sábado, 27 de setembro de 2014

Clássico de Alvalade. Última meia hora da primeira parte.

























17 comentários:

Anónimo disse...

só apontar um erro que reparei, numa das imagens referes-te ao Indi como Mangala

PepAlves disse...

O Herrera com Vítor Pereira não jogava neste FCP. Aquilo ontem foi um meio campo operário. O Rúben tem de ser 6, jogar fora da pressão quando tem a bola, ele é bom a pensar rápido e decidir bem, e se o Lopetegui gosta de variações rápidas de flanco ele é bom nisso (ver jogos da pré-época) sem pressão rodava com facilidade e critério.

Herrera só de frente para o jogo, e mal, por vezes. É aquele gajo que num jogo é bestial, passa a besta e é novamente bestial, e vice versa.

O Casemiro...ainda não me convenceu.

O Óliver tem ser sempre titular. E quero ver o Evandro com ele no miolo.

Futebol Táctico disse...

Baggio, só para esclarecer as coisas e porque sei admitir quando erro. Adrien é um jogador banal e que acrescenta pouco à equipa. Tinhas razão e estou aqui para dizer precisamente isso! Quanto ao William é, na minha ótica, lento e fraco no jogo aéreo. É só um promenor, mas faz a diferença.

Quanto a Herrera é fraquissimo. Só consigo entender a sua titularidade pois faz ofensivamente aquilo que o treinador lhe pede. Varia rapidamente o centro de jogo e chega perto da área. Não consigo perceber como entra neste meio-campo, muito menos ainda como é preterido a Evandro, sendo que Ruben e Casemiro iria jogar no Duplo-Pivô.

Carlos Antunes disse...

A imagem do instante 35:34 é absolutamente esclarecedora do que é trabalhar mal a defesa.
Para mim é uma imagem radical que muda por completo a minha visão do jogo.
E as imagens daí por diante também, mas o choque daquele momento...

Estou obcecado com este vosso trabalho a ver se deixo de ser um dos que fala por falar.
Ao menos nunca usei a palavra intensidade!

Jay disse...


Obrigado pelo vosso enorme trabalho! Adrien e Herrera, que manos tão amigos e intensos que eles são! Hehe

Na imagem aos 26:30, do Carrillo-Nani, penso que são ordens do MS ou conhecimento dos 2 alas do que é o Slimani. N vezes fazem isto por jogo, o Slimani não dá propriamente apoio. Se vires, mesmo quando ele ganha bolas, o Slimani passa logo rápido e corre em frente. É o modus operandi dele. Acho que nunca o vi fixar um adversário e soltar a seguir. Não dá 2 toques.

Por isso ali não critico o Carrillo porque sobretudo com o Slimani a correr eu também não lhe passava a bola. Não tem agilidade para parar o movimento e recuperar a seguir a corrida. :P





Carlos Antunes disse...

Já agora, a tão falada rotatividade.
Quem aqui escreve tem experiência com isso, tem opinião sobre o assunto?

O mesmo para os comentários ao facto do Porto ter começado com um defesa central esquerdino à direita e um dextro á esquerda?
Isto tem, realmente, alguma influência?

Honoris disse...

Carlos Lopes

Quando são dois centrais destros também tem esse tipo de dúvida?

Carlos Antunes disse...

Eu não tenho essa dúvida, para mim nunca se tinha levantado.
Mas como são este tipo de comentários que andam por aí na boca dos "especialistas" nacionais, decidi pedir um esclarecimento.

Carlos Antunes disse...

Eu não tenho essa dúvida, para mim nunca se tinha levantado.
Mas como são este tipo de comentários que andam por aí na boca dos "especialistas" nacionais, decidi pedir um esclarecimento.

Benfiquista Tripeiro disse...

Nem de propósito, essa da intensidade!

Análise da Bola ao herrera (melhor jogador do jogo para o referido jornal, por parte do porto):


"Sempre em alta rotação.

Foi o primeiro a expressar insatisfação pelo mau início da equipa. De que forma? Perseguindo os adversários sem trégua, na zona dele, nas zonas dos companheiros, por todo o lado a semear inconformismo e vontade de ganhar...
...sentiu-se mais confortável com oliver por perto, meteu mais intensidade no jogo portista. Porque o jogo da equipa não teve sempre velocidade, herrera não consegue expressar as qualidades dele como gosta..."

