quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Para os leitores. Escrutinem Jesus.

Este artigo é dedicado aos nossos leitores. Alguns dos quais se mostram muito indignados com as prestações das equipas de Jorge Jesus na Champions. Com razões para isso algumas vezes, mas noutras, como neste ano, sem razão nenhuma aparente.

Então aqui, e agora, para quem aguentar: 

1- Que alterações são essas que fariam ao nível dos jogadores que entravam em campo, e porquê? Que características esses jogadores acrescentavam na relação com os colegas, adversário e individualmente.

2- Que substituições são essas que fariam de outra forma, e porquê? O que é que isso mudava no jogo, por que é que  mudava em relação às opções de Jesus. O que trariam de positivo que não estava a acontecer, o que traria de negativo.

3- E expliquem-me, por favor, que alterações são essas na ideia de jogo do Benfica. Que sistemas tácticos com e sem bola dividido em momentos do jogo, e zonas do campo. Tarefa individual de cada jogador por sector. Objectivo colectivo de cada sector, objectivo colectivo de todos os sectores. 

4- Como é que implementariam isso ao nível de treino (com que exercícios, com que feedback, com que tempos, com que descanso). Como é que o explicavam aos jogadores (vídeo, palestra, papel, de que forma). Como é que garantiam que com o tempo para treinar, para este/s jogo/s em específico (que é o que está em causa), que haveria aquisição de uma ideia de jogo diferente da habitual.

5- Como é que sabem que essas alterações (ao nível da ideia de jogo) não iam resultar em confusão para a cabeça dos jogadores, sabendo-se de tudo o que treinado e assimilado anteriormente.

Espero por vocês aqui, com total abertura (excepcional) da minha parte para comentar tudo e todos.

Até já!

104 comentários:

António Borges disse...

Não há nada a apontar. Urge uma conquista europeia para o Benfica, e por isso o objectivo do terceiro lugar é muito claro.

Nuno Romão disse...

Bloggers,

Mais uma vez, uma excelente forma de mostrar como se faz. Adoro quando pedem feedback, acho que atrai pessoas ao blog, e sinceramente, acho que até permite anular determinados comentários que são escritos com sangue quente e com opiniões meramente clubísticas.

Mas na minha opinião, ontem o que aconteceu deveu-se meramente ao papel dos jogadores. Vejamos uma coisa, mal entrou o Tiago, o que trouxe ele à equipa? Nada... Mas porquê? O SLB passado pouco tempo começa a jogar com 10, e aí o Jesus o que faz é por o Samaris a ajudar o André Almeida, a meu ver, bem feito, embora pudesse tê-lo feito antes já que o Enzo já só mostrava cansaço físico e não descia para ajudar a equipa.

Portanto, e sabendo que os melhores jogadores do SLB ou estavam a jogar ou estão lesionados, mas no banco não estavam de certeza, mais não se pode pedir.

Mas isto é a minha opinião, que embora adore futebol, não tenho ideias tão explicitas de momentos de jogo como vocês, autores do blog, e que muito me ensinam.

Abraço, e continuem com o bom trabalho

Anónimo disse...

Há um que é bastante óbvio, o André Almeida pelo Samaris dá outra consistência e não se justifica a sua saída da equipa. Quando o Almeida joga liberta mais o Enzo ou o Samaris que entrou neste último jogo... Mas por cá já estamos habituados aos come-a-bola que vêm de fora e entram imediatamente na equipa. Também nós podemos nos referir aos come-a-bola com afirmações do género "para aqui vai dando"...

Anónimo disse...

Dado nos jogos europeus termos muita dificuldade em controlar o meio-campo (ontem foi, de certa forma, a excepção), não faria sentido ensaiar uma alternativa de colocar o Pizzi/Cristante no lugar do Talisca e recuá-lo para o lado do Enzo? Parece-me que isso seria uma solução que já deveria vir desde o início da época.
j

Benfiquista Tripeiro disse...

Não vou comentar porque não percebo nada de futebol para responder às questões colocadas no post. Mas estou ansioso pelas respostas.

Só posso dizer isto: se fosse o Jesus nunca, mas nunca metia o Bebé. É de atirar a superbock à televisão!

Bobe disse...

Nada, está tudo bem. Com estes jogadores, ele já faz muito. As outras equipas têm jogadores bem melhores e investem bem mais.

Anónimo disse...

O problema foi a política. Nunca se mistura religião e política.

Anónimo disse...

Eu, na minha opiniao como treinador de bancada, nao tinha metido o Bébé a jogar, simplesmente não é jogador para o Benfica, até me faz confusao como é jogador de 1a divisao. Tinha metido o Pizzi ou assim se fosse para mudar alguma coisa, ou entao nao mudava nada, meter o Bébé é que não.

Cumprimentos,
José Cruz.

Passos disse...

Aproveitando a boleia, quem critica a carga fiscal, gostaria que me detalhasse um Orçamento de Estado alternativo e como é que sabem que o mesmo ia ser cumprido e todas as metas atingidas:)

Roberto Baggio disse...

PS: só vou responder, obviamente, a quem me responder a tudo.
Porque dizer que está tudo bem, e só falhou as substituições, ou o 11 inicial, é não dizer nada. No fundo é dizer que se concorda com o que Jesus idealiza, só que não se concorda com o que ele idealiza. Porque tudo o que ele idealiza, no treino, no modelo de jogo, está directamente implicado com o que ele pensa do jogo, do adversário, dos jogadores que tem. Objectivos para o jogo, 11 incial, substituições, etc.

Alvas disse...

Boas,

A minha equipa para ontem seria:

GR- Artur
DE- Eliseu
DC- Lisandro
DC- Luisão
DD- Maxi
6- André Almeida
8- Samaris
10- Enzo
MAD- Salvio
MAE- Gaitan
PLC- Lima

Penso que o problema de ontem foi que o Benfica teve um jogador numa posição importante do meio campo de construção e transporte que praticamente não esteve em campo. Refiro-me obviamente a Talisca. Na 1ª parte se tocou 2 vezes na bola foi muito. È um jogador sem intensidade, esconde-se do jogo, não se sabe posicionar, não dá linhas de passe, não trabalha para a recuperação da bola (acho que fez 0 recuperações de bola durante todo o jogo) e isto para a champions não serve. Para a liga portuguesa até pode servir porque Talisca tem boa capacidade de passe e para desmarcar os colegas e também finaliza bem, mas para champions não está em condições de jogar.

Na minha opinião a defesa foi a melhor possível, Silvio que acho superior a Maxi está lesionado, os centrais nem vale a pena comentar, apesar de Lisandro estar a léguas de Garay é a melhor opção que havia ontem (até porque Jardel estava lesionado). Eliseu é uma nódoa a defender mas Benito parece-me ainda pior e nem a atacar ajuda. O André Almeida é a melhor opção para trinco (dado que fejsa está lesionado) actualmente é o jogador com mais cultura da posição e que melhor sabe ocupar os espaços, sobretudo ocupar o espaço central quando a defender. Samaris tem muita qualidade com os pés mas claramente não é um trinco, até pode vir a ser mas, actualmente acho que seria mais útil como box-to-box (à imagem do que era Tiago no Benfica quando jogava com Petit ao seu lado). Assim sendo, liberta-se Enzo para funções de mais construção de jogo que acho que é o jogador mais inteligente do meio-campo e com mais capacidade de organizar o jogo ofensivo.

Relativamente às alas já sabemos o que dá Salvio (repelões individuais, decisões nem sempre boas, mas às vezes resulta) e Gaitan. Sem Sulejmani disponivel que poderia discutir o lugar com Salvio penso que não há grandes alternativas.

Na frente preferiria 1000 vezes ter Jonas em vez de Lima (que está numa forma deplorável em termos de finalização) mas penso que entre Lima e Derley, o Lima dá mais à equipa em termos de construção.

Cumprimentos,
Alvas

ricnog disse...

Só se vai ter saudades do JJ quando ele for embora e ficarem 20 anos a ver os outros a ganhar.....!!!um pouco como aconteceu com o vitor pereira no porto!!

João disse...

1 e 2 - O Benfica este ano está claramente mais fraco, ao nível das individualidades, que o ano passado. Dito isto, o JJ, embora seja um grande treinador não está livre das críticas, muito menos quando tem decisões, do foro meramente individuais (jogadores).
Não é possível que alguém como o Bébé seja jogador do Benfica. Não pode, é mau demais. E foi ele (com a sua já famosa queda por jogadores altos) que o quis no clube.
Atenção, eu sei que não seria a entrada de Gonçalo Guedes que iria revolucionar o jogo mas, ainda que o rapaz esteja muito imaturo, é impossível não ter verificado contra o Covilhã que aos 17 anos é já muuuuuito superior ao Bébé, por exemplo.

Sálvio. É outro exemplo. O JJ a alguns jogadores não permite uma pequena falha que seja, e no entanto o argentino pode 'destruir' as jogadas de ataque que lhe apetecer, que nada lhe acontece. Não faz sentido. Seria preferível que o treinador o deixasse no banco, nem que seja para lhe tentar fazer ver umas coisas..

Talisca. Em 3 jogos de Champions, nada de positivo trouxe. Uma coisa é o campeonato brasileiro (tempo e espaço do tamanho do mundo) e o campeonato português (demasiada superioridade do Benfica relativamente à esmagadora maioria aos seus adversários), outra é a nata da Europa. Parece um Fiat a correr contra um Ferrari (velocidade de reacção, decisão e execução)

3 - JJ é grande treinador. E sabe isso. Só que essa sua crença impede-o de reconhecer que comete erros. Não consigo explicar, senão assim, a sua relutância em alterar, nem que seja só um pouco, a maneira como a equipa se apresenta em campo. Não é só a temática simplista do 442 ou do 433, mas a verdade é que contra equipas mais forte o meio campo do Benfica é sempre 'comido de cebolada', já que é nessa zona do terreno que a equipa se encontra sempre em inferioridade numérica. Esta problemática aumenta quando, como acontece este ano, a qualidade individual dos jogadores deixa muito a desejar. Uma coisa é ter Matic e Enzo (e mesmo assim a equipa sofria na europa dos grandes) outra bem diferente é ter A.Almeida ou Samaris e um Enzo em baixa de forma (apresenta estar com problemas físicos muito substanciais).

4 - Naturalmente não posso responder a esta, não tenho conhecimentos ao nível da operacionalização do treino. Mas não tenho a menor dúvida de que Jesus sabê-lo-ia fazer. Só que é óbvio que não o quer fazer. Acredito que ele acredita que tem razão e que a melhor maneira de chegar aos seus objectivos é aquela. Mas às vezes é preciso dar um passo atrás para poder dar dois à frente. Reconhecer que talvez possamos estar errados e alterar algo. Muitas vezes é preciso ter atenção àquilo que a 'História' nos diz, e ela tem sido inequívoca nos últimos 5 anos de Champions.

5 - Isso vem com o tempo. Naturalmente não defendo que se façam alterações bruscas de uma semana para a outra. A assimilação dos métodos de trabalho e da rotina de jogo pressupõe um período de tempo de experimentanção e repetição, logo seria na pré-época que a equipa teria de ser preparada para esta variação/mudança definitiva. E o treinador novamente escolheu não alterar nada.




Dito isto, tendo visto os 3 jogos desta temporada na LC, não podemos retirar a responsabilidade de cima dos jogadores e atirar tudo para o JJ. A faltar de intensidade competitiva é por demais evidente, e não me parece que o culpado disso seja o treinador. Os jogadores parecem retraídos e conformados, o que não faz sentido nenhum, já que é Champions que todos eles se querem mostrar.

Pedro Adão e Silva disse...

o meu filho, que tem 8 anos, é fã do Bebé. por causa disso, fico sempre contente quando ele entra. de resto, não sou treinador (mas gostava), mas o JJ tem de fazer qq coisa para que o Benfica seja capaz de jogar sem ser apenas naquela vertigem atacante que funciona em 95% dos jogos do campeonato. quando temos de temporizar e controlar, é sempre uma aflição. sendo assim, aqui vai a minha proposta construtiva para os tais 5% de jogos. que tal jogarmos com o Gaitan como "trequartista" e fortalecer o meio-campo (com o enzo a jogar mais perto do 6)?
de resto, temos mesmo um problema na relação lateral-esquerdo (lá está) e defesa central do lado esquerdo.
abraços e aqui é só aprender.
pedro a.s.

ricnog disse...

Apenas acho que quando vê hulk, jj fica algo nervoso e tenta arranjar estratégias que fogem um pouco da sua ideia....penso eu!! Apenas isso!!

Anónimo disse...

Ó Baggio, assim não vale, pá. Com essas perguntas todas só praticamente o vítor pereira podia falar contigo.

Mas posso ensaiar responder a todas para depois comentares a minha única mudança:

1 - Não alterava nada. Os jogadores em campo eram os que melhor saberiam interpretar o modo de jogar da equipa. Daí, também, a mudança de samaris para Almeida, ganhando muito melhor coordenação defensiva. Imagino que o Samaris jogue em portugal pq o tempo de posse de bola é mt maior e a necessidade de jogadores a defender menor, logo pode bem aproveitar para aprender em jogo a jogar nesta equipa.

3- Não mudava nada. Adoro ver o benfica a jogar, principalmente os desdobramentos tácticos - não sei se diz assim - que faz ao longo do jogo. A questão dos dois do meio-campo ou três não me diz nada. Depende de quem está a jogar a capacidade ou não de ocupar espaços interiores - ver markovic vs salvio.

4 - Implementava assim: infiltrava-me no benfica, gravava tudo o que o jesus faz e a seguir copiava. Com tempo e aprendizagem talvez me lembrasse de qq coisa diferente.

5 - Não sei, mas suponho que resultassem em confusão. No entanto a questão é relativa. O benfica qd fica com menos um passa a jogar com um bloco muito baixo e dá-se normalmente bem. Eles não se confundem com mudanças de circunstância. Mas se os quiserem pôr a jogar à boavista, tv enfiem o pé na poça.

E agora a coisa que mudava: a entrada do Tiago. É mau que ferve. A primeira recepção falha-a praticamente sem pressão. Deixa sair a bola. Mil vezes o pizzi. Mesmo não rodado para aquela posição. E, mesmo com menos um, ia dar bastante jeito a tentar fazer alguma coisa bola. O Tiago não ganhou uma bola, uma! Isto é mau de mais. Qualquer pino estaria ali melhor - ao menos tens a certeza que se lhe acertares bem, ele devolve a tabela para onde queres. O que é que alterava? Passavas a ter um gajo que sabe jogar à bola; um gajo que podia, com menos um, ter tentado segurar uma bola e passá-la em condições. Que melhorias? Passavas a jogar futebol do lado esquerdo, coisa que não aconteceu desde que o Tiago entrou.

Não me digas que não mudavas esta substituição, Baggio, logo tu que apelidaste o Tiago de picareta.

anónimo das 14:08

Tiago disse...

Olá Baggio!

Sempre fui um leitor do blog, e, como (possivelmente) 99% dos leitores do Lateral Esquerdo, não tenho formação em futebol.

Respeito muito o trabalho que vocês tem a manter o blog, e a diferença do conteúdo apresentado relativamente a outros blogs de futebol, já que assumo que todos os colaboradores são treinadores de camadas jovens, logo tem uma visão da actualidade desportiva diferente e muito mais aprofundada.

Percebo também que muitas vezes deve ser difícil apanhar com gente que não percebo muito do assunto a dar opiniões estúpidas na caixa de comentários. Mas o vosso público alvo são pessoas não formadas em futebol, e não outros treinadores.


Acho que este post a "picar" os leitores foi desnecessário. Como é óbvio nenhum dos vossos leitores consegue cumprir os 5 requisitos que impuseste, e, se o intuito é de te superiorizares intelectualmente numa área que dominas há anos, não me parece muito correcto.

Eu se tiver de explicar algo de Eng. de Telecomunicações a um leigo não lhe exijo que ele esteja familiarizado com todos os conceitos e o trabalho que vivo há anos. Há que ter alguma noção de quem está do outro lado, e o que esperar dela.

Apesar de tudo, quero aproveitar para deixar os parabéns pelo blog que tanto me tem instruído nos últimos anos.

Melhores Cumprimentos,
Tiago Marques




Anónimo disse...

Quando me pagarem 4M de euros eu faço esse raciocínio do que mudaria.

Mas garanto-te que não demoraria 5 anos a perceber que é impossível dominar o meio campo se tenho sempre desvantagem numérica nesse espaço do terreno.

Anónimo disse...

AAHHAHAHAHAHA

Aperta com eles, Baggio!



