terça-feira, 29 de abril de 2014

Guardiola é o melhor treinador do mundo.

Hoje, cai Guardiola com estrondo perante um fantástico Real Madrid (ao nível das individualidades). Perante a equipa mais poderosa do mundo na transição ofensiva. Contudo, não cai a ideia de jogo. Não cai aquilo que ele representa para o futebol. Assim como outros, no passado, hoje, é Guardiola que mostra o caminho. Guardiola aponta para o futuro.

E para quem diz que o Bayern não é para jogar assim ou assado, aqui fica a versão do Bayern que mais perto esteve de cumprir com o que Guardiola quer.
Depois de Janeiro, Guardiola mudou demais e os resultados foram desastrosos. Culpas do treinador? Claro. Sempre. Pelas alterações no modelo ao nível da saída de bola. Ao nível do do sistema de jogo. E na aposta nos jogadores errados. É de facto o maior responsável pelo jogar que a equipa apresenta hoje.
Mas, nós não temos memória curta, nem nos deixámos enganar. Um resultado, nunca, nunca, nunca, poderá ser o reflexo de toda uma época desportiva.

Não me esqueço, no início de Outubro, no Posse de Bola, da palestra de Guardiola.

61 comentários:

Nuno Neves disse...

No futebol de competição, o resultado final é o que interessa numa época desportiva. A ideia de jogo pode ser fenomenal, se não for a vencedora... não serve. As ideias transmitidas podem ser execelentes, contudo se não são as vencedoras é porque não são assim tão excelentes... Como Mou disse uma vez existem várias formas de jogar futebol... e o simeone hoje diz isso.

Nuno Neves disse...

No futebol de competição, o resultado final é o que interessa numa época desportiva. A ideia de jogo pode ser fenomenal, se não for a vencedora... não serve. As ideias transmitidas podem ser execelentes, contudo se não são as vencedoras é porque não são assim tão excelentes... Como Mou disse uma vez existem várias formas de jogar futebol... e o simeone hoje diz isso.

Anónimo disse...

Real a melhor do mundo em transição ofensiva ou em contra-ataque? Que não são sinónimos!

Roberto Baggio disse...

E qual é o resultado final do Bayern? Quantos jogos? Quantas vitórias? Quantas derrotas? Quantos empates?

O que está implícito no texto, e talvez você não tenha sabido interpretar é: UM jogo, UMA eliminatória, não é, nem será nunca, da nossa parte reflexo para avaliar uma época inteira. Isso é, digamos, estúpido.

Anónimo, obirgado pela correcção. Tens razão. Em saída para o contra-ataque, ou ataque rápido.

Roberto Baggio disse...

PS: Já tinha alertado várias vezes, em vários artigos, que todos os treinadores do mundo têm qualidades e defeitos. Todos eles erram. Todos sem excepção. Afinal de contas, são todos humanos.

Gonçalo Matos disse...

Já de algum tempo sinto que a Pep falta um médio defensivo. Não estou é a encontrar alguém que possa oferecer o que o Busquets oferecia em Barcelona..

Roberto Baggio disse...

Eu sinto que falta um médio para acompanhar Thiago. Lahm, Kroos, ou Bastian, conseguem oferecer o que se pede na posição 6. Já na posição 8, neste Bayern, é Thiago e mais nenhum. Uma vez que Goetze, para Guardiola, não conta.

Interior-Direito disse...

uma dica de @lluisizquierdo no twitter: El programa @esport3 anuncia que Luis Enrique dirigirá al Barça la próxima temporada.

Ainda vão a tempo de espreitar uns jogos do Celta, vocês? :)

DAS disse...

Parece-me que o problema do Bayern passou por um aspecto que aqui referem, o momento defensivo logo após a perda de bola.
Nunca conseguiram executar com qualidade o primeiro momento de pressão e dessa forma ficaram expostos a transições fortíssimas de 3 jogadores rapidíssimos, Crsitiano, Di Maria e Bale.
Sem dúvida que quem tem mais posse de bola tem mais possibilidades de criar oportunidades de golo, mas o jogo também se faz, e como vocês muito bem referem, de momentos em que não se tem a bola, e hoje o Bayern não me pareceu competente nesse capítulo.

DAS

Anónimo disse...

Os dois primeiros golos do jogo foram de bolas paradas,não de transições rápidas.as opiniões são como os cus,cada um tem o seu e vale o que vale...

GBC disse...

Baggio, o Kavi Martinez, não? Gosto mais dele a central mas achei que esteve melhor que o Schweinsteiger e que o Kroos.

Não percebo como o Javi e o Gotze ficam no banco... e como o Mandzukic é titular. Há erros que tem de corrigir. Mas a próxima época será seguramente melhor que esta.

Roberto Baggio disse...

Interior, eu não. Estou "farto" de ver futebol. E quero dedicar muita energia ao projecto mundial que o Maldini está a preparar.

DAS, perfeito o teu comentário. Obrigado.

GBC, sendo que Javi é melhor central que Boateng, escolheria ele para iniciar os ataques na 1ºfase. Mas se jogasse no lugar do Kroos ou do Basti, para depois jogar Goetze e Muller, com Ribery e Robben abertos, já era muito melhor, na minha opinião.

Anónimo disse...

