sábado, 19 de julho de 2014

Marco Silva à Jesus. Rosell à Javi Garcia.

Dizia há uns anos Fábio Capello que o melhor treinador era o maior dos ladrões. Se há quem tenha boas ideias. Ideias que agradem e que façam sentido dentro de um outro modelo de jogo porque não as usar?

A primeira mudança clara que se percebeu no Sporting de Marco Silva foi um incremento muito grande de qualidade logo na primeira fase de construção. Com Jardim, os centrais praticamente só serviam para jogar longo e defender. Com Marco Silva perceberam-se os posicionamentos de Rosell idênticos aos que Jorge Jesus sempre pediu ao seu trinco. Ofensivamente, baixa para central possibilitando que o central com bola progrida chamando a si, fixando, um adversário directo do meio campo adversário, criando desde logo uma necessidade de restabelecimento de equilíbrios na estrutura adversária.

Também a defender, Rosell se mostrou com os posicionamentos que já vemos há muitos anos nas equipas de Jorge Jesus. Tornados célebres por Javi Garcia. Sempre em coordenação com os centrais. Quando um sai para disputar uma bola no ar, ou sai para contenção, o espanhol baixa para a posição de central. 

O espanhol defende ao lado de Adrien num duplo pivot defensivo. É pressionante quando a defender a bola está na metade direita do campo. Dá cobertura a Adrien quando a bola está na metade esquerda do campo. Defensivamente é ele que liga com o sector defensivo. Ofensivamente é ele que fica e Adrien torna-se mais ofensivo.

Também na forma como pressiona, com um segundo avançado a não deixar os centrais adversários progredir (outra solução seria o avançado movimentar-se em L cortando linha de passe entre centrais, convidando central adversário a progredir pelo lado que o avançado escolhe) este Sporting tem semelhanças com as equipas de Jesus.

Posicionamentos à parte, que nascem das ideias do treinador, interessante a constante procura por passes interiores, aliada à sua boa capacidade de passe. Mostrou qualidade para poder entrar na equipa. De quatro (Rosell, William, Adrien e Martins), jogarão três. 

15 comentários:

josé costa disse...

Rosell, William e Adrien, sem dúvida

Destruidor de Jogo disse...

Então e o João Mário?

Desses quatro, só gostava que o Adrian não ganhasse lugar. É o médio mais limitado do Sporting. Até o Chaby, que infelizmente não parece vir a ser aposta, é melhor

Paolo Maldini disse...

João Mário comigo também entrava nas contas. Mas eu acho que neste momento as contas do Marco Silva são aquelas :) E concordo com o que dizes do Adrien, se esquecermos o Slavchev... isto se o bulgaro for o que mostrou neste 1 só jogo...

Carlos Rodrigues disse...

Ontem não pude apanhar o jogo todo, mas basta ver 5 minutos de João Mário para ver que ele dá à equipa algo que mais ninguém dá.

E por muito que goste de André Martins, ele não dá o mesmo que João Mário quando o jogo se aproxima da baliza: basta ver a progressão de João Mário pela direita, quando assiste Capel, para perceber que aquela calma, aquela frieza, aquela compostura, nada daquilo se ensina e poucos partilham essas características no plantel.

Estou curioso para ver como João Mário evolui, mas se o jogo de ontem é amostra de alguma coisa (e nem fez nada de transcendente), arrisco dizer que ele pode ser o fenómeno William desta temporada, em termos de chegar/ver/vencer. Qualidade não lhe falta.

Destruidor de Jogo disse...

Pois realmente não estava a pensar no Slavcehev por ainda não conhecer bem. No sentido inverso temos o Gauld, que também ainda não vi muito dele, mas tenho esperança que venha a ser uma boa aposta.

Quanto ao Adrian, curiosamente até esta última éspoca sempre tive esperança que ele pudesse ser melhor do que o que acabou por demonstrar, precisamente por nunca ter atingido o topo de forma em nenhuma época anterior. Mas quando eu vejo que o melhor Adrian é apenas aquele que apareceu na última época, acho pouco (bom até um certo ponto, mas pouco). E também é chato quando vejo os burros dos adeptos do sporting a endeusarem-no como se fosse o melhor médio português, e, por outro, lado a destilarem ódio todas as semanas contra o André Martins.

Paolo Maldini disse...

destruidor, vejo isso tudo também! O Gauld ainda n vi nada. Não sei onde se poderá inserir... n poderá fazer dupla com Mané nas alas?

Destruidor de Jogo disse...

Pois o Gauld não sei bem, mas é capaz de dar tanto para o meio como para as alas. Mas mesmo assim a minha primeira preferência para fazer dupla com o Mané nas alas, e que até parece ser melhor do que o Mané, é o Iuri. Mas pronto, é outro que parece não vir a ser aposta no próximo ano.

