quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

De Enzo a Matic, o modelo de Jesus no corredor central.

Não tive oportunidade de ver o jogo do Benfica no dia de ontem, e enquanto seguia o resumo alargado do jogo oiço o comentador convidado Rui Pedro Braz - Autor de alguns livros da bola - dizer que Matic é muito mais difícil de substituir que Enzo, por Jesus ter agora mais opções, do que durante a transferência do brilhante sérvio para Londres. Diz ele que tem Samaris, tem Pizzi, e que tem Talisca. Três opções que, na sua opinião, vão garantir uma substituição mais pacífica do que na altura em que Matic rumou ao Chelsea. A ideia do comentador, parece-me também seguir a linha generalista do facto de Matic ser globalmente melhor que Enzo. Mas isso é o problema de analisar as coisas de forma geral, sem pensar na especificidade de cada caso. Seria isso verdade se a ideia fosse pegar em onze jogadores e os soltar sem qualquer fio em campo. Mas a ideia, e o fio, é o modelo de jogo de Jorge Jesus.

Ora vejamos, no modelo de jogo de Jesus o meio campo é composto por uma linha de quatro jogadores. Desses quatro, com bola, há dois médios ala e dois médios centro. Todos atacam e todos defendem. Mas há três que atacam mais - assumem mais acções de risco - e um que ataca menos. Focando nos dois médios centro, no modelo de Jesus, um dos médios assume mais as coberturas, e tarefas defensivas de frente para o jogo, por estar na maior parte do tempo atrás da linha da bola, e outro assume mais riscos aparecendo mais vezes à frente da linha da bola. Jogar de frente para o jogo é mais fácil no ataque e na defesa. É mais confortável porque se consegue ler todo o jogo. 

Defender atrás da linha da bola é mais fácil, porque não exige tanto do ponto de vista físico e proporciona  por isso maior sobriedade para que se possa ajustar à situação de forma adequada. Com bola, sempre de frente para o jogo, é mais fácil por haver mais tempo e espaço para decidir e executar. Estás mais longe do adversário, e mesmo que ele esteja perto há muitas referências de passe, pelo que se torna difícil não entregar com qualidade. Assim, se percebe que na posição 6 - ou posição 4, como ele gosta de chamar - de Jesus mais facilmente se consegue adaptar as circunstâncias ofensivas e defensivas do momento. 

Na posição 8 os estímulos são muito diferentes e bem mais complexos, uma vez que pede do jogador maior velocidade, e resistência, em todos os sentidos. Com bola, exige grande qualidade técnica por jogar mais próximo dos adversários, dentro do bloco e muitas vezes de costas para a baliza. Requer grande criatividade para ter sucesso nos espaços curtos, pensar e executar rápido. Exige capacidade para romper a contenção, e acelerar para o espaço que se criou. Exige grande capacidade de aceleração, ou de passe, por ser a referência para iniciar a transição ofensiva. Exige capacidade para chegar rapidamente ao último terço nos lances de ataque rápido. Sendo que no modelo do Benfica o ataque rápido é uma constante, exige uma capacidade ímpar para resistir a esforços de grande intensidade, e alguma duração. Sem bola, por estar mais vezes à frente da linha da bola, exige grande capacidade de resistir ao esforço (manter a sobriedade) para que consiga ler o lance de forma adequada (dada a velocidade a que adversário ataca), e ajustar consoante as circunstâncias do jogo. O esforço para recuperar posições neste caso é bem maior, e por vezes os jogadores não chegam ao lance com o discernimento necessário para o resolver da melhor forma. E por isso, é muito importante que consiga resistir aos esforços sobre-humanos que essa posição específica do modelo de Jesus pede.

Em suma, na posição 6 o treinador tem bastante influência naquilo que é, e poderá vir a ser, o rendimento do jogador. Na posição 8 o rendimento depende, e dependerá, sobretudo, da qualidade individual. E é por isso, e por isso só, que Enzo é, era, mais importante que Matic na era Jesus.

Matic é de facto um fenómeno, e chegou a um nível onde Enzo nunca chegará. Tanto que com Matic Jesus foi obrigado a dar mais liberdade ao que tinha pré-definido no seu modelo, por forma a tirar o maior proveito do Sérvio. Mas as características de Enzo, e o modelo de jogo de Jesus são uma combinação perfeita. Falando mal e depressa, se me perguntassem entre Enzo e Xavi que jogador eu preferia para jogar no modelo de Jesus eu nem pestanejava: Enzo!

30 comentários:

Gandaia disse...

"Rui Pedro Braz - Autor de alguns livros da bola - dizer que Matic é muito mais fácil de substituir que Enzo"

Em vez de mais fácil não será mais difícil o que ele disse.

Roberto Baggio disse...

Obrigado Gandaia

ricnog disse...