O ano passado, o Real ficou a 1 golo de eliminar o Dortmund. Este ano o Dortmund ficou a 1 golo de empatar a eliminatória contra o Real, e penso que foram vocês mesmos (laterais-esquerdos) que disseram que o Dortmund este ano está pior (Por isso não vejo assim tantas diferenças na eliminatória contra o Dortmund). O campeonato arriscam-se a perder contra o Atlético ou o pior barça dos últimos 10 anos. Independentemente dos resultados que tiveram, parece-me que este ano estão melhores e que em parte isso se deva ao treinador e aos jogadores que escolhe, mas também não é menos verdade que o Mourinho não podia contar com Bale e Isco. Agora, dizer que sem Mourinho chegam fácil á final. Pudera, contra este Bayern.
Eu não vi um jogo do Bayern esta época em que tenha ficado convencido com a exibição deles. Aliás nesse tão falado jogo contra o City, eu só vejo correria. Uns a correrem como loucos e os outros a passo de caracol.
Pelos vistos, correr que nem loucos é sinónimo de bom futebol.
Se me conseguirem mostrar um momento de organização ofensiva com verdadeira qualidade, em que não seja só correria a acabar em remates de fora da área ou em cruzamentos. Quanto ao jogo de hoje, só vou falar para dizer que foi a primeira vez que vi jogadores (em desvantagem), antes dos 90 minutos a pedirem ao árbitro para acabar a partida.
Jorge Gaspar

Anónimo disse...

três golos foram de bolas paradas, mas há uma série de transições rápidas muito perigosas feitas pelo Real. Para além de que na segunda parte o Real teve muito menos intensidade, e praticamente deixou de fazer transições rápidas. Mesmo com o Real a fazer uma segunda parte que mais parecia um treino aborrecido de organização defensiva, o Bayern não conseguiu criar lance nenhum de perigo. Se na transição defensiva o Bayern teve mal, na organização ofensiva foi horrível.
Jorge Gaspar

Anónimo disse...

no campeonato alemão, a maioria dos golos do bayern foram de cruzamentos... facto nunca aqui abordado no le...

Gonçalo Matos disse...

Roberto,

O Bastian esteve parte da época no estaleiro e quando regressou, o modelo era outro. Eu acredito que desses possa ser o que tem mais chance de oferecer o que falas.
Os que referiste cumprem, mas já viste algum acrescentar o que o Busquets acrescenta no Barça? Aqueles passes a rasgar 2/3 linhas defensivas, aqueles apoios bem parvos a toda a gente, aquela tranquilidade com bola controlada. Eu acho que mais depressa o Pep arranja um 8 melhor que um 6 melhor. E quando arranjar esse 8 melhor, vamos sentir a falta do tal 6 que faz para além do Lahm (que como sabes adoro).

Tava aqui a falar com o Abreu e estava a pensar que para o ano até já há ponta de lança novo e melhor que o Mandzukic. Instintivamente parece-me que o Lewandowski vai entrar bem no modelo do Pep, já que tanto é capaz de andar no meio dos centrais oomo aparecer entre linhas e depois tem boa capacidade de decisão. Achas que vai continuar a sentar o Muller? E Muller começa a parecer-me que vai ter de jogar no flanco, tentar ter o papel do Pedrito..

Roberto Baggio disse...

Parece-me que a intenção será de colocar Muller como interior. Mas, Guardiola roda muito a equipa. Pelo que, novamente, muitos jogadores irão passar por muitas posições. Todos devem ter muitos minutos. Acho eu.

Sim. Não há esse Busquets. Porque esse, está no Barcelona. E é só um. No entanto, os problemas do Bayer estão longe de ser os jogadores que jogam foram do bloco. Pelo que isso, para já, não me parece preocupante, ou essencial. Os que tem, para jogar fora do bloco, cumprem.

Roberto Baggio disse...

"Aliás nesse tão falado jogo contra o City, eu só vejo correria."

Portanto está absolutamente explicado o motivo pelo qual , alguém aqui do blogue, nunca te irá conseguir explicar nada, sobre este tema.
A diferença está no olho que vê. Pelo que não vou comentar a tua intervenção.

Cumprimentos

Anónimo disse...

Baggio,

Tocaste aí num comentário naquilo que eu pensei durante todo o jogo. Da primeira e da segunda mão.

O problema não está nos que jogam fora do bloco. Esses cumprem, sem a criatividade do Barça é certo, mas cumprem bem a sua função, sempre com qualidade.

O problema está quando se trata de encontrar soluções de penetração sem ser o cruzamento. Porque todos os jogadores responsáveis por atacar o bloco o fazem sempre sempre para responder a cruzamentos (em organização ofensiva). Kroos, Robben e Manzduzic para mim são horríveis para o futebol do Guardiola. Desfazem em segundos tudo o que a equipa constroi.

Abraço,
Sérgio

Antonio disse...

Na minha opinião o principal problema que o Guardiola vai continuar a enfrentar é de cariz cultural. O gozo que os jogadores latinos teêm no tipo de jogo que Guardiola preconiza, nada tem que ver com o que se passa com o jogador alemão (nórdico), que é iminentemente objectivo e prático, gosta de, rapidamente, chegar à finalidade do jogo.

