sábado, 24 de maio de 2014

Para ganhar a 10ª é preciso dar a bola a quem sabe.


Aqui e ali o Real conseguiu mostrar organização, mas só quando saiu Khedira e Modric baixou um pouco que houve o espaço suficiente para que o melhor jogador em campo se mostrasse.

Di Maria criou desiquilibrios atrás de desiquilibrios, mas a chave do jogo é o espaço que Modric ganhou quando baixou um pouco no terreno. Quando se juntou Isco ficou ainda mais claro. Seria uma questão de tempo até o Real conseguir marcar.

Acabaram por ter a sorte de marcar num momento que "mata" o jogo, porque dá cabo do adversário emocionalmente e os deixa claramente por cima para o overtime, mas estiveram sempre muito muito perto de o conseguir durante toda a segunda parte.

21 comentários:

Rui Moreira disse...

Carvajal fez um jogo tremendo e o Kedhira também, mataram o jogo nos ultimos 15 metros do meio campo e o sergio ramos foi fantastico no apoio lateral aos da contenção.

Anónimo disse...

rui moreira vai aprender a falar portogues primeiro. nao comcordo com aquilo que dizes. o kedhira nao jugou nada de jeito. o melhor a meu ver foi o sergio ramos marcou tipo no ultimo minuto e possibelitou ao real galopar-se para o prologamento. foram sencacionais hoje os blancos. Ronaldo marcou o 17 golo, granda canhão de homem!

disfrutem-na campioes!!

Moses disse...

O Ronaldo não esteve bem, na vossa opinião? É certo que não foi efusivo, as vi-o a recuar várias vezes para acrescentar linhas de passe, recuperar a bola e passar para outro jogador, sem falar das duas situações que ofereceu ao Bale, que foi demasiado perdulário.

Abraço

Anónimo disse...

Que exibição do Modric! A taça hoje é dele. Flavius

João Campos Costa disse...

Modric já desde os tempos do Tottenham que é este jogador. Muito inteligente, pura classe.

O Ronaldo jogou lesionado, ele proprio admitiu no final do jogo, e notou-se perfeitamente. Mesmo assim tentou sempre, inclusivé veio sprintar pra recuperar a bola na defesa, que depois iria dar em golo do Bale.

Pedro disse...

Di Magia e Modric...que jogo fizeram.

Mas muita culpa de Simeone ao dar a titularidade a um jogador lesionado. Já tinha acontecido em Nou Camp mas desta vez o Real conseguiu o que o Barça não conseguiu: marcar.

Paulo Jorge disse...

Pedro, o Real e o Barça conseguiram o mesmo resultado nos 90 minutos... 1-1.

Alberto disse...

Di Maria e Modric foram na minha opinião os homens do jogo, mas apenas vi a segunda parte. Estou fascinado com a classe de Modric :)

Esperemps que Ronaldo recupere para o Mundial senão ainda mais complicado será para a Selecção.

Ninefingers disse...

Também gostei muito do jogo de Carvajal, capacidade fisica enorme para um jogador que anda recentemente com os "big boys".

DC disse...

Detesto o Real mas fiquei contente por o Atlético ter perdido da mesma forma que venceu o campeonato. Com um golo de bola parada.
Passaram todos os jogos grandes a fazer faltas e mais faltas, a viver da luta e da correria, e a marcar de bolas paradas ou depois de erros em posse dos adversários. A Champions fica melhor numa equipa de ataque, apesar de eu achar que também não jogam grande coisa em organização ofensiva. Mas pelo menos tentam.

Pedro disse...

Sim, mas o 1-1 servia ao Real e não ao Barça, ou seja, o Barça precisava de marcar naquele pressing final. É isso que pretendo dizer.

Paolo Maldini disse...

O MOdric era suplente do Khedira FDX

não que este Real jogue o que deveria jogar. Mt fraquinhos colectivamente para a qualidade individual q têm, mas só pelas alterações individuais já foi bom terem-se visto livres do Mourinho.

Gonçalo Matos disse...

Eu gostei mto do jogo do Ronaldo. Diversas vezes desmarcou colegas com passes a rasgar, raramente forçou lances individuais e foi solidário em transição defensiva. Acho que foi um jogo bastante bom da sua parte.

Não consigo gostar do di Maria.. A quantidade de centros que faz, para mim, não tem sentido. A não ser que sejam ordens do treinador, acho-o pouco inteligente.

formatted error free disse...

Por isso é que o futebol é um jogo espectacular. Para ganhar é preciso dar a bola a quem sabe, em teoria. Porque apesar de ter passado a jogar melhor, o golo acaba por sair de uma bola parada

Anónimo disse...

Cristiano Ronaldo é o verdadeiro fenõmeno do futebol. aos 29 anos só foi decisivo uma vez na vida: na classificação de portugal sobre a suécia, na repescagem. é só esperar mais 29 anos para o cara brilhar de novo... Ele e o Messi!!