Mais uma excelente análise. Mas não achas que jesus vai alterar algumas das suas pre definições, com a saída do enzo? Adaptar a equipa a alguma das qualidades de quem ele espera que jogue ali?mjesus, sempre gostou de ter um medio mais fixo, tipo javi!! Depois com matic mudou a sua ideia....adaptou o benfica para um melhor rendimento....!! Sinceramente acho que se matic n tivesse no benfica, enzo não seria o jogador que.....deu para aprender mt, errando, pois matic colmatava por ser um monstro! Acho q jj na altura prever a saída de matic.....não sei se o fez em relação ao enzo.,.,.,!

Pedro disse...

Baggio, excelente análise.
E se não existir um jogador no plantel com essas características? Deve o treinador mudar a estratégia?

Hélder disse...

O Jesus disse precisamente isso na conf de imprensa. Tirando claro a explicação detalhada.

Muito bom post!

Roberto Baggio disse...

Pedro, eu mudaria... E podia fazê-lo de vários formas:

-Tornar mais rígido o posicionamento da posição 8, e mais flexível o movimento dos avançados: ou seja, ter dois avançados (em vez de só um) capazes de baixar e pegar cedo dentro do bloco.

-Colocar os alas em organização ofensiva a jogar mais entre sectores, com os laterais a serem os únicos responsáveis pela largura. Sendo que um dos laterais ficava sempre atrás da linha da bola. Em posição de transitar rápido para a defesa.

-Ou então subir os dois laterais, por dentro, por forma a serem eles a ocupar o espaço interior. Mas sempre com o cuidado de pelo menos um dos laterais ficar atrás da linha da bola.

-Não pressionar a saída de bola com dois avançados, e funcionar mais com um 10, por forma a fechar o médio defensivo adversário e só sair ao central do lado contrário caso ele ameaçasse progredir com bola.

-A última solução seria Colocar 3 jogadores no corredor central, declarados, sem bola. Dois interiores, e um 6. Última opção, porque isso ia mudar tudo.

xibonda disse...

Desculpem o off-topic, mas porque é que não colocaram o Aderlan Santos na votação dos melhores centrais?

José Moreira disse...

Baggio

Eu sou dos que seguiria a tua última opção (a de jogar com um 6 e 2 interiores).

Apesar de ser a que mais alteraria as rotinas e dinâmicas coletivas e individuais não seria a que protegeria melhor as debilidades de jogadores como Talisca, Samaris e Cristante? Não seria esta a solução a seguir, já que é muito mais fácil encontrar jogadores para esta solução do que para a solução até aqui utilizada por JJ?

LGS disse...

Baggio,

"...ter dois avançados (em vez de só um) capazes de baixar e pegar cedo dentro do bloco."
No actual plantel, Jonas e mais quem?... E só podiam baixar à vez (para haver sempre uma referencia na frente) ou podiam baixar juntos para combinarem e abrir espaço na frente para as diagonais dos extremos?



Off-topic: Quando puderem, (Baggio, Maldini e Bergkamp) podem olhar com mais atenção para o César e fazer a vossa avaliação aqui no blog?

M disse...

Belíssimo texto!

Fejsa, Cristante e Gaitan no centro, salvio e ola/sulejmani nas alas, com Jonas/lima na frente?

DonDon disse...

Baggio, partindo do comentário do LGS, não será já isso que estamos a ver com a tua primeira opção e com o que vimos da dupla Lima + Jonas? Parece-me que é isso, mas implica muita dinâmica dos avançados (aguentam-se?) e que o 8 também ajude a definir no ataque - Talisca de inicio de época precisa-se...

E quanto aos alas mais interiores e laterais na largura, isso será sempre assimétrico, até termos
novamente Eliseu, ou não será que a assimetria ajuda a compensar defensivamente?

um abraço

francisco disse...

Samaris é bem melhor do q o Enzo desmotivado da corrente época.

UNCOMMON disse...

pergunta completamente off-topic para o baggio e quem mais quiser comentar:

a curto-médio prazo não seria o bernardo silva uma óptima solução para render o gaitan? um cérebro à esquerda, para citar o maldini, tal como o próprio gaitan e o joaquin correa que foi tentado?

cumprimentos,
André

Paolo Maldini disse...

uncommon, com a completa perda de qualidade individual q o SLB tem vindo a sofrer, o Bernardo vai mm acabar por entrar no SLB. E esta época já a treinar e a jogar junto dos bichos deve estar a ser super útil.

Vejo-o a poder fazer qq lugar de extremo ou de 2o avançado

Henrique disse...

Baggio, a colocação do Pizzi, que o JJ sempre disse ser para ele um organizador de jogo, na ala direita parece sugerir que o JJ já está à procura de novas soluções dentro do seu modelo. É esperar para ver, especialmente se entrar alguém novo.

B Cool disse...

