quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Avaliação do trabalho dos treinadores. Os resultados e o processo. Dificuldades para Marco Silva, e Jorge Jesus superior a José Mourinho.

Desde sempre, mas talvez com maior relevância desde o fenómeno Mourinho que o público em geral tem a tentação de elevar os treinadores à condição de deuses. Não necessariamente no bom sentido, mas no sentido de que as vitórias e as derrotas passam apenas pela sua performance, ignorando que são homens / mulheres que jogam o jogo e não máquinas comandadas por estrategas.

É por isso que nas caixas de comentários continuam os argumentos de que X é bom porque venceu 3 campeonatos, ou Y é mau porque em 5 anos apenas venceu 2. Como se o jogo fosse treinadores contra treinadores, quando são jogadores contra jogadores.

O treinador deve ser avaliado pelo processo. Pela organização da sua equipa. Nunca pelo resultado, não ignorando que com organização garantidamente que obterá bons resultados para o contexto que exerce.

Na época transacta, por exemplo, viu-se Jorge Jesus ser considerado responsável pelos únicos pontos que perdeu em toda a segunda volta até se sagrar campeão nacional. Num jogo em que o seu avançado falha um penalty no último minuto. E se Cardozo tivesse acertado na rede. O treinador era bom? Ou o exemplo perfeito. Quando há dois anos Vitor Pereira foi incompetente durante uma época inteira depois de Jackson ter perdido 4 pontos em penaltys, para voltar a ser um bom treinador, depois de Artur Moraes ter tornado um belíssimo treinador num incompetente (que perdeu um jogo em trinta e contra uma das melhores equipas de toda a história em Portugal, que alinhava com Hélton, Danilo, Alex, Mangala, Otamendi, Lucho, Moutinho, Fernando, James, Jackson, Varela. Coisa / Milhões pouca / poucos). Para o público em geral só há um treinador bom por cada Liga. E só se percebe quem é o bom quando acaba o campeonato. Nada mais errado, obviamente. Estes erros de avaliação grosseiros revelam não só um total desconhecimento do que é o trabalho do treinador, como surgem maioritariamente associados a uma incapacidade gritante para perceber a qualidade dos jogadores. Normalmente os “seus” jogadores são todos craques e melhores que os do adversário. Logo, a incompetência será sempre do treinador. Por exemplo, Jesus foi tornado réu por não ter sido campeão num ano em que do seu plantel inteiro só um, dois, máximo dos máximos três jogadores do seu onze entrariam na equipa de quem se sagrou campeão. Claro que na altura bateram muito por aqui. Sobretudo quando se elegia James como estratosférico e o melhor da Liga. Hoje, apenas porque alguém pagou um valor estapafúrdio talvez já seja bom. Antes não era…

Ao treinador compete dar armas (organização) para que os seus atletas sejam mais do que individualidades no campo, mas que se saibam relacionar entre si, com princípios colectivos. Que ocupem o espaço e se movimentem com e sem bola, ofensivamente e defensivamente, de acordo com ideias comuns. Neste espaço valorizamos os que para além de conseguirem criar estes princípios, o façam em todos os momentos do jogo. Tratem todos os momentos com a devida importância, e que como tal tenham a equipa preparada para jogar o que o jogo der. Conseguindo isso, o melhor treinador do mundo pode perfeitamente perder com o pior. É que são humanos que jogam o jogo.

E é em função disso, que ainda na época passada, naquilo que será garantidamente um choque para quem não vê o jogo com olhos de ver, declarei aqui que Jorge Jesus é bastante superior a José Mourinho enquanto treinador de futebol. Porque as suas equipas estão muito mais preparadas para o jogo que as do mais titulado treinador português.

Se alguém se der ao trabalho de analisar jogos de um e outro perceberá facilmente que ofensivamente as equipas de Jesus têm movimentações que permitem mais linhas de passe ao portador, que oferecem mais, mais variadas e mais próximas soluções para prosseguir as jogadas (em apoio, em ruptura, à esquerda, à direita, em cobertura). Que defensivamente o jogo de controlo da profundidade que permite a equipa manter-se mais compacta, mais próxima e ainda assim não consentir bolas nas costas é bastante superior em Jesus do que o que é nos últimos vários anos de Mourinho. O controlo da largura. Não há um momento do jogo em que Mourinho se superiorize a Jorge Jesus. Mourinho que continua ano após ano a pescar jogadores saídos dos colectivos de Jesus, para que pouco depois pareçam apenas banais nas suas equipas.

E é porque a generalidade do público não percebe o que é o trabalho do treinador que o futuro de Marco Silva no Sporting pode tornar-se preocupante. Em poucos dias, viu-se organização. Ideias. Jogar colectivo. Enfim, competência. Todavia, a herança pontual e de classificação é demasiado grande para a qualidade individual da sua equipa. Se Leonardo Jardim entrou (e saiu) na hora perfeita, Marco Silva fá-lo num dos anos mais difíceis de agradar à massa adepta leonina. Não interessa se naquilo que o treinador controla Marco mostra credenciais. Se pela qualidade individual que têm os jogadores do Sporting não conseguirem a percentagem de pontos da época transacta (e tal não se afigura nada fácil), o mais fácil será pedir-se responsabilidades a um treinador que até apresenta mais argumentos que o seu antecessor. Não desprezando qualidades óbvias que Jardim tem.

