terça-feira, 15 de abril de 2014

Um dia o Pirlo vai deixar de jogar. Mas é a tua ausência que mais sinto...

E o Riquelme e o Gerrard. E o Xavi e o Iniesta. Todos deixarão.

O Scholes que foi uma referência para muitos deles já deixou.

Demasiadas vezes é assim que sinto os anos a passarem. O Cantona, o Futre e o Van Basten foram os ídolos de menino, depois de me ter enamorado por ti. 

O Messi que é o melhor de sempre, porque é estupidamente perfeito em todas as acções que faz não humilha os adversários porque sim. Fá-lo sempre para aproximar a sua equipa do golo. Não bate nos adversários nem nos adeptos. É tudo demasiado perfeito, e eu não consigo apaixonar-me por alguém assim.

O Balotelli tem os seus momentos, mas não vai embora com a bola. O Ronaldo chuta bem mas há muito que é apenas uma máquina perfeita de marcar e vencer. Sem sentimentos. 

Não nascerá mais ninguém que me prenda à televisão a ver jogos do Sevilha. Gordinho como te recordo em Espanha, a fazer o que mais ninguém conseguia, ainda assim. Mais tarde ver-te aos dez anos a confessar os dois desejos secretos. Jogar um Mundial e ganhá-lo. Tinhas os mesmos dez anos quando o teu irmão garantiu que nunca iria ser como tu. Porque já ai eras um extra-terrestre. Como é possível adivinhar-se toda uma vida aos dez anos, penso.

Os miúdos do Benfica que ontem jogaram a primeira final europeia de futebol jovem talvez não precisem de nascer dez vezes para mais tarde representarem no escalão seguinte o seu clube. Mas o Messi, o Ronaldo, o Xavi, o Pirlo e o Riquelme, nem que nasçam cem criarão um momento destes.


“Balón para Diego, ahí la tiene Maradona, lo marcan dos, pisa la pelota, Maradona, arranca por la derecha el genio del fútbol mundial. Y deja el tercero, puede tocar para Burruchaga… siempre Maradona. ¡Genio, genio, genio! Ta, ta, ta, ta, ta … ¡Gooooooool gooooooool!
¡Quiero llorar! ¡Dios santo, viva el fútbol, golaaaazo! ¡Diegoooool!!! Maradona! Es para llorar, perdónenme. Maradona, en una corrida memorable, en la jugada de todos los tiempos,barrilete cósmico, de qué planeta viniste para dejar en el camino a tanto inglés?, para que el país sea un puño apretado gritando por Argentina. Argentina 2 – Inglaterra 0. ¡Diegol, Diegol!, Diego Armando Maradona. Gracias, Dios, por el fútbol, por Maradona, por estas lágrimas, por este Argentina 2 – Inglaterra 0."

60 comentários:

Cosimo Damiano disse...

Ámen.

EK disse...

Se à qualidade de Messi juntássemos alguém com sentimento a relatar os jogos de hoje, talvez conseguíssemos algo próximo disto. Próximo mas muito distante .. Se é que dá para entender isto.

Joao Lucio disse...

Que grande verdade. Ao ver estas imagens ainda hoje me arrepio. Mas não consigo esquecer do enorme simbolismo do primeiro golo deste mesmo jogo, a mão de Deus.

Aliás num jogo especial, marcadamente politico, os dois golos vão perdurar para sempre como golos que só Maradona e a sua Argentina podia marcar.

Joao Lucio disse...

Que grande verdade. Ao ver estas imagens ainda hoje me arrepio. Mas não consigo esquecer do enorme simbolismo do primeiro golo deste mesmo jogo, a mão de Deus.

Aliás num jogo especial, marcadamente politico, os dois golos vão perdurar para sempre como golos que só Maradona e a sua Argentina podia marcar.

Anónimo disse...

O Messi é tão perfeito que consegue correr mais um km do que o GR da sua equipa.... É a perfeição... CR7 é só uma máquina perfeita de marcar golos??? OK...Discordo inteiramente, da forma como caracterizas o jogador mais completo da história do futebol, mais completa que a pulga anã.

Javier Zanetti disse...

O Xavi neste post é um insulto ao futebol!

DC disse...

Há aqui gente que realmente não gosta de futebol, gosta de bater pívias a olhar para os jogadores.

Fala-se no jogador mais apaixonante de sempre e eles preocupam-se com os pormenores de teres chamado perfeito a este ou máquina aquele. Enfim...

Quanto ao Diego, incrível. O filme do Kusturica há-de ser sempre o meu preferido. Foi a coisa mais próxima dum Messias que existiu na terra nos tempos modernos. Mas este nós vimos a fazer milagres mesmo.

Diogo disse...

Os mesmos bloggers que criticam os jogadores por serem demasiado egoístas e não pensarem em prol da equipa a determinarem o melhor de sempre com base na qualidade individual e na sua capacidade de definir os jogos sozinhos.

E eu ingénuo que pensava que o vosso jogador favorito seria um Beckenbauer, um Xavi ou quiça um Matthaus.

