domingo, 21 de setembro de 2014

Coragem ou Entendimento do jogo?

Depois da expulsão de Maicon o treinador do FC Porto decidiu-se por manter a equipa tal como estava escalonada no apito inicial. Ao ver o jogo com uns amigos, dizem-me que Lopetegui tomou uma decisão corajosa, ao não colocar um defesa central em campo. Uma vez que, de facto, seria essa a substituição lógica da grande maioria dos treinadores. Contudo, para mim, não foi preciso grande coragem, tendo em conta aquilo que tem sido o jogo. O que Lopetegui mostra é um entendimento diferente daquilo que é o jogo. O jogo, hoje, é mais do que 4 atrás, 3 no meio, e 3 na frente. E como tal, foi apenas necessário ler o jogo, para perceber que um quarto elemento na linha defensiva é desnecessário na maior parte do tempo. A superioridade com bola que o Porto exibe, dominando o jogo por completo, aliado a uma forte reacção à perda de bola, faz com que os ataques no Boavista sejam praticamente nulos. Ou o Porto recupera de imediato assim que perde, ou a bola chega em más condições aos jogadores mais adiantados do Boavista, dando tempo para que mais unidades se consigam colocar em acção defensiva. O Porto joga basicamente no meio campo adversário.

Independentemente do resultado que possa surgir, é para mim necessário realçar o entendimento do jogo diferente do treinador espanhol, que procurou manter a superioridade numérica onde mais interessava.

19 comentários:

Anónimo disse...

Rectificado com Casemiro, certo?

Xavier

Miguel Pironet disse...

Roberto Baggio,
deixei de ter acesso ao "Posse de Bola".
Fecharam mesmo o blog ou é preciso pedir por favor para ter acesso? ;)
Abraço

Bernardo Pinheiro disse...

Tá fechado Miguel.

as101345207 disse...

Este Quaresma nunca muda...

Jay disse...


Nem o Petit sabe como empatou isto...

Anónimo disse...

tens razao mas a insistencia em tanta posse sem tentar roturas ajudou ao empate.

petit foi esperto - nao tem equipa para mais, foi atras do ponto, e a substituicao do jogador amarelado ainda na primeira parte foi inteligente. na segunda parte viu 6 amarelos, se esse estivesse em campo, e calhar era expulso e tudo seria diferente...

João Teles disse...

Quando via o jogo com um amigo meu disse exactamente o mesmo, não era preciso mexer em nada porque o Marcano chegava para o que se estava a passar ali atrás e o Rúben conseguia bem interpretar os momentos que tinha de baixar e compensar. Apoiei a opção de Lopetegui até...ao inicio da 2ª parte! Não percebi o porquê de colocar Casemiro, que basicamente fez de central. Perante o que se estava a passar no jogo, na minha opinião teria sido mais útil a entrada de um extremo com a passagem de Brahimi para corredor central (entre-linhas) ou a entrada de Quintero.
Gostei do Porto, com algumas coisas a corrigir, como o ataque do bloco defensivo/linha defensiva adversária quando se enquadram os centrais/médios para fixar e soltar.

Gonçalo Matos disse...

Sem ter visto o jogo, vi que acabaram com 82% de bola. Diria que 90% do tempo a bola esteve no meio campo adversário. A continuar assim, ainda vamos ver o Porto a jogar com 3 defesas, a lá Pep

Hélder disse...

com esses números é contraproducente ter muita gente a tras.

O grande problema é que no final de contas levou 1 ponto e arrisca-se no proximo fds ficar a 5 pontos. Aquela casa já mostrou que só importa ganhar...

Anónimo disse...

Como boavistaeiro, deliciado com este ponto que não esperava, se fosse realista.

E antes que venham as críticas ao autocarro, é a cultura do BFC, especialmente nos jogos contra grandes. Independentemente dos jogadores, que ainda não conheço tão bem (mas cujas caraterísticas, à exceção do Wei, me parecem apropriadas), é a identidade do clube.

Baggio, por que razão o Lopetegui coloca Casemiro então? Tive o mesmo raciocínio que tiveste depois da expulsão. R. Neves apenas baixava um pouco mais na 1ª e 2ª fase construção e depois ficava como se estivessem com 11.
Penso que Lopetegui decidiu não arriscar tanto, pois é verdade que o Boavista ainda teve duas boas oportunidades devido à falta de um homem mais atrás. Foram só duas, mas perigosas.

Não entendo tanto é a entrada de Quaresma, sabendo o perfil dele. OK, Tello deveria sair - as coisas não lhe estavam a correr bem, não era a noite dele.
Mas Quaresma pouco fez, para mim. Quintero, Aboubakar não estavam no banco?

Anónimo disse...

Este cepotégui só por meter os amigos a jogar em comissões leva dois ordenados para casa.

jorge gaspar disse...

"Sem ter visto o jogo, vi que acabaram com 82% de bola. Diria que 90% do tempo a bola esteve no meio campo adversário. A continuar assim, ainda vamos ver o Porto a jogar com 3 defesas, a lá Pep"

Gonçalo, jogar com 3 defesas, não é jogar a lá Pep. Jogar com 3 defesas é jogar com 3 defesas.
Achar que este treinador é capaz de colocar o Porto a jogar um futebol ao nível do futebol jogado pelas equipas do Pep é ser inocente.
O jogo acabou com 82% de posse de bola pró Porto porque o Boavista (mesmo jogando o jogo todo com mais um) limitou-se a procurar defender o empate.