Quem segue o blog há muitos anos recordará os textos com imagens a expor a falta de organização do Sporting de Sá Pinto. Tudo aleatório, jogadores sem se relacionarem entre si, enfim, tudo à deriva. Total desvalorização das individualidades porque não haviam ideias. Bastava ver aquela organização para se poder classificar de mau o trabalho do treinador. Independentemente do resultado dos jogos. Marco Silva por seu lado mostra qualidades precisamente porque naquilo que controla mostra organização. Se há décima jornada tiver zero pontos, a opinião será a mesma. Há organização. Naquilo que o treinador controla o treinador do Sporting é bom. Mas, não é o treinador que joga. Falta só perceber-se os detalhes (restabelecimento de equilíbrios, um pouco de maior encurtamento do espaço em largura, e jogo posicional de controlo da profundidade na última linha, defensivamente. E número de caminhos (movimentações) para a baliza adversária, ofensivamente) que são no fundo o que separa os bons dos óptimos.



P.S. - Mourinho gera amores e ódios. Não tome a opinião actual sobre o trabalho de Mourinho, como algo relacionado com a sua personalidade. Apenas o que mostra no campo. Para que perceba que não há amores / ódios, basta consultar as etiquetas com o seu nome para perceber a influência grandiosa que teve em tudo o que por aqui se escreveu / escreve desde sempre.  E era mais fácil elogiá-lo agora que priva quase diariamente com um dos autores que iniciou o blog comigo.

82 comentários:

PedroF disse...

Se depois deste texto ainda houver quem não perceba a vossa opinião e no que essa opinião é fundamentada, então desistam dessas pessoas, porque elas gostam de debater, gostam de ter razão. Parabéns pelo texto.

Pedro disse...

Uma pergunta ao treinador Maldini:

Durante os jogos estás no banco ou como achas que fizeste um bom trabalho durante a semana ficas em casa a ver TV?

Este post tem fotografia mas peca por uma generalização completamente falsa.

Já o discutimos tantas vezes que custa voltar a repetir a mesma coisa mas JJ perdeu pq cometeu erros. Dizeres que ele perdeu pq os jogadores erraram é escandalosamente redutor para um blog e um autor que já mostrou que é dos melhores senão mesmo o melhor da nossa blogoesfera. E isso deve-se apenas e só ao endeusamento que fazes a JJ e à teimosia que tens em ver os erros dele. Curiosamente, nos ultimos posts, quer aqui quer no posse, tem sido apontados vários erros a JJ que eu tenho vindo a dizer ao longo das épocas.

São humanos, cometem erros. Assume isso igualmente.

Anónimo disse...

Marco Silva por seu lado mostra qualidades precisamente porque naquilo que controla mostra organização. Se há décima jornada tiver zero pontos, a opinião será a mesma

Só discordo disto, um treinador com zero ponto em 10 jogos no Sporting é incompetente seja como for. E nunca na vida demonstraria organização.

Johnny McCaco disse...

Muito bom, neste post resumiu-se muita coisa que se tem defendido aqui ao longo do temo. É remeter para aqui todos os que ainda estão "atrasados" ou com ideias picaretas :)

R. Alves disse...

Sigo recentemente o vosso blog e tenho gostado muito de o ler, queria apenas partilhar a minha opinião pois apesar de concordar com os argumentos que foram dados em relação a Mourinho, existe outra parte que não é falada e acho que também é muito importante. Se ao nível ofensivo concordo, já na parte da organização defensiva acho que as equipas de Mourinho costumam ser mais eficientes (excepção Real, pois considero que grande parte da culpa cabe àquele conjunto de jogadores que muitas vezes tinham um desiquilibrio mental no momento defensivo Ramos principalmente), e ainda há a parte psicológica e motivacional dos jogadores que faz com que certos jogadores com Mourinho se transcendam e apresentem um nível muito acima do que normalmente mostrariam.

Diogo Machado disse...

exelente trabalho.parabéns não só pelo post mas pelo blog (fantastico).

percebi a ideia do post, mas acredito q falta uma coisa que separa os bons dos banais e maus.
perceber que tipo de jogadores tem a disposiçao e basear o processo e ideias de jogo nos jogadores que teem...

apesar de ser um mau exemplo.poderiam as ideas do PF na epoca passada nao serem as melhores para os jogadores do plantel...acho que um grande treinador tem que basear o estilo e identidade da equipa nos jogadores disponiveis.

andre disse...

Melhor exemplo do vosso texto é a ideia que maus treinadores conseguem dar cabo de uma boa equipa. Vejam a epoca passada o Man Utd que fez uma epoca miseravel comparativamente com o que era normal naquele clube.

Artur Semedo disse...

«Estes erros de avaliação grosseiros revelam não só um total desconhecimento do que é o trabalho do treinador, como surgem maioritariamente associados a uma incapacidade gritante para perceber a qualidade dos jogadores.»
:::::::::::::::::::::::::::::::

«…Watson Hutton not only brought the game with him, but also brought a distinctive style of play, one that would come to define Latin American football. The English game’s obsession with dribbling, which meant keeping the ball close to one’s boots while a mêlée ensued, was verging on the solipsistic. The pass, at which the Scots excelled, was discouraged – often vehemently so. Whilst playing for his country against Scotland in 1877, the Hon. Alfred Lyttleton was upbraided for not having passed the ball. His reply merely confirmed his social rank: ‘I am playing purely for my own pleasure, Sir!’ 21 Queen’s Park, a club Watson Hutton must have seen play in Glasgow, had developed a sophisticated ‘combination’ technique, in which dribbling and passing were combined into an art form. More importantly this style of play allowed the players to work together as a team, rather than eleven individuals. The pass not only marginalized the more physical and aggressive aspects of the game, which was also closely identified with the English style, but in time would put an end to the cult of the amateur.»
:::::::::::::::::::::::::::::::

aquilo que os escoceses perceberam há mais de cem anos permanece um mistério para a maioria...

