda a liberdade possível aos seus competentes atletas o leve ao sucesso. Pela qualidade dos campeões nacionais, tal é até bem provável que venha a acontecer. Mais um ano de Pereira no FC Porto é que já parece altamente improvável. Pereira não sabe. Mas, seria muito mais respeitado se colocasse imposições. Não nas regras de conduta, mas no seu jogar. Desde que no exercício e nos jogos provasse estar correcto, claro. Mesmo os que gostam de liberdade, se sentem mais realizados quando percebem que as condicionantes colocadas os leva ao sucesso. E são precisamente os de estatuto mais elevado que mais precisam de ser dirigidos e "conquistados".

Não pode ser cada um por si, mesmo quando o nível de compreensão do jogo é tão elevado.

Love being right

quinta-feira, 5 de Abril de 2012

O central Emerson

Que vos pareceu?

quarta-feira, 4 de Abril de 2012

Little perfect things. A temporização de Aimar.

Em câmera lenta para confirmar Aimar a olhar para a posição de Maxi. A temporização, para deixar chegar o uruguaio, e o passe para o espaço (para uma linha atrás de Mikel), deixando o africano do Chelsea ultrapassado.

Confirme também o "baixar" de Cardozo para o apoio frontal.

P.S. - O génio de Aimar está sobretudo no que não se percebe.
video

Seis atrás da bola. Defender em três linhas.

Bola no corredor central (4+1+1)
 Bola no corredor lateral (4+1+1)





Mais linhas, mais coberturas. Ainda que quando a bola esteja no corredor lateral, o 6 não esteja entre a contenção e o centro da baliza, mas antes a ocupar o espaço à frente dos centrais, seria sempre ele a sair à bola após um drible para dentro.

terça-feira, 3 de Abril de 2012

Cinco atrás da bola. Defender em duas linhas. Contenção, cobertura, equilíbrio e concentração.

Bola no corredor central (4+1)


Bola no corredor lateral (3+2)

segunda-feira, 2 de Abril de 2012

Diz que o Mourinho é bom, e que o "lateral esquerdo" estará quarta feira em Stamford Bridge

Um "lateral esquerdo" costuma sair com um ex campeão com José Mourinho, que diz que o português percebe da pôda.

P.S.- Como é óbvio, não é este o lateral mais bonito do blog...

domingo, 1 de Abril de 2012

Impressionadissimo, Jardim!



Talvez seja por ter visto tão poucos jogos dos bracarenses que a impressão foi tão positiva

Foi verdadeiramente impressionante o colectivo do Sporting de Braga no Estádio da Luz. Se retirarmos os vinte minutos iniciais de categoria do SL Benfica todo o restante jogo só deu Braga. E deu Braga mesmo quando a bola estava nos encarnados. Deu Braga quando era preciso defender e deu Braga de cada vez que um bracarense recuperava a bola.

Se tiver de retirar ilações por apenas um jogo, a diferença em qualidade colectiva é abissal de uma para outra equipa. Sim, O Benfica tacticamente controla os pormenores. Sabe posicionalmente defender com poucos. Porém, por maior excelência que se tenha a defender com 3,4 ou 5 atrás da linha da bola, e a equipa de Jesus tem essa excelência, é sempre insuficiente perante adversários que individualmente sejam capazes de definir com assertividade os lances. Relembre o golo que virou o campeonato (James Rodriguez na Luz).

E foi “individualmente” que o Benfica venceu o Braga.

Foi quase pornográfico o número de ataques potencialmente perigosos (espaço para correr e somente três, quatro jogadores encarnados atrás da linha da bola) que os bracarenses dispuseram ao longo da partida.
Com James em campo, o Benfica teria sido goleado. Ou se preferir, para não o ferir, tivesse o Braga em Mossoró a capacidade para definir com espaço e pouca oposição de Gaitán, Bruno César, Nolito, Aimar ou Saviola, e o Benfica teria sido humilhado.

O Benfica golearia o Benfica. Relembre.

A amostra é curta, mas impressionante. O Braga sabe jogar todos os momentos e creio que todos percebemos o porquê de ter chegado líder à Luz. A qualidade individual de uns, mesmo não sendo absolutamente nada desprezável é muito inferior à de outros, e talvez tenhamos mesmo que ver Jardim com outros recursos. Com individualidades trocadas, golearia. Reafirmo.

Curioso. Jesus ao longo dos imensos jogos em Belém e em Braga, foi sempre sendo superior aos adversários. De todas as vezes que não vencia, ia ficando a sensação de que com outros jogadores seria imbatível. Quem diria que mais qualidade o levariam a mudar as suas ideias (pouca  presença no corredor central. Dois extremos em simultâneo com dois avançados. E mesmo quando joga Aimar com Cardozo, o sistema táctico permanece imutável. Apenas muda o posicionamento do argentino). Na actualidade vai acontecendo o contrário. Ganha porque tem melhores jogadores.

Soltas:

- Emerson a central não é pior ideia que a lateral. O brasileiro é péssimo na abordagem defensiva às situações de 1x1 e péssimo também no trato da bola. O seu ponto mais forte acaba por ser a forma como se relaciona com os colegas de sector. Jogando como central os pontos fracos não estarão tão expostos. Não significa porém que possa dar um bom central. Mas, seguramente que tem mais potencial para jogar a central que a lateral;

- Capdevilla não dá a dinâmica que Jesus pretende (número de vezes que faz o corredor todo), mas é um jogador e tanto. Mais cerebral e acima de tudo sabe jogar. O espanhol sabe jogar e o Benfica deixa de ter em campo um jogador onde cada ataque morre. Começa a parecer que se tem feito toda a época, Jesus estaria hoje na liderança. Curiosidade, o Benfica ganhou todos os jogos em que Cap participou;

- Em Londres, se a ideia for colocar tantos jogadores à frente da linha da bola como na noite passada, o Benfica será trucidado;

- Saviola. Devia ter entrado Saviola, e logo ao intervalo. E sim, por Cardozo. Bruno Alves não estragou Rodrigo, como parece ser crença geral benfiquista. Rodrigo é o mesmo de sempre. Um jogador extraordinário nos movimentos de ruptura e na forma como explora a profundidade, mas banalíssimo no jogo entre linhas. O brasileiro terá uma fantástica carreira, mas como primeiro ponta de lança.  Era Saviola quem poderia acrescentar qualidade onde o Benfica estava com dificuldades, e Rodrigo poderia aparecer mais próximo da baliza adversária. Onde faz toda a diferença. 

- Gaitán. Verdadeiro talento à solta. Num modelo que contemplasse mais apoios, mais jogadores atrás da linha da bola, tamanha qualidade teria mesmo de ser aproveitada. No actual modelo demasiadas vezes tem acções prejudiciais à equipa. Ontem não foi o caso.

- Repito. A amostra é curta. Todavia, não posso deixar de pensar que este poderá ser o melhor Braga de sempre. Mesmo que não obtenha as marcas do passado recente, sabe jogar todos os momentos.  Colectivamente não mais é apenas uma equipa que defende bem e com muitos, esperando o golo da vitória numa bola parada que caia do céu. É uma equipa com processos de categoria indiscutível. Com jogadores de grande categoria para uma equipa que nunca se sagrou campeã nacional, mas que se percebe, salvo uma ou outra excepção, de nível ainda inferior ao da concorrência. E quando assim é, emerge uma figura. A do treinador?! Há que o seguir.