Xavier

Armando Teixeira disse...

1-Gr artur nunca seria escolha pois não tem pes suficiente bons para bater bolas. DC- Steven Vitória ao lado de luisão, com Steven o benfica ficaria com uma dupla de centrais de respeito que colocaria medo ao adversário só de olhar, Steven não perderia nenhuma bola no físico e para além do mais é um jogador bem durinho,como eu gosto, benfica raramente perderia uma bola no jogo aereo e para alem do mais nunca falharia penaltys. Trinco- Lindelof nunca em tantos anos de vida passou um sueco com tanta agressivadade pelo seixal para trinco é o ideal, para alem do mais corre imenso e naquela posição da um jeitaço, pois ganha mais vezes aqueles que correm mais.. Na frente 2 avançados rapidissimos que deixariam as defesas contrarias completamente esgotadas para alem do mais sao 2 monstros na finalização e em gestos tecnicos, derley e bebe, seriam um duo que iria aterrorizar essa europa fora, o jj esta a desperdiçar tamanho talento em velocidade e qualidade tecnica.
2- Só faria substituiçoes quando os jogadores estivessem completamente exaustos ou depois de terem amarelo e extivessem em risco de serem expulsos
3-A minha ideia de jogo é so uma, correr mais que os adversários porque assim estaremos sempre "à frente deles", com jogadores rapidos na frente iremos causar sempre perigo com jogadores durinhos na defesa nunca seremos importunados. Portanto seria um 4-1-3-2 sem bola defendiam 8 no nosso meio campo defensivo os avançados estariam sempre prontos para fazer pressao so no gr ou a atacar, só atacam 5 trinco e defesas nunca sobem, so bolas paradas . Tarefa do gr:- bombear bolas para bebe ou derley aproveitarem o espaço nas costas. Tarefa dos defesas e do trinco : jogar sempre durinho e bola sempre para a frente e correr . Médios- defender e tentar sair rapido se estiver dificl bola para o avançado logo e correr . Avançados: correr e marcar golos
4-Nível de treino, exercicios para os avançados: treino finalizaçao e cruzamento sem oposiçao e 3 dias por semana treino com a secçao de atletismo. Exercicios resto equipa: 7x7 em meio campo, a equipa a ganhar pontos por cada bola recuperada, o objectivo é depois de recuperar a bola coloca-la no outro meio campo, quando a bola é colocada no outro meio campo a equipa ganha 5 pontos , golos nao contam em situaçao de treino, de 15 em 15 dias tambem fariam um treino na secçao de atletismo.
5- Um jogador tem de estar sempre preparado para a aprendizagem de novos conteúdos/processos,o tempo que demoram a interioza-los só demonstra o seu nivel de inteligencia/emepnho nos treinos , e sou a prova que há equipas/jogadores que conseguem estar na 1ª divisao e que tem sucesso por serem as que correm mais.

Para mim as equipas que correm mais, suam mais, batem mais, são aquelas que mostram mais dedicação e vontade de ganhar o jogo logo isso irá sempre aproxima-las do sucesso.

#Somostodospestortos #sobeequipa #mostraatuaraçaoquererambiçao

Anónimo disse...

Claro que tens disponibilidade. Acredita, ninguém pensa que tens uma vida para além disto.

Roberto Baggio disse...

João, Obrigado pela resposta.

"Não é possível que alguém como o Bébé seja jogador do Benfica. Não pode, é mau demais. E foi ele (com a sua já famosa queda por jogadores altos) que o quis no clube."

Foi?! Mostra-me lá isso sfv.

"Atenção, eu sei que não seria a entrada de Gonçalo Guedes que iria revolucionar o jogo mas, ainda que o rapaz esteja muito imaturo, é impossível não ter verificado contra o Covilhã que aos 17 anos é já muuuuuito superior ao Bébé, por exemplo."

Tudo certo. Mas o tempo de treino com a equipa A, a aprender os comportamentos colectivos, não conta? Não pesa mais do que a qualidade individual do jogador? Para mim pesa. Para o Jesus também.

"Sálvio. É outro exemplo...Seria preferível que o treinador o deixasse no banco, nem que seja para lhe tentar fazer ver umas coisas.."

Portanto, Sálvio, por...?

"Talisca. Em 3 jogos de Champions, nada de positivo trouxe."

Para mim, a par de Gaitan, o melhor em campo. Mas é só uma opinião.

"Não é só a temática simplista do 442 ou do 433, mas a verdade é que contra equipas mais forte o meio campo do Benfica é sempre 'comido de cebolada'"

É?! Como assim?! Quantas vezes o Mónaco penetrou dentro do Bloco encarnado? Quantas vezes o Zenit o fez (que não nas recuperaçõs das bolas do Jardel e dos outros todos que fazem erros individuais, onde a equipa está desequilibrada, no início da construção com todos mais afastados uns dos outros)?. O Leverkusen é muito superior, de processos, de qualidade, por isso é natural que seja comido. Aliás quando eu disse no blogue que fechou que o Lever ia ganhar o grupo, por ser o mais forte, bem depois de ter perdido com o Mónaco, foi um choque para todos. Vamos ver se se verifica isso no final.

"4... Mas não tenho a menor dúvida de que Jesus sabê-lo-ia fazer. Só que é óbvio que não o quer fazer."

Não disseste nada... Fazer o quê? Mudar o quê?

"logo seria na pré-época que a equipa teria de ser preparada para esta variação/mudança definitiva. E o treinador novamente escolheu não alterar nada."

Então na pré-época, onde é suposto aprender os processos da equipa, onde tens mil jogadores novos, muitos jogadores "velhos" lesionados, vais trabalhar dois processos diferentes? Perceberia isso, se me dissesses a equipa é basicamente a mesma do ano passado, menos um, dois jogadores. Mas na pré época foi tudo menos isso. Explica-me então, como é que se preparava isso na pré-época. Dois modelos de jogo distintos.

Alberto disse...

Não consigo responder a tudo, mas gostava de ter a tua opinião em relação à questão de jogar com mais 1 médio ou não.

Vitor Pereira poucas ou nenhumas vezes abdicou desse sistema, e sendo verdade que na maioria das vezes tinha jogadores de qualidade individual superior, na maioria dos jogos contra o FCP o Benfica não conseguia sequer sair em transição, o ponto mais forte das equipas de JJ.

Achas que é possível ao nível do treino ter as equipas preparadas para jogar em dois sistemas? É notório que o sistema de JJ é mais do que simples 442 e tem variantes consoante os jogadores que ocupam a posição (Markovic, p.e, jogava muito mais pelo corredor central que Salvio, Talisca ocupa espaços diferentes de Derley, etc.). A minha dúvida é mesmo se JJ não conseguiria criar rotinas na equipa para jogar de forma um pouco diferente em certos jogos, com um meio campo mais reforçado - Samaris, Enzo e Pizzi por exemplo?

Roberto Baggio disse...

Tiago, "Eu se tiver de explicar algo de Eng. de Telecomunicações a um leigo não lhe exijo que ele esteja familiarizado com todos os conceitos e o trabalho que vivo há anos. Há que ter alguma noção de quem está do outro lado, e o que esperar dela."

eu não espero nada do outro lado. Nem tento explicar nada. já o fiz. agora não, daí já não comentar as caixas de comentários. hoje, partilho as minhas ideias, e só.
quanto ao post a picar os leitores, ou superioridade, e etc, é só para um amigo. ele cá virá a seu tempo, e toda gente o conhece bem da blogosfera. se te sentiste ofendido, lamento, mas o artigo não era para ti, ou para outro anónimo qualquer. é para uma, e uma só pessoa.

quanto a questão da engenharia, diexa-me dizer-te que nunca vi ninguém teimar sobre questões técnicas desse foro, como se teima sobre questões técnicas do futebol. Os meus cumprimentos

anónimo das 14:08

"Não sei, mas suponho que resultassem em confusão. No entanto a questão é relativa. O benfica qd fica com menos um passa a jogar com um bloco muito baixo e dá-se normalmente bem. Eles não se confundem com mudanças de circunstância. Mas se os quiserem pôr a jogar à boavista, tv enfiem o pé na poça."

Porque eles estão preparados para jogar com o bloco, alto, médio, ou baixo. a referência é a bola e o colega. ou seja, mesmo com 10 eles defendem alto. só quando o adversário mete a bola noutras zonas é que baixam. tudo consoante a bola, e o colega. Viste os jogos contra a juve, ou Porto, no ano passado?

http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2014/04/defender-em-inferioridade-sem.html

"E agora a coisa que mudava: a entrada do Tiago. É mau que ferve. A primeira recepção falha-a praticamente sem pressão. Deixa sair a bola. Mil vezes o pizzi. Mesmo não rodado para aquela posição. E, mesmo com menos um, ia dar bastante jeito a tentar fazer alguma coisa bola. O Tiago não ganhou uma bola, uma! Isto é mau de mais. Qualquer pino estaria ali melhor - ao menos tens a certeza que se lhe acertares bem, ele devolve a tabela para onde queres. O que é que alterava? Passavas a ter um gajo que sabe jogar à bola; um gajo que podia, com menos um, ter tentado segurar uma bola e passá-la em condições. Que melhorias? Passavas a jogar futebol do lado esquerdo, coisa que não aconteceu desde que o Tiago entrou.

Não me digas que não mudavas esta substituição, Baggio, logo tu que apelidaste o Tiago de picareta."

Reitero, o tempo de treino que Pizzi tem com a equipa, com o treinador, com as ideias, é o suficiente para que ele o coloque? Não me parece. E Jesus pensa muito nisso. Noutros jogos como o do Lever onde ganhar ainda não era fundamental, ele faz essas opções. Lança Samaris, Lança Cristante, etc... Neste, não. E eu compreendo.

Henrique disse...

Das coisas que mais se ouve dizer é que o Benfica não controla o meio campo porque só joga com 2 médios centro. Sendo certo que 3 são mais que 2, é importante referir que numa situação normal ambas as equipas têm 11 jogadores em campo. Outra coisa curiosa, pela lógica aritmética quem jogar com 4 médios centro vai dominar sempre o meio campo.

preto_nharro disse...

Eu n vou esperar rsp pq n vou responder a td o k prg, mx eu axo k o problema passa precisamente por o JJ n respeitar tds essas coisas nos jogos da Champions, muda modelo, muda sistema, muda td... Na Champions ja jogaram Cristante a titular (k na liga, jogos de menos dificuldade apenas leva 17min) e Bebé, k ainda nem jogou na liga, André Almeida é tb aposta constante... É isso k está errado c o JJ na Champions

Anónimo disse...

Mas isto tudo é o problema de Jesus... é ele que tem de ter uma táctica e uma estratégia para conseguir fazer melhores resultados na Champions, e se pontualmente o problema até pode ser dos jogadores a responsabilidade máxima será sempre do treinador, e os falhanços consecutivos na Champions deve-se sobretudo a Jesus, e em nenhum dos anos teve um grupo em que o Benfica não deve-se passar.

E é isto que te custa assumir que Jesus seja o principal responsável por esses falhanços.

E não estou a avaliar o trabalho de Jesus, porque tal como tu o considero o treinador muito bom, mas não é extraordinario e a Champions é o maior exemplo disso.

Anónimo disse...

pois, imagino que te custa nervos que com todo este trabalho fantástico ainda não conseguiram marcar um golito que fosse na champions este ano, mas de facto saiu-vos a fava grande com esses três colossos europeus no grupo!

piadas a parte, se começava a mudar as coisas no benfica começava pelo escudo (punha um frango assado com asas) e a cor das camisolas (talvez assim um castanho amarelado)

Anónimo disse...

Obrigado pelas respostas Baggio.

Quanto à segunda dou-te razão de caras. Quanto ao tempo de treino, tinha-me esquecido que o pizzi esteve lesionado.

Não obstante não percebo o Tiago. Não percebo. Não é concebível que ele faça sequer parte do plantel. Quase faço um reviralho do argumento: se um jogador muito bom entra bem em qualquer equipa se souber interpretar os momentos do jogo (coisa de que duvido); um jogador - sem qualificativo - entra melhor que o Tiago.

Quanto à primeira: vi sim, vi os jogos com a juve, com o fcp, com o zenit e outros. E vi alguns ao vivo. A referência pode ser a bola, claro. Mas suponho que há diferenças em jogar num bloco baixo e com saída em contra-ataque e jogar num bloco alto em ataque organizado.

A minha referência ao bloco baixo relacionada com a inferioridade numérica, para formular de outra maneira, era para reforçar que se a equipa adversária optar por manter a posse alta tirando partido da superioridade numérica - o que o zenit não fez, se bem me lembro, nem o fcp - o benfica fica confortável na mesma. Daí dizer que o benfica sabe jogar de várias formas: em posse alta ou dando a posse e fechando. Eram essas diferenças e a capacidade de jogar com qualquer uma delas que queria reforçar. Portanto, do ponto de vista estratégico é possível alterar o comportamento da equipa sem criar confusão. Talvez a tua pergunta fosse mais direccionada para uma alteração táctica de fundo. Aí, nem discuto, parece-me simplesmente absurdo.

Obviamente, sei pouco disto. No entanto, e penso que deves acertar na mouche, o benfica faz isto tudo porque a referência é a bola e não outra coisa qualquer: o adversário colectiva ou individualmente. Mas também porque sabe jogar em função da bola em n combinações diferentes, adaptando-se aos adversários durante ou antes do jogo. E isto é o que me dá jesus a mim, fanático do benfica, e que não trocava por nada. Ver este colectivo (não o deste ano, o benfica com jesus) ao vivo é das melhores coisas a que assisti em futebol - e por isso, há dois e três anos, qd queriam que ele saísse por tudo, afirmava sempre que não. Peremptoriamente. Entretanto convosco percebi melhor porquê. E por isso agradeço. E muito!

Pedro disse...

O teu ponto 5 diz tudo e anula o que para trás se podia comentar. Por alguma razão as críticas a JJ não são de ontem mas têm anos.

Se não treinam então não há alternativas. Basicamente é o que dizes e é impressionante que não entendas a gravidade do que estás a dizer.

Roberto Baggio disse...

Comenta lá os outros pontos Pedro. Esquece o 5. Vá. Quando tiveres um tempinho.

Germano Bettencourt disse...

Boa tarde.

Não sou um homem muito dado a estas análises, e desconhecedor da matéria. Apenas opino como qualquer outro treinador de Bancada. Mas dentro das minhas limitações e desconhecimento de jogo, cá ficam algumas coisas que eu mudaria.

Zenit.

As equipas do Villas Boas contra o Benfica jogam sempre igual. Porquê, porque o homem já sabes como bloquear o Benfica de JJ. É óbvio que precisa de bons jogadores para isso, mas Villas Boas disso não se pode queixar.

O Samaris tem tudo para ser bom jogador, mas acho que só mostrará o seu valor lá para a segunda volta. Apesar de mais fraco, tacticamente O A. Almeida é melhor naquela posição, por enquanto. Faz muito melhor o entrosamento com os centrais pedido pelo JJ. Começava por essa alteração.

Talisca ainda joga "sem grande intensidade". Contra o Villas Boas (que joga sempre em pressão alta contra o Benfica) é um a menos.

Não mudaria a disposição dos jogadores em campo, apenas faria o Gaitan (no Lugar do Talisca) jogar ligeiramente mais recuado e com o melhor entrosamento do A.Almeida entre o Centrais, penso que só aí se notaria grande diferença.

No modelo de jogo (não sei se modelo é a palavra certa), diria a A.Almeida e Centrais para não lateralizarem tanto, e jogarem mais bola directa na frente. Jogo mais feio, a fugir ao ADN do Benfica de JJ, mas ao menos tempo menos arriscado perante uma pressão alta como a que ocorreu no inicio de jogo.

Leverkusen.

Com a pressão que os Alemães jogam, e que toda a gente conhecia, faria o mesmo.

Revejam o jogo. O Leverkusen tinha sempre uns 5 a 6 jogadores num pequeno diâmetro em volta da bola e do jogador do Benfica que a tentava conduzir. É um jogo de pressão completamente diferente do Zenit de Vilas Boas (a toda a largura). O Leverkusem tenta reduzir o campo de jogo com a concentração de jogadores e o Benfica ia no engodo.

Se a bola estava no MaxiPereira, ou noutro jogador sobre a direita, Salvio por exemplo, o Leverkusen concentrava aí uns 5 jogadores e era ver os jogadores do Benfica a serem arrastados, como se fossem eles que tivessem de seguir o adversário quando tinham a bola. se a bola estivesse sobre a direita, era ver o Talisca (não jogaria com ele) e o Lima a descair também para a direita, ficando o campo reduzido. Acho que seria muito mais inteligente dar instruções para os 2 da frente se deixarem fixar mais no meio, ao mesmo tempo que o Extremo do outro lado entrava. Depois, para sair da pressão, era bombear bolas na diagonal, que Lima, Talisca e o extremo contrário ganhariam algumas, dada a concentração de jogadores de onde a bola vem.