Ainda bem que gostam de futebol espectáculo, cheguei a pensar que a vossa cena fosse mais um desporto aborrecido onde 11 jogadores passam a bola e só chutam quando só tem o GR pela frente.

Cumprimentos,

rochacj85 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
rochacj85 disse...

Concordo que o Messi seja o melhor jogador de sempre, e considero que o nosso capitão esteja na restrita galeria dos melhores de sempre junto com Maradona, Pele, Messi..

E essa é a razão do meu comentário. Num post tão bom, comentar sobre o Ronaldo (a tal máquina perfeita sem sentimentos, contudo perfeita) no mesmo paragrafo do Balotelli é no mínimo redutor.

Ao olhar para o que o Messi faz,(posso estar enganado, e não há nenhum sitio melhor que este blog para me mostrarem porque estou enganado) ele próprio está cada vez mais mecanizado e formatado para o golo.

Beks disse...

http://www.abola.pt/nnh/ver.aspx?id=472086

Vítor Leal disse...

Belo post, Maldini. É difícil de aceitar quando "certos" jogadores deixam de jogar. O Andrea Pirlo é um desses, de facto.

Anónimo disse...

Curioso é verificar que os apreciadores do futebol enfadonho do barca e do bayerun... bola para aqui, bola para ali, bola para aqui, bola para ali... escolhem um génio como maradona e um lance surpreendemente individual.... E colocarem no mm paragrafo bolateli e o roanldo, é uma ofensa ao futebol,

Roberto Baggio disse...

Incrível como atrevimento é mesmo a palavra certa para caracterizar certas personagens. Meu caro professor Vítor Frade, você é genial!!!

Paolo Maldini disse...

"Diogo disse...
Os mesmos bloggers que criticam os jogadores por serem demasiado egoístas e não pensarem em prol da equipa a determinarem o melhor de sempre com base na qualidade individual e na sua capacidade de definir os jogos sozinhos.

E eu ingénuo que pensava que o vosso jogador favorito seria um Beckenbauer, um Xavi ou quiça um Matthaus."

nunca vais perceber. é tempo perdido...

Baggio, bloqueia os comentários dos idiotas, sff...

Anónimo disse...

Messi só seria ou será o melhor de sempre se sair do Barça, até lá ficará na galeria dos melhores. Ao contrário de Maradona não andou com seleções/equipas as costas. Messi faz parte de uma super equipa que conseguiu retirar muito sumo quando os jogadores estavam no seu expoente máximo e tinham um treinador soberbo. Não sei o que ele seria num Nápoles, num Sevilha ou noutra equipa qualquer, nem provavelmente nunca saberemos e muitas vezes parece que nem o próprio quer.

Gonçalo Vargas disse...

Anónimo,

O Messi não tem que sair do Barcelona para ser o melhor de sempre. É o porque não falha uma acção. Não interessa se está no Barça ou não, ele não tem que provar mais nada.

Tendo em conta tudo o que ele já fez e faz, a probabilidade de ser o melhor noutra equipa é muito superior à probabilidade de não o ser. Ele é um génio e aliado a tudo o que imagina na sua mente brilhante para o futebol, é um executante fantástico e consegue dar seguimento a praticamente todas as jogadas que concebe. Joga e faz jogar. Enerva-me porque é demasiado perfeito, mas é o melhor jogador de todos os tempos.

Ricardinho disse...

O melhor de sempre foi o pelé porque o DEUS DO FUTEBOL DIEGO ARMANDO MARADORA não entrou para a votação de certeza

PedroC disse...

Não perçebendo se calhar tanto como outros aqui, penso que sendo o futebol um jogo colectivo, um jogador que esteja inserido numa equipa melhor e mais rotinada terá sempre mais hipóteses de brilhar e fazer melhor.

É por esta razão que não partilho da euforia à volta de messi. É um jogador brilhante, provavelmente o melhor do mundo a nivel de talento. Mas nao me digam que o facto de ter uma equipa a jogar para ele, onde figuram iniesta e xavi, e que ja joga junta aos anos, não o beneficia e muito quando comparado com outros. Basta ver o que ele corre por jogo.

Já maradona....é simplesmente o melhor. Carregou com todas as equipas onde jogou as costas. Fez coisas fantasticas, e nunca foi um atleta como hoje em dia estes são, nunca se portou bem.

Antes pelo contrario, todos nos sabemos das drogas e afins....e mesmo assim fez o que fez.

O que poderia ele ter feito mais se tivesse mais juizo?



Anónimo disse...

falar de Matthaus e omitir Sammer é crime,tal como o anjo das pernas tortas germanico

EQSM disse...

bem vindo ao clube!

http://seromaradona.blogspot.pt/

Anónimo disse...

Gonçalo Vargas acho que a minha opinião vale tanto como a tua, afirmar que Messi é o melhor do mundo é tão válido como não ser, e para mim não o é pela opinião que dei e pelas mesmas que o PedroC fala. Não deixa de ser fantástico, ainda tem muito pela frente, mas está ainda longe do que Maradona sozinho conseguiu fazer.

Guardiboiola disse...

