segunda-feira, 12 de maio de 2014

Avaliação e escolha de um treinador

"- Tem noção também que tudo isto é um pouco contingente até aquele minuto 92. Se calhar o desfecho da história era diferente. Ou seja todo um trabalho bem feito poderia ter ido por água abaixo?"

"Mas o trabalho estava lá. O que é que isso mudaria? Mudaria o titulo, mas o trabalho estava lá" Vitor Pereira.

O brilhante ex treinador do FC Porto numa entrevista apaixonante à TVI24, por outras palavras, a defender o que por aqui sempre se defendeu. A avaliação do trabalho do treinador tem de ser feita pela forma como colectivamente a equipa está preparada para dar as melhores respostas. Porque no futebol nem sempre vence o melhor, e sobretudo porque no futebol não se competem com as mesmas armas. Numa Liga com os dezasseis melhores treinadores do mundo, dois descem. Numa Liga com os dezasseis piores, um sagrar-se-à campeão. Vitor Pereira não seria menos competente se tem terminado a liga em segundo lugar.

Ver a "big picture" é esquecer o resultado, concentrado-se no processo. Sabendo que se o processo indiciar qualidade, o resultado aparecerá se houver recursos (jogadores) para tal. Se não houver, muito menos aparecerá com outrem. Por isso foi aqui afirmado há um ano atrás que saindo Vitor Pereira e ficando Jorge Jesus, o Benfica seria desde logo o grande candidato ao título. Numa altura em que Jesus era tido como incompetente. 

Curioso que para a maioria, uma bola rematada um centímetro mais ao lado tornaria um treinador óptimo (Jesus) e outro péssimo (Vitor Pereira). Afinal, quem desferiu o remate? Kelvin ou Jesus ou Vitor Pereira?

Sabia que o treinador que com o Bayern venceu todos os troféus que disputou em 2013, e que anteriormente já havia sido também campeão europeu pelo Real Madrid era o treinador do SL Benfica na longínqua e célebre noite em Vigo?

Avaliar um treinador não é espreitar os resultados porque Guardiola ou Mourinho nunca seriam campeões sem qualidade no plantel / 11 para tal e Carlos Alberto Silva foi bicampeão em Portugal. Avaliar um treinador é perceber se colectivamente a equipa tem comportamentos que a aproximem do sucesso. Porque no fim do dia, são os jogadores que rematam à baliza.

33 comentários:

TheGhostWriter disse...

Quando se tem pela frente o Roderick qualquer Kelvin parece o Messi.

Código Futebolístico disse...

Nem mais. O importante é o processo. Pena que os adeptos não queiram entender mais o jogo, ou talvez não..o futebol é assim mesmo emotivo, intuitivo, pelo menos na bancada.

Miguel disse...

Só por aqui e pelo Posse de Bola é que consigo respirar. Fala-se de tanta coisa na blogosfera, menos de futebol. Obrigado pelo que nos ensinam pessoal!

PPM disse...

Vítor Pereira é um excelente treinador e estou curioso para saber qual o próximo rumo que vai dar à sua ainda curta mas promissora carreira! Ele nessa entrevista, que segui atentamente, referiu que não pretende treinar na Europa, mas não em Portugal (para já). Pena esta entrevista ter ocorrido no programa MaisFutebol! Talvez seria melhor colocá-lo no Grande Área que, na minha opinião, é o programa que se destaca da mediocridade dos programas de comentário futebolístico em Portugal (muito por culpa da pobreza ao nível dos comentadores). Quanto ao post, concordo plenamente com tudo. Aliás, é por tudo aquilo que disseste, Maldini, que admiro cada vez mais treinadores como Vítor Pereira, Jorge Jesus, Ancelotti, Bielsa, Brendan Rodgers, Pellegrini, Valverde, Luís Enrique, Rudi Garcia, etc. Sem considerar, obviamente, o enorme Pep Guardiola, claramente o melhor do mundo na sua profissão, já que Mourinho tem sido desilusão atrás de desilusão ao longo dos anos! Um clube vive de títulos e é para isso que os adeptos apoiam o clube, mas há que valorizar o trabalho efectuado, tenha resultado em título ou não no fim, até porque quando Di Mateo foi campeão europeu pelo Chelsea, não o mereceu pelo futebol que apresentou.