Edson Arantes do Nascimento disse...

Obrigado Maldini. É a enésima vez mas nunca é de mais porque são realmente ideias muito fortes. Concordo com tudo.

kalho disse...

Descobri o vosso blog há pouco tempo e tenho gostado imenso de ler tudo o que já escreveram. Sei que não é o vosso objectivo ensinar ninguém mas a verdade é que tenho aprendido imenso.
Dá gosto ver o futebol discutido desta maneira.
Continuação de bom trabalho.

Valter Correia disse...

Quem gosta do futebol por dentro, segue o blogue. Quem não gosta ou não aprecia o futebol pro dentro, não segue nem este nem outro blogue que explique isto.

É difícil convertê-los.

Queria ser Mourinho disse...

Ainda que totalmente de acordo com o exposto, acrescento só um ponto não abordado que, não sendo o mais importante, é MUITO importante.

Em qualquer líder, seja ele Gestor de Empresas ou treinador, que tem a ver com as suas capacidades de liderança, de trabalho do aspecto emocional da sua equipa, de motivação, de capacidade de transmitir crença para os jogadores, da capacidade de fazer com os que seus jogadores se tornem os seus maiores aliados, defensores, apoiantes...e que CONFIEM cegamente que as suas ideias são as melhores para a equipa.

Acredito que esta componente é fundamental, mas só se aplica a um treinador com qualidade (que cumpra os critérios enunciados neste post). Num treinador bom, esta questão de liderança e relação emocional com o Grupo pode fazer a diferença. Num treinador "mau" não fará tanta diferença assim (embora em certos jogos/momentos o querer e a crença possa até resolver o jogo).

Nesses aspetos Mourinho é fortíssimo, não sei se melhor ou pior que JJ (sou fã dos 2 treinadores) mas é seguramente dos melhores do Mundo.

De JJ diz-se que é pouco tolerante e que terá menos "habilidade" para moldar o seu estilo de liderança às diferentes individualidades de um Grupo e isso é importante num líder. Todos os que lideram equipas (ou já lideraram) seja no desporto seja nas empresas sabe que os individuos que formam o seu grupo se motivam de formas diferentes e que têm reacções diferentes a um mesmo estimulo.

Por isso essa "leitura" emocional de um grupo e essa capacidade de ser mais "rigido" ou mais "companheiro" consoante a situação e o jogador envolvido é determinante para um bom treinador.

Por isso acho fascinante essa profissão, porque não é "só" aprender as questões técnicas que referem e pô-las em prática, não é só saber analisar os adversários, saber montar uma equipa, treinar movimentos e posicionamentos...também é preciso (e muito) saber liderar. Uma equipa que confie cegamente no seu líder e nas suas ideias, executa-as de melhor forma e com mais intensidade.

Paulo Jorge disse...

Todos os adeptos de futebol deviam ler isto, e aprendê-lo.

moskow disse...

Momento nonsense do dia :)

Tata Martino: «Queremos seguir a linha de trabalho de Sabella»

José Moreira disse...

Boas. Comecei a seguir o blgue à poucos dias e... estou/sou fã! Parabéns.

Não obstante, há uma vertente que, considero bastante importante num treinador top, que não é analisada no post: A liderança. Se quiser, as relações humanas que o treinador gera com os seus jogadores.

Sempre o disse e direi, Jorge Jesus é um treinador competente do ponto de vista técnico, mas acho que a sua vertente de liderança está a anos luz da sua vertente técnica e esse é o grande problema dele.

As suas equipas tendem a baquear em momentos chave, como tem sido evidente no Benfica. Em todos os anos, quer se queira, quer não, verificamos sempre que JJ apresentou equipas bem trabalhas taticamente, é inegável. Mas quando chega a hora da decisão... Falha. Ou se não falha, a qualidade apresentada é inferior ao habitual, parecendo-me a mim que muito por culpa de factores psicológicos dos seus jogadores. E enquanto não corrigir esta vertente (e acho que já não irá corrigir) não será o treinador que a sua competência técnica poderia deixar ser.

No que toca ao Marco Silva, concordo em absoluto. A escolha do Marco para treinador do Sporting foi uma escolha lógica, numa ideia de trazer um treinador capaz e com provas consistentes, bem como a escolha do Sporting por Marco Silva também foi lógica na vertente da sua evolução competitiva, porém, acho que não deixa de ser um presente envenenado, porque Bruno de Carvalho acha ter o que está longe de ter: Um grande plantel. Nem sequer tem um 11 de inegável qualidade individual, quanto mais um plantel. Porém pede a Marco Silva o que não podia pedir a Leonardo Jardim, dando-lhe pouco mais do que deu ao segundo.

Abraço.

Paolo Maldini disse...

Pedro n vamos discutir... Pq n vale a pena...a partir do momento q culpas um treinador por perder PTS por ter mandado marcar um penalty o jogador x (q era o marcador 1 de pen aos anos)...p ti um mister é deus...é ele q controla ate o remate dos jogad. Se rematam mal é culpa dele q n os ensina...

