sábado, 31 de janeiro de 2015

A derrota que espantou o mundo

Ontem, no regresso da Bundesliga Guardiola e o mundo foram brindados com um resultado desnivelado, quando nada o fazia prever. E o que mais se vê, por aí, é a felicidade do mundo por Guardiola se mostrar mais perto dos mortais do que aquilo que verdadeiramente está. O mundo não tenta perceber o que se passou por forma a tirar algo de positivo daí, e apenas está interessado em demonstrar toda a grandeza de Guardiola, tentando apagar tudo o que de novo este trouxe ao jogo. Tentado, no fundo, coloca-lo ao nível dos cumuns mortais, que ganham, perdem, e empatam ao sabor do vento. Mas ele não. Ele ganha, ganha, ganha, e ganha, a jogar um futebol nunca antes visto. E por isso cada derrota é tão rara que é celebrada de forma efusiva pelo mundo que está farto de o ver ganhar, e sempre com uma aparente facilidade que irrita. Percebo que irrite. Mas o que o mundo não percebe é que esta foi mais uma grande oportunidade para se perceber que ninguém precisa de meter um avião na baliza para ganhar a um grande, ninguém precisa de não jogar futebol, de recorrer constantemente a falta, ao insulto, ao chuto na frente sem sentido, para ganhar aos melhores. Contra os melhores, é preciso jogar futebol. É esse o caminho, e é isso que o mundo não viu. Combate-se o futebol com futebol. Alguém que me diga uma melhor forma de ganhar a este Bayern do que a forma como o Wolfsburg soube ter a bola? Não, eles não jogaram em posse. Limitaram-se sim a fazer alguma coisa cada vez que tinham a bola. Alguém sabe uma melhor forma de aproveitar os espaços que o Bayern deixa nas costas do que sair com qualidade da sua zona de pressão, e só depois definir o lance? O Wolfs ontem mostrou a cada transição o que é preciso fazer: sair com a bola controlada da primeira zona, e depois sim procurar o espaço. O melhor espaço, o espaço livre. Com 2,3,4 jogadores pela frente, com tempo e espaço para definir, é tudo muito melhor. Sem uma organização defensiva de top, ontem ganhou quem atacou melhor. E para atacar melhor não é necessário ter a bola mais tempo, só é necessário fazer alguma coisa com ela quando se recupera. Sair com qualidade, sair com ela controlada. Mas isso o mundo não viu, porque o mundo pouco se interessa pelo jogo. O mundo só quer é ver o resultado, sem necessidade do processo. O mundo está contra Guardiola, porque Guardiola obriga a pensar, desfaz mitos, traz novidades, muda as regras, mostra o processo, eleva o nível de jogo. Assim como o Wolfs ontem mostrou o caminho que ninguém quer ver... jogar futebol. 

29 comentários:

Diogre disse...

"Mas isso o mundo não viu, porque o mundo pouco se interessa pelo jogo. O mundo só quer é ver o resultado, sem necessidade do processo."

Tão verdade. Eu desde que comecei a tentar ver futebol e não ver bola, percebi uma série de coisas, e essa foi definitivamente uma delas.

A culpa é deste blog, do possedebola, e de gajos como tu, o Gonçalo e o Honoris.

Obrigado por um lado, mas bolas, chateio-me muito mais a tentar discutir futebol com a malta que só está a discutir bola. E irrito-me.

bom post

Saudações Leoninas

José Lemos disse...

Wolsfsburgo sair bem da zona de pressão?

OK, mas não referes o anormal espaço que os jogadores do Bayern tinham entre si neste jogo? Jogam, tipicamente, muito mais juntos.

Motivos?

Roberto Baggio disse...

Diogre :)

José Lemos, tu é que viste esse espaço, atípico. Vê tu os motivos. E depois diz-me, que estou interessado.

Mike Portugal disse...

Prevejo que o SCP vá ter grandes dificuldades em passar a eliminatória da liga Europa contra estes Alemães.

Paolo Maldini disse...

grande post robbie

José Moreira disse...

Posso ter visto a coisa mal, mas acho que Guardiola demorou demasiado tempo a mexer no miolo... alaba a schweinsteiger nunca foram capazes de jogar no interior do bloco adversario... ainda q tb me tenha agradado a forma como os centrais encurtavam espaço quando a bola caia entre linhas.. achei q gotze podia ter entrado ao intervalo para tentar fazer esse jogo... nao baggio?