O trabalho que fez este ano já foi assombroso mas tem que introduzir mais "Thiagos" na equipa ou então tenho dúvidas que chegue ao nível que pretende.

Anónimo disse...

O bayern teve nas duas últimas finais da liga dos campeões. Na última eliminou o Barça com um 7-0 no conjunto das duas mão.
Este ano teve muitas dificuldades com um United muito fraco e levou 5-0 do Real, sendo que o Real praticamente não jogou os últimos 45 minutos da eliminatória.
Mais de metade dos ataques acabam com cruzamentos para a área.
Como é óbvio eu sou cego. Não vejo as evidências. É óbvio
Jorge Gaspar

Gonçalo Matos disse...

Baggio,

Sim, é verdade. Primeiro melhorar o modelo, depois tentar acrescentar mais qualidade individual em zonas menos prioritárias.

Sergio,
O Ronaldinho do posse fez um post sobre o Kroos há uns tempos, no mesmo sentido que o teu comment. http://possedebolla.blogspot.pt/search/label/Kroos

Roberto Baggio disse...

O Maldini já te tinha dito que tens problemas de interpretação. E vou ser obrigado a concordar com ele depois de:

"O bayern teve nas duas últimas finais da liga dos campeões. Na última eliminou o Barça com um 7-0 no conjunto das duas mão.
Este ano teve muitas dificuldades com um United muito fraco e levou 5-0 do Real, sendo que o Real praticamente não jogou os últimos 45 minutos da eliminatória.
Mais de metade dos ataques acabam com cruzamentos para a área.
Como é óbvio eu sou cego. Não vejo as evidências. É óbvio"

Quando no texto lê-se: "Depois de Janeiro, Guardiola mudou demais e os resultados foram desastrosos. Culpas do treinador? Claro. Sempre. Pelas alterações no modelo ao nível da saída de bola. Ao nível do do sistema de jogo. E na aposta nos jogadores errados. É de facto o maior responsável pelo jogar que a equipa apresenta hoje."

Curiosidade, já aqui, antes, termos falado das mudanças no modelo de Guardiola e no retrocesso que isso significava para a forma de jogar que ele idealiza. Mas isso, novamente, é só para quem está atento, ou consiga interpretar, como se escreve. Vou interpretar para ti: portanto, até Janeiro um Bayern. Depois da pausa de Inverno outro Bayern.

E quando no meu comentário seguinte se lê: "A diferença está no olho que vê. Pelo que não vou comentar a tua intervenção."

Pelo que tu vês correrias, e etc. Eu vejo tudo o que está exposto no vídeo. E aqui vou fazer-te a interpretação novamente: tu vês umas coisas, eu vejo outras. Pelo que não há nada que te possa explicar, disso.

Espero que tenha tudo ficado mais claro para si.

C-zero disse...

Eu que pouco percebo de futebol, e o que vou percebendo é porque acompanho o Posse e o Lateral, fiquei com a sensação que o problema maior do Bayern é não ter jogadores que joguem no interior do bloco adversário. Fico com a sensação que a partir de um certo momento, em organização ofensiva, são tentados a jogar em largura. Não sei se é porque estão lá os dois esteios da equipa (Robben e Ribery), ou porque não há ninguém com a qualidade suficiente para jogar nas entrelinhas. Para mim, a principal diferença entre este Bayern e o Barça de Guardiola está no facto de não existir ninguém com a qualidade de Messi (lol, utopia) ou com a qualidade de Iniesta (lol, semi utopia). Acho incrível a capacidade que estes dois jogadores têm ao jogar, quase à vontade, em espaços muito curtos e muito fechados. Fiquei com a sensação que o Real não é uma equipa que defende muito bem em bloco baixo, até porque não confio no Pepe nem no Ramos para o jogo de coberturas e compensações. Se o Bayern tivesse a capacidade em jogar pelo interior do bloco, acho que teria sido fácil desarranjar a organização defensiva do Real. Relativamente aos ataques rápidos do Real, após perda de bola do Bayern, mais uma vez, se os alemães jogassem pelo interior do bloco, com imensas unidades, teria sido mais fácil fazer uma contenção rápida e eficaz para que o adversário que recuperou a bola não estivesse bem enquadrado para lançar ataques rápidos. A meu ver, ao Bayern falta alguém que saiba jogar bem nas entrelinhas, e que consiga dar confiança à equipa para manter a bola dentro do bloco adversário. Com Lewandowski, parece-me que pode haver evolução nesse sentido. Ainda assim, para mim, falta mais alguém.

Abraço aos bloggers do Lateral e do Posse.

Vitor disse...

Ai muda, muda! Não digo que baste uma época, mas se falhar a Champions dois anos seguidos, certamente não terá espaço para revolucionar o futebol alemão. E a não conquista ideológica de mais um país, é um retrocesso para o Paradigma Guardiola. No entanto, até acho injusta a forma como tem sido analisado o seu desempenho no Bayern.
Sim, fizeram uma época fantástica o ano passado, mas dificilmente se Heynckes continuasse, repetiriam uma época daquelas. Guardiola colocou o Bayern a jogar um futebol que lhe poderia ter trazido a Champions de novo(maior probabilidade do que se proseguisse Heynckes), caso não apanhassem este Real fortissimo pelo caminho. Não estou a ver outra equipa na Europa a poder-lhes fazer frente neste momento.