Roberto Baggio disse...

Gauld nas alas é parvo. Ele jogou sempre como 10 na equipa anterior.
E não tem velocidade (aceleração) para desequilibrar ali.

Destruidor de Jogo disse...

"Gauld nas alas é parvo. Ele jogou sempre como 10 na equipa anterior.
E não tem velocidade (aceleração) para desequilibrar ali."

Certo. Mas mesmo assim se houver uma abundância de opções para o meio e um défice para as alas, acho que vou preferir que joge o Gauld numa ala, com movimentos interiores, do que o Capel ou o Wilson Eduardo.

josé carlos disse...

Maldini, de acordo na questão do Rosell, mas na questão de um médio juntar-se ao avançado para defender a primeira fase de construção adversária, isso já acontecia com LJ a época passada e mesmo no Estoril, Marco Silva fazia isso com o seu avançado e Evandro.

De resto, nota-se que Marco quer aproveitar as coisas boas de Jardim (mantém-se os overlaps dos laterais com 2x1 nos corredores) mas há mais intenção de haver mais controlo do jogo, os extremos não jogam só para o corredor para a entrada do lateral, tb vem dentro para combinar e tabelar, acho inteligente o que ele tem feito. Espero que as coisas evoluam no sentido que deseja. Abraço.

Paolo Maldini disse...

Sim, José. Com LJ na III fase defensiva já faziam assim

André disse...

Do que vi o Sporting a defender monta-se em 4-4-2 quando a bola está no meio campo ofensivo e em 4-1-4-1 quando está no meio campo defensivo.

Nunca fiquei em sexto disse...

O Marco Silva que ganhe juízo e deixe de imitar o Jesus. Se for esperto vai imitar o supra-sumo dos treinadores portugueses: Vitor Pereira. Depois é só esperar que o chamem das competitivas ligas das arábias, para ser corrido depois de divertir tudo e todos com os vídeos onde tenta falar inglês, e para concluir passa a comentador de jogos de futebol na tv. O Marco Silva que não seja burro!

JF disse...

Maldini
O que achavas de um Sporting em 1x4x4x2 losango? eu olho para o plantel e vejo pouca qualidade nas alas e muitas opções para o meio campo... William, Adrien, Martins, Rosell, Gauld, Slavchev, Shikabala, J. Mário.
isso também permitia uma solução com Montero e Slimani na frente...
uma equipa com William, J.Mário, A. Martins e Gauld no meio campo e Montero e Slimani no ataque não seria mais interessante?

Tywin Lannister disse...

O Benfica, mesmo com uma equipa praticamente renovada, com poucos jogadores de qualidade para as exigências do Jorge Jesus, deu muito boa conta de si, mesmo tendo em conta o cansaço que evidenciaram durante toda a segunda parte.

Notou-se claramente o dedo do treinador, pois o Sporting podia e devia ter marcado mais um golo pelo menos, mas faltou clarividência, o maior exemplo foi o de Carrillo que podia ter solto em João Mário, fresco, entre o lateral e o central, para ir à linha e cruzar... Preferiu antes ir para o meio em fintas e depois chutar para fora. Mais tarde, tomou a decisão certa, numa situação quase idêntica, mas falhou o passe. Menos mal desta vez, só falhou a execução.

Vamos ver é se o Jorge Jesus engole o orgulho e aproveita os melhores miúdos da equipa B, pois o BES já deu o berro e a sua conhecida sobranceria fez-lhe perder dois bons lugares, primeiro no Valência, depois no AC Milan. E o AC Milan é o AC Milan e em Itália, o JJ tinha tudo para ser um rei, sabendo tão bem como ele sabe colocar as suas equipas a defender.

Hoje o Benfica passou mais tempo a defender, mesmo com muitos erros e perdas de bola, souberam o que fazer para evitar um dilatar do resultado, só faltou mesmo fazer melhor no momento ofensivo, mas nesta altura as pernas não duram mais de uma hora e o cansaço impera.

Marco Silva foi feliz por a equipa ter sido eficaz no aproveitar dos poucos erros do Benfica na primeira parte e inteligente no refrescar faseado do meio-campo. Rosell fez os 90 minutos e ainda não se deu pela falta de William Carvalho, Adrien Silva faz faltas a mais. João Mário parece caminhar para ser primeira opção de meio campo a saltar do banco, mas hoje, quando teve bola, pareceu não fazer muito com ela, mas do último lance que me ficou na retina, não podia ter feito outra coisa, porque não tinha linhas de passe, já que todos os companheiros mais adiantados se encontravam do outro lado, ou demasiado à frente, os adversários fizeram as devidas coberturas e o lance morreu ali.

Com 16 dias de trabalho, não se pode pedir nem fazer muito mais, agora é esperar que o LFV consiga de outro banco mais capital para injectar no Benfica... a ver vamos.