Quantas más decisoes existem no golo do seculo? Quantas más decisoes existem no golo de maradoniano de Messi ao Getafe?

Os dois nao aumentariam a probabilidade de sucesso da equipa se em 1 ou 2 momentos dessas jogadas tivessem solicitado um companheiro? Ou no golo de bicicleta de Ibrahimovic à Inglaterra...qual a probabilidade de sucesso de um remate daqueles? Quase zerinho, independentemente da enorme qualidade do executante.

Eu percebo que vos seja dificil nesta fase de transição, tentarem apesar de tudo, uma ultima ligação ao futebol mais emotivo, mas têm que ser coerentes. Maradona decidia muitas vezes mal, mas ok, aceita-se o argumento de ser outro tempo, outro futebol. Messi até há uns 4, 5 anos atrás, decidia muitas vezes mal. E era quando o seu jogo era menos perfeito, mas mais espectacular! O que eu achei perfeito, perfeito foi terem-no catalogado como demasiado perfeito, incapaz de despertar a mesma emoção que o seu modelo antecessor. É exatamente disso que se trata! A perfeição enjoa.

O futebol do futuro, a vingar a vossa corrente de pensamento(que eu ate acredito que vai vingar, porque é realmente a que poderá aproximar as equipas mais do sucesso), será um futebol entediante, demasiado padronizado. E por muito que procurem conciliar liberdade, imprevisibilidade com esse futebol, na pratica nao acontecerá. Com o publico educado, com os media educados, com os treinadores, comentadores e tudo o que rodeia o futebol educados, os jogadores educadissimos, irão sentir-se muito mais condicionados pela obrigatoriedade de decidir com...perfeição.

O jogador de futuro nem sequer será Messi, jogador criado entre os 2 mundos, do antigo e do moderno futebol(depois explico isto), mas 10 Xavis, desde os centrais até aos pontas de lança...não no perfil morfologico ou de carateristicas tecnicas(algumas diferenças existirão sempre), mas no criterio com que decidirão cada posse de bola. Puta que pariu, eu dou por mim até a preferir 1 equipa do Jaime Pacheco, do que a imaginar um futebol assim.

É como estar com uma gaja, toda turbinada, silicone no peito, no rabo, botox para labios carnudos, sem uma celulite, marmore inerte na cama. E a outra, girinha mas com a teta descaida, sexy mas com o cabelo desalinhado. Mas que faz umas reviengas de quatro e deixa-nos malucos. Futebol é tambem emoçao porra. Nunca se esqueçam disso! E um dia, se voces chegarem ao topo, lembrem-se de como seria bom, nao terem que rebuscar as vossas memorias de infancia para se recordarem porque um dia se apaixonaram por este desporto.

Anónimo disse...

http://youtu.be/BmmVl9tTQm8

Guardiboiola disse...

Eu acredito que sim Baggio. Que os incentives e que aprecies o talento. E que até procures explicar-lhes em que situações o drible é a melhor decisão, porque muitas vezes o é. Só que na prática ficarão limitados na expressão dessas capacidades, porque a preocupação com o "decidir bem", inevitavelmente castrará algumas acções que ate ha pouco tempo viamos, com menores probabilidades de sucesso, mas ainda assim mais espectaculares.

Eu já vi isto acontecer em outros 2 desportos que sempre apreciei. E sei que no final de tudo, prevalecerá a vontade de vencer. E que após uma fase, onde existem executantes muito dotados adaptados às novas "leis", a tendencia é a diminuiçao do talento, pelos estimulos diferentes a que sao sujeitos.

E Guardiola é um génio que soube aplicar num desporto colectivo de 11 jogadores por equipa, metodos que foram aplicados em desportos com 5 elementos, logo de muito menor complexidade. Nao estou a dizer que ele se inspirou em alguma coisa, porque sao desportos totalmente diferentes, apenas a ver algumas semelhanças, com o mesmo protagonista: a Espanha.

Futsal e Hoquei em patins. Sempre os espanhois, esses chatos! O Guardiola é o Lozano Cid do futebol de 11. No Hoquei e no futsal, a Espanha no inicio do seculo, começou a pressionar alto, a nunca mas nunca arriscar uma perda de bola em situações que representassem o minimo de risco. Até aí tinhamos executantes de enorme talento individual. Depois, continuavam a possuir, mas arriscavam muito menos. A geraçao seguinte ja não tem a mesma habilidade individual! Puxa, o futsal e o hoquei dos anos 90 eram muito mais loucos, muito mais espectaculares, mas claro, muito menos "bem jogados". Qualquer equipa dos 90 seria trucidada por uma mediana actual. Assim tambem no futebol.

Eu percebo que voces tambem adorem jogadores dotados tecnicamente, habilidosos, com boa capacidade de drible e movimentos individuais inesperados. E quem melhor que Messi para exemplificar isso, certo? Mas Messi talvez seja o ultimo exemplo do jogador que nasceu entre 2 mundos, representante da transiçao. Foi criado tendo como modelos jogadores do antigo futebol, inspirando-se neles, aperfeiçoando as arrancadas, o drible, os toques de habilidade às vezes sem outro fim que nao fosse a perseguiçao de uma estetica apurada.