Dito isto, muito feliz pela vitória do Real, muito feliz por saber que Guardiola falhou. Que ninguém se engane. Estamos a presenciar história. Nunca o mundo do futebol ficou tão dividido ideologicamente e isso é notório um pouco por todo o mundo. E o antigo futebol necessita desesperadamente de resultados, para validar argumentos.
Eu fico do lado do "antigo futebol", mas talvez, por razões diferentes da maioria, parecendo quase enredado numa aparente contradição.

Considero Guardiola o melhor treinador do mundo e um dos melhores de sempre. Considero que as suas equipas conseguem sempre um maior controlo do que vai ocorrer do que os adversários. Tem uma capacidade de inovação como raramente se viu, é sem duvida contracultural.
Mas por razões já expostas neste blog, repudio esta evolução(sim, é uma evolução!) neste desporto tão belo e emotivo. Que se evolua de outra forma. Sem perceber muito de formula 1, dizem os mais entendidos que no tempo de Senna e Prost, a emoção estava garantida, as ultrapassagens uma constante, a habilidade dos condutores determinante. Entretanto, os carros evoluiram, a velocidade aumentou(parece que este ano retrocedeu-se), as voltas ficaram muito mais rápidas...e ainda assim, a emoção foi-se. E não, não é simples saudosismo.

Eu vejo um jogo de Guardiola e consigo adivinhar 99% das acções do portador da bola. A complexidade do seu futebol, está principalmente na acção de quem não tem bola, das inumeras soluções que consegue criar para o portador da bola. Estrategicamente, ele consegue inovar a cada ano que passa. Ora sao os 3 defesas, ora jogar sem o tipico avançado centro, ora a projectar para o futuro, fazer dos laterais, medios quando em posse. Ora a forma como penetra no bloco adversário e de imediato dali saem com facilidade já depois de atrairem densidade a essa zona, deixando outras entretanto desprotegidas. Como consegue afundar os adversários com os centrais a abrir e a subida dos laterais a dar profundidade(tão copiadinho por Vitor Pereira). Ora muitas outras, que são tantas. Mas tudo isto não atrai o adepto comum. Não porque seja um acéfalo, mas simplesmente porque o foco principal, está sempre nas acções do portador da bola! E aí, falta imprevisibilidade. Não que não saiam de repente, jogadas geniais dos grandes talentos que sempre teve ao dispor. Mas para cada acção destas, há 99 previsíveis. E isso é chato pá. Muito chato.

Anónimo disse...

"A diferença está no olho que vê. Pelo que não vou comentar a tua intervenção."
"Vou interpretar para ti: portanto, até Janeiro um Bayern. Depois da pausa de Inverno outro Bayern."

Basicamente, até Janeiro o Bayern era fenomenal. O que é que faz o Guardiola? muda drasticamente

"Pelas alterações no modelo ao nível da saída de bola. Ao nível do do sistema de jogo. E na aposta nos jogadores errados"

Desde Janeiro até hoje, ainda não conseguiu perceber que a equipa está pior com as alterações que fez (como vocês dizem). Ainda assim é o melhor treinador do mundo. E eu é que tenho dificuldades de interpretação.

Eu não vi o Bayern fazer excelentes jogos nesta época. Vi dominar mais, vi ter mais bola, vi pressionar mais, vi ter muita mais percentagem de posse de bola, mas não vi o excelente futebol que vocês viram. E nunca senti que esta época fosse melhor equipa do que aquilo que era o ano passado.
Guardiola não se pode queixar nem deve ser "desculpado" por ter ido para um país com uma cultura diferente, com uma mentalidade diferente, com poucos jogadores criativos, não se pode queixar por ser mal compreendido. Se ele não quer abdicar da sua filosofia, também há jogadores e adeptos que não pretendem abdicar daquilo que é a sua cultura desportiva e social. Foi uma opção que ele tomou. Se a opção foi errada, a responsabilidade é dele.

Vocês querem fazer crer que Guardiola errou (pelo menos desde Janeiro), Mourinho errou (pelo menos desde o Inter), o Beckenbauer não percebe nada disto, e eu (e por ventura mais uns quantos) não sei interpretar.
Quando tal só restam vocês, o Jesus, o VP e o Bielsa.

Jorge Gaspar

DC disse...

O Pep agora vai ter que fazer o que já se tinha dito ser inevitável: uma razia.
Ou tira alguns corpos estranhos da equipa ou vão andar sempre lá perdidos. Eu só vi 10, 15min do jogo mas bastou isso para ver sempre a vontade ridícula de meter no Mandzukic.
Com Gotze e Muller no banco? Se o Pep não anda a ser obrigado pela direcção a meter certos jogadores, não entendo. Qual era o objectivo? Ser campeão com mais golos de cabeça?

E depois desta época também sou obrigado a questionar a escolha dele. O campeonato foi um passeio, nunca será difícil para ele vencê-lo. Depois, vai ter sempre uma dificuldade enorme em impôr o seu estilo. Conclusão, arrisca-se a sair de Munique daqui a uns anos com meia dúzia de títulos, mas com o seu estilo "manchado". E usando palavras dele, "lo que queda es el estilo".

Roberto Baggio disse...