Dennis Bergkamp disse...

Error free,
O lance do golo nasceu de uma bola parada, é verdade.

Mas jogar melhor aproximou-os do golo , coisa que ate então teria sido tão furtuita como foi o golo do atlético

Carlos Rodrigues disse...

Quando vi Marcelo e Isco, duvidei que Ancelotti tivesse tomates para arriscar a saída de Khedira, mas era o que se justificava, porque o alemão não estava a dar nada.

A verdade é que o Real perde capacidade de recuperação de bola mas, ao mesmo tempo, o cansaço começa-se a instalar no Atlético e Gabi (que jogo!!!) começa a sentir o peso das pernas, Sosa não é daquele patamar, Adrian vinha do banco, mas só tinha menos 9 min que os restantes e também já acusava cansaço... resumindo, o Atlético já não conseguia esticar o jogo na frente e a responsabilidade do Real nesse facto era apenas parcial.

A perda de capacidade na recuperação foi facilmente mitigada por este factor e o resultado era uma questão de tempo depois do 1-1, o dique aguentou enquanto pôde, mas depois da primeira brecha percebia-se que o colapso era iminente.

Por tudo isto, se Ancelotti acertou e se o tópico pretende reforçar essa ideia, também me parece haver uma conjugação de factores (externos ao Real) que ajuda ao sucesso da alteração.

O cansaço do Atlético era tal que depois de sair o Felipe Luís, era a vez do Juanfran já andar a mancar. Ainda aguentou um 1x1 com o Bale, em transição defensiva, mas já não conseguiu aqueles 5 centímetros extra quando o Di Maria arranca e isso foi a morte do artista.

A exaustão do Atlético era de tal modo severa, que segundos antes do 3-1 disse a quem estava comigo que os jogadores do Atlético já nem recuperavam o opsicionamento nem sequer saíam à bola, como que a convidar (mesmo em surdina) os jogadores do Real a fazerem o 3-1 e acabarem com o sofrimento deles. Uma espécie de eutanásia em campo, por assim dizer.

Foi pena.
Esta equipa do Atlético, esta época deles, é feita da matéria da qual se fazem os filmes.

Da equipa deles poucos entrariam directamente num Real ou Barça, mas o sentimento de pertença, o colectivismo, os 11 remadores em uníssono fazem deles uma das mais belas histórias futebolísticas da última época, por contraponto a um Real vazio de ideais, que apenas reúne os melhores 11 "mercenários" (sem sentido pejorativo, podem ler "profissionais") do mundo do futebol, mas onde se vê que há claramente malta que joga para si e que se coloca vários níveis acima dos matraquilhos que recuperam a bola para lha pôr nos pés. E nisto posso incluir o CR7, que não admiro menos por causa disso, mas enquanto ideal futebolístico, e numa perspectiva estritamente pessoal, este Atlético enche-me as medidas.

Esta teria sido uma bela página de história, como quando uma certa Dinamarca foi campeã europeia.

Esta equipa do Atlético é como o filme do Oliver Stone: "on any given sunday"...

André Pinto disse...

Os apaixonados e devotos do jogo ficaram muito felizes com esta vitória do desporto colectivo enquanto artifício, sobre o desporto enquanto porrada altamente organizada. Já dizia certo ilustre zarolho, todo o mundo é composto de mudança, e são múltiplas as formas de vencer. A do Atlético, para mim, é a mais soez. Na televisão, um efeminado que atende à graça de Dani, exultava a cada entrada violenta de um jogador colchonero. Parecia que estava a ver a final do Euro 2004, com frango fatal de Ricardo, saindo aos papéis da baliza, e tudo.

L. disse...

Anónimo das 00:43 de 26 de Maio: mais tabaco nisso, pá.

Ronaldo foi decisivo na carreira toda. E na selecção, nos últimos 4 ou 5 anos olha-se para o resto do onze e até se fica com pena do Ronaldo.

Nesta final, jogou claramente lesionado e foi um exemplo para todos.

Anónimo disse...

Eu sei que isto é um blog de futebol, mas ainda assim uma correcção... É "desequilíbrios" em vez de "desiquilibrios".

formatted error free disse...

Bergkamp,

Mas aí já estamos como o episódio do seinfeld, a discutir o mais ou menos molhado, o mais ou menos morto, o mais ou menos fortuito. o resultado prático foi igual. aí é que está a beleza do jogo, a imprevisibilidade do resultado. o jogar bem é tão relativo. porque eles até podem ter mais e melhores condições para ganhar, mas o que conta no fim é a bola na baliza. claro que o real madrid estava menos dependente da sorte do que o atlético para ganhar o jogo, mas se nao fosse aquela bola parada no ultimo minuto...