Sim, na La Masia ha muito que se trabalham outros aspectos mais modernos, mas ainda assim, quando Messi subiu aos seniores, era tempo do Barça de Ronaldinho e que melhor exemplo que o brasileiro, como alguem que dividia o seu jogo em acções que aumentavam o rendimento colectivo e outras apenas e só para entretenimento pessoal e do publico.

E durante alguns anos como senior, Messi tambem misturava os 2 tipos de acção. Muito mais individualista.

Guardiboiola disse...

So que eu nao penso que o enfoque para o desenvolvimento(manutençao) das capacidades individuais deva estar só ou principalmente nos anos de formaçao. Eu posso ser ja adulto e saber interpretar uma peça complicada no piano. Se nao a praticar durante 1 ou 2 anos, inevitavelmente, custa-me executa-la muito mais. So voltando a perder um bom tempo, posso novamente atingir a perfeiçao. Assim é tambem com o drible por exemplo.

Messi desde ha 1 ano, 2 anos, perdeu parte dessa capacidade. Sim, tambem existem os problemas fisicos, mas ja antes disso. Continua fabuloso, mas nao um ET, nesses movimentos. Primeiro foi abandonando, porque entendeu que nem sempre era a melhor soluçao, e isto fez parte da evoluçao natural de um jogador muito inteligente como ele é. Mas enquanto "crescia" nesse processo, e voltava a deparar-se com situaçoes onde a melhor soluçao seria mesmo o drible, a naturalidade com que executava ja nao era a mesma. Como a peça no piano.

Ora com isto o que pretendo concluir? Primeiro, que se a vossa ideologia, corrente Guardiola, prevalecer, os modelos que os miudos terão serão totalmente diferentes do que a nossa geraçao ou a anterior teve. E isso faz TODA a diferença! O futebol de rua nao morre apenas porque as consolas estão ai ou porque a rua tem hoje mais transito ou porque a liberdade dos putos diminuiu. Morre, como conceito de futebol sacana, onde os catraios procuravam acima de tudo o divertimento puro, a canalhice de um tunel, um chapeu, a humilhação dos colegas com a manifestaçao de grande superioridade individual, sinonimo durante decadas de arte, na nossa cultura. E que alavancava as possibilidades de desenvolver habilidade acima da media.

Cada cultura, imitava os seus modelos. Aqui era o Chalana, depois o Futre, logo o Figo. Na America do Sul as arrancadas Maradonianas, a habilidade preguiçosa de um Zico, as danças coreografadas de um Denilson ou Gaucho. Em Italia, imagino miudos projetando-se num Baresi ou Maldini. E em Inglaterra a estoirar quanto mais longe melhor, como viam ao Domingo na Premier.

Os Iniestas, Messis, David Silvas quando eram putos, tinham como modelos os mais dotados individualmente. Nao se esqueçam disso. Eu imagino num futuro se a vossa corrente vingar, os miudos a procurarem acima de tudo, ja pequeninos, tomarem as melhores decisoes. Vao imitar o que ouvem e o que veêm, vao desde muito cedo ter o cerebro educado para isso.
E mesmo que o estimulos na formaçao procurem o desenvolvimento de outras capacidades, a tendencia sera essa. E se ainda assim desenvolverem as competencias individuais, vao deixando de as executar com o tempo, perdendo a capacidade de continuar a faze-las com a mesma naturalidade. Uma coisa é andar de bicicleta, outra é isto.

Quem ja jogou futebol e procurava algum tipo de acção individual, de certeza que se recorda de ser perito num tipo de acçao(sei lá, tipo drible rabo de vaca) e passados uns anos lembrar-se: eh pá, dantes eu fazia isto tao bem, nunca mais fiz. E depois volta a praticar e com mais um tempo chega lá, mas nunca nas primeiras tentativas após meses ou anos sem praticar. E ate atingir a perfeiçao anterior, leva um bom tempo! Isto quando se lembram, porque ha movimentos que ficam esquecidos para sempre.

Eu imagino daqui a uns 30 anos, as analises pós-jogo, semelhantes às vossas analises às decisoes. Os circulos, as opçoes. Imaginam a influencia que isso terá em castrar liberdades e imprevisibilidade? E softwares de treino ou jogos de crianças, com pontuaçoes para as melhores decisoes em diversas situaçoes de jogo. E nao ha hipotese. Haverá muito mais soluçoes padronizadas. Como o xadrez que ha uns 120 anos, tinha apenas uma sequencia de umas 5,6,7 jogadas nas aberturas e agora pode chegar a dezenas.

Rui Monteiro disse...

Meu caro,

O Maradona, dos que vi jogar, foi o melhor jogador do mundo a muita distância dos demais. Cada toque, cada finta, cada remate, vinha sempre assinado. Neste golo não está em causa o facto de ter passado muitos ingleses. O Messi é capaz de passar mais. A diferença é a velocidade. O Maradona passa-os a todos sem acelerar.

Depois, o Maradona levou literalmente uma selecção às costas até ao título. Nenhum jogador conseguiu feito semelhante. Duvido que outro o venha a conseguir, até porque os tempos são outros.