Ha PC falei ai duma liga ha MTS anos q tava c uma equipa (tralhao estava c outra e outros n tao famosos mas Tb treinadores no SLB e SCP andavam lá Tb) nessa liga os treinadores só faziam os j em casa. Fora a equipa ia sem treinador. A minha equipa ganhou os j TDs fora (em casa empatou um) e os misters das outras equipas vinham dizer.me q os meus jogavam MT abola... Só os viam nos j q eu n estava. Axas q se o trein adoecer a equipa perde qualidade por n tar lá um gajo sentado no banco? A serio? Um gajo senta.se e a magia acontece por si? Ou é por falar? Ou seja o Maldini treinador se tiver q faltar a um j vai dormir descansado... Para os pedros adeptos é q será complicado... Quem irao eles culpar?

Paolo Maldini disse...

1o anónimo se o MS tiver 10j c a qualidade q teve o SLB na supertaça (qualidade p mim é expressa em criar MT e n deixar criar) p mim entra logo na galeria dos notáveis. Noo entanto só terá 10pt... Dos empates a zero ne? Mas imagina q o Patricio imita o Artur e da cada j bola ao ADV só q este é mais eficaz e marca mm? Da os 0 PTS... Mas p mim será o melhor em dez anos no SCP

O GLORIOSO disse...

Obrigado Maldini por dares uma bofetada a todos sobre a qualidade dos treinadores. A sua opinião é muito mais importante pois é treinador que um leigo armado.
Finalmente alguém refere aquilo que já disse tanta e tanta vez e por causa disse sou gozado: Jesus é o melhor treinador português, incomparavelmente melhor que Mourinho.
Costumo a dar um exemplo simples: imaginem que o Russo do Chelsea no ultimo dia do mercado dizia ao Mourinho "olha vendi o Matic e o Willian por exemplo e não vou buscar mais ninguém, desenrasca-te poe um extremo a fazer de médio de transição" estão a ver o Mourinho a aceitar isso tudo não é verdade pois há 2 anos lembram-se o que aconteceu, não se lembram...

Anónimo disse...

O JJ não tem culpa do penalty falhado. Mas... Quem tem a culpa da transição defensiva no golo do Kelvin, e do posicionamento dos jogadores a 2 minutos de garantir o campeonato?

(Aconteceria a uma equipa do Mourinho?)

Anónimo disse...

Guardem bem o link deste texto pois vai salvar-vos de muitas discussões parvas

Anónimo disse...

Tenho uma discussão há anos com amigos (que até entendem de bola) eles sustentam que vítor pereira nunca pode ser um treinador de topo porque a sua equipa nunca se transcende (de topo considerando porto e benfica nesse patamar) até que ponto isto acontecia porque o jogador ofensivo com mais liberdade era Varela(claramente o menos dotado do 11); ou até que ponto eles têm razão? gostava de saber a vossa opinião
valter

Paolo Maldini disse...

o q é n transcender? para os teus amigos ter apenas uma derrota em 3 campeonatos n é transcender? Vão dizer q isso por si só, mas depois como argumento como é mau é pq n passou um ano o grupo na champions?

Paolo Maldini disse...

"O JJ não tem culpa do penalty falhado. Mas... Quem tem a culpa da transição defensiva no golo do Kelvin, e do posicionamento dos jogadores a 2 minutos de garantir o campeonato?

(Aconteceria a uma equipa do Mourinho?)"

recentemente não... as equipas do Mourinho não tem chegado a lutar por titulos às finais / rectas finais das provas de regularidade, portanto creio q n lhe acontece mesmo...

Roberto Baggio disse...

Valter, é ir às etiquetas e procurar por Vítor Pereira.

Anónimo, os jogadores do SLB estavam mal posicionados para o lançamento lateral?
Explica lá então que erros de posicionamento da equipa (colectivos) foram esses, em transição defensiva.

Roberto Baggio disse...

Claro que nunca aconteceria a uma equipa de Mourinho, ele mesmo a perder é todos atrás da linha da bola, portanto.

Paolo Maldini disse...

moscow, pois... Argentina fez lembrar Portugal u20 com Ilídio Vale. Como tb foi à final era só tipos a baterem aqui pq arrasámos a qualidade do treinador...

Como é que a malta que avalia a competencia do treinador pelo resultado enquadra um Jupp Heynches (n sei como se escreve...), por exemplo? bi campeão europeu, vencedor de tudo na Alemanha e o treinador dos 7a0 de Vigo numa equipa pateticamente trabalhada por ele, bem como as épocas no SLB? então... era mt bom foi campeão da europa... depois desaprendeu tudo e era péssimo no SLB e depois voltou a aprender tudo e era outra x um excelente treinador no Bayern...

Paolo Maldini disse...

R.Alves

"que certos jogadores com Mourinho se transcendam e apresentem um nível muito acima do que normalmente mostrariam."

estou um pc de acordo c isto. Mas, isto se fosse dito há 6 ou 7 anos atrás. Nos últimos anos que é q se mostrou acima do q normalmente poderia dar com Mourinho?

É que com Jesus são dezenas de casos... basta ver a quantidade absurda de dinheiro q o slb faz em transf desde q ele chegou e o q n fazia antes.

Anónimo disse...

Que resposta de puto da primária maldini lol... Estão muito bem, com o resultado a seu favor e a dois minutos do fim... Eu pelo menos gostei, os adeptos do Benfica não devem ter gostado muito...
http://imgur.com/KuayUIb
http://imgur.com/tAgDeSH

Anónimo disse...

acredito que o mourinho terá percebido que não pode manter a tónica do ano passado. ele ficou obcecado com equipas de "bois" capazes de tapar todos os buracos, correr que nem doidos, pois só assim conseguiu vencer o barcelona - mas aí havia ronaldo e outros para resolver na frente.

a entrada de fabregas parece dar indicaçoes nesse sentido. aguardemos.

quanto ao JJ há muito que digo o mesmo que tu. é um treinador de elite mundial.