DC disse...

Impressionante é como isto custa tanto a entrar na cabeça de alguns.
Andam por aí alguns génios a dizer que ele, por ter ficado em 3º na Arábia, provou ser um treinador mediano.
Levaram com o Paulo Fonseca e mesmo assim não chegou para aprender. É impressionante como o futebol para alguns é algo tão estranho. Devem ver futebol a pensar que estão a ver corta-mato.

Anónimo disse...

Marco silva ou VP, um deles devera ser o proximo treinador do SCP caso o jardim saia. Concordam?

Pedro disse...

São os jogadores que rematam à baliza da mesma forma que é o treinador que faz a táctica e procede às substituições.

João Silva disse...

Permite-me laterizar a questão Maldini, mas como se avalia isso? Não falo dos adeptos mas como dirigente? Bem sei que não é o caso dos autores deste blog mas sendo treinadores qual é a melhor forma de demonstrar trabalho/qualidade à direcção? Sobretudo a dirigentes que querem resultados (dinheiro) no final do mês ou ano?
Também é uma questão de qualidade das pessoas acima?
Porque caso contrario voltamos sempre à conversa resultadista que também expoes no ultimo paragrafo...

Cumps a todos

Manel Fernandes disse...

"O brilhante ex treinador do FC Porto" - ia jurar que ele é ex treinador de um clube árabe. Ou nesse caso já não é brilhante? E se é assim tão brilhante onde vai treinar depois de ter sido corrido das arábias?!?

João Silva disse...

Percebo a referencia de alguns à experencia nas Arabias, de Vitor Pereira, que correu mal, mas tal como é dito no post, deve-se colocar tudo em causa? Não se da o beneficio da duvida a um trabalhador seja ele qual for?
Não podemos deixar que as nossas cores prejudiquem o nosso discurso que deve ser coerente.
Porra quando se ouvem as conferencias ou as flashes em que o homem fala mal ingles, alguma coisa deve perceber-se e o homem queixa-se de falta de condições (25minutos antes do jogo é que o homem consegue estar com os jogadores para preparar o jogo??!!). Eu também estaria chateado. Foi pelo dinheiro, lixou-se! OK tudo certo mas não é o unico neste mundo. e não será o ultimo e terá oportunidade para demonstrar o que de bom tem.

Dennis Bergkamp disse...

É um desporto onde os treinadores são profissionais, os jogadores são profissionais e até os arbitros já são profissionais.. mas os dirigentes continuam a ser amadores.

Hoje sai uma noticia a dizer que se o Marco Silva sair do Estoril, é o Sá Pinto quem pega no barco.

A acontecer, é mais um exemplo de que ninguém olha ao perfil do treinador, ao "estilo" de jogo. Não há uma coerência nas escolhas na maior parte dos clubes.

Enquanto assim for, as coisas vão acontecer por acaso em vez de terem continuidade, seja quem for que está "ao leme".

O FCP nisto está no caminho certo, porque mesmo com alguns erros pelo caminho e com coisas que podiam ter corrido melhor. AVB, PF, LC e o "Lopes" são pelo menos parecidos.

A diferença entre Marco Silva e Sá Pinto parece clara. Num lado aposta-se na organização e na calma para conseguir decidir bem, no outro é garra e coração.

João Silva disse...