Baggio, falas dos extremos jogarem por dentro, mas não é isso que permanentemente o Gaitán faz ? Normalmente quem assegura a largura à esquerda é o lateral. Ou seja, por extremos queres dizer o Salvio. Mas será que ele é capaz ? No ano passado com a lesão do Salvio, isso era o que fazia o Markovic, mas acho que a lesão do Salvio vai ser de menor duração e não vejo nem o Ola nem o Sulejmani com confiança para fazerem isso. Se o Maxi assegurar a largura, como o faz muitas vezes, noutras vem mesmo para dentro porque é o Salvio que assegura a largura, será que tem capacidade para passar o jogo todo a fazer piscinas ?

B Cool disse...

Quanto aos avançados virem atrás pegar no jogo, penso que tanto o Jonas como o Lima têm disponibilidade física para isso, mas será, que o Lima tem qualidade ?

As outras duas sugestões (pressão dos 2 avançados e 3 jogadores no meio) parecem-me ser completamente contra o que o Benfica tem treinado desde o início da época e já há vários anos, achas mesmo que há vantagem em mudar, ou sequer que o Jesus pensará nisso ?

Eu penso que serão mudanças impossíveis de acontecer, porque como bem salientaste, há rotinas que são criadas com o treino e a mudança a meio da época apenas serviria para criar confusão em termos de trabalho do treinador.

Face ao que expuseste, eu acredito que a aposta só poderá ser o Talisca, pela dimensão física que tem, face ao que o Pizzi pode dar. Mais do que o modelo mudar, acho que se vai adaptar às características dos jogadores e que aos poucos, quer o Samaris, quer o Talisca perceberão melhor o que o JJ lhes pede. Se não perceberem, Fejsa e Amorim quando recuperarem, tiram-lhes os lugares.

Diogo Jesus disse...

O sulemani a 8 não se safaria baggio?

Baresi disse...

JJ não vai tocar no seu sistema, na sua filosofia de jogo.
Vai sempre jogar com 2 avançados, escolhendo entre o trio Lima/Jonas/Talisca.
Com a lesão de Salvio, embora prefira Ola John e Gaitan nas alas, poderá ser Pizzi a jogar do lado direito, como fez contra o Nacional a fazer de Ramires do 1º ano (com as devidas diferenças).Aliás, ele até poderá (in-extremis) pôr Talisca a partir do flanco direito, para se juntar aos 2 avançados como falso 10.

A minha aposta seria Cristante a 6, Samaris a 8, isto porque neste momento não estou a ver Talisca a ser uma opção válida e fiável para o meio-campo.

Agora, há outro "pormaior" que pode jogar a favor de Jesus. 14 jornadas, feitas, 12 vitórias, 6 pontos de avanço e fora das competições europeias.
O campeonato português é tão fraco em termos de individualidades, que mesmo com as debilidades que o Benfica vai mostrando, pode chegar perfeitamente para ganhar este campeonato, pulverizando os próprios records de Jesus à frente do Benfica. A frieza dos números (que valem o que valem) é que é extremamente difícil marcar um golo ao Benfica. Jogando ou Jardel, ou A.Almeida, ou César, etc etc
E quem tem Lima, Jonas, Gaitan e mais 2 ou 3, tem mais hipóteses de ganhar um jogo (individualmente) a qualquer equipa deste campeonato que qualquer outra (exceptuando o FCP).

O Benfica já jogou fora com o Nacional, Estoril, Braga, Porto.
Das equipas de topo da tabela, e tradicionalmente difíceis para as equipas de JJ, falta ir a Alvalade, Marítimo e Guimarães.
Ou seja, jogue o Manel que jogar, em termos de titulo, vai ser mais difícil Jesus não ganhar o titulo que ganhar.
Em termos de jogo jogado, com as opções que ele tem agora, aposto em Cristante/Samaris ou Samaris/Talisca.

Com Fejsa recuperado (embora não seja um grande fã dele), punha-o a fazer dupla com o grego.

Abraço e bom ano.

MaxiBeça disse...

Eu aposto mais na primeira.

JJ não abdica do Salvio porque ele tem muita intensidade, e capacidades físicas e técnicas que chegam e sobram para a nossa liga. E o argentino não tem inteligência para cortar pelo meio como Markovic, é um jogador vertical e apenas isso. Não acho que o Salvio possa jogar entre setores, é um extremo à moda antiga que só tem aquela maneira de jogar.

Subir os laterais parece-me possivelmente uma das melhores opções, se bem que o JJ pode preferir não mexer na defesa, a organização defensiva e controle da profundidade é um dos pontos fortes do Benfica.

Acho que ele vai apostar em dar mais tarefas de construção aos avançados, o Talisca tem pés para isso, e o Jonas ainda mais.
JJ não deve abdicar da sua pressão alta, que "obriga" ao chuto para a frente, que faz sobressair o jogo aéreo do centrais do Benfica.
Logo deve continuar a pressionar a equipa adversária com 2 jogadores no primeiro momento de construção.