Cumprimentos

Guardiboiola disse...

Acredito que deixará de ser um desporto tao entusiasmante. Os duelos individuais sao parte do espetaculo, mesmo num desporto colectivo. Um amigo meu, fã de basket, explicou-me como os americanos têm feito tudo o que é possivel para evitar que a tactica, que estrategias colectivas contaminem a riqueza dos duelos individuais neste desporto, inclusive mudando regras! O ser humano procura herois, procura feitos. Ha grandes feitos colectivos é certo, mas os feitos individuais da humanidade sao sempre muito mais destacados, muito mais romantizados.

Emerge assim a figura do treinador, como o heroi, e entendo a tentaçao que é, os jovens treinadores, disseminarem esta doutrina...no fundo, mesmo que nao de forma consciente, estão a colocar em destaque como heroi o homem por detras da estrategia, o treinador de sucesso que almejam ser. Mas por mais carismatico que ele seja, por mais admiravel, nao tem a mesma carga romantica, uma inovaçao estrategica do jogo, a um golo do Maradona a Inglaterra.

A uma bicicleta a 30 metros do Ibrahimovic a Inglaterra, a uma defesa sem luvas de um Ricardo...a quem? A inglaterra pois...Isto para o adepto comum. Evidente que algumas camadas, como a vossa, preferem o primeiro. Mas desengane-se quem pensa que se nao se aprecia mais, uma mudança de paradigma(avé Guardiola), a razao seja a incompreensao. Esta é muitas vezes a tentaçao, nao digo vossa, mas dos vossos "discipulos" ou do guru catalao. Sao apenas preferencias esteticas e diferentes prioridades.

Aqui o grande perigo para mim é o poder de atracçao que a vossa ideologia tem. E é por isso que vao conquistar o mundo do futebol, Guardiola e os seus defensores. E isto nao tem nada a ver com saudosismo, é porque acho mesmo que a espetacularidade nao será como a imaginam, com Barcelonas em varias esquinas(o tal produto da transiçao como tentei explicar, irrepetivel). Têm varios pontos fortes. O primeiro é que tem resultados! Parece-me de facto que é a formula que mais aproximará as equipas do sucesso. Mas tambem ja existiu o catenaccio e o jogo reptiliano das equipas italianas dos anos 90. Sim, mas nessa epoca, a nao ser em Italia, ninguem os procurava mimetizar. Nao, porque nao achassem que era possivel, mas pela repulsa que um jogo tao afastado da beleza, causava. Fora dessa cultura, poucos queriam pelo resultado, renunciar à estetica e à emoçao.

Agora é diferente. O jogo Guardiola é-nos apresentado envolto em camadas espessas de requinte. Como o ultimo produto gourmet, inacessivel aos paladares rusticos de um campónio. Os executantes sao habilidosos, tecnicistas, compensando a sua inferioridade atletica com suprema inteligencia(apenas aparente inferioridade, porque para mim Messi ou Iniesta p.ex. sao incrivelmente poderosos fisicamente, nas carateristicas fisicas que realmente sao necessarias para futebol). Os Davids contra Golias. A inteligência Vs Mentecaptos saudosistas. Junta-te a nós que abraçamos a luz, nao fiques nas trevas da ignorancia...

Isto já aconteceu em tantas areas, natural que aconteça em futebol. Sim, é a seita Guardiola e eu sei que nós, os outros, infelizmente, seremos derrotados. E o futebol tambem...

Rui disse...

Guardiboiola és o meu idolo xD conseguiste escrever exactamente o que eu penso sobre o "novo futebol" e que ainda não tinha conseguido transmitir em palavras!

Paolo Maldini disse...

Guardi, decidir bem não tem nada a ver com passar a bola. Tem a ver com probabilidades de sucesso. Se calhar se eu estiver a jogar, para decidir bem vou ter de passar sp pq n sei fazer um drible. Mas se fores tu q em 10 passas 9, decidir bem é parti-lo todo e fruto disso desequilibrar toda a equipa adversária. E acredita que isso é muito incentivado em formações que estão hoje no topo do futebol mundial. Ficarias espantado se soubesses como se incentiva ou como se criam exercícios de 1x3 ou 1x4, incentivando os melhores a parti-los todos, dando bonificações com cuecas e cabritos e afins.

Uma coisa não está dependente da outra. quem interpreta de tal forma, não está a interpretar como eu quero que interpretem. Xavi seria melhor que o Messi sob esse ponto de vista. E não é...

As coisas estão em permanente evolução para se tornarem mais fortes. O meu pai acha que o futebol era bom era no tempo do 2x2x6, com Vicente a central e Eusébio na frente. Tudo o que se seguiu para ele é menos divertido, menos emotivo, menos apelativo.

Paolo Maldini disse...

Rui Monteiro,

excelente :)

Paolo Maldini disse...