O texto deve estar muito confuso, pois não domino a linguagem do futebol, mas foram estas as ideias que retirei.

Não falo do Mónaco porque não vi o jogo.

E mais uma vez, tem em atenção que sou um simples adepto e treinador de bancada. Não um perito como voces.

Abraço.

João disse...

"Atenção, eu sei que não seria a entrada de Gonçalo Guedes que iria revolucionar o jogo mas, ainda que o rapaz esteja muito imaturo, é impossível não ter verificado contra o Covilhã que aos 17 anos é já muuuuuito superior ao Bébé, por exemplo."

Tudo certo. Mas o tempo de treino com a equipa A, a aprender os comportamentos colectivos, não conta? Não pesa mais do que a qualidade individual do jogador? Para mim pesa. Para o Jesus também.

- Tens razão mas.... é o bébé. Ontem foi visível que não faz a menor ideia do que tem de fazer em campo. Eu tive no estádio na estreia do Adu contra o Copenhaga em 2007 (se não me engano) e o Bébé fez-me lembrar o americano nesse dia. Uma autêntica 'barata tonta' em campo.
Usei o Gonçalo como exemplo, para mostrar o quão desajustado é o Bebé. Se até um puto de 17 anos, que mal treina com a equipa se mostrou mais competente (tudo bem que era o Covilhã, mas o Bébé também jogou com esses..) que ele, o que raio está ele a fazer em campo..
Poderia por exemplo usar o Pizzi. Longe de ser um craque, conhece no entanto as rotinas de jogar mais na parte exterior do campo e tem muito mais critério e capacidade técnica.

Quanto ao Sálvio.. olha, repito outra vez o Pizzi. Infelizmente o Ola John está lesionado e não pode dar o seu contributo. Lá está um caso em que se o jogador erra, leva 'nas orelhas' como se não houvesse amanhã. O Sálvio - tudo bem que me pode passar despercebido - já não. Mas se leva, liga-lhe muito...



"4... Mas não tenho a menor dúvida de que Jesus sabê-lo-ia fazer. Só que é óbvio que não o quer fazer."

Não disseste nada... Fazer o quê? Mudar o quê?

"logo seria na pré-época que a equipa teria de ser preparada para esta variação/mudança definitiva. E o treinador novamente escolheu não alterar nada."

Então na pré-época, onde é suposto aprender os processos da equipa, onde tens mil jogadores novos, muitos jogadores "velhos" lesionados, vais trabalhar dois processos diferentes? Perceberia isso, se me dissesses a equipa é basicamente a mesma do ano passado, menos um, dois jogadores. Mas na pré época foi tudo menos isso. Explica-me então, como é que se preparava isso na pré-época. Dois modelos de jogo distintos.



- Não disse que na pré-época o treinador teria que treinar 2 sistemas diferentes. Poderia sim, preparar uma mudança no sistema da equipa. Não o quer fazer. Está no seu direito.

Não se pode fazer o contraditório. Não posso dizer que a alternativa seria melhor, já que não existem dados para fazer a comparação.
Mas tendo em conta que em 4 edições da Champions, fica de fora na fase de grupos de 3, indicia que poderia haver algo a melhorar.

Esta é a 5ª, e parece que é a 4ª em que se salta fora.
Entendo que a Champions não é o campeonato português mas a verdade é que foi eliminado por algumas equipas que estão perfeitamente ao seu alcance. Esta edição até me parece que aquela onde se pode pedir menos, já que é aquela em que o nível dos adversários é maior e em que os jogadores do Benfica são mais fracos. Portanto este ano, nem me parece que seja a altura mais indicada para criticar o treinador.

Ou seja, ficaremos sem saber se uma mudança poderia contribuir para um Benfica melhor, sabemos é que assim dificilmente lá se chega.


"4... Mas não tenho a menor dúvida de que Jesus sabê-lo-ia fazer. Só que é óbvio que não o quer fazer."

Não disseste nada... Fazer o quê? Mudar o quê?

- O quÊ? Por exemplo o modo como a equipa (não) gere a posse de bola. O jogo do Benfica tem sido sempre muito frenético, cada jogada com bola é obrigatoriamente um ataque imediato. Podia modificar isso.
Como? Naturalmente não faço ideia. Mas acredito que o Jesus saiba fazê-lo. Simplesmente não acredita nesse modo de jogar.

Pedro disse...

De que serve comentar os outros se me vais responder com o 5?
De q serve pedir esquemas tácticos alternativos ou mudanças no decorrer do jogo se tu dizes que não as treinam?

E, obviamente, não te sei responder ao ponto 4. Seria o mesmo que te pedir conhecimentos de manutenção aeronáutica para quando reclamas pelo teu voo estar atrasado.

Nuno Plácido disse...

Boas

1º Não mudaria nada pois o 11 que apresentou ontem é o que lhe oferece mais segurança pois o Samaris sem bola anda aos papéis e se nao cai nenhum jogador na zona dele, ele vai a procura de jogadores para marcar noutras zonas. Excelente o André Almeida a compensar as subidas de Maxi, tendo perfeita nocao que a defesa é composta por 4 mesmo deixando no meio um espaço vazio para o adversario progredir.

2º Tendo em conta a forma como o Benfica entrou na 2ªparte e como estava na altura a classificação do grupo com o empate neste jogo, faria entrar o Bebé nao pelo Talisca (boa tomada de decisao em quase todos os lances, aquele em que fixa e liberta no salvio é top) mas sim pelo Enzo, recuando o Talisca para médio jogando com o Bebé na esquerda, Salvio na direita e Gaitan no apoio a Lima. Oferecia mais profundidade à equipa

3º penso que o jogo de ontem passava por garantir o empate ao intervalo e dependendo como estava o jogo, tentar conseguir surpreender na 2ºparte com as arrancadas do Nico e do Salvio e acho que a ideia estava a ser bem executada até à infantil expulsão de Lisandro (estava a fazer um bom jogo, mas entusiasmou-se com tantos cortes e abusou no ultimo). A partir daí foi sobreviver com o César na defesa.

4º Mais uma vez digo que o jogo foi bem preparado, Jesus percebeu que com o Samaris o meio campo do Mónaco (especialmente Kondogbia) ia atropelar o do Benfica e por isso colocou alguém que tem noção daquele espaço. Jesus nao deve ter explicado que o relvado parecia um campo agrícola se bem que isso até salvou o Benfica numa ocasião, mas os jogadores rapidamente perceberam que seria dificil jogar em organização e como tal viveram muito das arrancadas do Nico, recuperações do Enzo/André Almeida mas é dificil quando Toulalan e Ricardo Carvalho leêm o jogo desta forma

5º Não acho que tenha sido pedido algo de diferente aos jogadores do habitual, mas acho que a entrada do Bebé (não faco a minima do que Jesus lhe pediu) nao teve resultados porque ele se escondeu um bocado do jogo e não partiu para cima como devia ter feito tendo em conta o estado do jogo(partido com as duas equipas a sairem em contra ataque após recuperacao)

Penso que Jesus jogou o jogo de forma inteligente e não tenho a minima duvida de que com Jonas no lugar do Lima, tinhamos saído de la com a vitoria
Cumprimentos

Roberto Baggio disse...

Pedro já sabes que a ti respondo sempre. És especial pá :) sem ironia

Anónimo disse...

"Porque dizer que está tudo bem, e só falhou as substituições, ou o 11 inicial, é não dizer nada. No fundo é dizer que se concorda com o que Jesus idealiza, só que não se concorda com o que ele idealiza."

Não podemos dividir o problema? Então "idolatras" um treinador que idealiza o jogo com um picareta como o Bebé como alternativa válida?

Anónimo disse...

Baggio sabes mt... No blog és tão bom como o lopetegui no blog dele. Vai voltar a ler os teus posts daquilo que esperavas do espanhol pelo que ele escreveu no blog para dares conta que a realidade e os blogues são coisas diferentes. Antigamente dizia ser que quem não sabe ensina, actualmente ainda há outra actividade ensinar na net... Basta juntar umas coisas diferentes mas que fazem sentido no senso comum e pedir ideias aos outros.

Hélder disse...

Olá e bem vindo de volta aos comentários!

Para alem dos 5 pontos que referes baggio, existe ainda um ponto que temos de considerar, sem no entanto ter dados para isso: como tratar os inputs que o JJ tem do trabalho semanal e da restante equipa técnica. Opinar o que quer que seja, sem ter conhecimento por trás disso é como analisar o desastre do Titanic só à superfície.

Questões hipotéticas no futebol? Boa sorte!!

Benfiquista Tripeiro disse...

Baggio, gostava que me respondesses a uma questão, se faz favor.

Achas que o modelo de jogo do Benfica não se adequa à Champions? Por causa da questão dos médios.

Se sim, e dado que me parece válido o teu ponto sob a dificuldade de treino de 2 sistemas no início da época, não era melhor o Jesus usar um esquema que lhe desse garantias tanto no campeonato como na Europa?

Unknown disse...

Para mim o único erro aconteceu com a titularidade do Cristante no jogo contra o Leverkussen. Ele jogou mal mas já se previa isso acontecer. Do resto penso que tem havido más prestações individuais. Nomeadamente os extremos que nem defender têm ajudado.

Rui Cesar disse...

Sou um leitor assíduo do blog, mas sem participações na caixa de comentários.
Mas qual Miguel Vitor lançado na estreia de um dérbi, aqui vou eu!

1 & 2 – O principal ponto que quero abordar não passa pela escolha de jogadores ou pelas substituições efectuadas.
Ainda assim, acho que o maior e mais óbvio erro de JJ foi o lançamento do Cristante num jogo de alta dificuldade como o de Leverkusen. Parece-me uma posição demasiado importante e um jogo demasiado exigente, para se lançar um jogador novo.
Se a intenção era a de poupar Samaris para o campeonato, então o ideal teria sido a entrada do André Almeida para o meio (jogou na lateral) e manter Maxi na direita. Caso fosse imperativo poupar Maxi, recuava Enzo, jogava com Gaitan no meio e lançava Ola John na esquerda.
Tudo jogadores conhecedores do sistema de JJ.

3 – Agora o ponto que eu quero abordar.
No sentido em que os jogos da Champions apresentam adversários com uma qualidade muito mais elevada do que aquela que existe na liga portuguesa, a alteração que eu propunha era o retirar de um avançado e acrescentar um médio, ou seja, em vez de um 442, tínhamos um 433 ou um 4231.

A intenção seria ter mais um jogador numa linha mais recuada do campo, com toda a ocupação de espaços e mais as coberturas que este recuo implica.
No fundo, como o próprio JJ uma vez disse, a dificuldade não está em defender bem com muitos jogadores, a dificuldade está em defender bem com poucos.
O objectivo: defender com menor dificuldade perante adversários de maior qualidade.

No ataque (ou construção ofensiva), a intenção seria correr menores riscos na saída de bola, com mais um médio para recuar junto à defesa para receber a bola, oferecendo mais soluções para a saída de bola. Evitava a transição efectuada pelos centrais (principalmente o Jardel) que têm maiores dificuldades técnicas e evitava tanto a procura dos apoios frontais que o 442 oferece (2 avançados e 2 extremos entre as linhas adversárias).
O objectivo seria efectuar uma transição mais apoiada e com menor risco, uma vez que colocava mais homens atrás.

Apenas uma ressalva, a diferença de adversários (por exemplo, zenit vs leverkusen) só por si pode implicar formas diferentes de ultrapassar a zona de pressão. No caso do Leverkusen, parece-me que o Benfica foi cair na boca do lobo e raras vezes conseguiu fazer rodar o jogo para o flanco oposto, muito mais descoberto pelo bayer fruto da pressão intensa que a equipa faz com muitos jogadores a caírem no mesmo espaço.
Com isto não estou a dizer que era fácil ultrapassar o Leverkusen.

4 – Não estou minimamente habilitado para responder a este ponto.
Num contexto JJ vs Paula Rego, é como gostar de quadros, pintura e arte, mas não perceber nada de tintas.

5 – Não sei, é de facto um risco.
No fundo minha ideia era apresentar um sistema ou uma estratégia menos exigente para os jogadores e defender mais a equipa perante as perdas de bola que serão muito mais comuns contra adversários com um nível de liga dos campeões.

De qualquer forma, tenho ideia que na temporada de 2013/2014 o mesmo foi feito no olympiacos – Benfica e no Benfica – sporting para a taça, em que o Benfica entrou em campo julgo com Matic, Ruben Amorim e Enzo Perez e apenas um avançado.
Sendo que as exibições foram na altura consideradas geralmente como positivas.

É sempre um gosto ler os textos no blog.
Cumprimentos,
RC

Manuel Nascimento disse...

Baggio! Bom post.

O meu contributo é o seguinte (e secretamente, por achar o JJ top, acho que também é muito por aí que tudo se justifica): não tem por que haver planos B.

Um plano B é um plano B, logo, à partida, é um plano pior que o A. Jogar de uma forma para a qual não se treina, que não se prepara, investir num jogar inferior durante a(s) semana(s), é perder tempo muito útil para preparar o modelo de jogo em que se acredita.

Se um modelo pode ter variantes? Pode. E JJ apresenta-as, e sabe da importância delas (tanto agora como no futuro). Mas não me parece que seja disso que se está aqui a falar. Numa equipa que todos os anos muda jogadores-chave, todo o tempo é pouco para preparar o modelo de jogo "principal", quanto mais para preparar excepções pontuais para 10% dos jogos que se tem numa época.

JJ acredita que o melhor caminho é o caminho A, e é por aí que vai, é sobre ele que trabalha, venha quem vier. E muito bem! Jogar confortável, aplicando um modelo conhecido por todos, é impagável. Nada supera este "conforto", este à vontade. Que o diga a melhor equipa da história! Nunca é de mais lembrar que a melhor equipa da história nunca teve Plano B, e se havia quem tinha capacidade intelectual para mudar/se adaptar/alterar, eram eles! E mesmo aos 95 minutos de jogo, a perder, faziam cantos curtos...

Eu acredito piamente que se identificamos um melhor caminho e se acreditamos nele, no contexto que conhecemos melhor que ninguém, então não deve propriamente haver alternativas, não as devemos considerar. Se já trabalhar um modelo é complicado... Senão não estás a ser coerente!

Nota: claro que o teu modelo podia prever uma série de nuances complexas, e tudo passa a ser válido desde que o trabalhes desde o dia zero. Mudanças pontuais é que não...

Abraço,

LGS disse...

Salvé Baggio!

Vou aproveitar a oportunidade que estás a dar pq já estou com saudadinhas de conversar aqui contigo eheh

1- Dadas as circunstancias (jogadores disponíveis) acho que o 11 foi o melhor possível;

2- O Bebé não pode entrar! Aquilo não é um jogador de futebol... Entrava outro qualquer (até podia ser o Paulo Lopes...), entre Pizzi e Guedes, acho que nenhum faria pior. Até percebo (acho eu) a intenção do JJ, tentar aproveitar a velocidade do Bebé para desequilibrar o monaco mas aquilo não são os 100 m, ali convém saber jogar à bola. Tb percebo o teu argumento do tempo de treino e conhecimento das ideias, mas na prática esse conhecimento não se mostrou (até se viu na TV o JJ montes de vezes a falar directamente com ele para lhe dizer o que fazer e onde se posicionar).

3- Aqui não há muito a mudar, dado o plantel disponível. Estou muito curioso para perceber como o Jonas se vai encaixar na equipa (sai Lima? Sai Talisca ou recua para 6?) e se isso terá conseqüências na ideia de jogo pq é óbvio que tem de ser titular. Se se conseguir aproximar do que apresentou no ano passado (jogadores mais próximos do que neste ano) acho que a coisa melhora. A duvida é se este plantel dá para isso...

4- Treinos em campos sem linhas laterais e a baliza fica no canto do lado esquerdo para o Sálvio aprender a jogar por dentro!!!! Isso e uns fones com "PROCURA O COLEGA!!", "PENSA ANTES DE ARRANCARES!!!", "OLHA ANTES DE CRUZARES!!!" e "PASSA A BOLA CRLH!!!!" sempre em repeat nas orelhas do menino.

5- Esta tem rasteira... Não respondo!