Ronaldinho disse...

Está bem, mas e o vieirinha a lateral? Lindo!

Roberto Baggio disse...

José Moreira, não comento substituições.
Ronaldinho, muito bom!!!!

Maldini, obrigado chefe :)

José Moreira disse...

Nem como forma de analisar o que faltava ou não à equipa?

Não vejo mal nenhum em faze-lo numa ideia de explicar o que faltava e o que se poderia procurar de diferente, mas respeito. abraço

José Lemos disse...

Ó Baggio, devolvo-te a pergunta: diz-me tu, que estou curioso, se achas mesmo que o Wolfsburgo goleou um Bayern por 4x1, só por ter sabido sair bem da zona de pressão.

Onde é que o Bayern falhou ontem? Isto se falhou, porque pelo teu texto, e pelo teu comentário, aparentemente o Wolfsburgo ganha a um Bayern que esteve a um nível normal e fez tudo tão bem quanto costuma fazer :)

E note-se, acho o Wolfsburgo uma excelente equipa, e mais do que favorita para eliminar o Sporting.

Roberto Baggio disse...

José Moreira, não o faço. E já expliquei o porquê. Abraço

José Lemos, não me devolvas coisas que eu não disse. Devolve coisas que disse. Se dúvidas sobre o texto, força, eu explico. O resto, deixo para ti, e como disse, estou muito interessado na tua análise. Fico a espera.

Futebol Táctico disse...

Muito top este artigo! Fiz um ou dois também que dizem que não é necessário ter mais posse que o adversário e que a posse de bola não é nenhum princípio e que só por si não aproxima a equipa do sucesso. Não dei nenhum exemplo prático, aqui está uma que serve que nem uma luva!

Baresi disse...

Ontem o controlo da profundidade foi inexistente, aquela dupla de centrais andava á toa.
Jogar sempre com as linhas subidas, quando o jogador que trazia a bola do Wolfsburgo não era pressionado, foi um tiro nos pés.
E atenção que com o Real Madrid o ano passado aconteceu exatamente a mesma coisa, muito espaço nas costas e falta de controlo na profundidade.

José Lemos disse...

O teu texto foi sobre o quê?

Um texto de um "pró-Guardiola" contra uns "anti-Guardiola", assente em psicologia comportamental ou foi um texto a falar de futebol?

É que repito, se foi o segundo, então faltou explicares onde é que, sendo o Bayern melhor equipa, falhou, para o Wolsfburgo ganhar, não por 1x0, não por 2x1, nem por 3x1, mas por 4x1.

Mas como eu acho que o teu texto versou a Psicologia, e como estamos num blog de futebol meteu-lhe umas pitadas do desporto rei pelo meio (para disfarçar o verdadeiro objetivo), só vim tentar deixar aquela que me pareceu a explicação para a vitória gorda do Wolfsburgo: os jogadores do Bayern estavam anormalmente distantes uns dos outros. Não retirando o mérito ao Wolfsburgo, que como disse é boa equipa, e soube jogar.

Se tiveres outra análise, agradeço que a coloques, gosto de discutir visões diferentes.

Se achaste tudo normal, então viva o Wolfsburgo :)

Blog de Portugal disse...

Ok, grande mérito para o Wolfsburgo, demonstraram ser uma grande equipa.

Mas, focando no Bayern, no momento de transição defensiva:

- Perdas de bola no corredor central, ainda antes da entrada da área, o que fazia com que 5/6 ficassem logo batidos.

- Defesa a encurtar espaço, mas a deixar espaço entre a sua linha defensiva e a linha do meio-campo. 2 golos surgem assim.

Que acham? Fariam o mesmo? Pessoalmente só colocar um defesa a encurtar espaço e os outros 2/3 a ficar perto do meio-campo, e tentaria jogar mais por fora, porque se por dentro estava a ser difícil, era melhor jogar com algo mais seguro.

Já agora, que comentário às bolas longas DC-MC(o interior mais longe da bola, a entrar), nos primeiros 25min?

Roberto Baggio disse...

Eu não gosto de discutir futebol, como já percebeste. Só gosto de discutir fenómenos mentais, como se vê, como por exemplo o dobrar colheres com os olhos.