Bergkamp, o que tentei introduzir na discussão foi a Gestão, ou seja, a meu ver o maior desafio deste blog, ou dos seus autores, é o binomio resultados/trabalho, encontram-se unidos mas muitas vezes também em lugares opostos; e assim sendo, como deve um treinador proceder? como consegue transmitir isso a direcções que são por força do dinheiro/Gestão resultadistas?
Como já disse em anteriores comentários não quero estar aqui a dar voltas para não chegar a lado nenhum, portanto é ou não possivel transmitir uma IDEIA aos dirigentes? São necessários outros dirigentes (porque até os do Bayern parecia que tinham cabeça e agora...)?

PS: a ideia do Sá Pinto é tão má que acho que nem merece comentário para não chorar, mas hey! já ganhou ao treinador campeão então deve ser bom :P

Roberto Baggio disse...

"São os jogadores que rematam à baliza da mesma forma que é o treinador que faz a táctica e procede às substituições."

Que subs?

"ia jurar que ele é ex treinador de um clube árabe. Ou nesse caso já não é brilhante?"

É brilhante é. Isto porque no exercício das funções como treinador, ele teve de ser director de comunicação, roupeiro, director desportivo, delegado para o jogo, presidente, responsável pela gestão do material, responsável pela gestão das infraestruturas, nutricionista, etc.
Resumindo, esteve mais focado na tentativa da organização de um clube, do que da equipa. Isto porque sem esses problemas, a equipa nunca renderia. Como nunca rendeu. Só para dar um exemplo: Na final da taça, onde perdeu por 3-0, chegou a 25 minutos do jogo começar ao estádio. Não teve tempo para aquecer, e etc. Para que se perceba o nível de amadorismo a que estava sujeito.
Portanto, você que percebe zero das dificuldades do trabalho de treinador, experimente ir para um país onde toda gente percebe zero de futebol, tentar criar uma ideia de jogo baseada em pressupostos tácticos de qualidade, e diga-me se ao fim de 10 anos conseguiu. Ainda para mais, quando ele não tinha as melhores ferramentas.

"E se é assim tão brilhante onde vai treinar depois de ter sido corrido das arábias?!?"

Anda mesmo ao leste da realidade. Foi o treinador que rescindiu e saiu. Sendo que eles ainda o estão a tentar demover dessa decisão.

Paulo disse...

Numa altura em que se fala de:

- LJ no Mónaco; Marco Silva no SCP.
- Nuno ES no Braga; Pedro Martins no Rio Ave.
- Sá Pinto no Estoril

etc etc

Como é possível ninguém apostar no VP?

Abraços!

Pedro disse...

"Que subs?"

Todas. Qqr subs é feita pelo treinador.

Dennis Bergkamp disse...

João Silva,

Acho que dando a volta ao discurso é possivel conseguir ganhar algum "tempo" para se fazer as coisas.

Agora, ninguém aqui é totó. Não é jogar bem e bonito só porque sim. Acreditamos que a jogar dessa forma estamos bem mais perto de vencer do que de outra forma qualquer.

Falando com os dirigentes aquilo que se deve procurar é ir no sentido daquilo que JJ fez no SLB. Mesmo ganhando poucos titulos até agora, rentabilizou grandemente os activos.

Falando em niveis mais baixos, o Paços e o Estoril nos ultimos anos têm conseguido boas classificações, com bom futebol e a conseguir rentabilizar os jogadores que vão (e bem) escolhendo.

Óbvio que podes ter um discurso neste sentido, os treinos serem um espetáculo, as bancadas encherem porque se joga bem e a malta vai toda a bola... e perdes as 5 primeiras jornadas... não vais la estar na 6ª.

A um tempos, a ler coisas do Frade vi a história do café com leite. A ver se com um exemplo consigo demonstrar o conceito:

- Chegas a um clube e treinas em exclusivo o "jogar". 70% do plantel viveu a vida toda a correr a volta do campo e a fazer passe frente a frente. Como não fazem nada disso... ficam a pensar "epa não estou bem preparado fisicamente, não corro nem nada" e desconfiam do processo, o que dificulta a aquisição de comportamentos. Se o treinador lhes dá 10m para correr a volta, mesmo sabendo que não acredita muito naquilo, só para os jogadores se sentirem bem... vai ajudar ao processo.