:P

Vê lá se valorizas o meu esforço e me respondes! Nem que seja só para dizer olá e me deixares umas "Saudações desportivas!" eheh

Abraço

LGS disse...

Agora a sério eu só queria que o Bebé não jogasse... provavelmente não mudava nada no resultado do jogo, mas ver aquele rapaz em campo custa... fico a pensar que se calhar ate eu podia ter feito carreia como jogador...

GV disse...

Baggio, excelente iniciativa!

Não vou responder nos moldes pretendidos e até vou alargar o espectro do meu comentário, logo devo ser premiado com uma não resposta :)... mas aqui vai:

Não tenho dúvidas qto à qualidade que o JJ trouxe/traz ao Benfica, independentemente do investimento que se fazia antes ter sido bastante inferior (tal como o retorno o era).
Não defendo a saída dele, a não ser que se perfile uma muito boa alternativa. Mas qual? Não estou a ver quem tem a qualidade necessária e queira... e por isso quero que ele se mantenha.

Desde a primeira época dele no Benfica que considero que é um treinador que tem aspetos a corrigir para estar a este nível, mas que pode crescer ao mesmo tempo que faz crescer o Benfica - que vinha de anos de travessia do deserto, tirando o campeonato quase "acidental" do Trapattoni e uma excelente participação na liga dos campeões do Koeman.

Concordo quando se diz que ficam muito mais a nu as limitações individuais de cada jogador contra equipas da liga dos campeões, contra equipas da ultima fase da liga europa e contra o Porto e Sporting.
Tal raciocínio pode ser aplicado igualmente às limitações do modelo de jogo do treinador. A questão é o que pesa mais?

Procurando seguir o modelo do JJ, isto foi o que eu vi na primeira época dele no Benfica: 4-1-3-2, central ou lateral a subir, Javi e Ramirez a fechar. Contra equipas mais fortes a coisa descambava e aqui e ali até o Carlos Martins fazia falta, ora a jogar no lugar do Aimar, mais recuado, ora a jogar ao lado dto e/ou atrás do Aimar.

Só com a chegada de Witsel ouve capacidade de fazer coisas semelhantes e melhores. Após a saída do mesmo e do Javi, quando tudo parecia perdido, "surgem" Enzo e Matic a arrumar a casa. Depois a saída do Matic talvez tenha até sido uma oportunidade de arrumar melhor a equipa ao jeito do JJ com o Fejsa um pouco mais recuado...

A questão para mim agora é que não há outros falsos médios-ala como Ramirez ou Witsel, capazes de ir à ala e/ou de equilibrar no meio defensiva e ofensivamente. Enzo sim, mas é peça residente neste meio campo e não pode ser falso médio-ala em permanência... Gaitan, à esquerda, é o menos "extremo" com capacidade de estar no meio e dar mais equilíbrio mas ainda assim não tão eficaz para o efeito como Ramirez ou Witsel.

Acrescem ainda as perdas importantes no plantel e as lesões que muito limitam o trabalho do JJ. A posição 6, 2º central e lateral esquerdo (embora o Eliseu às vezes me pareça bem)...

Assim, tirando Enzo e Gaitan, parece-me haver menos mobilidade e menos capacidade efetiva de adaptação e como tal urge, nos jogos (especialmente fora) contra as tais equipas que põem "coisas a nu", abdicar do 2º avançado (algo que não é inédito no Benfica de JJ) e reforçar o meio campo. Não é (por enquanto) com o Talisca que se equilibra mais o Benfica (bom, mas com bola, por enquanto... há-de lá chegar... mas até lá...).
Alternativas: Samaris ao lado de Enzo para estes jogos, por explo (sugestão que aqui li do Pedro Anastácio em comentário a um post recente e que apreciei). Gaitan no meio (o problema ontem seria o lado esquerdo pela ausência do Ola John).
No jogo de ontem, contra a equipa mais fraca do grupo a par com o Benfica, também não me parece que a entrada do Tiago e depois a saída do Gaitan (mesmo com a necessidade de se adaptar à expulsão - estava lá o Sálvio para tirar...) tenham colocado o Benfica mais perto da vitória.

Nestes 3 jogos da liga dos campeões eu vi o Mónaco a furar e o Zenit a rasgar com diagonais... Com o Leverkusen foi um massacre!
Primeiras partes demasiado fracas e de fácil antecipação.
Por outro lado, vamos entrar numa fase onde normalmente o Benfica do JJ sobe de rendimento, vamos ver como se porta em casa com o Mónaco e por aí fora.

Cumps,

GV disse...

Existem ainda outros aspetos que o JJ deve trabalhar. A comunicação e imagem. E não me refiro a falar bem ou mal português ou a uma qualquer ação de marketing político ou de idas ao cabeleireiro, mas sim a não agredir praticamente o Shéu e o Raúl em público, a não dar aquele espetáculo com a polícia em Guimarães, a não vir com aqueles filmes do "number 3 Luisão", etc... E também, a não fazer aquelas declarações em tom de achincalhe sobre o Talisca ("golos, só se foi nos treinos"), só porque o rapaz está cá pronto para aprender e sujeitar-se; coisa semelhante não poderia dizer de um jovem português sem criar problemas como criou com meia fornada da formação do Benfica na época passada... E que bom seria alguns terem mais tempo com o JJ...
Tudo isto, a que muitos acham um piadão, retira-lhe credibilidade, interna (no clube) e externamente, enquanto referência num grande clube e dificulta um percurso que se pretende ganhador.

Sobre as comparações com o Mourinho que por aqui são frequentemente feitas, não sendo eu apreciador da arrogância do happy one e até concordando que o JJ lhe poderia fazer frente na teoria; na prática estou muito convicto que, fazendo neste momento uma troca direta entre Mourinho e JJ, o Chelsea perderia mais e o Benfica talvez ganhasse algo mais na europa.
Àquele nível não basta perceber de bola e ter jogadores adaptados ao contexto, é preciso mais qualquer coisa.

Cumps,

Anónimo disse...

vou só frisar uma frase de um treinador que não vou dizer o nome, sobre um jogo para um título, tb não o vou referir qual foi... "Sabia de antemão, que o o treinador do Benfica, não prepara cenários de jogo, por isso foi exactamente aí que ganhamos o jogo e o título". resumindo... espelho meu, espelho meu, quem é mais belo do que eu?" e o TEU sim só o TEU espelho responde - NINGUEM... o problema está aí ... façam uma análise FRIA dos 5 anos do Benfica e depois digam lá alguma coisa.... em 5 anos ganhou 2 títulos, com as equipas que tem á sua disposição diria que no minimo ele teria que ter ganho 4 TÍTULOS CAMPEAO NACIONAL... sim 4, vejam como é que ele perde os titulos de campão nacional dos 2 anos de Vitor Pereira... meus amigos... espelho meu... espelho meu!! sabem qual é o adjetivo que uso para o classificar - IGNORANTE.
o tipo é tão ignorante, que quis ser campeão no estádio do dragão, e sofreu um golo no último minuto em CONTRA-ATAQUE, e depois claro caiu de joelhos... vejam bem qual foi a substituição que ele fez!!! FOI LINDO!!! em jeito de conclusão, não vale a pena choramingar ou até mesmo defender o que não dá para defender... o Benfica com os planteis que tem tido com um treinador mais inteligente tipo Vitor Pereira esmagava, sim esmagava TUDO o que lhe aparecia pela frente... mas atenção com o mesmo PODER que o JJ tem neste momento junto da direção.

Hélder disse...

Gostava de, caso o bebé dê jogador, revisitar esta caixa de comentarios em maio.

Anónimo disse...

acho muita piada aos que fazem bota-abaixo a jesus, mais que comprovadamente um treinador de elite mundial.

monaco - perdeu um titular do ano passado (o james; o falcao lesionou-se em janeiro e nao mais jogou).

leverkusen - nao perdeu titulares.
zenith - nao perdeu titulares.

Jesus e o Benfica: perdeu 5 titulares + fejsa lesionado 6 meses. so recebe os reforços finais e sabe quem fica em finais de agosto.

e querem que no agosto a dezembro ele varra a champions ainda por cima num grupo fortissimo, sem bates nem maribors.

Guilherme Valejo disse...

Ao ver este post, só posso comentar que, primeiro de tudo não gosto do Jorge Jeus, nem o o considero pessoalmente um grande treinador. Acho que em 3 jogos na champions, contr zenit e leverkusen o benfica levou dois grandes banhos de bola, o de leverkusen vergonhoso mesmo, e ontem contra uma equipa mais fraca não foi capaz de ganhar, e na primeira meia hora de jogo custou a fazer uma jogada de futebol. O benfica, sofre grandes dissabores na europa, porque o nosso 'grande treinador' só joga sempre com 2 médios, deixando o meio campo sempre exposto a ataques do adversário, porque o talisca joga mais como avançado, do que medio.Penso que se o benfica equilibrasse o meio campo, isto nao acontecia. Os defesas laterais do benfica tinham mais apoio a defender, porque ainda ontem foi visivel que o gaitan, ofensivamente o melhor jogador do benfica, a defender é mau (defender não devia ser a sua obrigação, é pra mim o melhor jogador do benfica) a outro nivel, mas nao vemos o messi e o ronaldo a defender no barça e no real... Poderia dizer muito mais acerca disto, o que é facto é que nos grandes jogos o benfica vacila ,uito, não é por acaso certamente, porque o problema nao foi so do jogo de ontem, vêm de à muito tempo...

Laranja disse...

Sinceramente, antes do jogo acho que não mudava nada, porque John estava lesionado, senão tirava Talisca por John, sem John, tudo ok...

No decorrer do jogo, nunca lançaria o Bébé... nem no de ontem nem em nenhum, porque se o Bébé é jogador para o plantel do Benfica eu sou jogador para o 11 do Real Madrid... Mas não é por uma substituição que se julga um treinador... e como não jogamos contra pinos, mas sim na Champions...

B Cool disse...

Vamos lá fazer uma tentativa:

1-Ontem não teria entrado com o Talisca, mas com o Samaris ou o Pizzi, porque apesar de terem menos tempo de treino com a equipa e conhecerem menos os movimentos, têm uma grande vantagem em relação ao brasileiro, um tempo de execução mais rápido, algo que se notou menos contra o Mónaco, devido a estes pressionarem menos que Zenit e Leverkusen, do que nos jogos anteriores, porque de resto penso que ontem tenha sido o onze mais equilibrado. Eventualmente também entraria com o Derley em vez do Lima, pois acho que embora não saiba pressionar como o Jesus quer, em termos de posse de bola procura sempre os colegas permitindo que a equipa possa jogar com trocas de bola por dentro, algo que não acontece hoje em dia.

2 - Não teria substituído o Gaitán na expulsão, mas antes o Lima, optando pelo reforço do meio-campo. Quanto ao Tiago, visto que tem dificuldades em ter a bola, aquilo que ele acrescenta à equipa é zero, pelo que por pouco que Pizzi ou Guedes acrescentem, é sempre infinitamente mais que o Tiago.

3- Sinceramente, optaria apenas pela tentativa de correcção dos movimentos do Salvio, para jogar mais dentro, com deslocação do Gaitán da esquerda para o centro por forma a criar um diamante com Enzo ao meio, Gaitán e Salvio a interiores, Pizzi/Samaris/Cristante/Talisca na linha dos interiores e o avançado à frente, por forma a assegurar sempre 3 linhas de passe ao portador da bola, podendo os laterais fazem movimentos ao longo das laterais por forma a por vezes retirar a bola do meio para a lateral como forma de atrair os defesas e permitir as diagonais dos 3 homens atrás do ponta-de-lança que faria movimentos de arrastamento dos centrais para o lado contrário por forma a criar um buraco no meio.

4 - Não sendo treinador, não tenho ideia de como o implementaria

5 - Esse tipo de movimentações vai sendo aperfeiçoada aos poucos e estamos a falar de uma ideia próxima de como a equipa jogou na época passada

Aza Delta disse...

Não percebi se o meu comentário não foi aprovado por não ter respondido aos 5 pontos, ou porque n cheguei a clicar em send, ou por qualquer outra razão.


de qualquer maneira, vou voltar a responder.

nota prévia: não me alinho com as críticas ao Jesus, apesar de haver sempre alguma coisa em que não concorde totalmente.

1. No jogo com o Zenit, nenhuma em particular.
No jogo com o leverkusen não poria o cristante a fazer a sua estreia a titular nesse jogo. poria talvez samaris (que vinha a fazer alguns jogos nessa posição) ou andré almeida (que conhece as ideias do JJ).

Tentaria mentalizar o salvio da importancia de arriscar menos a posse nestes jogos em comparação com o campeonato. Eventualmente, ponderaria o salvio no banco em determinados momentos (para entrar na segunda parte para desiquilibrar, ou vice versa)

2. Ontem não teria metido o bebé, numa altura em que o ataque estava a funcionar bem daquela maneira.

Faria uma gestão entre jogadores capazes se manter a posse e desequilibradores puros. Ou seja, num jogo em que o problema é manter a posse da bola, não insistir 90 minutos em talisca e salvio, e optar, eventualmente por gaitan no meio e ola john, por exemplo.

3. não alterava nada confio 100% no JJ.

Excepção feita talvez no caso individual do Salvio, e no arriscar menos por parte dele. Tentaria mentalizar o salvio da importancia de arriscar menos a posse nestes jogos em comparação com o campeonato.

Antes que me perguntes como faria isso, se fosse preciso, ponderaria o salvio no banco em determinados momentos (para entrar na segunda parte para desequilibrar, ou ao contrário)

4. Eu Não sei. o JJ saberia.

5. Citando Klopp, numa entrevista transcrita e posta aqui:
"A inteligência dos jogadores de futebol é francamente subvalorizada."



Mais uma vez, estou mais de acordo com vocês do que com os críticos de JJ. o que não quer dizer q n discorde numa coisa ou outra.

abraços

Silgaer22 disse...

Inspirado pelo Rui Sousa e por esta frase:
Mas qual Miguel Vitor lançado na estreia de um dérbi, aqui vou eu!

1- O meu onze seria: Artur, Maxi, Luisão, Lisandro, Eliseu, A.Almeida, Samaris, Enzo, Gaitan, Talisca e Lima. O Enzo à direita traria consistência defensiva mas acima de tudo critério ofensivo (com a vantagem de procurar espaços interiores que o Sálvio não usa) acho que essa melhoria e essa amplitude de movimentos compensaria o decréscimo de qualidade ofensiva no meio.

2- Ao longo do jogo pareceu-me que o Enzo ficou com problemas físicos. Com os adversários mais cansados parecia-me bem entrar o Sálvio. Depois saiam Lima e Talisca para entrar o Pizzi e o César (assumo que temos de considerar a expulsãO). Isto garantia-me mais capacidade de controlo de bola e capacidade de pressão.

3- Contra o Mónaco não era preciso mudar grande coisa.

4- Não sei responder a isto. Mas tendo em conta que não mudava o sistema, julgo que o que Jesus fez aqui, fez pelo melhor de manter este sistema.

5- Não alterava a ideia de jogo. O único fora de posição era o Enzo e aposto que esse sabe bem o que fazer em qualquer lado!

Parabéns pelo blog e pela forma como explicam o futebol aos treinadores de bancada!

Anónimo disse...

para começar, nunca, em qualquer moemnto, fosse de que jogo fosse, seja da champions, seja da taça, seja jogo de treino, caramba, acho que o impedia de entrar na academia do seixal, colocaria o bebé em campo.

depois, e aqui se calhar vou ser impopular, mas acho que o talisca está hipervalorizado. não vale nem um terço do que por estes daias se diz. era mais útil, por exemplo, em jogos de maior exigência meter o gaitan no meio e o ola john na ala. não há ola jonh? ok, mete-se o guedes ou o helder costa (tudo menos o bebé) ou então o pizzi. ah, para o jesus o pizzi não é ala? não faz mal. continua-se com o gaitan na ala e mete-se o pizzi atrás do ponta de lança.

depois... acho que já é tempo de dizer que o eliseu é gordo. aquilo que se escreve no post abaixo aplicado ao eliseu... o homem, perande adversários acima da mérida não se aguenta à bronca. o loris benino não presta? o silvio ainda não reuperou? ok, mete-se o almeida que dá conta do recado!

o saramaris ou bem que joga ou bem que não joga.

epá, e, outra coisa, pode parecer um detalhe, mas eu estou farto daqeles lançamentos de linha lateral para o meio da área que a única coisa que originam é a possibilidade de contra ataque à equipa adversária.

tirando isto, e tendo em conta que não percebo absolutamente nada de tácticas e de treinos, até acho que o benfica tem tido algum azar nesta champions e que, no computo geral, as coisas até estão a correr bem. Tendo em conta a diferença brutal que há entre o benfica e o porto em termos de qualidade técnica dos jogadores, se o benfica for campeão, muito têm os benfiquistas que agradecer a jesus.