Paolo Maldini disse...

sim, o Jesus qs todos os jogos sofre golos de transições de lançamentos. A culpa desse golo é qs toda dele...

aliás, todos os golos que as equipas dele sofrem são culpa dele. E os outros treinadores também. quando sofrem é culpa sp do treinador...

enfim, perder tempo com isto... :)

Roberto Baggio disse...

Oh anónimo vê lá como eu já adivinhava que n ias meter o lance todo.

Por acaso, mas só por acaso, o SLB esteve sempre em superioridade. Até os 4 da frente terem decidido não recuperar as posições, e partir a equipa.
Os do Porto, que estavam atrás deles conseguiram subir, eles ficaram só a olhar a ver o lance.

Anónimo disse...

:^) belíssimo argumento Maldini, o Jesus não sofre golos de transições de lançamentos todos os jogos, mas ninguém disse isto. E ainda bem que estás a tratar os últimos dois minutos que separam a equipa do título, na casa do rival, a uma situação trivial a meio do campeonato com o Rio Ave.

Para um blogue apologista da inteligência, é bom saber que acham normal uma equipa num contexto daqueles permitir uma desvantagem numérica e uma disposição tão desorganizada...

Controlo? O que é isso?

Anónimo disse...

E a equipa estar partida, é comparável a um penalty falhado, ou alguém escorregar? E a linha defensiva?

Roberto Baggio disse...

O Maldini é que tem razão, nem sei o pq de ainda responder a estas coisas.

Anónimo, sim. Ganhaste. O Jesus é o culpado de ter partido a equipa, por não ter metido 4 pitbulls atrás dos 4 que ficaram na frente, para que assim eles tivessem mais perto de fazer o trabalho deles quando a equipa perde a bola.

Anónimo disse...

Fazia uma diferença do caraglio, já com a bola na posse do Porto, como na primeira imagem, os 4 gajos da frente, que nem aparecem no ecrã, virem a correr para trás! Nem com 4 Obikwelus lol

Pedro disse...

Não discutemos então.

Paolo Maldini disse...

parece-me justo e o melhor :)

Roberto Baggio disse...

Tu és estúpido que doi.

Vê lá isso vê, vá.

http://2.bp.blogspot.com/-uHMlzvuckEg/UaNp1zJ45NI/AAAAAAAAAJM/eshnHC1HiVQ/s1600/90m37s.png

http://3.bp.blogspot.com/-xaf08HLVPwQ/UaNp8PBMgrI/AAAAAAAAAJU/ZkR_QXJpMYQ/s1600/90m42s.png

Sabes quanto tempo é que se passou desde que o SLB perdeu a bola, até ao momento em que ela entra em kelvin da primeira vez? 8 segundos. Bem sei que nenhum jogador do SLB é recordista olímpico. Mas tenho as minhas dúvidas de que não conseguissem fazer 30 metros em 8 segundos.

O SLB começa em 6x4, passa por um 5x2 e acaba em um incrível 5x5.
Foi porque os do Porto correm mais que os do SLB de certeza, ou tinha cães atrás deles.

Ou então, quando o SLB perde a bola, se todos baixassem para trás da mesma, antes de Kelvin receber só no meio, ou durante, ou mesmo depois de receber, já havia gente suficiente para defender a transição. Mas não, como os do Porto decidiram correr, e os do SLB não, a culpa é do treinador do SLB que não os meteu em forma. lol

Roberto Baggio disse...

ah, o 5x2 está aqui ;)

http://2.bp.blogspot.com/-gpjsGYupH7Y/UaNqAyGO5MI/AAAAAAAAAJc/av2hyIx8Rv4/s1600/90m44s.png

Paolo Maldini disse...

só 5x2 sendo q nos 2 tá o kelvin? claramente culpa do treinador

Paolo Maldini disse...

e esse gajo que cabeceia com tanto colega e tanto espaço mete a bola num do FCP??? Se sim, culpa do treinador! Aposto que o treinador lhe disse para ele passar a um adversário!

Roberto Baggio disse...

ya meteu a bola no gajo do fcp kkkkk

Paolo Maldini disse...

nessa situação o gajo q cabeceia mete a bola num do fcp?! culpa do treinador! n o ensinou a cabecear!

lj disse...

Acompanho o vosso blog a tenho aprendido convosco sobre o trabalho de um técnico, sobre o conhecimento tático e o árduo trabalho de passar nocoes táticas a pratica.
Aprecio JJ, Mourinho nem tanto, mas isso não vem ao caso para o meu ponto.

Acho que no lateral esquerdo (generalizando, pois não tomo tanta atenção a quem escreve) existe uma ideia redutora e insuficiente do que e um treinador. Alem de um organizador tático, um treinador na minha opinião necessita de saber ser um líder, saber ser um gestor de recursos humanos, saber ser um comunicador para dentro e para fora, saber ser um motivador, saber ser duro e saber ser flexível, saber escutar, saber ser um "psicólogo". Estas são características que também permitirão que os seus atletas tenham as tais armas que lhes permitam ser mais que individualidades.

Paolo Maldini disse...