Quase tão excelente como isto

"Só que os princípios não são compatíveis com o jeito dos seus jogadores para a bola. Uma equipa como a do Gil Vicente tem a responsabilidade de se conhecer. Devem jogar todos cá atrás e, quando têm a bola, mandam uma biqueirada para a frente, na expetativa que o grandalhão que colocaram a avançado possa num bambúrrio qualquer criar um lance de golo.

O Gil Vicente não é assim. Tenta sempre sair com a bola controlada, mesmo que bola atrapalhe os defesas. A jogada repetiu-se vezes sem conta. Um dos centrais passava a outro e esse, após uma corrida ou um mero franzir de sobrolho do Slimani, acabava por atrasar à queima para o guarda-redes que invariavelmente atirava a bola para fora. Perante este tiki-taka, qualquer adversário se aborrece e deixa de ligar ao jogo."

leio sempre! grande abraço

Pedro disse...

Messi continua a anos Luz do Deus Maradona.

Maradona não foi só o maior dos maiores como conquistou o que se pensava impossivel de conquistar. Esse romantismo aliado à sua genialidade (aquele video do Maradona a brincar com a bola enquanto os colegas do Nápoles aquecem para o jogo com todo o afinco é soberbo) colocam Maradona num pedestal que Messi, Ronaldos, Zidane e outros têm que olhar com veneração.

Messi decide bem? Sim. É genial? Sim. Mas não é Maradona.

As suas conquistas não têm o peso das de Maradona e isso nem os seus maiores defensores o conseguem negar.

Num post de Maradona escrever o nome de Balloteli? Nem parece teu Maldini. ;)

mpboiola disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
M disse...

Guardiboiola, muito bom!

Antonio disse...

Faz-me confusão como aqui se fala de tanto jogador e nunca referem a um dos melhores de sempre e o verdadeiro percursor do futebol moderno: Cruift.

É realmente preciso nunca o terem visto jogar, para quem valoriza tanto a habilidade e a capacidade de decisão!!!

Antonio disse...

Faz-me confusão como aqui se fala de tanto jogador e nunca referem a um dos melhores de sempre e o verdadeiro percursor do futebol moderno: Cruift.

É realmente preciso nunca o terem visto jogar, para quem valoriza tanto a habilidade e a capacidade de decisão!!!

Anónimo disse...

Quem é o Cruift? XD

Paolo Maldini disse...

António, nc o vi jogar mesmo...

Roberto Baggio disse...

Guardiboiola,

O meu comentário apagou-se no meio de alguns outros que foram censurados.

Mas vamos ao essencial:

O drible, como o passe, é uma solução que o jogo pede com bastante frequência. Veja-se Iniesta, Messi, Ribery, etc. Driblam tantas vezes por jogo, mas tantas vezes que nem faz sentido dizer que o drible deles perde eficácia, quando eles claramente manifestam e vivenciam essa capacidade técnica repetidamente por jogo e por treino. Driblam para melhorar as condições de passe, para melhorar o campo de visão, para iludir o adversário por forma a que não antecipe a sua intenção, por forma a aproveitar o espaço que se criou, por forma a aproveitar a igualdade numérica, por forma a criar igualdade ou superioridade numérica, por forma a temporizar e esperar pelos colegas, por forma a fazer progredir a equipa, por forma a sair de zonas de pressão, por forma a atrair adversários, por forma a deixar o adversario em sentido, por forma a resolver situações que só o drible pode resolver. E ainda há outro N número de situações de jogo onde o drible é uma emergência fundamental. Portanto, não acredito nunca que irá desaparecer, porque os ídolos de hoje, continuam maioritariamente a ser como os de ontem. Os que têm qualidades técnicas especiais. Special players with special skills.

Henrique disse...

Neste blogue está-se sempre a afirmar que não se pode/deve comparar os jogadores do passado com os actuais por o jogo ser completamente diferente, e eu concordo em absoluto. Mas depois estão sempre a dizer que o Messi é o melhor de sempre, comparando com todos os outros e excluindo os contextos competitivos em que os jogadores passados estiveram inseridos.

Vasco disse...

O Deus ganhou o campeonato mais defensivo de sempre numa equipa q tinha feito 3 aquisições para não ter q descer outra vez..

Paolo Maldini disse...

Isso Baggio. Como disse, decidir bem não tem nada a ver com tikitakas.

Este blog teve início em 2008, já a apregoar o conceito da inteligência e da tomada de decisão. Nessa altura ainda nem havia Guardiola, nem Barça de tikitaka (acho eu).

Como o barça do guardiola foi o expoente máximo de uma equipa formada pelo máximo de jogadores mt dotados na compreensão do jogo (mas tb e sobretudo de nível extraordinário tecnico, tende-se a achar isso... q estamos a seguir esse tipo de futebol.

Portanto é redutor que nos apelidem de seguidores de Guardiola, quando apregoámos a inteligência de jogo como principal factor de sucesso do futebol moderno ainda antes dele ser treinador do Barcelona!

Ser inteligente não é dar 10 passs para trás e 1 para a frente, se das 11 vezes se impuser um passe para a frente... isso é até ser-se bastante burro! Não tem a ver com ser mais ou menos ofensivo, nem tem a ver com ser-se mais ou menos driblador, ou colocar menos ou mais as capacidades individuais "à vista"

Verrati disse...