Exacto Jorge. Perfeita essa leitura. Parabéns. Tu não percebeste. Mas tu só vês correria. Pelo que é natural que não tenhas percebido. Eu vejo outras coisas, pelo que é natural que tenha percebido outras coisas. Se não o consegues entender, eu não tenho qualquer tipo de obrigação de te mostrar ou provar nada. Pelo que só falo comigo, com o VP, com o Jesus, com o Bielsa e com todos os outros a quem eu ache que deva justificar o que quer que seja. A ti não. Já expliquei o porquê. Portanto podes continuar a debitar.

C-Zero, sim. Parece-me ser esse um dos grandes problemas. Falta de gente competente para jogar entre- linhas.

Vítor, excelente comentário.

Jay disse...


O pessoal tende a esquecer que até Janeiro o Bayern era implacável, mérito do Guardiola. Depois perdeu o Schweinsteiger e o Thiago por lesão e a coisa lixou-se. Entretanto tem vários jogadores numa forma demoníaca. E não tem o Busquets 'à alemão'. Tem Javi Martinez. Terá Lewandowski, muito melhor PL que Mandzukic, para o ano. Se voltar a ter oportunidade, medo deste Bayern para o ano. Sobretudo conseguindo um 6 de excelência (visto que Martinez é para central, como foi na 1ª metade da época) ou, usando Javi a 6, arranjando um DC que saiba sair a jogar e emparelhe com (os ideais são Hummels, Kompany e Piqué mas parece-me que neles ninguém mexe) o Dante (o melhor central entre ele, Badstuber e Boateng).

Seria pedir muito que no Bayern se estoirasse dinheiro ou por um 6 de grande nível ou um central de classe mundial (tipo Kompany ou Hummels), já que têm poupado nas contratações (Lewa e Mario a custo zero)?

E aproveitavam e despachavam tanta coisa que anda a mais neste Bayern (Mandzukic, Robben, Ribery) que já dava uns trocos para poder reforçar-se convenientemente...

Este Bayern do Pep tem enorme potencial. Bastaria uma equipa tipo Neuer - Lahm, Dante, Hummels/Kompany, Alaba - Javi, Schweinsteiger, Thiago - Muller, Lewandowski, Kroos/Goetze para provar aos críticos isso mesmo.

Anónimo disse...

cinges toda a argumentação a um comentário exagerado da minha parte. Por mim também já chega.
Jorge Gaspar

Pedro Ribeiro disse...

Acho que a questão cultural faz imensa diferença. Devo dizer que até me espantou a capacidade que Guardiola teve de modificar tanto e em tão pouco tempo o futebol do Bayern. Os resultados acompanharam desde cedo e tudo parecia ser um mar de rosas. Mesmo que os jogadores tivessem dúvidas quanto à bondade da opção de mudar, certamente que os resultados e o domínio interno avassalador as mitigaram.

Mas não podemos esquecer que o Bayern já era uma equipa ganhadora. Vencera tudo jogando outro futebol. Quando os maus resultados surgiram - e, francamente, não penso que tenha sido por questões tácticas, julgo que foi mesmo por descompressão depois de ganha a Bundesliga - regressaram as dúvidas. Aqueles que não são apreciadores do estilo Guardiola mostraram as garras - e muita gente de peso no Bayern questionou os porquês da mudança. Não acredito que os jogadores tenham ficado indiferentes. Afinal, eles tinham vencido tudo, com uma superioridade esmagadora sobre a concorrência, jogando o seu futebol. Afinal para quê terem mudado!?

E acredito que isso se reflicta no futebol jogado. Admito que também haja questões tácticas relacionadas com as escolhas de Guardiola - acredito que também ele não seja indiferente ao que se diz à sua volta - mas tendo a pensar que a alteração ocorreu na cabeça dos jogadores. Eu realmente fiquei espantadíssimo quando vi o Bayern, na primeira mão, em Madrid, a cruzar tantas vezes "à moda antiga". Não acredito que isso tenha sido uma opção de Guardiola.

Isto para dizer que, por muito importantes que sejam os aspectos tácticos, acho que há muitos factores que podem ser determinantes para o sucesso e que não podem ser menosprezados. Mesmo que a ideia de jogo de Guardiola seja a mais atraente (na vossa opinião, claro), não poderá ter sucesso se os jogadores não acreditarem de forma inabalável que ela é uma fórmula para o sucesso. É possível que Guardiola, se quiser ter sucesso à frente do Bayern, fiel à sua ideia de jogo, tenha de substituir alguns daqueles jogadores que fizeram o sucesso do Bayern da época anterior. Mas não estou seguro que lhe dêem cobertura para isso...

Roberto Baggio disse...

Pedro Ribeiro, excelente.

Mas acho que há um ponto táctico crucial: Vivenciação dos princípios de jogo. Sendo que não era uma equipa habituada ao jogar de Guardiola, o 1x4x3x3 deveria ter estado presente o tempo todo. A saída de bola deveria ter sido uma obsessão. Para que os jogadores cada vez mais se tornassem competentes dentro da ideia do treinador. Quando se altera, durante tanto tempo, durante tantos jogos, o resultado pode ser esse. Veja-se por exemplo o nosso texto de Fevereiro sobre algumas mudanças:

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/02/bayern-de-guardiola.html

E a caixa de comentários tem algumas questões interessantes.

