terça-feira, 25 de novembro de 2014

Com este, eu vou a tudo!

Para quem nos lê, não são estranhos os elogios a Montero. É um jogador que muito aprecio. De grande qualidade técnica, e sobretudo de muita inteligência. É um jogador de futebol, como eu gosto que os jogadores sejam. Joga com a cabeça, e tem capacidade para executar com os pés. É um tipo que a cada acção aproxima a equipa do êxito. Depois de a bola passar por ele, fica a certeza de que a equipa está em melhores condições para continuar o ataque. Com espaço, ou sem espaço, percebe com uma facilidade incrível o melhor caminho a seguir. Executa de acordo com a velocidade que o contexto pede, e com a qualidade dos grandes. É criativo! Oh, e como eu adoro jogadores que me ensinam novos caminhos, novas soluções, para o jogo. Com Montero eu aprendo. Mas sei que com ele tudo precisa de estar como ele gosta para conseguir jogar, e para me dar tudo o que pode dar. A equipa, o colega, o adversário, o jogo, tem de ser do seu agrado para conseguir render. Diga-se que o são na maior parte das vezes. Sei também que, necessita da protecção do treinador e com isso da confiança dos colegas, com o tempo do carinho dos adeptos. Coisa que no Sporting nenhum treinador lhe deu. Tranquilidade para continuar a jogar, ainda que não marque golos.

E há Jackson. É inteligente, mas não tão criativo. É forte mentalmente, independente. A qualidade técnica não é superior a do compatriota, sendo no máximo igual. As qualidades físicas, essas sim, bastante superiores a todos os níveis. Cada bola que recebe terá seguimento, porque ele percebe o jogo como ele é: colectivo. Sabe relacionar-se com os colegas sem bola, procurando apoios e rupturas. É um jogador que não dá uma bola como perdida, não se poupa a esforços para ajudar a equipa no seu objectivo: marcar ou não sofrer. Se tiver que fazer oitenta metros para cortar uma transição ofensiva do adversário assim o faz, se tiver que pressionar à toda largura não descansa até o jogo acabar. É feroz a atacar zonas de finalização, e muito inteligente na forma como se procura posicionar nesses momentos. É um jogador de futebol como eu gosto que os jogadores sejam. Agressivo. Joga para o treinador, para os colegas, para a equipa. É um jogador que não tem tanta capacidade de inventar soluções novas, mas que joga todo o tipo de jogos. Não há condições ideais para ele estar em campo, porque seja qual for o jogo, a disposição dos colegas, o ímpeto do adversário, ele está lá sempre. Se o adversário for pressionante ele tem capacidade para segurar e dar tempo para que os colegas cheguem. Não se esconde, entrega com qualidade. Se o jogo estiver muito dividido, em duelos, com disputas de primeiras e segundas bolas ele impõe-se. No caso de os colegas o procurarem no espaço ele aparece, caso os colegas o procurem em apoio ele mostra-se. Quando o jogo segue pelo corredor lateral ele ataca a finalização como poucos, quando a bola entra pelo corredor central ele procura e cria espaços com lógica.

Se tiver de escolher, escolho Jackson. Porque seja qual for a situação ele estará lá sempre. Morre por mim, vai comigo a tudo!

4 comentários:

Futebol Táctico disse...

Publiquei mesmo agora um texto muito parecido. E até estava a pensar fazer um sobre Jackson, Jonas e Montero (os 3 melhores avançados da liga, para mim) e dizer qual preferiria.

A escolha também recairia em Jackson (preciso de ver um pouco mais Jonas) pelas mesmas razões: é mais completo (com isto quero dizer que se adapta a qualquer situação, seja ela qual e como for sem perder um pingo da sua qualidade). No entanto, e porque gosto de jogar com dois avançados escolheria 2 dos 3.

Bom artigo!

DC disse...

É isto, sem tirar nem pôr!

Gonçalo Vargas disse...

Excelente artigo!

jose guinote disse...

O jogo de ontem mais uma vez confirmou, se necessário fosse, a enorme qualidade de Montero. Nuns escassos 10 minutos tanta coisa boa fez Montero. Como se escreve no post a bola nos seus pés aproxima a equipa do sucesso. Se um extraterrestre tivesse aterrado em Alvalade quando Montero entrou ficaria com uma brutal curiosidade para conhecer o ponta-de-lança que o relegara para o banco dos suplentes.