Ps: além do bebé, também impedia o césar de entrar na academia do seixal. caramba, não há um central qualquer na B com 1,90m para o jesus e apaixonar como se apaixonou pelo roderick mas que saiba jogar futebol?

André Sousa disse...

Não vale a pena responder a cada um dos pontos se, no fim, a argumentação contrária for no sentido "mas como é que sabes que isso ia resultar se têm estado até agora a jogar de forma diferente?"

O problema de JJ não é esse. O problema de JJ é o mesmo do Salvio. Tem qualidade, mas contra os adversários mais fracos, insiste-se numa qualidade colectiva muito assente na qualidade individual. Só por isso é possível dominar vários jogos estando, várias vezes, em inferioridade numérica no corredor central. Só assim é possível obrigar o adversário a bater longo com uma pressão, muita das vezes, fácil de ultrapassar. E até com Cardozo, que muitas vezes era zero a nível de pressing, isso acontecia.

O problema do JJ é que não consegue chegar à conclusão que retirar um avançado para colocar outro jogador no meio campo, não é dar um passo atrás. O Benfica não tem de jogar no campeonato de uma forma, e ir para a Europa jogar de forma diferente. Até o pode fazer, mas para isso é preciso despender tempo no treino que é precioso para operacionalizar tais mudanças.

Tudo isto se resolveria de forma simples. Começar a treinar para jogar com três médios no corredor central. Fosse contra o Arouca, fosse contra o Mónaco. Não só por razões defensivas.

Dando como exemplo o jogo do Bayer, foi penoso como o Benfica simplesmente não conseguia sair a jogar face à forte pressão dos alemães. Simplesmente não sabiam mais. Era ver o Cristante a descer para o meio dos centrais, o Bayer a fechar o lado da bola o Enzo a dar linha de passe no corredor central mas com um adversário por perto e... mais nada. Um extremo, um lateral, dois avançados... miserável. Óbvio que isto a nível interno acontece menos vezes. Se for preciso, solta-se a bola no Enzo que se livra do opositor que, por sua vez, tem uma cobertura defensiva mal colocada e começa-se a jogar a partir daí, depois do desequilíbrio criado.

O erro está aqui. Não é por acaso que o Benfica tem dificuldades quando é pressionado como deve ser na sua primeira fase de construção. Quando o adversário recolhe ao seu meio campo, a linha defensiva sobe e há mais facilidade em aparecerem apoios frontais dos avançados, os interiores/alas a aparecerem por dentro, os laterais a jogarem por fora...

Mas vamos ao pontos, então.

1. A nível de 11 inicial a coisa até não está mal de todo, tendo em conta os indisponíveis. Há Artur, mas não seria hoje que se daria uma oportunidade ao Bruno Varela. O Paulo Lopes é só fraco, por isso não vale a pena remexer muito aqui, dada a indisponibilidade do Júlio César. Ou seja, um potencial erro mas não do dia de hoje. Já agora, alguma opinião sobre a gestão que tem sida feita do Bruno Varela? Relembro que o Benfica levou três guarda-redes para estágio e só deu minutos a dois. Um deles o Paulo Lopes, que apenas está no clube por contar como formado no Benfica. Não há Jardel joga Eliseu, Benito não é grande alternativa de momento, André Almeida oferece mais que o Samaris a nível defensivo, o resto é o costume. O erro, aqui, não está nos jogadores, mas sim no modelo. Adiante.

2. Lançar Bebé é um erro daqueles, por mais qualidades inatas que tenha. Na Covilhã foi uma amostra. Pelo menos o JJ já teve a capacidade de perceber que o rapaz ainda consegue oferecer mais na esquerda do que na direita, onde é zero. É um Salvio. Mas sem capacidade técnica. Eu faço a pergunta de outra maneira. O que é que o Pizzi ou o Gonçalo Guedes não faziam que o Bebé fez? Correr muito? Pensei que isso já estivesse fora de moda, mas...

André Sousa disse...

3. Alterações na ideia de jogo? A criação de um maior número de linhas de passe ao portador da bola. É que é um pouco penoso ver um dos centrais, ou o médio que recolhe para o meio dos centrais, a ter uma linha de passe no corredor central. Se formos honestos, claro, porque também posso considerar o Talisca e o Lima como linhas de passe para a nossa saída de bola. Já agora, e a exibição de Talisca? MVP a par de Gaitán? E o seu jogo sem bola, será que não interessa? Ou já é muito bom? Eu até arriscaria a dizer que um sim a esta última pergunta só acontece porque o JJ tem apostado nele, porque o rapaz nem sabe o que fazer quando o Lima aparece a dar apoio frontal ao médio. Mas tem qualidade, não se negue isso. Outras alterações: reforçar o meio campo com mais uma unidade. Samaris, por exemplo, é curto actualmente para jogar a par com outro médio, certo. Mas não será uma evidência tão notada se jogar com mais linhas de passe e não for obrigado a pensar tão rápido para onde se irá mover sem bola, dado que terá, regra geral, uma cobertura. Isto claro, não resulta se for colocado em prática uma semana antes do jogo, mas a crítica ao JJ reside já desde a pré-época. Pressão alta para não deixar os centrais do Mónaco jogar, até porque tecnicamente são fraquinhos. Além disso, tanto Salvio como Gaitán, como a maioria dos jogadores que sejam opções para as posições em questão, sabem fechar o corredor central quando a bola está no lado contrário ao seu. Fechar o campo. Isto é mais fácil de fazer, tanto no segundo central como no segundo médio, mas principalmente aqui, jogando com três jogadores no corredor central, que confiram outro equilíbrio. Neste modelo, é perigoso fazê-lo e depende muito da qualidade do adversário. Se a bola for fora e depois voltar para dentro, o ala já deve estar a fechar o meio, mas basta uma simples tabela para conseguir libertar no lateral que está livre para receber podendo progredir com bola.

Dando um exemplo. Bola no lateral esquerdo. Salvio cai em cima, Lima fecha a linha de passe para o central do lado esquerdo e o Gaitán fica na fronteira entre o corredor central e o lateral, pronto para cortar a linha de passe para o segundo central se o lateral esquerdo optar por jogar curto para o central do seu lado. Isto, se for bem feito, obriga a equipa a jogar mal (bater longo).

Apenas algumas nuances, porque o futebol não é estanque e cada momento é um momento, mas adiante.

André Sousa disse...

4. Mais uma vez, a crítica não é feita agora. A crítica é feita desde o princípio da época, tendo em conta o contexto em que ela aparece. Fundamentalmente, devido à perda de inúmeros jogadores e ao decréscimo de qualidade individual. Não vale a pena falar de metedologia de treino, porque isso já é uma questão de foro pessoal e prefiro não me alongar sobre isso aqui, mas é óbvio que é impossível retirar grandes resultados com uma semana de trabalho, tendo em conta o trabalho feito anteriormente. Mas, uma vez mais, a crítica maior é essa. É a não previsão de acontecimentos como este, quando já foram vistos e revistos, época após época. Não obstante, o trabalho de JJ tem sido bom, mas podia ser melhor e ele, ao contrário do Salvio, sabe mais que isto.

Quer dizer, o Salvio também podia dar mais, tinha era de ter alguém que lhe indicasse esse caminho. Começar a pedir-lhe para aparecer mais dentro era uma boa hipótese. Curiosamente, na maioria das vezes em que isso aconteceu, ele até se revelou mais útil do que a jogar por fora. Uma coisa que também seria interessante de abordar.

5. Ninguém sabe. Da mesma forma que ninguém consegue provar que o Bernardo ofereceria mais que o Bebé, mas que é verdade... lá isso é.

6. Só para ficar assente... é um pouco incoerente criticar o Salvio quando tem sido, internamente, bom, e depois defender 95% das ideias de JJ quando é isso que ele mostra, também. A não ser que achem que LJ, AVB e Schmidt, sejam melhores que JJ. Uma coisa que me foi dita algumas vezes, porque aparecia aqui escrita (fenómeno interessante, este), é que o Benfica de JJ não jogava mais contra o Porto de VP porque não conseguia. E não conseguia porquê exactamente? Porque o modelo de jogo do JJ era inferior ao do VP? Pois bem, a génese desta crítica ao JJ está assente nisso... a acomodação a um modelo de jogo e à não evolução do mesmo. Porque era mais do que possível.

Anónimo disse...

"Mas garanto-te que não demoraria 5 anos a perceber que é impossível dominar o meio campo se tenho sempre desvantagem numérica nesse espaço do terreno"

O jogo é dinâmico, e são 11 para 11. Inferioridade numérica, só quando se fica com 10.
Os jogadores dentro do campo sabem-se adaptar a qualquer situação, e não há jogadores que estão de "cadeirinha", sozinhos no campo, com ninguem à sua volta

JN

Anónimo disse...

Boa noite esta não esperava eu...
E será que vão poder encaixar as critícas ao Guru? Duvido...
Baliza: Artur ( erro de Jesus...Oblak só foi aposta por lesão deste!)
Varela contra o Covilhã...
O esquema Rodrigo/ Lima surge pela lesão de Cardoso!
Defesas Luisão e Lisandro ( Jardel é suplente Ponto)
Eliseu péssimo a defender, Djavan não podia aprender?
Meio campo André Almeida trinco, voluntarioso ( Cristante/ Samaris ) não são jogadores para essa posição!
Farinã não podia ser opção ?
Pizzi ao invés de Bébé ( Lool) Guedes qualquer um...
Avançados Derley e Lima
Depois que adapte a estratégia ao Adversário, relembro que o calendário do Benfica...foi bastante favorável!
Mesmo assim... Moreirense, Arouca e Estoril, deram água pela barba...
E como diz Jorge Jesus está mal habituado com as arbitragens em Portugal...
A justificação bacoca da arbitragem para camuflar uma campanha fraca na Lc...é risível!
Por menos Lopetegui,foi apelidado de chorão...
Mas voltando a Jesus, estamos a falar dum treinador com SEIS anos na mesma casa e nos últimos cinco anos qual a performance na Lc? Pois...


Marco Borges

Pedro Ribeiro disse...

Caros laterais-esquerdos: demonstrem-nos por favor como o 442 de JJ se desdobra ofensivamente num 352 e defensivamente num 442. Isto é: defende com QUATRO médios e os dois atacantes também pressionam (creio que é assim). Portanto: não vale a pena dizer que apenas DOIS médios defendem.

Anónimo disse...

"vou só frisar uma frase de um treinador que não vou dizer o nome, sobre um jogo para um título, tb não o vou referir qual foi... "Sabia de antemão, que o o treinador do Benfica, não prepara cenários de jogo, por isso foi exactamente aí que ganhamos o jogo e o título". resumindo... espelho meu, espelho meu, quem é mais belo do que eu?" e o TEU sim só o TEU espelho responde - NINGUEM... o problema está aí ... façam uma análise FRIA dos 5 anos do Benfica e depois digam lá alguma coisa.... em 5 anos ganhou 2 títulos, com as equipas que tem á sua disposição diria que no minimo ele teria que ter ganho 4 TÍTULOS CAMPEAO NACIONAL... sim 4, vejam como é que ele perde os titulos de campão nacional dos 2 anos de Vitor Pereira... meus amigos... espelho meu... espelho meu!! sabem qual é o adjetivo que uso para o classificar - IGNORANTE.
o tipo é tão ignorante, que quis ser campeão no estádio do dragão, e sofreu um golo no último minuto em CONTRA-ATAQUE, e depois claro caiu de joelhos... vejam bem qual foi a substituição que ele fez!!! FOI LINDO!!! em jeito de conclusão, não vale a pena choramingar ou até mesmo defender o que não dá para defender... o Benfica com os planteis que tem tido com um treinador mais inteligente tipo Vitor Pereira esmagava, sim esmagava TUDO o que lhe aparecia pela frente... mas atenção com o mesmo PODER que o JJ tem neste momento junto da direção."

Concordo absolutamente com o que disse. O golo que sofremos no estádio do dragão, muitos falam de um puro lance de sorte, mas a substituição que ele fez a faltar sensivelmente 10 minutos para o fim (que em termos estratégicos, serviria sim se o benfica estivesse a carregar nos ultimos minutos e o seu jogo ser de pelo menos de 80% na área do adversário) com a entrada do Cardozo em vez de por ex: Rodrigo (mais pressionante, maior capacidade mental em jogar em zonas mais baixas, por que era o que o cenário que o JJ devia ter antecipado, e logo com aquele porto de VP), diz tudo, mais grave ainda foi não ter tido coragem de ter posto trancas á porta e sacar o empate que daria 99,9% de hipótses de sermos campeões no jogo a seguir. A imagem que eu fico deste treinador deste Benfica que sempre apostou em jogadores de enorme qualidade é que não tinha nem tem capacidade para estar no SLB. Não é á toa que ele não quis sair, pois sabe que não vai encontrar semelhante paciência noutros clubes para fechar os olhos a erros infantis e a meu ver para servir apenas o seu ego pessoal.

Roberto Baggio disse...

João, "..Poderia sim, preparar uma mudança no sistema da equipa. Não o quer fazer. Está no seu direito. "

então como é que alguém vai preparar uma mudança de uma coisa que ainda não está pronta? se me conseguires explicar isso agradeço.

"Quanto ao Sálvio.. olha, repito outra vez o Pizzi."

e eu repito outra vez, era um jogo a doer, e ele não conhece os movimentos da equipa.

"Mas tendo em conta que em 4 edições da Champions...indicia que poderia haver algo a melhorar."

algo do tipo de ano para ano não perder os melhores jogadores? e de ano para ano não ter te colocar 4,5 novos jogadores novos dentro da ideia da equipa?

"- O quÊ? Por exemplo o modo como a equipa (não) gere a posse de bola. O jogo do Benfica tem sido sempre muito frenético, cada jogada com bola é obrigatoriamente um ataque imediato. Podia modificar isso."

ah, então a tua insatisfação é para com a ideia de jogo de Jesus. Então que tal parar de atacar o inatacável, e focares no que realmente queres dizer: não gostas do modelo de jogo de Jesus, e não concordas com ele. Que tal isso, em vez de florear com substituições, opções para o 11 inicial, etc?!

Rui César, obrigado pelo comentário.

"então o ideal teria sido a entrada do André Almeida"

então e com a pressão que o Lever faz, o A.Almeida que tem mil e três dificuldades técnicas seria mesmo opção?!
Quanto a opção do meio campo com gaitan e enzo, confesso nunca me ter ocorrido. podia ser que resultasse.

"O objectivo: defender com menor dificuldade perante adversários de maior qualidade."

Se te disser que o Benfica defende a maior parte dos lances, que não de transição ofensiva com 9 atrás da linha da bola, e por vezes 10?!

"O objectivo seria efectuar uma transição mais apoiada e com menor risco, uma vez que colocava mais homens atrás."

Menor risco e zero hipóteses de ligação, e muitas de ser pressionado fácil. Portanto, basicamente, para isso, juntava linhas e batia longo, porque não ia dar para sair a jogar. Colocar 6 gajos a fazer a saída de bola, e quase 4 como centrais, para mim faz sentido zero.

LGS, saudações desportivas kkkkk

Aza delta, obrigado pelo comentário. Não te vou perguntar nada, foste bastante claro. Nem há pontos de discussão.

Silgaer22 obrigado pelo comentário. Deixa-me só dizer que não gosto de enzo a direita. ou a esquerda. parece-me a mim que o perfil dele de tomada de decisão muda, de que maneira.

Anónimo,
"epá, e, outra coisa, pode parecer um detalhe, mas eu estou farto daqeles lançamentos de linha lateral para o meio da área que a única coisa que originam é a possibilidade de contra ataque à equipa adversária."

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Roberto Baggio disse...

André Sousa, obrigado pelo comentário.

"o Benfica tem dificuldades quando é pressionado como deve ser na sua primeira fase de construção"

O Benfica, e qualquer equipa do mundo que não seja o Barcelona do Guardiola!

"O que é que o Pizzi ou o Gonçalo Guedes não faziam que o Bebé fez?..."

conhecer os movimentos da equipa.

"A criação de um maior número de linhas de passe..."

Como farias isso? Ou seja, quem surgia como linha de passe, e onde.
Depois, sabendo do posicionamento deles agora, pensar na implicação que ter mais gente atrás teria, e reflectir aqui em comentário sobre isso.

"E o seu jogo sem bola..."

Interessa, e está a melhorar. É melhor que o de Samaris, Pizzi, etc...