Em vez de ser só café café café (que é aquilo em que o treinador acredita), da-lhes café com leite... e assim o café entra na mesma.

Na hierarquização dos principios e na operacionalização dos mesmos, tens de conseguir garantir que és competitivo o mais rapidamente possivel, para que a mensagem passe com mais facilidade.

É possivel que no inicio o "jogar" não seja exactamente aquele que pretendes, mas aquele que possibilita manter-te competitivo.

Isto nota-se quando chega um treinador novo e a equipa garantiu a manutenção a ultima da hora, ou até a qualificação para competições europeias. Se mudas o jogar todo... perdes aquilo que os jogadores conheciam e é tudo novo.. Começar de novo é mais dificil do que pegar no que está feito e modelar a partir dai.

Não sei se respondi a questão, mas se criei mais dúvidas.. melhor =)

DC disse...

Já agora, uma questão off-topic. Pelo que vi dos vídeos dos júniores, o Porto parece que anda a jogar com os filhos dos jogadores do Benfica.
Isso até pode não querer dizer nada, mas fez-me pensar que, se calhar, no Porto se está a apostar mais no talento do que nos títulos, o que é bom sinal.
O Vitor Andrade, capitão dos júniores do Porto, deve pesar um terço do Estrela e o André Silva metade do Heriberto.
Têm alguma opinião sobre isso?

António Barreto disse...

DC, essa dos juniores deves andar a ver mal. Os jogadores do Porto mais talentosos por serem mais pequenos? Nem uma coisa nem outra como se viu no Youth Cup.
O "wishful thinking" tem alguns efeitos secundários mas não devemos exagerar sob pena de se sermos acusados de dissonância cognitiva.



Manel Fernandes disse...

Ouve lá, ó Baggio, mas tu conheces-me de algum lado para dizer que eu percebo zero das dificuldades de um treinador? Então eu também poderia dizer que tu percebes zero do trabalho de um treinador. Não te metas nisso...
Já vi que és um grande seguidor do vitor das arábias e que sabes tudo o que se passou com ele no tal clube (nem sei o nome), mas agora pergunto: mas ele foi obrigado a ir para lá? Não devia saber o que o esperava antes de aceitar ir treinar para as arábias? Se ele é assim tão bom como o pintas não conseguiu arranjar melhor do que o altamente competitivo campeonato das arábias? Já nem digo um clube que lute por títulos nas maiores ligas europeias, mas um clube do meio da tabela de Inglaterra, Espanha,etc? Se ele percebe assim tanto de futebol porque foi para um país que percebe zero de futebol? Queria ser uma espécie de Messias?
O teu último parágrafo é de ir às lágrimas de tanto rir, hehenhe. Pois, o Paulo Fonseca também não foi corrido, simplesmente decidiu sair... priceless.

João Silva disse...

Bergkamp, a ideia era fechar o caso não abrir mais portas caramba :P Mas obrigado é isto que se pretende de uma discussão sobre FUTEBOL analisar e discutir soluções nos diferentes ambitos, portanto obrigado mais uma vez.
Assim sendo, pelo que percebi há que haver sempre valorização dos activos para convencer os dirigentes no teu entender, de facto é apelar à gestão financeira...e aí terá que haver mão do treinador sempre pois é ele que trabalha com os activos. Mas admites que sem os titulos e sem a valorização de jogadores o treinador, aos olhos de quem o contrata, está condenado?

Cumps

Anónimo disse...

O actual treinador do Boleslav, Karel Jarolim, pegou numa equipa que tinha terminado a época anterior em sexto lugar e pô-la a lutar pelo título até à última jornada.
Não ficou a 20 pontos do primeiro lugar (e a 18 do segundo) e não ficou arrumado da luta pelo título a meio do campeonato. Lutou pelo primeiro lugar até à última jornada e fez mais 17 pontos do que fez Vítor Pereira.
E também fez de roupeiro, treinador, nutricionista, etc..
Assim sendo, o que há de extraordinário naquilo que Vítor Pereira fez no Al-Ahli?