LJ ng aqui o nega. Apenas n se inventa. Só quem esta de facto no balneário pode falar sobre isso. Dizeres q x ou y nesse campo é melhor pior o q for q z ou y tem validade nula. N é q n seja importante. É q n estando lá p ver e n tendo o habito de inventar como podes aferir isso? Eu já falei com quem foi treinado por ambos os treinadores... E essa diferença toda q a CS pretende enfatizar ele n a sentiu

Portanto nós n desvalorizamos isso apenas n estando lá dentro n inventamos!

lj disse...

Maldini, entendo o que quer dizer, se não e observável não comentam. Apenas acho que na vossa mensagem estes aspectos saem desvalorizados.

Qdo refiro esses aspectos não pretendo comparar treinadores, mto menos JJ e JM - quem sou eu, não faco a minima ideia. Sei que tem fama distinta, mas mtas vezes essas opiniões publicas são ocas.

Penso ainda que outro factor importante e a sintonia entre o que o que um treinador pode dar e receber, e o que um clube num dado momento pode também dar e receber. Ha treinadores certos no clube certo mas no tempo errado, ou treinadores certos no clube errado, por exemplo.

Anónimo disse...

Maldini, parabéns pelo post!
Maldini e Baggio, concordam que o modelo do JJ apresenta debilidades contra equipas de posse?

Anónimo disse...

Tanta insegurança, para começar comentários com "és tão estúpido que dói"... Por aqui se vê a gentinha que puseram à frente do blogue... Não me digas que um supra sumo do futebol tem legitimidade intelectual para andar aí insultar os outros só porque sim?

E lembrei-me de outro aspecto... Para quem faz cavalo de batalha do Mourinho ter vindo a abdicar, e mal, de jogar à bola, de abdicar do momento ofensivo, o que dizer desse jogo no dragão? O que fez o benfica para ganhar o jogo?

Rafael Antunes disse...

Mourinho abdicou de jogar futebol como ele o concebia há uns anos, não pontualmente, mas definitivamente...

O Benfica nesse jogo do Dragão, pontualmente, e em condições muito específicas em relação à vantagem pontual e ao momento da época abordou o jogo de forma perfeita na minha opinião...

Portanto não me parece que seja justo meter o JJ a par do Mourinho nesse aspecto...

Roberto Baggio disse...

"Não me digas que um supra sumo do futebol tem legitimidade intelectual para andar aí insultar os outros só porque sim?"

Onde está o supra sumo do futebol? O que é um insulto? Bom, se o consideras um insulto, eu considero mais estares a tentar enganar as pessoas. lol.

Bem, nesse jogo teve mais situações dentro da área adversária, que o Chelsea em Londres, na segunda mão da meia final. Ironia das ironias, Jesus nem precisava de ganhar.

Anónimo disse...

Rafael Antunes, e concordo contigo. Jesus, sem precisar de ganhar, e no Dragão, precisava era de ser mula. Então o gajo é mula o jogo todo, e aos 91 minutos quando está quase no papo, tem a equipa dele partida, jogadores afastados em duas ilhas?

Baggio, isso não seria irónico. Mas nem é verdade, penso eu... Quantas situações na área do Porto teve o Benfica nesse jogo, fora o golo? de resto, só 2 livres diretos de longe.

Roberto Baggio disse...

Ah pois, se isso é algum desafio para provar alguma coisa, já lá vão os tempos em que fazia artigos para satisfazer (ou não) os mais "cépticos".
Portanto, ficámos pelo teve mais situações dentro da área que o Chelsea em Londres. Se te apetecer vai rever os jogos, e conta as situações.

Anónimo disse...

Não teve mais... Nem quiseram ter. Contando o golo do Chelsea, fica 1-1.

Roberto Baggio disse...

Pronto, tu dizes que não e eu digo que sim. Porreiro pá!

Anónimo disse...

Sim, é porreiro. Mas é mais fácil provar que sim do que provar que não.

Anónimo disse...

Bom texto, mas acho que só falas da missa a metade (ou talvez não).

Para já, não discuto é as ideias de jogo. Cada um tem as suas ideias, e desde que saiba criar organização, essa organização até pode ser 10 atrás e 1 à pesca, mas é organização, e que poderá ser muito boa, dependendo da qualidade dessa organização. Obviamente que a complexidade dessa organização é inferior a uma equipa como a do SLB do Jesus.

Mas o que queria mesmo dizer é que para além de ser importante ter ideias e criar boa organização (independentemente da forma de jogar), é tão ou até mais importante, sobretudo a alto rendimento, o lado da relação.

Ou seja, o tal lado de tornar os jogadores aliados, fazer com que eles dêem tudo por nós, esfolem-se e matem-se todos em campo, por nós e pela equipa.

Evidentemente que se este lado não for cumprido, por muito boas que sejam as ideias elas não irão aparecer nessa organização. Por outro lado, se a relação for muito forte (e apesar de o JJ parecer ter um estilo autoritário, a sua relação é forte, pois os jogadores sabem que se tornam melhores, acedem a melhores contratos e realidades a nível de dimensão do clube, e ganham títulos), este lado da organização sai cumprido com certeza e até mais qualidade.

De resto, gostei do texto. Boa apreciação.

Rafael Antunes disse...

O lance decisivo, se a memória não me falha, vem de um lançamento a favor do Benfica no meio campo ofensivo. O resultado como está, dá o campeonato.

Penso que na cabeça do JJ estará qualquer coisa como, lançamento e procurar uma situação de posse lá bem no fundinho do campo, daquelas em que os defesas aproveitam para dar umas frutas!!!