"mas a crítica...pré-época"

Onde ele não tinha jogadores? onde ele tinha um modelo para implementar sem saber quem vinha, e quem ficava? sendo que desses que tinha milhares eram extremos e avançados? Não entendo essa crítica de todo. Ele pegou no que tinha, no que sabia da época anterior, e trabalhou os novos jogadores em cima disso. O que vejo de errado nisso? Nada. Repito, na pré-época, e nos dias que se seguiram, até hoje, e vai continuar até haver competência dentro disto, era impensável alterar o que quer que fosse porque a base não estava (e ainda não está) para alguns dos habituais titulares, e sobretudo para os que ainda não são opção.

"Bola no lateral esquerdo. Salvio cai em cima...Gaitán fica na fronteira..."

No fundo, defender com dois avançados.

"É a não previsão de acontecimentos como este..."

Pois pá. Entendo isso. Só que um treinador que não sabe com o que contar no início de cada época, queres o quê? Sai um camião de jogadores, entra outro no último dia de mercado, e faz-se o quê? Sinceramente não entendo. Se ele tivesse a equipa sem as lesões, com 8,9 jogadores da época passada, o entendia. Mas naquele estado, esperam o quê Milagres?

"...Pois bem, a génese desta crítica ao JJ está assente nisso..."

Para mim, sim. Para o Maldini não. Mas estamos a falar da minha opinião. Portanto, sim. E também porque a qualidade do outro lado era superior.
Ou seja, durante este tempo todo, para mim, uma vez (VP) o modelo de jogo do adversário foi superior em todos os aspectos. Na maior parte do tempo perde por ter menos qualidade que o adversário, apesar de ser superior no modelo de jogo. O Lever, por exemplo, é superior em tudo do ponto de vista ofensivo, mas inferior no resto. MAs tem jogadores do ponto de vista ofensivo mt bons mesmo. mas como n tão no Bayern de Munich, que é a única equipa que se conhece da Alemanha, as pessoas acham que os do Benfica são infinitamente melhores. Mesmo ontem, para o mónaco era 50-50. 5 de um lado, 6 de outro. Portanto não se está a jogar contra umas equipas quaisquer. O Benfica neste grupo não é superior a ninguém, do ponto de vista individual. e isso tem feito a diferença. desculpem-me os chorões mas o benfica foi bem superior ao mónaco. bem superior! o mónaco criou uma oportunidade no 11x11. uma única vez conseguiu furar o bloco com perigo. culpa do meio campo e de talisca? pfv. o Lever faz os golos e as ocasiões das transições ofensivas, e perdas de bola em construção, o zenit igual. e as pessoas acham que é do meio campo, quando o meio campo n teve qualquer hipotese de intervir no lance. porque admirem-se: as bolas estavam nos defesas.

contra equipas de qualidade individual superior a obrigação de ganhar é zero. E isso as pessoas vão ter sempre muita dificuldade em aceitar porque é o grande benfica, e tem de haver superação, e tem de haver grandeza, porque ninguém é maior que o benfica, e o benfica joga todos os jogos para ganhar. grande mentira. contra adversários que colocam 8 jogadores no 11 inicial deles, conseguir disputar o jogo já é muito bom. contra outros que metem 9,10 nem comento.

bernymac disse...

Falta criar o momentum, para isso precisa de quebrar rotinas... Gonçalo Guedes

André Sousa disse...

Exactamente. Umas mais que outras, porque simplesmente têm automatismos e/ou qualidade individual para contornar isso. Mas se é um facto que todas as equipas têm mais dificuldade quando são pressionadas na sua primeira fase de construção, porque não faz o Benfica o mesmo que fez o Leverkusen na Alemanha? Obrigar o adversário a jogar mal. Tinha algumas imagens desse jogo que demonstravam perfeitamente a forma como idealizo uma equipa a defender num bloco mais alto. Recordo-me de uma em que o Eliseu tinha a bola, e a equipa do Bayer tinha todas as linhas de passe cortadas, quase como um jogo de pares (não marcação h-h, calma). Isto claro, obriga a mais trabalho do adversário que, quando não sabe mais, bate longo na frente, sem grande critério. Aqui, a qualidade individual, quanto a mim, já tem muito menos peso, porque são coisas trabalhadas durante a semana. E não defendo que seja para o jogo X, Y ou Z. Devia ser para todos. Claro está que depois, dentro de cada jogo, podem mudar alguns pormenores, de acordo com o adversário e com a qualidade individual de cada um.

Eu não sei que movimentos conhece o Bebé, sinceramente. É um anarca que, neste momento, tem dois tijolos nos pés. O Guedes, que é muito bom jogador, como outros que pontificam na formação, joga mais futebol que ele a dormir. E fala alguém que percebe a lógica do JJ ao ir buscar o Bebé, tendo em conta as características inatas que o tipo tem.

Falo em mais linhas de passe quando o Benfica sai a jogar curto. Ou tenta fazê-lo. Baixar um dos médios funciona quando o adversário não faz igualdade numérica na zona, e os três que ficam no corredor central conseguem sair a jogar, ultrapassando a primeira linha de pressão. Quando isso não acontece, faz falta mais um jogador naquela zona, porque nem sempre o apoio frontal do avançado chega a horas (quando chega). Com o adiantamento dos laterais, gostava de ver o Gaitán a receber mais por dentro e mais atrás. O Talisca não tem cultura para isso, ainda, e tem dificuldade a receber de costas, o Salvio só se for para receber mais à frente... só o Enzo ali torna-se curto e é algo facilmente anulável pelo adversário.

Ofensivamente não gosto, ainda. É útil quando consegue receber e enquadrar, porque depois tem características para furar como aconteceu no Estoril, por exemplo, e até acho que distribui bem, mas acho que o JJ só o mete ali porque tem marcado alguns golos e porque não há grandes opções para a posição, sem contar com o Jonas, que estava indisponível e que tem de ser titular. Falando em Jonas, era uma das opções a quem pediria para vir buscar jogo, junto aos médios. Mais do que os golos que marcou, o que de melhor tem é a capacidade para receber em espaços curtos e soltar com qualidade. Um pouco à imagem do Montero, que neste modelo do Benfica poderia ser muito, muito potenciado.

André Sousa disse...

A pré-época é um caso bicudo. É difícil operacionalizar um modelo de jogo, mas o de JJ é do mais exigente que existe. Não só pela operacionalização, mas também pelo que exige a nível individual dos jogadores. Eu acho que tinha sido o ponto de partida "perfeito" para trabalhar em cima de um modelo de jogo diferente, mais equilibrado. Até porque, pela disposição básica dos jogadores, conferia algum equilíbrio não só defensivo, que, neste momento, o Benfica pouco tem. Mas isto já o defendo há alguns anos e continuo a reconhecer qualidades óbvias ao JJ. O melhor jogo do Benfica, esta época, é contra o Rio Ave, para a Supertaça. Fora isso, mesmo contra adversários com baixa qualidade individual, tivemos muitas dificuldades. Moreirense e Estoril à cabeça, onde o Benfica só consegue virar o resultado contra dez. Mas falando sobre a pré-época... Falha por não dar uma oportunidade ao Varela. Aliás, nem percebo porque o levou para a pré-época quando o Benfica tem jogos em catadupa. Só se prejudicou, ainda mais, o Artur, ao expô-lo ao ridículo que está. Começou com o Luís Felipe, que tem a qualidade de um cone. Tem nas suas mãos há mais de dois anos um miúdo com um potencial enorme, um jogador que quase tem JJ escrito na testa, que fez uma pré-época com altos e baixos que acaba por dispensar (Cancelo). Não tem culpa nos centrais, de facto, mas curioso é que lança um jogador que tem tido uma evolução engraçada, este responde bem, tendo em conta o estímulo elevado a que nunca tinha sido proposto e não mais é opção (Lindelof). Mas adiante: tentando fazer um onze, eu tinha optado por algo como: Artur/Varela; André Almeida/Cancelo, César/Lindelof, Jardel e Benito; Almeida/Amorim, Gaitán/Bernardo, Talisca/Amorim; Ola John, Salvio/Gaitán e Lima; Parece-me que isto estava disponível no início da pré-época. Luisão, Lisandro, Cristante, Samaris, etc., etc., não estavam disponíveis na altura. Começava a trabalhar numa base como esta. E não creio que fosse preciso deitar todo o trabalho anterior fora, porque há muito que podia ser aproveitado. Isto tudo segundo a minha ideologia, não a do JJ, por isso é natural que existam coisas que diferam. A defesa era a possível na altura, com a diferença de que o Varela teria uma oportunidade, não teria libertado o Cancelo, que para consumo interno chega e tem margem de progressão para crescer onde precisa (defensivamente). Ofensivamente seria uma questão de ganhar alguma confiança, porque tem um potencial imenso. Num meio campo a três, seria possível colocar Gaitán um pouco à imagem daquilo que foi Belluschi com AVB, e onde eu acho que ele renderia ainda mais. Libertava-se espaço para o Ola John, que, tendo em conta a qualidade individual, acabaria por adicionar coisas importantes à equipa. E claro, com um meio campo a três, o trabalho do médio defensivo seria mais facilitado e a equipa estaria mais equilibrada e não tão dependente da qualidade do adversário. Mais linhas de passe, mais apoios, raio de ação menor por cobrir... Amorim, neste esquema, estou em crer que lhe chamava um figo. Em qualquer posição. Sem falar que Samaris ou Cristante, por exemplo, teriam uma adaptação mais facilitada e talvez fossem opções mais válidas do que são hoje. Extremos a jogarem mais perto da baliza e com tarefas defensivas menos exigentes e com menor responsabilidade no colectivo. Se um dos alas no sistema do JJ falha ao fechar o meio, por exemplo, o adversário tem condições suficientes para conseguir penetrar pelo corredor central, se procurar fazê-lo. Um dos problemas de Nolito, que, neste sistema e a jogar mais perto da baliza, com mais apoios no corredor central, tornava-se um viveiro de golos e assistências.

Descrito assim parece fácil, mas não o é. Até porque as coisas não são estanques e falar em números fica um pouco redutor, mas passa a ideia. Se não era a altura para tentar alterar o modelo de jogo, quando era? Quando tivéssemos mantido toda a equipa?

André Sousa disse...

Já agora, não será o aumento do rendimento do André Gomes uma consequência de não jogar tão exposto?

No fundo até é defender com três, mas ter a capacidade para, mesmo assim, anular uma superioridade numérica de 4x3. 5x3 se quisermos contar com o guarda-redes. A diferença é que o corredor central fica preenchido, o lado contrário ao da bola é "ignorado". Assim sem grande esforço, seria algo como isto: http://i60.tinypic.com/delg03.png

Depois depende dos apoios do portador da bola (RB). Se direcionados para dentro, o Lima aperta e o Salvio sobe, se virados para fora para jogar longo, ambos mantém a posição e o Gaitán encosta. Atrás estaremos sempre em superioridade numérica, se soubermos ocupar o espaço.


Eu não espero nada. Acho é que é natural que a equipa demore a engrenar quando o modelo de jogo é tão exigente e, no meu entender, com algumas falhas, daí desesperar por um salto qualitativo nesse modelo. Não percebo a insistência, até porque o JJ já mostrou que sabe jogar de forma diferente para além desta. Um losango, mas com interiores invés de extremos, também era boa opção, mas também é algo difícil de operacionalizar.

Eu também acho o modelo de jogo do VP superior. Acho que ofensivamente não era nada por aí além, tendo em conta os executantes que tinha, mas defensivamente era qualquer coisa de fantástico. Ajuda ter um Moutinho, também, mas o trabalho estava lá e foi aquilo que, nesse aspecto, eu sempre idealizei para o Benfica. E o JJ até parecia estar a caminha nessa direção depois do primeiro título, principalmente após a saída do Di Maria e do Ramires, dois jogadores que eram fundamentais na nossa transição defensiva. Chegou a jogar em 4-3-3 no torneio do Guadiana, onde o Peixoto até apareceu como interior a espalhar futebol.

Sobre o Bayer concordo em toda a linha. Dá que pensar como uma equipa tão permeável defensivamente consegue manietar o Benfica com uma facilidade tremenda, não permitindo, sequer, grandes trocas de bola. Aliás, não me recordo de um lance na primeira parte onde o Benfica tenha chegado com bola controlado ao meio campo deles.

O Benfica foi superior ao Mónaco, sim. Não por muito, mas sim, foi. Verdade seja dita que o LJ também não dá grande coisa. É competente a nível defensivo, mas ofensivamente é de uma pobreza... que raio quer ele fazer com o Moutinho, mesmo? Não admira que lá não gostem muito do Moutinho.

O segundo golo do Bayer, tendo em conta que o primeiro é um erro individual do Júlio César e o terceiro é de penalti, nasce de uma bola bombeada para o sector da defesa do Benfica. Conseguem sair bem, porque o Son(?) consegue dominar, entregar e começar a jogar logo a partir dali, no sector da defesa do Benfica. A partir dali é fácil. Cristante não acompanha, fica para trás e não há grande coisa a fazer.

Não concordo. A qualidade individual não define a qualidade colectiva. No fim são 11 contra 11, mas há uma série de automatismos que se podem criar para combater essa qualidade individual. Aliás, isso é redutor para o papel do treinador. A minha ideia é diferente da do JJ. Eu acho que este modelo, na UCL, nos faz mais fracos, por estarmos mais expostos à qualidade do adversário. Ele acha que não.

Anyway, falei há pouco do Lindelof, do Bernardo, do Cancelo e de outros tais... qual a opinião sobre aquilo que o JJ disse sobre os "miúdos" na entrevista a um jornal qualquer, onde, basicamente, dava a entender que era ali que se via o nível a que estavam? Não será isso contraditório com o que tem feito com o Talisca?

LGS disse...

Oh Baggio, responde só a esta sff:

Pelo que viste neste jogo (e podemos pensar também no da Covilhã) o Bebé pareceu-te conhecer bem as ideias do JJ e teve um desempenho positivo no jogo, seria ele também a tua escolha (não acredito :P )?

De resto não alinho nas criticas ao JJ pelos motivos todos que tu já tão bem explicaste. Mas com a qualidade que o plantel perdeu este ano é inevitável que ele não venha a ser criticado em caso dalgum resultado menos bom. Acho que muita gente não se apercebe da enorme diferença de qualidade disponível do ano passado para este...

Pode ser que com Jonas e com a habitual subida de rendimento partir de Novembro/Dezembro a equipa ganhe mais qualidade de jogo.


Saudações Desportivas!

Anónimo disse...

O Mónaco só criou uma oportunidade? Eu que só vi o resumo contei 4. O gajo sozinho na área na 1a parte, o canto, o remate fora da área no início da 2a parte e outra que já não me recordo do lance. Se for em transição vão deixar de contar os golos? Se for de canto vão deixar de contar os golos?

Pedro disse...


"contra equipas de qualidade individual superior a obrigação de ganhar é zero."

A questão, e é sempre aqui que cometes o mesmo erro, é que ninguém fala de "obrigação"!!!

Para ti futebol é matemática e como tal sempre que uma equipa vai defrontar outra mais fraca mais vale esta entregar o jogo. Pq é sabido que no futebol ganham sempre os melhores. Aliás qqr jogador do Atlético de Madrid entra de caras no 11 do Real ou do Barcelona. De caras.

É este teu exagero e fuga dos temas em concrecto que esmorece a vontade de debater este assunto. Sempre que JJ perde é pq o adversário é muito superior individualmente. E agarras-te a esta ideia como uma lapa.

E eu, em parte, até concordo ctg, basta o adversário ser superior para JJ não vencer. Tiramos é ilações diferentes desse facto. Não deixa de ser curioso que apontes sempre a qualidade individual para o fracasso mas depois não a apontes para o sucesso.

Acho impressionante que tu aceites que um treinador, tão bom tu afirmas, não seja capaz de criar modelos de jogo diferentes para a eventualidade de o principal não obter os resultados desejados e, pior, não achares estranho que um modelo que não resulta seja mantido pelo treinador. Faz-me confusão como não te questiones sobre isto. Gostar de JJ é uma coisa, ser, cego sobre tudo o que acontece é outra.

Os jogadores do Benfica não são os melhores do mundo mas estão longe de ser os cepos que queres dar a entender que são. Qqr equipa deste grupo está ao alcance do Benfica. Mas nunca do Benfica de JJ, isso concordo.

Gonçalo Mano disse...

Baggio,

Não sou capaz de responder ao que perguntas.

Uma coisa tenho certa: Gaitan sempre, sempre, sempre a 10, a 9.5, a 9.375 qualquer coisa.