Pronto, a tua análise, desde o início foi essa coisa tão específica quanto os jogadores estarem longe uns dos outros. Como pedi, os motivos, ou em que fases, em que zonas, nada. Nota-se o teu interesse, também aí, em discutir futebol. É aquele da preguiça, que lança um ou outro termo, sem qualquer justificação. Não sei se o aconteceu ou não, pedi uma análise na qual estava interessado e ainda não a vi.
Um abraço e tudo de bom.

Baresi, onde é que o controlo da profundidade entrou em 3 dos 5 golos sofridos contra o Madrid, que foram de bolas paradas?
Concordo que não controlaram nada bem a.profundidade, e que cometem erris básicos. Mas que culpa tem o processo, de Bastian ter escorregado e não ter arrumado logo o lance, por exemplo no primeiro golo?
E que culpa tem o processo, nesse lance, de Alonso ter saído na bola ao invés de recuar para fechar com a linha defensiva? E nesse lance ainda, que culpa tem o processo de Rode não ter.alinhado logo com o central, e só se ter lembrado do sprint depois da bola ter entrado?
Concordo com os erros básicos colectivos da linha defensiva, como o mau controlo da profundidade, concordo com os erros individuais de muitos elementos que a compõem, mas não acho que tenha perdido por aí. Acho que perdeu porque não soube atacar, como está implícito e bem escrito no texto. Atacou mal, perdeu. Aliás, defensivamente, Guardiola nunca foi nada de especial. Alguém é que construiu um mito que a organização defensiva dele era especial. Mas não o é, é boa mas está longe de ser especial. Defende é poucas vezes. Daí tão poucos golos sofridos...

José Lemos disse...

Continuas sem explicar :)

Mas vá, vai lá ver o 3º golo e fala-me do espaço entre os 3 de trás e o resto da equipa. Por exemplo.

É que uma coisa foi um post que colocaram aqui na altura em que foram jogar a Roma.
Outra, é o que se passou ontem. Mesmo modelo, diferentes comportamentos.

E calma, não estou a criticar o Guardiola. Não vás dobrar colheres com os olhos, com a raiva :)

Roberto Baggio disse...

Aqueles 3 que estavam bem dentro do meio campo do Wolfs? Hahahaha não me faças rir, e mostra lá isso com factos. Eu também sei falar a toa. E não, não tenho raiva nenhuma. Pelo contrário. Rio-me dos chavões e palavras que agora andam na moda, como andaram outras por aí. Estivessem eles longe, na linha de meio campo, por exemplo, e não tinham sofrido o golo. Ah, mas estava 1x1. E quando é que No Bayern, ou Barcelona, a última linha de Guardiola não está em igualdade? Pois.

Mostra lá a tua análise, e comparação. Estou mesmo muito curioso vá. Deixa a preguiça.

José Moreira disse...

Então as minhas desculpas, porque nunca vi que o tenhas explicado e aplicado como regra.

Indo então à forma, concordas que o Bayern nunca conseguiu jogar dentro do bloco do adversário? Se sim, entendes como mérito do Wolfs ou demérito Bavaro? Se não, quais foram os erros ofensivos do Bayern?

José Lemos disse...

Mas o problema estava no posicionamento desses três ou no posicionamento dos restantes?

Tu é que estás a assumir que o problema está no posicionamento desses três.
Pergunto: naquela jogada, se o Xabi Alonso é batido no meio, como pode ser a qualquer momento tal como qualquer jogador o pode, a equipa está bem posicionada para o compensar?

E estás a assumir duas coisas bem mais assustadoras:
- que o Bayern perdeu aquele jogo porque atacou mal. Não vendo eu como é que uma equipa perde 4x1 por atacar mal.
- e pior, além disso atribuis a derrota a erros individuais (posicionamento do Alonso, erro de leitura do Rode) e a azar (escorregadela do Schweinsteiger).

Lindo. Mas pelo menos tens tuas teorias. Só que, lamento, essas teorias é que já passaram de moda há muito. E tens colegas de blog que o percebem muito bem e ajudam a malta a perceber também.

Chavões? Chavões são os Anti-Guardiola vs os Pró-Guardiola. Para analisares o futebol mais livremente, deixa lá isso.