Roberto Baggio disse...

PS, Pedro Ribeiro, concordo com a tua exposição. E considero outro dos motivos.

Elvaslion disse...

Não acho que haja melhor treinador do mundo, se achasse ele teria que ser aquele que sendo fiel ao seu estilo ganha com grandes ou pequenos jogadores.
No entanto para os defensores do "inserir epíteto" one aqui fica:
http://futbol.as.com/futbol/2014/04/30/champions/1398809844_498064.html

Fabio Correia disse...

Falta um guarda-redes que sabe jogar com os pés, nesse jogo que se vê a importância de um Valdes no sistema do Guardiola. Foi para mim a primeira coisa que me saltou aos olhos mas posso estar enganado.

Peace

Fabio Correia disse...

Falta um guarda-redes que sabe jogar com os pés, nesse jogo que se vê a importância de um Valdes no sistema do Guardiola. Foi para mim a primeira coisa que me saltou aos olhos mas posso estar enganado.

Peace

Fabio Correia disse...

Falta um guarda-redes que sabe jogar com os pés, nesse jogo que se vê a importância de um Valdes no sistema do Guardiola. Foi para mim a primeira coisa que me saltou aos olhos mas posso estar enganado.

Peace

Roberto Baggio disse...

Fábio, na minha opinião não. Neuer parece-me bastante competente com os pés, e mesmo a criar as linhas de passe certas. Mas em tudo que coloco aqui, é uma convicção, mas posso estar enganado e podes ter razão. E também reforço que não vi o jogo.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Ia dizer algumas coisas mas o DAS antecipou-se. Para mim, esta equipa do Bayern não cumpre com o mínimo exigido (a este nível) em transição defensiva e em organização ofensiva.

O Baggio prefere não falar em banho, mas eu falo, sim, e nos dois jogos. Chocolate do Real a todos os níveis.

Guardiola é fantástico. Mas precisa acertar várias coisas se quer sair incólume da Alemanha. A equipa do Bayern é fraca e joga mal.

O Real tem jogadores melhores (sobretudo Modric, X. Alonso, Coentrão, Bale, Ronaldo, Benzema foi incrível na forma como procurou dar apoios, fez um jogo espectacular) mas isso não justifica o chocolate.

A falta de criatividade no meio-campo é evidente e choca-me ver uma equipa do Guardiola a colocar constantemente a bola nos corredores laterais. Vou repetir isto até à exaustão.

Fico chocado. Porque Guardiola ensinou-me que a bola vai à lateral para voltar ao corredor central. E este Bayern faz exactamente o contrário: bola no meio só serve para ser colocada nas laterais. Mais nada.

Que tristeza...

Anónimo disse...

Acho que a principal razão para esta eliminação é Guardiola ainda não ter percebido quem são os jogadores que lhe permitem fazer o que ele quer. Para mim são Goetze a jogar, é Muller e não Mandzukic, é Martinez a central,...
Ainda falta Thiago é certo.

Depois falta tempo. O que ele conseguiu já é bom. Vamos ver como prepara a equipa para o ano. Reforços, saídas e já vai perceber melhor os jogadores que tem e como pode tirar o melhor deles.

Ontem vimos muito cruzamento...muito futebol anti-guardiola.

Nada melhor que uma grande derrota para que ele tenha mais força para implementar os seus métodos. Mais força para se manter fiel a si próprio, mesmo que ele mesmo o resista.

Abraço,

Top1

Cantinho do Morais disse...

Concordo e a posição de Pedro Ribeiro é excelente.
Eu não acredito que Robben acredite no modelo de Guardiola. Não pode. Vendo o que faz em campo (ou melhor, o que não faz), não pode acreditar em Guardiola.

E haja um pouco mais de respeito por Guardiola. Esta época, já venceu 3 troféus e pode ganhar mais 1. Isso é quase o número que Mourinho conseguiu em 3 épocas de Real. Quantos treinadores poderão ganhar, esta época, 3 ou 4 troféus? Jesus, Ancelotti?

rochacj85 disse...

Comparar o potencial do Atletico de Madrid com o do Real Madrid é como comparar o que então?
Pior, ainda é que falam como se 1 jogo fizesse uma equipa ou 1 treinador.
O Jupp teria ganho a champions este ano com o BM? Talvez sim, talvez não, ninguém sabe isso, o que eu sei é que o BM chegou á meia final o que é 1 optimo resultado, sem esquecer que no futebol moderno nenhum clube, por mais favorito que fosse ganhou duas vezes seguidas a champions (é dificil ganha-la, sabiam?) e ganhou a liga com muitos pontos de vantagem (sim, a fraquissima liga alemã, que está em 2º ou 3º no ranking da UEFA),

Eu adoro o Mourinho, mas não posso defende-lo depois da forma que foi eliminado pelo Dortmund no ano passado nem posso dizer que ele fez um grande trabalho quando vejo uma equipa como o Liverpool marcar mais 30 golos que o Chelsea dele e chegar a 2 jornadas do fim com +2 pontos ou quando chega á final da champions (se chegar) depois de eliminar os fortissimos Galatasaray, PSG e Atlético de Madrid, como se não fosse quase uma obrigação olhando para o plantel deste Chelsea (e tendo o próprio Mourinho no banco).