Mas na próxima temporada gostava de ver um 4-3-3 que desse espaço ao Bernardo Silva e ao Djuricic para serem utilizados regularmente.

fui disse...

Parece-me que o mais fácil seria uma mistura das opções 2 e 3. O gaitan funciona bem pelo meio, mas o salvio é muito forte na linha, assim como o ola jon. O maxi é forte na linha e pelo meio, o Eliseu parece-me mais forte pelo meio com o seu remate de fora.
Mas a minha escolha seria a 4 com o Talisca a fazer de 10.
A última opção está fora das ideias do JJ...
Abraços e bom ano, obrigado por cada dia me ensinarem coisas novas!

Paulo Dias disse...

Vocês têm de ler mais jornais eheh, na entrevista do JJ à Bola ele diz que Samaris não vai ser 8 no sistema dele, não tem caracteristicas para isso.

fui disse...

Maldini, pergunta honesta: com uma evolução positiva de Samaris, cristante, ola john, Talisca, bernardo silva, a entrada de um central de qualidade e o regresso dos tantos lesionados não punha o plantel e a equipa ao nível do ano passado?

fui disse...

Mas na conferência de imprensa falou no Samaris como possível substituto do Enzo!

Roberto Baggio disse...

José Moreira. Não. Não. Não tem nada a ver com a posição onde jogam. Mas com o que o treinador pede dessa posição. Ou seja, se ele tornar o posicionamento mais rígido - atrás da linha da bola, na maior parte do tempo - já é completamente diferente, e já há 23343323 jogadores para o fazer, mesmo no plantel.

LGS, Jonas e Lima. É o que há...
Quanto a outra questão, depende. Podia ser isso, dependendo do contexto. Ou podia não ser. Há milhares de situações por explorar dentro da maior liberdade dos avançados.

DonDon não vi o jogo. Quanto à assimetria não tem nada a ver com quem joga ou não. Podia ser o Coentrao, dava igual.

Henrique não vi o jogo. Não sei...

BCOOL, isso não é bem verdade. Vê bem onde é que o Gaitan recebe 90% das bolas. Bem no corredor lateral na maior parte do tempo. É algo que ele fazia o ano passado, mas este ano não tem sido trabalhado da mesma forma. E, também se deve a isso o maior insucesso dele esta época. Por estar a ser mais extremo do que era no ano passado.

Não é preciso ter capacidade física extraordinária para subir quando a bola está no corredor dele, e descansar quando está do outro lado. Quanto ao Jesus, não acho nada. Espero para ver. Não disse que ele vai mudar, ou que deve mudar. Disse que eu mudaria. Mas não sou eu quem trabalha com os jogadores.

Diogo Jesus, não sei. Vi pouco dele.

Ricardo Perna disse...

Na época passada, quando tinha jogos a "doer", JJ usava a última opção: abdicava de um dos avançados e jogava com Matic(Fejsa), Enzo e Amorim. Um meio-campo assim, que venceu o Porto, por ex, se a memória não me falha, garante um domínio de jogo quase total, principalmente no nosso campeonato, mas não favorece a tal vertigem que vocês tanto falam no modelo do JJ, pelo que não sei se ele utilizará esta opção sempre...

Mas um meio-campo a três, com Cristante, Pizzi e Samaris (quando Amorim e Fejsa regressarem, entram diretamente no 11), e Jonas na frente, desde que o Pizzi, que é o mais atacante dos três, saiba acompanhar a pressão do Jonas, é sucesso garantido, digo eu...

Paulo Dias disse...

Ricardo Perna isso aconteceu em 2 jogos, na Grécia e na Luz contra o Sporting para a Taça, não aconteceu em mais nenhum jogo nem grande nem pequeno.E nunca foi um 433 claro.

Pedro disse...

Baggio,

Desculpa só dizer algo agora. obrigado pela resposta.

A minha opção seria os três no corredor central mas ao fim de 5 anos e meio divido que JJ opte por essa solução. Daí ter muita curiosidade, muita mesmo, para ver qual a táctica/modelo utilizado por JJ quando for para o clube que o Maldini acha que ele vai.
:)

Abraços e bom ano para todos.

Ricardo Perna disse...

Paulo, julgo que contra o FCP também aconteceu em 1 jogo. De qualquer das formas, sim, não será um 4x3x3, msa uma aproximação desse modelo, por oposição ao 4x4x2, principalmente em função dos jogadores escolhidos para interpretar o modelo...

Roberto Baggio disse...

Pedro, não é pelos 5 anos e meio. Como disse, seria a minha última opção, também, porque mudaria tudo. No ataque e na defesa. Sabes o que isso implica? Começar a trabalhar tudo de novo?