Absolutamente Nada.

Rodrigo Paulo

Roberto Baggio disse...

"mas ele foi obrigado a ir para lá?"
Não.

"Não devia saber o que o esperava antes de aceitar ir treinar para as arábias?"

Nunca ninguém conhece a realidade antes de passar por ela.

"Se ele é assim tão bom como o pintas não conseguiu arranjar melhor do que o altamente competitivo campeonato das arábias? Já nem digo um clube que lute por títulos nas maiores ligas europeias, mas um clube do meio da tabela de Inglaterra, Espanha,etc? "

Conseguiu, mas alguém achou que o inglês dele não era satisfatório.

"Se ele percebe assim tanto de futebol porque foi para um país que percebe zero de futebol? Queria ser uma espécie de Messias?"

Para ter uma coisa que nunca teve na vida, e que para quem passa/passou por dificuldades tem como objectivo de vida: Garantir estabilidade financeira. Ou como ele disse na entrevista, e nem precisava de dizer (pelo que conheço do passado dele), garantir o futuro da família, dos filhos.

"Pois, o Paulo Fonseca também não foi corrido, simplesmente decidiu sair... priceless."

Pois, mais uma vez desconheces a estás mesmo à leste da realidade.
O treinador Paulo Fonseca, demitiu-se por 3 vezes do FCP. A última foi aceite pelo presidente.

Priceless é esse "atrevimento", como diria Frade.

DC disse...

António Barreto, onde é que eu disse se eram mais ou menos talentosos?
Disse que me parecia que havia uma aposta diferente do Porto. Na youth cup, do que vi, era 50% de catanados. Só o Munir me chamou a atenção, mas vi muito pouco.
Dos júniores, como referi, estou a basear-me em vídeos. Só conheço razoavelmente o André Silva e o Rafa. Agora, pareceu-me que a equipa do Benfica pesa o dobro da do Porto. O que não quer dizer nada, se calhar. Mas tendo em conta que já li por aqui, algures, que o Vitor Frade tinha aumentado a influência na formação do Porto, fiquei com essa dúvida, se será mesmo uma aposta diferente do que se tem visto em Portugal nos últimos tempos.

Anónimo disse...

Bergkamp post interessante, gostei de ler.

Sobre o Vítor Pereira, não vou falar das qualidades dele que me tenho fartado de elogiar aqui e noutros lados, e que o Baggio e o Miguel e o DC também, mas destacar antes o seu à vontade nos meios de comunicação... Cresceu tanto, tem tanta confiança! Melhoria no discurso enorme a meu ver.

Sobre o Marco Silva, ia ser colega do Sócrates, mas agora vai fazer jardins.

Sobre os Juniores, DC, podes aprofundar (eu não acompanho a formação)? A questão do Vítor Frade não conheço... Mas há umas coisas interessantes que podem ir nesse sentido...

Cumprimentos,
António Teixeira

Anónimo disse...

Bergkamp post interessante, gostei de ler.

Sobre o Vítor Pereira, não vou falar das qualidades dele que me tenho fartado de elogiar aqui e noutros lados, e que o Baggio e o Miguel e o DC também, mas destacar antes o seu à vontade nos meios de comunicação... Cresceu tanto, tem tanta confiança! Melhoria no discurso enorme a meu ver.

Sobre o Marco Silva, ia ser colega do Sócrates, mas agora vai fazer jardins.

Sobre os Juniores, DC, podes aprofundar (eu não acompanho a formação)? A questão do Vítor Frade não conheço... Mas há umas coisas interessantes que podem ir nesse sentido...

Cumprimentos,
António Teixeira

Bruno Pereira disse...