Johnny McCaco disse...

A análise ao porto-boavista do futebol tático já tinha mostrado a nulidade do triplo pivot, principalmente a atacar, nulos no aproveitamento o corredor central, além da saída de bola incompetente. Não tinha era abordado o momento defensivo, e é uma delícia perceber isto, pq vendo o jogo pela tv poucas vezes temos a percepção da movimentação global e individual, por focarem a zona da bola. E era o que se já esperava. Vocês acham que o Pategui trabalha org defensiva e transição defensiva? se sim, como? :D

Z disse...

Tenho a ideia que, embora sempre com preocupação de lateralizar o jogo, com Oliver e Evandro o Porto consegue também explorar o corredor central. Por indicação do treinador? Devido à capacidade individual de cada um dos jogadores? Acham que dessa forma, Brahimi ganha mais linhas de passe quando tem os seus movimentos interiores e que se consegue criar mais vantagem do lado oposto, ao invés da variação de flanco com passe longo?

Percebo ZERO de futebol malta. São dúvidas provavelmente muito simples mas de quem quer compreender melhor o funcionamento das diferentes combinações do meio campo do Porto. E a de ontem, da 1a parte, é realmente horrível.

Hélder disse...

Da forma que eu vejo o futebol, o slimani era automaticamente substituido pelo que se vê aos 35:26! É que nem para estorvar um central. Nada...

Estar ali, e estar no Rossio a beber uma ginja é o mesmo.

Paranhose disse...

Z, na minha opinião, se Oliver e/ou Evandro jogarem no meio, provavelmente o FCP explora mais o corredor central, mas mais pelas qualidades e características deles do que propriamente pelas instruções do treinador. Talvez esse seja um dos motivos para o Evandro não jogar tanto, embora o estatuto e o empresário que se tem pese em todo o lado...

Quanto ao que perguntaste do Brahimi, não sei se percebi bem o teu raciocínio, mas no meu entender, o Porto lucraria muito com ele a vir para dentro, a atrair vários adversários e depois ou a virar logo o jogo ou a soltar num apoio recuado (provavelmente R. Neves), que viraria no lateral, provavelmente. Com os laterais que o FCP tem, seria fácil acelerar nesse momento e aproveitar os desequilíbrios criados.

A minha grande dúvida (que coloco a todos), é que tenho a certeza que o próprio Lopetegui e equipa técnica já analisaram e discutiram muito os jogos da sua equipa, e sabem provavelmente no que estão a falhar. Não consigo entender como se continua a ver o mesmo que se tem visto.

Até compreendo a opção de criar uma forma de jogar muito segura com tempo, e daí os laterais jogarem mais recuados. Mas parece-me que está a tentar cimentar demasiado as coisas num clube que tem a obrigação de ganhar praticamente todos os jogos, e que este ano deveria ser campeão para não prolongar o insucesso do ano passado.

Z disse...

Em relação aos movimentos de brahimi, era mais ou menos isso. Deu-me a ideia que na primeira parte, quando conseguia fixar 2 ou 3 adversários, os apoios que tinha no corredor central estavam demasiado recuados. Na segunda parte já houve situações em que havia um fixar-soltar (como acontece no andebol, uma décalage), sempre com passe curto e com apoios mais próximos, que permitia ganhar maior vantagem quando a bola chegava ao lado contrário. E também permitiu mais movimentos de ruptura nas costas dos centrais ou nos espaço entre central e lateral. Foi a minha percepção...

Carlos Antunes disse...

Para quando a segunda parte?

Anónimo disse...

quando vi o Herrera a jogar a titular tanto com o BATE como contra o Boavista acabei por me acalmar com a ideia de que numa lógica de rotação do plantel faz sentido deixar o jogador mais fraco jogar contra adversários teoricamente mais acessíveis, para depois passar pelo banco num jogo mais exigente, mas infelizmente não aconteceu... é verdade que o Rúben também não fez um grande jogo, mas que diferença entre fazer um jogo menos conseguido e não saber jogar a bola do início ao fim. já não posso ver o gajo (no resto das análises acho que é cedo para arrasarem tanto o Lopetegui, que do meu ponto de vista falhou sobretudo no 11 inicial; mas convém lembrar que ainda assim empatou este clássico fora de casa onde se via a perder aos 2 min... estou confiante, este Porto ainda cresce!)