Falha-se o lançamento, o Moutinho manda uma charutada sem ver, o Matic não consegue afastar e depois é o que se conhece...

Culpa do treinador?! Porquê? Deveria ter pedido para que o lançamento fosse feito por forma a dar pontapé de baliza, para assim poder juntar a equipa?!

Roberto Baggio disse...

yap, e eu n tenho q provar nda. sei o q sei, o q vi e o q analisei no pormenor. quem n sabe, problema dele.

Hugo disse...

E o trabalho dos treinadores (neste caso JJ) não devia ser também avaliado por contratarem paletes de jogadores que pouco depois são dispensados?

Roberto Baggio disse...

E quem diz que foram os treinadores que os contrataram?

Hugo disse...

Por exemplo no caso dos laterais (Luis Felipe, Cortez,Emerson,Patric,Djavan) há um padrão que indicia recomendações do treinador

NSC disse...

Não vale a pena. O texto está disponível para quem quiser perceber e é claro. Eu não perdia tempo a discutir com "picaretas".

Roberto Baggio disse...

Há um padrão que indica recomendação? Que padrão é esse? LoL. Inventam com cada uma. Enfim

José disse...

Este argumento do Mourinho ser grande treinador porque, depois de ter desistido de pôr as equipas a jogar futebol, passou a ser um Doutor em Psicologia, é só parvo. Aliás, basta começar por olhar para o balneário do Real Madrid e perguntar ao Etoo pelo resto da história para perceberem que desde 2010 que não tem um conjunto de jogadores fiéis à sua personalidade. Como tudo o que é construído à base do conflito, também Mourinho cansou. Agora é voltar a chamar o Costinha, o Maniche e o Deco para refazer o que o tornou famoso.

Anónimo disse...

Padrão = demasiadas escolhas duvidosas para LE por recomendação do scouting e treinador.
Entendeste?

Hertz disse...

Oh Hugo, há um padrão tão grande que indicia recomendação do treinador que até pões aí o Patric que foi contratado antes do JJ ir para o Benfica.

Roberto Baggio disse...

Este anónimo quer tanto aparecer que nem se dá ao trabalho de perceber em que posições os jogadores actuam. Mas pronto, tiveste os teus 5 segundos de fama, e uma resposta dos bloggers. Espero que estejas mais feliz. E já não precises mais de atenção. Enfim, só idiotas.

Roberto Baggio disse...

José kkkkkk psicólogo top!

Paolo Maldini disse...

a malta gosta mt de inventar. n estou a dizer q n foi JJ q escolheu ou deixou de escolher. Tou a dizer que quem n está lá n sabe, portanto n inventem.

o unico q realmente sabemos q JJ pediu mm foi o q ele anunciou na TV. Foi o Huntelaar. Pelo padrão do unico q temos a certeza q foi pedido por ele, podemos concluir q todos os q n sao top do fut europeu n foram pedidos por ele?

parem de inventar... de falar do q n sabem. Válido para JJ, MS, JL, SCP, FCP, SLB, enfim... válido para tudo na vossa vida. Parem de falar do que nao sabem!

Miguel Pinto disse...

Concordo na generalidade com tudo o que foi dito pelo Maldini embora aja algumas matérias que eu considero importante um treinador ser capaz de dominar para que o seu trabalho fique ainda mais valorizado. Refiro-me às competências psicológicas do treinador, por exemplo, à sua liderança e da forma que ela se manifesta no seio do grupo de trabalho, ao treino psicológico dos próprios jogadores (tais como Ola John, Carrilo), à capacidade que o treinador terá que ter para se auto avaliar ou ter alguém (psicólogo) que o oriente nesse sentido.
Por isso digo que não basta possuir um modelo de jogo e saber operacionalizá-lo da melhor forma.

Maldini,a ideia com que fico ao ler alguns dos teus posts em relação à avaliação do trabalho dos treinadores é que nem sempre consegues valorizar o treinador que até conseguiu um bom resultado mas que, em função do rendimento da equipa nos jogos observados por ti, não foi capaz de apresentar o tipo de futebol que tu preconizas.
Claro que se o fizesses estarias a dar um tiro no pé, eu sei, mas às vezes é preciso dar tempo ao tempo, lembro-te que no Euro 2012 ninguém valorizou o trabalho do Loew nem em 2010 mas o que é um facto é que esse trabalho estava a ser desenvolvido, só precisaria de algum tempo para solidificar processos, conceitos.
Abraço

Anónimo disse...

Aparecer? Eu tenho vida!
Se fosse essa a questão não apresentava como anónimo ou debaixo de nome falso como fazes!
O meu erro, incauto, nas posições está lá de facto e pelo desculpa pelo lapso, mas a questão é sobre o padrão, que questionaste, nas contratações sem sentido. Entendes?

Roberto Baggio disse...

Miguel, quem é que não valorizou?
A única Alemanha, pós picaretas, que me lembro não ter jogado nada foi a de 2008. Desde que Loew pegou na equipa aquilo foi sempre a subir até 2014.
E podes ver isso mesmo nas etiquetas.

Não é o futebol preconizado pelo Maldini que o faz ter ou não opinião positiva das equipas. Até porque, por exemplo, não conheces o modelo de jogo dele, logo não conheces o futebol dele.
O que o faz avaliar, como a mim, é o seguimento dos princípios gerais de jogo, que é o futebol. Criar superioridade, evitar igualdade, recusar inferioridade. Só isso.

Hugo disse...