Roberto Baggio disse...

Pronto não há análise. Também perdi o interesse.
Abraço

David Cardoso disse...

"Lo que te hace crecer es la derrota, el error" - Guardiola

L. disse...

Esta derrota está explicada no Herr Pep.
Na Bundesliga, quando perdes a bola, se não a recuperas logo, três toques e sofres um remate à baliza.

Parecia o filme do livro ;)

Baresi disse...

Como dizes, a maneira "mais fácil" de complicar a vida a este Bayern é jogar futebol.
Tabelinha. Passa e vai. Disponibilidade física impressionante de toda a equipa do Wolfsburg. Defendeu com todos, e quando saíam da primeira linha de pressão do Bayern tinham sempre 4/5 jogadores para dar opções de passe ao portador da bola, sempre abrindo muito o jogo pelas alas.

Se o Luisão estivesse naquela defesa sexta-feira, o jogo não tinha sido assim. Como vocês já tão bem explicaram aqui, não havendo pressão no portador da bola, a defesa tem que ajustar e dar profundidade.
Isso não aconteceu em nenhum período do jogo. Com o bónus de andar o Alaba perdido em campo.

Falhou o ataque e o meio campo, mas não porque atacaram mal, (mais golos falhou o Wolfsburg) mas sim porque os 5 da frente não souberam ou não quiseram defender.
Eles hoje dão 5 ao Schalke e toda a gente vai dizer que isto foi só um acidente de percurso.
Nos quartos ou meias finais das Champions, quando apanharem uma equipa ou treinador que olhe para este jogo com olhos de ver, e se Guardiola não rectificar posicionamentos/transições, aí é que vai ser pior.
Porque se a dar espaço a um De Bruyne foi o que foi, com um Messi, um Ronaldo ou um Hazard a coisa não vai correr melhor.

Abraços

Roberto Baggio disse...

"Falhou o ataque e o meio campo, mas não porque atacaram mal, (mais golos falhou o Wolfsburg) mas sim porque os 5 da frente não souberam ou não quiseram defender."

O Bayern nem sequer teve ocasiões de golo. E no golo que marcou teve uma sorte incrível. Isso é atacar mal. O Bayern normalmente cria 8,9 ocasiões de golo por jogo. Este jogo criou, 0;1?!

Isso é atacar mal, pra caraças. E não, nada tem a ver com a transição defensiva. Tem a ver com a forma que elegeram para atacar, procurando esticar muito o jogo desde trás, e pouco o espaço entre sectores, ou o espaço de frente para a linha defensiva. aos 39 minutos, e foi aí que na primeira vez o Bayern enquadrou alguém de frente para a linha defensiva do Wolfs, e não foi mérito deles, foi um cruzamento que o Wolfs corta fácil e a bola sobra para esse espaço. Dái podes ver a qualidade do ataque do Bayern nesse jogo: nenhuma!

Baresi disse...

O Bayern teve oportunidades de golo. Não fazem o 3-2 com uma defesa fantástica do Benaglio, levaram o 4-1na jogada seguinte. E tiveram mais oportunidades, está no resumo para quem quiser ver (eu vi o jogo todo em directo).

O Bayern defendeu mal. Pela defesa, mas muito pelo ataque.
Mas também falharam golos, não digas que não.
Mas com Boateng- Dante vão ganhar a liga alemã.
Champions nem pensar

Roberto Baggio disse...

Falharam golos? Tiveram uma oportunidade de golo. Uma. O golo não foi nada Que não sorte. E achas que tiveram oportunidades? Bem. Acho que já não sei o que são oportunidades de golo então.

Baresi disse...

Agora até fico na duvida se vimos o mesmo jogo...
O Bayern tinha rematado mais (lembro-me disso da estatística final, eram uns 15/16 remates contra 12/13 salvo erro, e oportunidades de golo, de cabeça, lembro-me de 3 de Robben (uma ao lado, e duas para defesa do Benaglio) e uma do Pizarro dentro da pequena área.
Se isso não são oportunidades, também já não sei o que são oportunidades de golo então.

Roberto Baggio disse...

Quando o Pizarro entrou ainda havia jogo?
Eu falo do jogo enquanto ele esteve vivo. Tu já percebi que não. Falas do jogo quando esse já não tinha interesse algum.