Baggio e Maldini

Para voces a tomada de decisao e auto-eco-hetero ou entendem-na como independente do MJ da equipa? Isto e , acham que o jogador deve estar de acordo com o MJ e por isso o seu padrao de decisao mudar consoante o contexto ou deve ser sempre igual ignorando o ECO(contexto)?

Abraco

Paolo Maldini disse...

olha, no meu MJ preocupo-me essencialmente em dar opções ao portador para q este decida. E claro q vou indicando o caminho q acho q terá mais sucesso. Depois joga quem cumpre mais com isto. fácil.

portanto n relaciono mt a decisao c o meu modelo, mas antes c as situações q encontram no jogo. Mas quero q decidam consoante o q axo ser melhor.

Roberto Baggio disse...

Acho que há modelos de jogo que influenciam, e que há outros que nem tanto. Por exemplo, Man Utd. 81 cruzamentos num jogo. Isso é padrão, é modelo de jogo. O jogador não cruzou sempre porque acha que isso é melhor. Cruzou porque o treinador lhe pediu para cruzar, caso contrário não jogava.

Por isso, acho importante separar algumas situações. Eu nunca vou culpar um jogador por cruzar, sendo que ele joga numa equipa que cruzou 81 vezes. Aí o treinador tem responsabilidade. Mas já vou culpar um jogador que, na mesma equipa, num 2x0 remata a baliza.

Guardiboiola disse...

Sim Maldini, decidir bem nao tem nada a ver com passar a bola, nem eu afirmei isso. Mas mesmo com um grande driblador como Maradona, eu identifico nesse lance, um aumento das probabilidades de sucesso se em 2 momentos ali tivesse solicitado um colega. Porque até acontecer esta jogada, houve várias outras na sua carreira com algumas semelhanças, onde ele partia 1, 2, 3 e ao quarto ja nao tinha o equilibrio ou a força necessária para levar até final a sua acçao, perdendo a posse de bola(e pode-se dizer o mesmo de Messi no inicio da carreira comparando com o golo ao Getafe). Esta correu bem, mas teria mais probabilidade de sucesso se ali à entrada da area e ja criada a superioridade tivesse soltado, ou se antes do ultimo drible, tivesse dado para o companheiro encostar(ainda mais prevendo-se que poderia ter que finalizar com o pé direito, num jogador sem qualquer ambidestria. Foi por uma unha que teve tempo para se posicionar para finalizar com o esquerdo).

Claro que podem afirmar que sendo Maradona fez bem e que ele tomou ali sempre a melhor opção. Mas isso é uma visao condicionada pelo resultado final.

Aplaudimos o resultado final porque correu bem, mas temos que ser coerentes, quando criticamos um Quaresma ou um C.Ronaldo, mesmo que a bola "bata na rede". Tambem pode vir aqui alguem dizer que num determinado lance em que Quaresma(sei lá, tipo contra o Frankfurt)fez muito bem em rematar dali, quase da linha lateral, porque é Quaresma e ja o vimos marcar varios golos daquele local. Mas para isso, ele necessita de "estragar" quantas possiveis jogadas com maior probabilidade de sucesso?

Quanto ao futuro, eu continuo convicto que vamos assistir a uma diminuiçao da habilidade individual, como ja vi acontecer no hoquei e no futsal, precisamente por serem sujeitos a estimulos diferentes, a referencias diferentes e à diminuiçao da prática de determinados movimentos(esta ultima como aconteceu com Messi ou C.Ronaldo que já nao sao os mesmos dribladores). Aqui pensa-se que tem a ver apenas com a evoluçao, e a procura de soluções diferentes e colectivamente mais complexas, mas se lhes pedissem amanha para executar movimentos do inicio das suas carreiras, eles seriam simplesmente incapazes de os executar com a mesma naturalidade.

Baggio nos exemplos que dás, do bom uso do drible(com os quais concordo)identifico apenas o favorecimento do driblador instintivo. Para mim há 2 tipos de driblador: o que se vai desviando dos obstaculos com a bola mais colada ao pé(tipo Messi) e o de dribles mais complexos, coreografados, mais pensados, preparada a situaçao de 1x1 ou apenas para fins recreativos ou manifestações de superioridade. O instintivo poderá ainda assim vingar no futebol moderno, porque tem sempre o corpo e a bola, preparados para diferentes decisões no limite. O segundo está condenado(Ronaldinho Gaucho, C.Ronaldo dos tempos de Manchester.)

Mas mesmo o instintivo, será condicionado por todos os motivos que dei anteriormente.

Estou a focar mais o drible, mas o mesmo se pode aplicar em relação aos rematadores, as zonas de remate e a muitas outras situaçoes de jogo.

Nao me interpretem mal, eu gosto do vosso blog. E até acredito que vcs têm condições para subirem de nivel e chegarem longe como treinadores. Sao inteligentes, detalhistas e começam agora a ter alguns conhecidos mais importantes, segundo depreendo nas entrelinhas. Mas continuo a nao acreditar que um dia consigam conciliar, com a visão que têm, resultados com estética (no sentido muito pessoal que eu lhe dou e que muitos se envergonham de admitir que lhe dão)

David disse...