Deixem estar. Fiquem la com a vossa imensa sabedoria. Todos os laterais que falei sao jogadores fracos, zeros tacticamente. Mas deve ser pura coincidencia. Jamais o catedratico os iria escolher. Agora vou tirar um doutoramento antes de voltar a falar de futebol, nao va eu ofender v.exas

Roberto Baggio disse...

Não pá oh Hugo, tu percebes zero da política de contratação do SLB. Percebes zero do processo de selecção. Percebes zero de quem tem influência na contratação dos jogadores. E é disso que se trata.

E quando digo percebes zero, eu também percebo zero. Eu não sei quem escolhe os jogadores no SLB.

Então, de onde partiu a ideia de que o treinador é que escolheu os jogadores?! É o facto de serem fracos que te leva a dizer que foi ele que os escolheu?

Ou, como o Maldini disse, tas a inventar?

É pá, não precisas de nenhum doutoramento para aprenderes a pensar. E é só pensares que não sabes como as coisas funcionam no SLB para perceberes que o que disseste foi uma perfeita parvoíce. Ou por outras palavras especulação. Boatos. E isso não é nada.

Eu por acaso sei como funciona o departamento de scouting do slb (porque conheço gente que lá trabalha) que é top. Mas também sei que eles não recomendam nada. Só analisa as características. Não avalia. Como alguém aí disse, na sua santa ignorância que os jogadores eram recomendados pelo scouting e pelo treinador. Não sabem nada, e querem cantar de galo. É disso que se trata.

Não vejo onde está a relação entre o nível dos jogadores contratados e o treinador. Mas se tu sabes mais do que nós, por teres informações, fixe.

Hugo disse...

Sinceramente pensava que o departamento de scouting tambem avaliava mas pelos vistos enganei-me.
E nao tenho informacoes nenhumas. Sou apenas um mero interessado que achei curioso tal facto. Se nao foi JJ que os escolheu retiro o que disse

Miguel Pinto disse...

De acordo Baggio, foi isso que quis dizer ao referir-me ao futebol preconizado pelo Maldini. E apenas disse que o Loew não teria sido devidamente valorizado porque não me recordo de alguma etiqueta a comentar esse facto na altura. Em todo o caso não deixa de ser louvável a vossa referencia a treinadores que estando longe da ribalta conseguem fazer trabalhos notáveis com parcos recursos (Fernando Valente, por ex.) e que fazem corar de vergonha(se a tivessem) outros com condições impares para desenvolverem e potenciarem jogadores da 1a liga.
Abraço

Miguel Pinto disse...

De acordo Baggio, foi isso que quis dizer ao referir-me ao futebol preconizado pelo Maldini. E apenas disse que o Loew não teria sido devidamente valorizado porque não me recordo de alguma etiqueta a comentar esse facto na altura. Em todo o caso não deixa de ser louvável a vossa referencia a treinadores que estando longe da ribalta conseguem fazer trabalhos notáveis com parcos recursos (Fernando Valente, por ex.) e que fazem corar de vergonha(se a tivessem) outros com condições impares para desenvolverem e potenciarem jogadores da 1a liga.
Abraço

Anónimo disse...

Baggio, não percebeste o ponto e admito q não me terei explicado bem.
Agora, entupidos, idiotas e santas ignorâncias, ficam com quem as afirma.
Conheço parcialmente a política de contratações do benfas pq conheço um vice, mas não me sinto mais por isso. O JJ teve várias posições criticadas diretamente pela direcao ao nível de contratações que o próprio influenciou. Digo-te eu. Por isso intervi e procurei defender em parte o Hugo.
Do jogo percebes(em) e muito, qto a isso aprendo aqui convosco.
Obrigado e um abraço (sincero)

Roberto Baggio disse...

Eu não disse que não foi o JJ. Disse que nem eu, nem tu o sabemos. Pode ter sido o JJ, como pode ter sido o LFV, como pode ter sido o Rui Costa, ou um empresário, ou um fundo de investimento, ou uma sociedade de terceiros, ou outro tipo qualquer.
Nenhum de nós o sabe, logo, nenhum de nós pode afirmar e culpabilizar quem quer que seja.

Marcelo disse...

Aqui no Brasil muitos caem no equívoco de afirmar "com esse time, nem Mourinho, nem Guardiola venceriam". O texto corrobora, de certa forma, esse raciocínio, mas não deixo de considerá-lo simplista demais. Mesmo nas equipes mais pobres tecnicamente, há meios de perceber se as peças estão organizadas em campo, se há movimentação, se há uma orientação clara de comportamento ou se o time joga à deriva, como numa pelada entra solteiros e casados. Infelizmente aqui no Brasil temos treinadores ganhando salários surreais sem conseguir emprestar ao time mínima organização.

FXF disse...

Há uma componente muito importante de um treinador que não e abordada no texto, que é a componente humana.

Neste campo, parece-me que Jesus tem muito a aprender com o Mourinho.

Maurício Oliveira disse...

Comtodas as deferencias de quem nao se cansa de dizer que aprendeu com o blog de voces, eu peço licença para fazer uma pergunta que foge um pouco à questão técnica. Questão de fundo, digamos..."administrativo"



Como entendem dever ser orientada a politica de contractação e dispensa de treinadores se fossem gestores de grandes clubes como os tres maiores de Portugal(ou os dois maiores de Espanha, etc, etc), em que se haveria de conciliar a visão que voces tem sobre o trabalho de um treinador(que eu compartilho, depois de leituras no blog) com a pressão de socios e adeptos(junto com a pressao da midia) desses grandes clubes em que há a exigencia de vitorias?