O que mudaria? Simples, por muito potencial que Tallisca possa ter, jogaria apenas com um avançado (Jonas), Gaitan no meio, Olá João e Salvio-se-quem-puder nas alas.

Já estou a imaginar o carrossel a começar no Enzo e a ser estragado pelo Salvio em 99% das jogadas.

Just my 50 cents

GV disse...

Baggio,

O facto de:

Não teres pontos de discussão com o comentário do Aza Delta, mais concretamente:
"No jogo com o leverkusen não poria o cristante"
e
"num jogo em que o problema é manter a posse da bola, não insistir 90 minutos em talisca e salvio, e optar, eventualmente por gaitan no meio"

E quando respondes ao André Sousa:
"Para mim, sim."
Ao comentário:
"...Pois bem, a génese desta crítica ao JJ está assente nisso..."

Considero que temos pontos de opinião coincidentes no que ao modelo de jogo e algumas decisões do JJ diz respeito. E esses são os aspetos fundamentais para mim no imediato.

Os restantes aspetos relacionados com a perda de jogadores, etc, são o que são, não há milagres como dizes. Podem é haver melhores decisões ainda assim.

Cumps,

Rui Cesar disse...

Obrigado pela contra-resposta ;)
Um abraço,
Rui

B. disse...

1- o Bebé não é jogador de Futebol,
2- o Bebé não é jogador de Futebol,
3- o Bebé não é jogador de Futebol,
4- o Bebé não é jogador de Futebol,
5- o Bebé não é jogador de Futebol.

E agora??

Miguel Pinto disse...

Baggio, a razão principal que nos leva a querer ser treinadores de futebol é a vitória sobre o adversário alicerçada com uma grande exibição. Em suma a supremacia, a hegemonia das nossas ideias sob as do nosso oponente.
É evidente que o exercício que propões é utópico, surreal na perspectiva que nenhum de nós (é a minha opinião) pode ter a leviandade de tentar colocar-se no papel de JJ sem para isso conviver diariamente com ele e a sua equipa.
As críticas, as minhas, são feitas em função daquilo que vejo nos seus jogos e tenho a certeza que ele também reconhece que comete más avaliações e decisões e que o processo só evolui dessa forma, fazendo a auto análise e tentando corrigir e aperfeiçoar o seu jogo.
Mesmo que sejam para mim os melhores treinadores portugueses (JJ, Mourinho e VP) não deixam de cometer erros.
Mas é precisamente na capacidade de os tornar menos visíveis aos nossos olhos que reside o seu sucesso ou reconhecimento, a sua argúcia, a sua inteligência no estudo das melhores soluções para os problemas com que se deparam todos os dias.
O que acho mais estranho, por não ser frequente nos últimos anos, é a falta gritante de fight back principalmente no jogo da alemanha, a incapacidade dele e dos seus jogadores de, pelo menos, tentar beliscar de alguma maneira o adversário e aí penso que ele falha. Porque, como dizes, se há apenas uma ou duas equipas que saem a jogar na 1ª fase de construção porque é que, por exemplo, nesse jogo a solução era invariavelmente essa, saída a 4 ou a 3 quando o Cristante baixava? Mas eu quero expôr as minhas debilidades ou quererei escondê-las do adversário? Tendo em linha de conta que o Cristante não está devidamente familiarizado (deduzo eu) com a equipa não seria mais seguro abordar o jogo de outra forma, correndo menos riscos, fazendo com que a equipa conseguisse estar mais confortável e confiante à medida que o jogo se fosse desenrolando? Achas que teria que haver um plano B, C ou D para isso?
Estou curioso para ver que tipo de abordagem irá ser feita no jogo de cá mas aposto que, mesmo com jogadores diferentes, ele não fará o mesmo erro.

Para mim não é novidade o percurso das 3 equipas portugueses nesta fase da prova, talvez o FCP me tenha surpreendido em termos do resultado final dos últimos 2 jogos mas não em termos exibicionais, o SCP irá ter dificuldades para fazer 4 pontos nos 3 jogos que se seguem assim como o FCP, e o SLB prevejo que ganhe ao Mónaco e ao Zenit.

Falando por mim, obviamente, não tenho a pretensão, ao vir cá comentar, de fazer prevalecer as minhas opiniões sob as demais, aliás gosto do blog precisamente pela diversidade de opiniões, umas mais viradas para a essência do jogo e outras mais apaixonadas, mais clubísticas, mas é precisamente nessa panóplia de ideias que por vezes se atingem e produzem novas e diferentes maneiras de 'olhar' para o jogo e visualizar algo que possa acrescentar qualidade.
Por isso, concordando ou não com aquilo que eu e muitos outros escrevem, espero que continuem com este blog e que consigam 'transportá-lo' para os relvados deste país mas que seja em equipas pelo menos da 1ª liga.

Abraços

P.S.
Fontes próximas garantiram-me que o período de quarentena a que o Posse de Bola esteve sujeito poderá ter terminado. Nenhum vestígio de vírus foi encontrado e desta forma poderá brevemente ser reactivado.
Gostaria de acreditar nisso mas as fontes, hoje em dia, são também elas de carácter duvidoso...

Roberto Baggio disse...

André Sousa,

Portanto, no fundo, discordas da ideia de jogo, e do modelo de jogo de Jesus. Portanto, não vale a pena, também, estar a florar pq n gostas do modelo de jogo dele. Perfeito. Portanto, é uma questão de, para ti, o Benfica mudar de treinador. Está explicado. Resolução fácil. Procurar algum treinador que jogue de forma mais "equilibrada".

Quanto a minha opinião sobre os "miúdos" discordo apenas do Bernardo Silva. Era o único com qualidade para o Benfica, mesmo na pré temporada. E ainda hoje, para mim, teria espaço. Cancelos, Lindelofs, e cia, são fraquinhos, para o nível que se exige ao Benfica. Teixeira tem margem para progressão.

LGS,
"Pelo que viste neste jogo (e podemos pensar também no da Covilhã) o Bebé pareceu-te conhecer bem as ideias do JJ e teve um desempenho positivo no jogo, seria ele também a tua escolha (não acredito :P )?"

Atiro-te a pergunta de volta. Pelo que tu (eu/Jesus) viste nos treinos, parece-te que algum daqueles gajos conhece melhor os movimentos ofensivos e defensivos da equipa que o Bebé? Não me parece.

Pedro, pois pá. Não respondeste a nenhum dos pontos. Portanto, assim não vale.

"Acho impressionante que tu aceites que um treinador, tão bom tu afirmas, não seja capaz de criar modelos de jogo diferentes para a eventualidade de o principal não obter os resultados desejados"

Esta foi uma pérola. Mas vamos em frente.

Pedro disse...

"Não respondeste a nenhum dos pontos"

Estou a dar uma de Baggio... ;)

Pedro disse...

1) Entrava em campo com Samaris, Enzo e André Almeida tirando Talisca jogando com Sálvio e Gaitan nas alas e na frente, não havendo grandes alternativas, Lima ou Derley sendo a escolha em Lima por ainda não saber bem o que vale Derley (nas épocas anteriores era Cardozo sem hesitar).
Samaris e Enzo têm características que permitem ter um meio campo mais forte, mais sólido, com melhor capacidade defensiva ao mesmo tempo capaz de sair ofensivamente com qualidade. Gaitan e Sálvio têm pouca propensão defensiva e, assim, a equipa não seria tão vulnerável como aconteceu centenas de vezes ao longo destas épocas todas.

2- Após a expulsão tirava Talisca e Lima e punha Samaris e Bebé ou Samaris e Guedes indo o Gaitan para o meio. Nunca punha o Bebé na ala. Se resultava? Não sei. Ninguém sabe. O que sei é que o que JJ faz nunca resulta, não me lembro de um único "golpe de asa" vindo do banco de JJ. Espero não ter que discutir as milhentas vezes em que treinadores com substituições e mudanças tácticas viram um jogo.

3- Isto és tu a querer dizer que percebes da teoria e da aplicação dos modelos blá blá blá. A ideia de jogo que defendo é simples: não deixar a equipa tão vulnerável no meio campo sempre que defronta equipas com qualidade um pouco superior aos Paços e Aroucas e não estar tantas vezes em inferioridade numérica no meio campo.

4- Não sei nem me interessa. Não é discussão que tenha alguma vez abordado.

5- Esta é demasiado absurda.


Podias ter lançado este desafio de uma forma mais "honesta". As críticas que se fazem a JJ não são deste jogo, são de muitos jogos e têm por base muito do que tu aqui acabas por usar para defender JJ. O ponto 5 então é absolutamente surreal e não dá mesmo para perceber como não o percebes. JJ ao longo destes anos treina uma coisa e uma coisa apenas (isto é o que se depreende das tuas palavras) e quando isso não resulta (tantas e tantas vezes) não vale a pena esperar qqr alteração pq nada foi treinado. Basta usar os teus argumentos para cascar em JJ.

Tu até consideras VP melhor que JJ e se VP tem um modelo de jogo diferente de JJ pq raio não aceitas as debilidades que se apontam a JJ? É que podes-me mandar bocas à vontade mas o que eu gostava mesmo era que comentasses o que se critica a JJ.

Roberto Baggio disse...

PEdro 1- "Samaris...têm características que permitem ter um meio campo mais forte, mais sólido, com melhor capacidade defensiva"

Ah tem? Que capacidade é essa, se o tipo nem se sabe posicionar?

"Gaitan e Sálvio têm pouca propensão defensiva e, assim, a equipa não seria tão vulnerável como aconteceu centenas de vezes ao longo destas épocas todas."

Ai é? Então como é que explicas que estes gajos, quando a bola está na posse do adversário estejam 90% do tempo, que não transições rápidas do adversário, atrás da linha da bola?

" O que sei é que o que JJ faz nunca resulta, não me lembro de um único "golpe de asa" vindo do banco de JJ. Espero não ter que discutir as milhentas vezes em que treinadores com substituições e mudanças tácticas viram um jogo."

Nunca? A sério?

Okay. Vamos entrar no absolutismo. então eu digo que esses treinadores abordam sempre mal os jogos, durante a semana, por isso têm de fazer quinhentas mudanças todos os jogos para os virar. E dos dois casos, prefiro quem trabalhe durante a semana. São esses que ganham mais vezes, que têm percentagens de vitórias muito superiores a derrotas e empates.

" não deixar a equipa tão vulnerável no meio campo sempre que defronta equipas com qualidade um pouco superior"

Explica lá essa vulnerabilidade, e inferioridade contra o mónaco, ou contra o zenit. explica lá, não custa nada. Onde é que ela esteve, etc. Explica lá onde ela esteve contra o Porto, contra o Sporting. Vá lá, quero ver.

Não aceito o que vocês apontam, porque o que vocês apontam é simplesmente parvo. Substituições, e tudo mais, são coisas parvas. Quem o sabe melhor é quem trabalha com os jogadores diariamente. O resto é conversa para jornais, tasca, e programas de TV. Queres falar do modelo de jogo, força. Mas não me venham com as loas dos 2 do meio campo, porque o Benfica defende sempre com mais de dois no meio campo, em organização defensiva. SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE. Não me venham com os equilíbrios, porque equipa mais forte que o Benfica do ponto de vista defensivo, em organização, no mundo, quantas?! Viu-se isso, por exemplo, no ano passado. Quantas equipas mais equilibradas que a de Jesus? No mundo inteiro, sim, quantas?! Porque o simplismo dos dois médios, mais uma vez é conversa de quem percebe zero do futebol hoje. É conversa antiga de quem ainda acha que no futebol os jogadores começam e acabam na posição onde aparecem nos sistemas tácticos da TV. E isso, para mim, dos 2 médios e 3 médios, quando Jesus defende com 4, chama-se simplesmente não perceber nada do assunto.

Vou repetir o que já disse acima, na maior parte do tempo, em organização, o Benfica defende com 9, e algumas vezes com 10, atrás da linha da bola. Se isto não chega para vos explicar nada, pronto.

Eu considero melhor porque GOSTO mais. O Maldini, por exemplo, discorda. Gosta mais do modelo do Jesus.

LGS disse...

Baggio,

"Atiro-te a pergunta de volta. Pelo que tu (eu/Jesus) viste nos treinos, parece-te que algum daqueles gajos conhece melhor os movimentos ofensivos e defensivos da equipa que o Bebé? Não me parece."

Esta também tem rasteira. como é óbvio não estou presente nos treinos para te responder assim. Só me posso basear nos jogos e nesses o Bebé foi zero, portanto, e considerando que zero é o minimo, nenhum outro faria pior que o Bebé.

Mas atenção, não estou a pegar nisto para criticar o JJ porque percebo o que dizes em relação às indicações que os jogadores dão nos treinos e como isso afecta a decisão do treinador. Acho é que por muito boas indicações que ele dê nos treinos (o que dúvido, mas dou o desconto) as indicações que dá nos jogos são péssimas..

Mais (e agora vou só especular), acho que o JJ deve ter pensado "Até estamos a criar alguns desequilibrios quando fazemos a transição def/atq com velocidade, por isso deixar lá pôr este gajo que é rápido a ver se ele desequilibra ainda mais.". Ou seja, suspeito que tenha sido uma fezada.

Comparando, num jogo em que jogaram os dois (vs Covilhã), o Guedes com o Bebé, o miudo mostrou mais coisas (apesar de alguns erros) e se calhar, fezada por fezada apostava nele. Pelo menos na tomada de decisão é 1000 vezes melhor (tb não é dificil... :P).


Qual a tua opinião?


Abraço

GV disse...

Baggio,

Não obstante o meu comentário anterior, honestamente não sei para que lanças um desafio interessante, com regras a mais é certo, para depois responderes "Quem o sabe melhor é quem trabalha com os jogadores diariamente. O resto é conversa para jornais, tasca, e programas de TV".
Nesse caso, partindo desse teu pressuposto, não há nada a discutir sobre alterações e substituições... Para quê?

E por falar em pérolas, primeiro:
"Espero por vocês aqui, com total abertura (excepcional) da minha parte para comentar tudo e todos."
Depois:
"PS: só vou responder, obviamente, a quem me responder a tudo."
Bãhh...

Resumo isto tudo a um ponto sobre o jogo de 4a:
Independentemente de muitas vezes atrás da linha da bola, achas mesmo que o Talisca fez um bom jogo quando o Benfica não tinha a bola?

Cumps,

PS: Já se sabe que não precisas de me responder diretamente como é normal.

Anónimo disse...

O Hilariante neste blog, é a pouca capacidade de encaixe a críticas...principalmente a Jesus...

O mesmo que aposta e defende: ARTUR! como redes ( Oblak só foi titular o ano passado, por causa da lesão e aí veio a grande diferença ...)
Eliseu - Pedido expresso de Jesus, um lateral que mais parece um extremo, que facilmente é "comido" e que na LC mostra a sua fraqueza..
O mesmo treinador elevado a Guru, que diz que vai fazer de Djaló jogador da bola... viu-se!
Agora a aposta é em Tiago, mas numa ala...
Que em SEIS anos a treinar o mesmo clube, na Liga dos campeões têm o desempenho que se conhece e antes que venham com a falácia do grupo este nao ser bastante equilibrado! Eu não estou a falar este ano, até porque o Zenit é uma equipa inconstante! O ano passado o FCP podia ter passado o grupo, por causa dessa mesma irregularidade! Mesmo com uma performance FRAQUÍSSIMA!
Estou a falar de quando encontra rivais superiores ou de igual valia, inventa ou resolve "INOVAR"...

Até parece que não falamos dum treinador que colocou David Luiz a lateral para marcar Hulk....
Até parece que não falamos dum treinador que defendeu até mais não ROBERTO; EMERSON;

Mas voltando ao tema Liga dos Campeões...se ele escolhe um Onze baseado no que vê nos treinos e o que cada um oferece ao coletivo, como é possível defender a utilização de TIAGO ?

Voltanto do desempenho como treinador, na final da Liga Europa com a lesão de Sulejmanji que estava a causar problemas ao Sevilha, quem é que coloca ? Arrisca ? Cavaleiro ? Pois sim...

Recuso-me a responder a 5 pontos colocados pelo autor, primeiro porque limitam as respostas, depois porque compartamentalizam as mesmas de modo a limitar o raio de alcance e dizer que não respondem a quem não cumprir respostas às mesmas, é de quem não pretende uma discussão séria sobre o que é Jorge Jesus como treinador, mas apenas validar um ponto de vista que pretende elevar Jesus à categoria de Mourinho, como muitas vezes aqui li...