Até o Drulovic já marcou golos desses no FC Porto, chamar a isso o melhor golo de sempre é meramente fanatismo. E comparar este golo com tantos do Ronaldo é o totalmente descabido. Chego a duvidar se este é o melhor golo do Maradona, que sim, ainda o vi jogar.

Roberto Baggio disse...

Questão: Quantos lances deste tipo Maradona tentava por jogo?

Rafael Antunes disse...

Guardi,

Que grande forma de pôr o pessoal a pensar... é neste tipo de comentário que está a riqueza deste espaço, pode-se discordar e chegar ao fim discordando na mesma, mas fez-me reflectir... Grande texto...

Mas não acho que aquilo que chama de futebol do futuro, ou a filosofia do blog como lhe chama, seja possível de ser pintada tão quadrada...

Como disse o Maldini e o Baggio, não tem nada a ver como passe em vez de dribles...
Um drible é muitas vezes a melhor decisão...
A melhor decisão não é padronizável porque depende sempre do contexto, portanto, na minha perspectiva dificilmente levará ao futebol robótico que tentou desenhar.

Cumprimentos!

Anónimo disse...

Para quando um texto sobre o percurso dessa equipa extraordinária chamada Atletico de Madrid e o seu treinador Simeone?

BB disse...

Roberto Baggio: nao vais pegar na possibilidade de comparar Quaresma e Maradona pois não? Parece-me que nao foi isso que ele quis dizer. Foi apenas 1 exemplo de UM lance, ao analisar se é boa ou má decisão. Houve muitas outras questões de fundo levantadas com as quais concordo.E nesse golo de Maradona também me parece que segundo os vossos critérios houve má decisão.

Anónimo disse...

pq apagaram o meu comentário sobre a verdadeira identidade do guardiboiola???

Paolo Maldini disse...

pq n estamos a aceitar disparates q n acrescentam nada à discussão...

BB disse...

"Como disse o Maldini e o Baggio, não tem nada a ver como passe em vez de dribles...
Um drible é muitas vezes a melhor decisão..."

Mas o Guardiboiola nao contestou isto. O drible é muitas vezes a melhor decisão para ele e para o Roberto Baggio e para o Maldini. O ponto onde discordam é a frequência com que veêm nele uma boa decisão. Pareceu-me que o Guardi discorda apenas no lance do Maradona,como eu,que é apresentado como expoente máximo do espectacular,pelos autores do blog que defendem por outro lado as boas decisões em qualquer situação.Ora aqui Maradona decide mal! E é partindo daqui que eu também acho que o futebol no futuro,terá melhores decisões,mas muito menos espetacularidade.

Roberto Baggio disse...

"E nesse golo de Maradona também me parece que segundo os vossos critérios houve má decisão."

Segundo os nossos critérios, dentro daquilo que é o jogo moderno. Contexto actual. Que é bastante diferente do critério para o contexto futebol onde Maradona jogava.

Se Quaresma tivesse, no contexto actual, todo aquele espaço e tempo para "pensar/executar" eu seria apologista da tese, vai para cima deles Quaresma, que é fácil! Sucessão de 1x1... Depois no final, claro que ele poderia ter oferecido o golo, e defendo aí, só no final, que o devia ter feito. Mas já ia em desequilibrio depois de driblar o GR... Pelo que entendem mal, aquilo que defendemos. Porque estão a analisar à luz do contexto actual, onde são raros os jogos com todo esse espaço e tempo para executar, com tão pouca oposição (1x1)...

"E é partindo daqui que eu também acho que o futebol no futuro,terá melhores decisões,mas muito menos espetacularidade."

Dependendo do que cada um, como eu já disse, entende como espectacular.

Rafael Antunes disse...

Mas a frequência com que um drible é melhor decisão que um passe é menor que há 30 anos, porque neste tempo todo o futebol evoluiu (aqui é a minha opinião, pode não ser a de todos, porque quem diz que o futebol está menos espectacular de certeza que não concorda). Ou seja, problemas diferentes, necessidades diferentes.

Não penso ser correto avaliar jogadas de há 30 anos com conceitos de hoje em dia. As realidades são diferentes.





Anónimo disse...

Entao em vez do golo do Maradona, vejamos o golo de Messi ao Getafe que já é futebol actual. Vai dar ao mesmo.

Roberto Baggio disse...

Certo. E quantos mais golos desses ele fez? E quantos mais tentou? É isso... A diferença entre a criatividade e a Quaresmidade, é o número de vezes que cada jogador tenta desafiar as probabilidades.

Não obstante do facto de nesse lance ele ter enfrentado um 1x1, duas vezes. Depois ter corrido para aproveitar o espaço, e aí sim ter tentado um 1x2, com sucesso.

Mas repetindo o que já disse, quantas mais vezes ele tenta esse tipo de soluções, puramente individuais? É isso que faz a diferença.

Anónimo disse...

Guardiboiola falou e disse, muito bom texto mesmo!