A entrevista do Vitor Pereira ao +futebol é simplesmente divinal!! Está lá tudo! Quando ele começa a falar do Lucho e da gestão dos tempos de jogo que ele fazia, da velocidade de pensamento Vs velocidade "sobrevalorizada", do posicionamento dos jogadores em construção para prevenir raides ofensivos do Benfica, da competência do JJesus, do que importa é o processo... tudo...está lá tudo o que é falado neste blog. Vi a entrevista e pensei: Vitor Pereira é amigo do lateral-esquerdo :) E quem é amigo do lateral-esquerdo é amigo do futebol ;)
Obrigado! :)

Jorge Carolo disse...

1- Manuel Fernandes, cala-te por favor!! Nem ouviste a entrevista toda e começas as disparar para todos os lados... Escusado será dizer que só saiu asneira...

2-Bergkamp, a tua explicação foi na perfeita!!!

3-Vitor Pereira, falou de futebol como aquelas almas (comentadores da tvi 24) nunca tinham ouvido falar...

Pareciam uns burros a olhar para um palácio...

4- Por fim, tal como Nuno E.S. disse era tão bom que os treinadores começassem a falar de futebol, pelo menos os que percebem disso!!

Mas em Portugal isso é uma utopia, pois tem que se dar os "poleiros" a atingas estrelas do futebol e outros seres vivos de proveniência duvidosa para falar de futebol...

Resultado, toda a gente pensa que percebe de futebol inclusivamente (para mal dos nossos pecados) os dirigentes da maioria dos clubes...

Desperdiçar Vitor Pereira é obra... Quem será o felizardo que ficará com este treinador??

Cumprimentos

Roberto Baggio disse...

"http://www.zerozero.pt/edicao.php?id_edicao=58565"

Hmmmm...interessante essa matemática hahahahah. Mais interessante ainda é ele ter treinado uma equipa, num contexto competitivo que conhece, no seu país.
Senhor Rodrigo Paulo, volte ao ensino primário para ter aulas de aritmética. Depois volte cá.

Anónimo disse...

Hmmmm como não percebeste, ou não tentaste fazer um esforço para tentar perceber,vou passar a explicar, não entrando pela abordagem da ofensa directa, como o fizeste.

A equipa que Karel Jarolim pegou, foi o Al-Alhy em 2011/12.

Presumo que se Vítor Pereira "teve de ser director de comunicação, roupeiro, director desportivo, delegado para o jogo, presidente, responsável pela gestão do material, responsável pela gestão das infraestruturas, nutricionista, etc", também este Karel Jarolim também o tenha sido.
Num contexto competitivo que desconhecia.

Lutou pelo titulo até à ultima jornada, na sua primeira época na Arábia Saudita, algo que VP não o conseguiu fazer.

Nos anos anteriores a este, no Al-Alhi passaram pela estrutura do clube 4 portugueses.
Se haveria pessoa que deveria saber para onde ia, era ele (VP).

Espero que o tenho elucidado.

Rodrigo Paulo

Roberto Baggio disse...

"A equipa que Karel Jarolim pegou, foi o Al-Alhy em 2011/12."

O que demonstra que num contexto competitivo onde não se joga futebol o Jarolim é melhor que o VP. Assim como o Toni, o Calisto, o Pacheco, a minha tia, e o meu que ainda é bébé. Todos esses são melhores que o VP a treinar jogadores que, em idade adulta, não sabem o que é futebol.

Sem esquecer que, no seu segundo ano ficou, o mesmo Jarolim, em 5º.

"Nos anos anteriores a este, no Al-Alhi passaram pela estrutura do clube 4 portugueses.
Se haveria pessoa que deveria saber para onde ia, era ele (VP)."

Sim, ele sabia perfeitamente porque tinha lá 4 amigos tugas que treinaram na Arábia.

"Lutou pelo titulo até à ultima jornada, na sua primeira época na Arábia Saudita, algo que VP não o conseguiu fazer."