Vou é ficar feliz sim se hoje o Chelsea fizer uma bela exibição e passar, ou se jogar mal e perder. Adoro o Mourinho mas gosto mais de futebol!

Roberto Baggio disse...

Edson, excelente.
Em ti acredito, se dizes que foi banho.
Apenas não concordo com o plantel do Bayern, que não sendo o melhor (para Guardiola) é fantástico para 99,9% dos treinadores do mundo. Ou seja, não tem lá muitos que calçavam no Madrid, mas tem imensos que calçam indiscutivelmente em várias das melhores equipas do mundo (não estou a incluir Boateng ).

De resto Concordo com tudo. Desilusão pelo futebol do Bayern. Modelo de jogo fraco, previsível, fácil de anular. O caminho que seguiu, como fomos avisando em Fevereiro era mau, e ia ter consequências. E aí está o resultado. E há vários problemas, mas nenhum deles é mais grave do que aqueles que o próprio treinador causou na equipa.

Top1, vamos lá ver se ele consegue essa revolução.

Pedro disse...

Engraçado. O ano passado para justificar o massacre dizia-se que o Bayern tinha a melhor equipa da Europa, hoje, afinal já está a anos luz do Real e do Barça.
:)

Malandrecos.

Roberto Baggio disse...

Pedro equipa, como equipa. Não, nunca, individualmente.
Se assim foi o caso, mostra-me onde leste.
Isto para dizer que no ano passado, nenhum jogador do Bayern entrava no 11 do Barcelona. Do Real Madrid entrava o GR, extremo, e um central, e os laterais. Este ano, em Madrid entra novamente o GR, novamente os laterais e um central. Pelo que este ano Madrid está mais forte que no anterior.
E no onze do Barcelona entra um central.

Anónimo disse...

O que retenho de tantos comentários é que há aqui comentadeiros que conhecem melhor o futebol de Guardiola que o próprio, que conhecem melhor o caminho de Guardiola que ele, que sabem os melhores jogadores para executar o que Guardiola quer mas Guardiola escolhe outros porque está enganado nas próprias ideias. Enfim. Já nem se trata de avaliar o trabalho de outros pelas próprias ideias, o que é perfeitamente legitimo, mas de avaliar o trabalho de um outro pela ideia que fazem que ele terá; do género: "termos falado das mudanças no modelo de Guardiola e no retrocesso que isso significava para a forma de jogar que ele idealiza." Sabem mais sobre as ideias dele do que ele.

Pedro disse...

"Pedro equipa, como equipa."

Baggio, isso diz tanto. :)

Paolo Maldini disse...

Pedro, Real teve nos últimos 4 anos (contando c este) o melhor plantel a anos luz de todos os outros, excepto o Barcelona (equivaliam-se). Quantos do Bayern entram no 11 do Real? ou qts entrariam no ano passado...?

Bayern e Dortmund tiveram a sorte de Real e Barcelona na época passada não estarem tão bem orientados como deviam. O Real corrigiu.

Ja viste o que disse o Ronaldo ontem...?

Tiago Beça disse...

Aproveito para dizer que o Modric é o meu médio centro preferido da actualidade, que jogador completo.....não só não compromete defensivamente, como depois quando sai com a bola controlada, arranja sempre uma linha de passe para soltar a bola, mesmo sendo pressionado por vários adversários.
Faz tudo bem, seja defender, ou a atacar. Fantástico.
E depois com os 'cavalões' Ronaldo e Bale na frente, qualquer bola lançada nas costas da defesa pode resultar em golo.

Anónimo disse...

"Pedro equipa, como equipa". E quem é responsável por formar 1 "equipa". Não é o treinador? Se a temporada passada apresentavam melhor "equipa", é mérito de Jupp ou não?

Ricardo Cunha disse...

A sensação que passou desta eliminatória é que este Bayern nunca ganharia a este Real.
2 jogos, cada equipa perfeita e madura no seu estilo de jogo e .... 5 a 0 para o Real.
E a sensação que passa é que se jogassem para a semana ficaria .... 5 a 0 para o Real.
Neste momento dizer que Guardiola é o melhor do Mundo parece-me claramente uma barbaridade. Um treinador tem de preparar uma equipa para ganhar e claramente o Bayern com esta forma de jogar parece-me que teria muitas dificuldades em ganhar a este Real. Em Madrid não levaram mais porque não calhou e ontem levaram 4 bem levados. O melhor treinador do Mundo teria equilibrado a eliminatória. Mourinho nunca levaria 5 a 0 deste Real

Pedro disse...

"Pedro, Real teve nos últimos 4 anos (contando c este) o melhor plantel a anos luz de todos os outros, excepto o Barcelona (equivaliam-se)"

Mas o Barcelona, nesses 4 anos, foi ou não foi a melhor equipa da história do futebol mundial?

"Ja viste o que disse o Ronaldo ontem...?"

Viste o que o Zlatan disse noutro dia e Lampard? E Hazard? E... não me parece relevante entrar por aí.

"Se a temporada passada apresentavam melhor "equipa", é mérito de Jupp ou não?"

Exacto.

Roberto Baggio disse...

Ricarfo Cunha,

"2 jogos, cada equipa perfeita e madura no seu estilo de jogo e"

É impressão minha ou só tu é que viste um Bayern perfeito e maduro no seu estilo?