Eduardo Nascimento

Já agora em relação a Vitor Pereira outro Herói aqui do blog, explicar as campanhas na LC ? Um futebol "muito" seguro defensivamente e ofensivamente ? Fraco e paupérrimo ocorrem-me...

astro lope & teco disse...

"e quando isso não resulta (tantas e tantas vezes)"

Acreditar nisto é completamente absurdo. Volta ao planeta Terra depressa.

Pedro disse...

"se o tipo nem se sabe posicionar?"

Então não é esse o trabalho mágico de JJ? Afinal...

E o Talisca sabe-se posicionar? Mas se não queres o Samaris nem o Cristante então meto o Gaitan no meio, mas é no meio mesmo e não a segundo avançado e avança o puto para a ala.

"Então como é que explicas que estes gajos, quando a bola está na posse do adversário estejam 90% do tempo, que não transições rápidas do adversário, atrás da linha da bola?"

Ai basta estar atrás da linha da bola? Ok

"Nunca? A sério?"

É pá...pode ter ocorrido uma ou duas vezes, pronto. Mas contra um mija na escada qqr. Sinceramente, num jogo relevante, não me lembro de ele dar a volta. Mas lembro-me bem de as invenções dele correrem mal...mais que uma vez.

"treinadores abordam sempre mal os jogos, durante a semana, por isso têm de fazer quinhentas mudanças todos os jogos para os virar. "

E viram...e ganham. Mais vezes que JJ.

"Explica lá essa vulnerabilidade, e inferioridade contra o mónaco, ou contra o zenit. explica lá, não custa nada. Onde é que ela esteve, etc. Explica lá onde ela esteve contra o Porto, contra o Sporting. Vá lá, quero ver."

Oi? Contra o Zénit a sério? Contra o fcp? A sério? Contra o Braga e até contra outras equipa menores que povoam bem o meio campo. Contra o fcp do teu VP era sempre.

"Substituições, e tudo mais, são coisas parvas"

É por isso que alguns, com muitos titulos no bolso, até pedem ainda mais substituições. Mas acredito então que só fazes substituições por lesão, ao menos serás coerente. Nem sei o que dizer mais a uma baboseira destas.

" Mas não me venham com as loas dos 2 do meio campo"

Pois...loas que muitos grandes treinadores o referem. Tá bem...

" porque equipa mais forte que o Benfica do ponto de vista defensivo, em organização, no mundo, quantas?!"

Organizada é diferente de eficiente.

Mas a culpa é dos jogadores já sei. O mestre nunca tem culpa de nada. Siga.


Bruno Pereira disse...

Apenas para colocar algumas larachas na fogueira alguns pontos para opinarem:
- foi JJ que não ganhou ao Mónaco? Ou a equipa no último terço do terreno não esteve como deveria ter estado?
- quem defende Samaris no meio-campo benfiquista em jogos importantes não tem a mínima noção do q se passa na equipa do Benfica. O grego é tecnicamente bastante evoluído mas nunca apanhou um treinador que lhe ensinasse 10% sequer daquilo que JJ pretende no seu modelo de jogo. Perguntem a qualquer jogador do SLB como é q o grego se sente e a resposta tem o nome de uma antiga série de TV.
- terá JJ colocado Cristante contra o Bayer por ser o melhor passador da equipa (para tentar fugir à pressão avassaladora dos alemães)? Terá a falta de rotinas sido superior ao acréscimo de qualidade no passe que o italiano oferece?
- terá JJ, afinal de contas, jogado em 4-3-3 na Alemanha?
- terá JJ colocado Bébé (Mónaco) porque ofensivamente pode efetivamente desequilibrar (desmarcações), é capaz de fazer pressão alta e defensivamente teria a sua ajuda na ocupação de espaços?

É giro quando defendemos (90% dos comentários q li defendem isso...) que JJ é mau porque fez uma substituição que eu não faria.

Grande abraço!
http://orgulhosamentelampiao.blogspot.pt/

Anónimo disse...

Sem esperar resposta alguma...de quem lançou o repto sobre Jorge Jesus...
A ideia que passa é que é um grande treinador, melhor treinador Português e tudo!
Agora vamos a factos! Um grande treinador revela-se contra as equipas de mesmo estatuto, inferiores ou superiores?
Jorge Jesus na Lc, enfrenta equipas destes níveis e o que acontece?
Estamos a falar dum treinador com 6 anos de casa...
No campeonato lidera e resolve os problemas porque só é verdadeiramente posto à prova pelos rivais e porque nenhuma equipa do resto da tabela têm capacidade de aguentar 90 minutos a contrariar o estilo de jogo do Slb..
No entanto a ideia de que na LC, não tem qualquer obrigação devido ao plantel que possui, então um grande treinador não se destaca por conseguir lutar sem os mesmos argumentos?
Fica a deixa...

Eduardo Simão

Roberto Baggio disse...

LGS,

Desculpa, mas não te estou aperceber. Tu conheces a minha opinião sobre Bebé ou não? Sabes o que disse dele antes e depois de assinar ou não? Sabes o que comentei nos primeiros jogos que ele fez ou não? Estás a fazer-me perguntas para o qual sabes a minha resposta, e não o compreendo. O que te digo é que, a nível posicional, nos movimentos da equipa, por mais que tenha uma péssima opinião dele, equilibra mais que os citados, porque tem muito mais tempo de trabalho com o treinador. Isso será assim tão difícil de perceber?! Há alguém que tenha criticado mais as contratações do Benfica do que eu? Ou preciso dizer-te para ir as etiquetas? A sério que não o estou a entender de todo, e logo tu que segues isto com bastante regularidade.

"Então não é esse o trabalho mágico de JJ? Afinal..."

O único aqui que acredita em magia és "tu". Dos jogadores, e sobretudo do treinadores. Tu e outra data de pessoas, claro. E acho que por isso devia ser criado um blogue, legião, com o nome "Como fazer magia no futebol".

"E o Talisca sabe-se posicionar?"

Por isso é que ele só jogou com um deles. E por isso é que Talisca saiu e não outro.

"e avança o puto para a ala."

Pois, outro que não conhece os movimentos da equipa. E depois sou eu que acredito em magia. Lê isto (já que das outras vezes pareceste ignorar) : O futebol, de qualidade, não se faz com 11 jogadores lançados ao acaso, soltos em campo. Têm de estar dentro de uma ideia de jogo. E como o futebol/treinador do Benfica tem qualidade, ele faz as suas escolhas baseadas nisso. Em quem está melhor, dentro da ideia de jogo dele.

"Ai basta estar atrás da linha da bola? Ok"

Ter propensão defensiva é o quê? É ir defender quando há possibilidade. E Sálvio e Gaitan, desculpa-me desiludir-te, defendem muito bem! Melhor do que os tais que dizes que dão solidez defensiva, mas ainda não percebem um chavo de posicionamento.

"E viram...e ganham. Mais vezes que JJ."

Ah ganham? Não sei quem. Aliás, até sei. Guardiola. Nestes últimos 5 anos ganhou de facto mais. E o Conte, talvez, não é?

"Oi? Contra o Zénit a sério? Contra o fcp? A sério? Contra o Braga e até contra outras equipa menores que povoam bem o meio campo. Contra o fcp do teu VP era sempre."

pois, como desconfiava. Não há argumento nenhum a explicar o que quer que seja.

"É por isso que alguns, com muitos titulos no bolso, até pedem ainda mais substituições."

Ya, Guardiola, e Conte talvez. Desde que JJ entrou no Benfica.

"Pois...loas que muitos grandes treinadores o referem. Tá bem..."

Pois pá. não sei que grandes treinadores são esses.

"Organizada é diferente de eficiente. "
LOOOOOOL adorei esta.

Pedro disse...

Assim é fácil, o treinador (se for JJ) nunca tem culpa.

Ok.

Vamos vendo os jogos e discutindo. Acho mesmo piada à forma como desculpas JJ. Mesmo.

Aposto que nos tempos do Braga e Belém davas loas ao JJ por ele com menos conseguir fazer tanto. Agora achas que isso não se aplica. Ou então na altura não o elogiavas por isso e estou a ser injusto ctg.

E, já agora, tanto falas do trabalho semanal, que fulano não tem conhecimento das rotinas, etc e tal o que me dizes da maravilhosa opção táctica de abdicar de um dos melhores laterais esquerdos da altura para meter David Luiz a marcar esse potento de jogador chamado Hulk? Ou os treinos semanais aqui, para adaptar a equipa a esta questão específica fizeram todo o sentido? Ou nem treinaram sequer? Foi pancada de JJ no momento?

LGS disse...

Baggio,

Por conhecer a tua opinião sobre o Bebé é que estava a insistir. Queria só ler explicitamente a tua opinião acerca das alternativas porque não estou a perceber se estás só a "defender" a posição do treinador ou se estavas a dizer que se fosses tu tomarias a mesma opção (é disto que duvidava). A minha intervenção nem era como critica ao JJ, só aproveitei a tua abertura aos comentários porque queria saber se tu tomarias a mesma opção nessa substituição. Respondeste agora quando disseste:
"O que te digo é que, a nível posicional, nos movimentos da equipa, por mais que tenha uma péssima opinião dele, equilibra mais que os citados, porque tem muito mais tempo de trabalho com o treinador. Isso será assim tão difícil de perceber?!"

Não é difícil de perceber mas acho que também consegues perceber que, a mim, seja difícil aceitar que, dado um tão fraco desempenho do Bebé sempre que é utilizado, os outros sejam piores. Era só isto.

De resto, e como já disse, acho que dadas as circunstancias (plantel) é difícil fazer muito melhor este ano...


Abraço

PS: Volta lá de vez aos comentários que assim é muito melhor! E pelo caminho abre o Posse de novo!!

Anónimo disse...

Boas,

Apenas uma questão. Urreta, não seria um jogador mais interessante que Tiago?

Anónimo disse...

Descobri recentemente o Blog e a descrição da minha experiência encontra-se bem explanada no dito popular: Um burro a olhar para um palácio. Depois de uma leitura superficial de algumas das etiquetas, encontrei uma frase de Joaozinho sobre o prof jesualdo que resume bem a experiência: "descobri movimentos defensivos que nem sabia que existiam."
Embora já soubesse que grande parte do comentário desportivo na televisão portuguesa tem a cultura e sabedoria de uma batata, encontrar aqui os argumentos reais que dão matéria a essa tese deixou-me pasmado. A diferença de nível é gritante.

Isto leva ao propósito do meu comentário, não para comentar jj, mas para lançar a seguinte questão aos autores:

Pela vossa experiência, a que acham que se deve essa enorme diferença de nível entre o entendimento que as massas têm do jogo, e aquilo que o jogo realmente é?

Acho que nunca se falou tanto de futebol em Portugal, e que até há uma procura elevada de conteúdos. Falta se calhar dar o salto da quantidade para a qualidade.
Avanço algumas possibilidades:

As pessoas não estão interessadas em ver para além dos dribles e das trivelas.

e\ou

Não têm capacidade para ver mais que isso.

e\ou

Não há muita disponibilidade por parte de quem realmente percebe para partilhar esse conhecimento. (obviamente vocês fazem-no, mas não deixa de ser uma gota num oceano)

Abraço,

Barbosa

Anónimo disse...

Epá isto poucos têm esse conhecimento o que nos conduz a dois becos sem saída. Um: nada termos a apontar. Dois: isso aplicar-se a qualquer treinador do Mundo (até os maus, que não é o caso de Jesus)

Anónimo disse...

Unica solucao:
-JJ para treinador so para as competicoes nacionais excluindo contra os outros 2 grandes
-Contratar o Koeman so para treinador nas competicoes europeias e contra Porto e Sporting

Escrutina tu la isto, o Baggio... e ja agora trabalha tu um bocadinho, o preguicoso do caracas.

Guilherme disse...

@ Pedro

crucificas o Jesus por um erro de ha quatro anos, e ainda por cima quando tinha um plantel muito inferior ao do Porto. Meio-campo e ataque então a diferença era descomunal. O Coentrao foi puxado para cima pq ja nao havia nem Di Maria, nem Ramires; sera que o César Peixoto teria feito melhor? Para alem do mais se alguem tinha fisico para aguentar com o Hulk era o D. Luiz. Correu mal que ele sempre teve cerebro de andorinha, mas é um erro aceitavel dadas as limitações do plantel. Nao arranjas melhor?

Eu com o Jesus so tenho uma duvida, comparando o Benfica de 2009/10 para o de 13/15, o modelo de jogo é o mesmo so mudando o esquema tactico no papel (do 4-4-2 losango para o 4-1-1-2-1 ou 4-2-3-1 consoante os gostos)? A zona em todos os momentos, linhas juntas e pressão alta mantem-se claro, mas tenho ideia que o Benfica de 2009 era melhor em organizacao ofensiva, enquanto agora é claro que a ideia é tirar partido de transições.
Existem de facto diferenças ou era apenas reflexo da qualidade individual?

Anónimo disse...

Perante a pergunta porque é que o Guru colocou David Luiz a lateral a marcar Hulk... Silêncio.....
Perante o fetiche Emerson? Silêncio...
Perante a insistência em Artur....silêncio...
O que se nota neste blog é que quando Jesus erra...ignora-se!
Se é para discutir Jorge Jesus convém vermos as qualidades e defeitos ou Jesus tem outra bitola?
Como qualquer treinador temos de analisar os resultados que obteve no passado e atualmente porque são o reflexo mais visível do trabalho dos mesmos!
Se quiserem limitar a esta época quem quis um lateral como Eliseu? Isso é público...
Quem colocou Jardel a titular até à sua lesão?
Os jogadores escolhidos por Jesus não influenciam o desempenho da equipa? É que a maneira como evitam falar das escolhas e das decisões como se não fizessem parte do perfil e capacidade do mesmo...

Eduardo Borges

anonimado disse...

à luz do resultado de Braga q dizes? Q afinal o Benfica só mete um ou dois nos titulares do Braga ou admites q o mestre da táctica nem sempre acerta?

Pedro disse...

Eu uso esse erro pq é um perfeito exemplo do que é JJ. O que não faltam são erros.

Esta noite tiveste mais uma prova do que eu digo.

Mas a culpa da derrota é de todos menos de JJ. Já sei.

Mas concerteza que o plantel do Braga é muito superior ao do SLB, do meio campo e ataque então é descomunal. Ou não.

Não leves a mal Guilherme mas estou um pouco aziado.

GV disse...

Impõe-se uma certa ironia!
Deixem-me adivinhar:

Os treinadores e seus modelos de jogo nada tiveram que ver com o resultado do jogo Braga vs Benfica!

Só o Benfica é que teve alterações de plantel para esta época e o facto de o Braga ter um novo treinador e isso tb implicar adaptação não é para aqui chamado!

Conclui-se assim que os jogadores do Braga, tal como os das equipas da Liga dos Campeões, são melhores que os do Benfica!

É isto não é?

Ou será que o JJ tem que perceber de uma vez por todas que tem que deixar de ser excessivamente obstinado relativamente ao modelo de jogo e que o Talisca ainda não é o jogador que ele quer que seja quando o Benfica não tem a bola?
O JJ sabe de bola como poucos e não tem um 6 estabilizado o que lhe influencia tudo, de acordo! Mas nesse caso porque não abordar o meio campo de outra forma? Gaitan no meio, Samaris mais acima, blá, blá, blá...
Eu sei que o JJ vai meter esta equipa a funcionar bem e que o regresso dos lesionados vai estabilizar muita coisa, mas bolas... da obstinação a uma teimosia exacerbada vai um pequeno passo!

Um outro aspeto curioso é a quantidade de coveiros do Ruben "ElPatego" que por aí andam, e, embora tenha sido eliminado da taça (pelo Sporting, não é propriamente uma vergonha), está a um ponto do Benfica no campeonato e em primeiro no seu grupo da Liga dos Campeões.
Não havendo dúvida de que o grupo do Porto na LC é teoricamente mais acessível, sabemos que o Porto desta época é uma equipa nova com um novo treinador.

Cumps,

Bruno Pinto disse...

Quinto jogo exigente da temporada, quinto resultado negativo. O mestre da táctica que é melhor que o Mourinho anda a falhar.

Entretanto o Quaresma somou mais uma má decisão, progredindo com a bola e no momento certo colocando Aboubakar na cara do golo.

Anónimo disse...

Ouço um braço a torcer? O guru errou?
Ah! Estava a sonhar...não deixa de ser curioso que até agora nenhum artigo sobre o banho tático e excelência contra o Braga....

Marco Matias

Anónimo disse...

Tá visto que estava tudo a torcer para que o Braga ganhasse!

Anónimo disse...

Tá visto é que olha-se mas não se quer ver!