De volta a realidade futebolística, o Jarolim fez o quê mesmo? Eu nem conheço o homem, coitado, mas tentar mostrar que alguém que teve sucesso num país onde não se joga nem se entendo o futebol, quer dizer exactamente o quê? Deixa lá ver... hmmm... Que não sabe as diferenças entre futebol e futebol?

Bom, já recomendei acima, e experimentem, tentar trabalhar um modelo de jogo num país onde acham que defesa zonal é um prato de comida.

Em contextos competitivos, em países onde se entende o futebol, esse tal de VP já mostrou o que pode. Nas camadas jovens, divisões inferiores, etc.
E sem comprar com o tal Jarolim, porque não o conheço, repito, essas comparações e assumpções do valor do VP, tendo em conta o contexto para onde foi só mostram um profundo desconhecimento da realidade do futebol no mundo.

JAS disse...

Baggio,

Sem ironias ou criticas subjacentes, e porque ja se percebeu que conheces Vitor Pereira: porque e' que VP falhou tanto com o Porto nas competicoes europeias? Tinha (ou parecia ter)o modelo, os jogadores, as condicoes. O que e' que falhou entao? As duas epocas foram fracas (ok, na primeira apanhou o City na Liga Europa, mas na segunda foi eliminado pelo Malaga).

Em relacao ao futuro, nao lhe teria sido mais benefico nao antagonizar tanto o Benfica e os seus adeptos? Ou VP e' portista de coracao e recusa-se a treinar o Benfica, seja em que condicoes for? Como benfiquista, nao papo os discursos de que temos de ser todos benfiquistas (prefiro a competencia a clubite), mas tambem nao convido gente que me ofende deliberadamente para minha casa. Teria sido mais sensato ser mais cauteloso, ou isso e' impossivel no Porto?

Cumprimentos,
Joao

Paolo Maldini disse...

João, respondo eu, a minha visão

a 1a época na champions foi vergonhosa pq segundo o próprio até fechar o mercado em Janeiro mais de metade dos jogadores não queriam estar no FCP, depois de terem ganho tudo e sentirem que deviam ter saído para outros campeonatos. Sentirem que deviam ganhar mt mais. Claro que o treinador tb não escapa, pq tb lhe cabe a ele gerir melhor aquilo. Mas era uma herança pesadíssima. Semelhante à que vai encontrar quem substituir o Jesus.
NEsse ano, o FCP foi humilhado pelo City, já na Liga Europa, mas recordo que esteve a vencer no dragão... e sp por cima e o City nos únicos 2 ataques virou o jogo (coisas do futebol e de grandes individualidades) Em Manchester começou a perder mas tava dentro do jogo. Há uma expulsão e é com 10 e com a eliminatória perdida que a coisa descamba. Parece-me normal... 60' para jogar com 10 com 1-3 na eliminatória.


No ano seguinte fez 13 ptos se n me engano na champions. Só n ganhou o grupo por um frango tardio do Helton em Paris. Se n tinha passado em 1o, depois de ter vencido o PSG em casa. Com o Malaga em casa fez um jogo mt bom que merecia ter ganho por mais.

Em Malaga a coisa estava mais ou menos tranquila e uma estupidez do Defour deixou o FCP a jogar com 10. Foi c um a mais que o Malaga virou a eliminatoria. O Malaga q n era tao fraco como o nome do clube indicia. Tinha vários bons jogadores e só foi eliminado na eliminatoria seguinte pelo Dortmund pq sofreu 2 golos nos ultimos 5 min. Um deles com 6 alemães em fora de jogo.


A 1a época a nível europeu foi mt fraca sim. A 2a não. Na altura até os via com possibilidades de perante um bom sorteio ir até ao fim.

Anónimo disse...

Obrigado, Maldini. Só me irrita que ele se tenha queimado tanto com o Benfica. Sendo ele assim tão bom, gostaria muito de o ter no clube (caso saia o JJ), mas temo fazer parte da minoria entre as minorias neste caso.