Pedro, por outro lado Mourinho não consegue ficar à frente do Liverpool no campeonato. Porque não consegue contra equipas inferiores uma percentagem de vitórias esmagadora.

Gil Von Doellinger disse...

Eu vejo muitas dificuldades para Guardiola na próxima época. Parece-me pouco plausível que a direcção do Bayern dê carta branca a Guardiola no que a uma razia diz respeito. E enquanto tiver Robben e Ribéry, por exemplo, a emperrar o que idealiza nunca irá estar próximo de conseguir implementar isso mesmo.

Por outro lado, acredito que Guardiola tenha tentado ir de encontro às idiossincrasias do plantel quando este não se mostrou muito disposto a ir em direcção às ideias do treinador. Isto principalmente quando o nível de dificuldade, a partir de Janeiro, aumentou. Este modelo híbrido do Bayern parece ter sido a única forma que Guardiola terá encontrado, atendendo a que não conseguiu o mais difícil: conseguir que os jogadores acreditassem que o melhor caminho era o seu. E creio que quando os jogadores não estão todos e completamente com o treinador, tudo fica tão mais difícil. Muito mais quando as pressões externas validam o modo de pensar desses mesmos jogadores.

O que me deixa profundamente desiludido é o facto de Guardiola não ter tido a coragem de fazer tudo o que estava ao seu alcance para conseguir implementar o seu modelo ao máximo.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Sim, Baggio, provavelmente expliquei-me mal. O que eu queria dizer é que o Bayern não tem qualidade individual suficiente para jogar um estilo de jogo que não seja o de transições.

É evidente que têm bastantes bons jogadores.

O Real, por exemplo, tem conseguido ser uma equipa de transições (tem jogadores perfeitos para isso) com um bocadinho de cérebro (dado pelo Xabi, Modric e Benzema, com alguma colaboração de Bale e Ronaldo).

Gil Von Doellinger disse...

Edson, se Muller e Gotze (mais Thiago) jogarem no meio porque não poderá o Bayern jogar em posse? Aliás, não entendo algumas das opções de Guardiola no que diz respeito às suas escolhas, isto em detrimento das que eu referi.

Anónimo disse...

o que n se pode subestimar é aquilo que o gil von doellinger referiu... a capacidade de um treinador fazer os jogadores acreditar no seu caminho. Todos damos de barato essa parte mas a verdade é que é mais fácil a um Paulo Fonseca fazer passar a sua ideia aos jogadores do Passos do que a jogadores que já ganharam 3 campeonatos e uma liga europa. Mesmo o VP na 1a época teve dificuldades de afirmação perante o grupo de trabalho e a ideia de jogo era muito semelhante à de AVB. Guardiola apesar de todo o sucesso no Barça chegou a um grupo que já tinha ganho tudo e as mudanças nunca são tão fáceis de operar. É por isso que quer se goste quer n é fundamental para um treinador os resultados... pois são eles que validam perante os próprios jogadores o caminho que pretendem... e se os resultados n surgem a vontade dos jogadores seguirem esse caminho fica cada vez menor o que por sua vez leva a piores resultados (o Porto deste ano apesar de todas as limitações do PF é um bom exemplo). E Mourinho, Ancelottis e outros treinadores c titulos vão ter sempre planteis mais dispostos a seguir os seus caminhos por mais estranhos que estes sejam..

Edson Arantes do Nascimento disse...

Gil, sim, acho que sim! Claro que sim. Mas do que eu vi deste Bayern, Muller e Goetze não jogaram uma única vez no meio-campo...

Aliás, gostei sempre de ver a equipa com o Goetze na frente. Mas isso não aconteceu muitas vezes. Fiquei com a ideia que o contexto (dirigentes, adeptos, jogadores mais influentes, talvez o próprio Goetze?) não permitiu que a equipa estabilizasse com estas opções, que na minha opinião têm um perfil mais adequado para aquilo que o Guardiola costuma preparar.

Também é verdade que tenho sido muito critico com os últimos meses do Bayern mas eles fizeram uma época interessante. Não pode haver dúvidas. Com alguns bons jogos e algumas boas ideias já conhecidas.

A mim o que me desilude são alguns comportamentos da equipa e o facto do Guardiola não ter tido a arte e a inteligência para mudá-los. Estou super-curioso de acompanhar os próximos meses do Bayern e do Guardiola.

Acho que não serão momentos fáceis. Mas serão interessantes de analisar.

Gil Von Doellinger disse...

Edson,

"A mim o que me desilude são alguns comportamentos da equipa e o facto do Guardiola não ter tido a arte e a inteligência para mudá-los. Estou super-curioso de acompanhar os próximos meses do Bayern e do Guardiola.

Acho que não serão momentos fáceis. Mas serão interessantes de analisar."

Totalmente de acordo. Cumprimentos.

Gil Von Doellinger disse...

«O Bayern continua a ser a melhor equipa do Mundo» - Klopp

Nuno Ferreira disse...

Perspectiva bastante interessante:

"The Question: is this the end for tiki-taka?"


http://www.theguardian.com/football/blog/2014/may/01/the-question-is-this-the-end-for-tiki-taka-football?CMP=twt_gu