Centrais que não saem a jogar, jogadores a procurar constantemente as laterais (a única excepção é o Brahimi), mudanças constantes de flanco, jogadores quando a equipa tem a bola demasiado afastados uns dos outros, o Herrera não acerta uma (razão tinha o Baggio) mas é dos poucos imprescindíveis para o treinador, rotação constante de jogadores numa fase inicial da época (não me parece ter muita lógica), o medo constante de trocar a bola pelo meio a contrastar com o pouco receio de partir para jogadas individuais, pouca movimentação por parte de quem não tem bola.
Tudo isso faz com que para já o Lope seja uma desilusão.
É óbvio que a equipa está melhor que na época passada, mas não podemos ignorar o facto de o Porto se ter reforçado bem.

pancas disse...

Eu gosto muito da maior parte das ideas de Lopetegui, mas ele parece Dr Jeckyl & Mr Hyde... Com todo esse entendimento de jogo e continua a insistir em Herrera que e quase o unico totalista no meio-campo? Hoje, no pantanal, que ate poderia ser a unica situacao em que a forca bruta sem cerebro do orelhudo mexicano poderia resultar, ainda foi pior do que o normal e estragou ainda mais do que o normal???
E meter o Quaresma para os ultimos 20 minutos? Ao menos, se vai meter um jogador q so sabe centrar de olhos fechados entao meta mais "carne no assador" (aboubakar)...

off-topic - muita atencao ao Marcano - pareceu de grande qualidade com boa leitura, passes verticais, etc. Por mim sentava ja o Indi...

GBC disse...

Só vi a parte final, mas o Quaresma entra e acabou... a única jogada minimamente perigosa que houve depois dele entrar foi um lance em que o Brahimi flecte para dentro e tenta meter no Jackson.

Quaresma a fazer cruzamentos atrás de cruzamentos (um de letra) com apenas Jackson na área... sempre em inferioridade.

Meter um jogador como ele em superioridade numérica, contra autocarro, é impensável. O resto da equipa aguentou-se com cabeça, ele não. Mas o estatuto é o que é. E vai trazer problemas, ainda...

DC disse...

O problema do entendimento de jogo dele é que não percebe que Casemiro, Ruben e Herrera não podem jogar juntos. É dos piores meios-campos de sempre do Porto, não há um pingo de criatividade. Quintero e Evandro deviam ter jogado ontem.
Aliás Herrera começa a ser inenarrável. Acho que eu tenho mais qualidade no passe do que ele.

José Santos disse...

Mostraria melhor entendimento do jogo se tivesse alinhado de início com Jackson e Aboubakar.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Ia escrever algo sobre isto, mas entretanto o Jorge Gaspar antecipou-se e escreveu tudo o que eu tinha para escrever. Esta equipa do Porto é estranha. Tem coisas interessantes mas apresenta outras que eu não aprecio (quase todas as que o Jorge Gaspar referiu).

Agora, com os jogadores que têm disponíveis, em Portugal são fortes candidatos a limpar tudo.

Torto disse...

O problema do Porto foi quase exclusivamente no último passe. O Boavista bem pode agradecer ao menino Herrera, se o Evandro tivesse continuado em campo creio que o Porto melhorava neste aspecto e o resultado ia ser muito diferente.

Anónimo disse...

No futebol a «chuva» faz parte da lógica interna do jogo.(no futesal já não)
Não é por se atirar a bola para "a poça" que não se possa prosseguir com o jogo. Petit claramente sustentou isso na última avaliação do relvado, enquanto do lado do FCPORTO tudo se fazia por adiar o jogo porque as condições não se adequavam ao "MODELO de JOGO"(cara de LOPETEGUI, e adjuntos, claramente de poucos amigos antes e durante o jogo).

A questão que coloco a todos para reflexão é a de que:
-Deverá o "MODELO de JOGO", e com isto (principalmente) os jogadores e toda a estrutura se adaptar as condições? ou,
- Sobre as mesmas manter os mesmos princípios do "MODELO DE JOGO" (á risca) invariavelmente das condições apresentadas?

Em 2010,com a liderança de ANDRÉ VIllAS-BOAS no ACADÉMICA x FCPORTO (em condições MUITO PIORES!, e com um "MODELO DE JOGO" sustentado também em posse de bola e ataque organizado) viu-se um jogo diferente mas com sucesso.(o argumento de que equipas/jogadores totalmente diferentes pouco acrescenta.

A mensagem que foi passada aos jogadores (e com isto a dificuldade na 2ªfase de construção ainda com 11 jogadores, e consequente expulsão) terá sido a mais correta ?

Em 1987 na "TAÇA INTERCONTINENTAL" no Japão, com neve até aos joelhos e "frio de congelar a forma de pensar"(Rui Barros), ou a final da UEFA|2003 se conseguiu um feito histórico de VERDADEIROS Campeões e PORTISTAS.
E FUTEBOL CLUBE DO PORTO, é isso mesmo. Sobre todas as condições, e quando todos os planos falham, se atinge o sucesso.