domingo, 15 de junho de 2014

Referência individuais

Se há coisa que a grande maioria dos golos marcados neste mundial tem mostrado, é que as referências individuais pouco têm a ver com o jogo de hoje. Da forma como o jogo tem evoluído, com cada vez maior competência organizativa por parte de quem ataca, e com um aumento significativo da qualidade individual (em média) dos jogadores, os jogos de pares perdem espaço a uma velocidade vertiginosa.
Hoje, não se concebe que uma equipa não resolva os problemas defensivos de forma colectiva. Em 1985 Sacchi mostrou o caminho evolutivo. Não é vergonha nenhuma "copiar" as boas ideias.

3 comentários:

V disse...

E a influencia do clima, principalmente a humidade do ar, sobre tudo o que tem acontecido no mundial? Aliás a opção da maioria das equipas por um bloco medio-baixo, parece-me uma decisão adequada. Equipas compactas, pressão alta, serão conceitos muito afastados do que este clima possibilita. Aliás, agora entende-se melhor o porquê das equipas do brasileirão jogarem da forma que jogam. Não é simplesmente porque são todos uns incompetentes. Optar por jogadores fortes nos duelos individuais é perfeitamente adequado ao clima de parte da America do Sul. E este futebol, apesar de menos rico e com menos variedade táctica é sem dúvida muito muito emotivo. Nesse ponto, temos assistido a um grande Mundial!

PedroF disse...

O 2º golo da Itália foi qualquer coisa... O Glen Johnson parecia um maluquinho a correr atrás da primeira pessoa que lhe aparecia à frente.

PedroF disse...
Este comentário foi removido pelo autor.