terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Controlo da profundidade. Contenção e cobertura, defendendo em linhas diferentes. E o defender à toiro da ganadaria profissional da Suécia.

Muito já aqui abordámos relativamente ao controlo da profundidade defensiva. É uma das características colectivas mais complicadas de perceber. Se jogas demasiado baixo, em determinados momentos os sectores ficam demasiado distantes. Demasiado alto, não controlas o espaço nas costas. Tudo depende da distância a que a última linha joga para a bola. Que depende naturalmente da proximidade da baliza e das condições em que o portador tem a bola.


"Eu acho o Jesus fantástico na forma como comanda a defesa, mas digo-lhe já, a maneira como ele trabalha é difícil de seguir. Não é mesmo para toda a gente. Ele exige muito com a história da bola coberta bola descoberta: se o adversário que tem a bola está com alguém por perto, a equipa não se mexe, se o adversário que tem a bola está sem ninguém por perto, a equipa tem de recuar" Quim


Em situações de inferioridade pede-se aos últimos defesas que vão baixando atrasando ao máximo a saída ao portador por forma a garantir que a ajuda defensiva em perseguição ao portador chegue a tempo de entrar na situação de jogo. 

Este comportamento é passível ser visto na imagem de um post recente. Bastando para tal olhar para a imagem reparando no comportamento dos dois jogadores estorilistas. 


O ideal será ir recuando procurando garantir o posicionamento nas duas linhas diferentes, tão abordadas no blog. Contenção e cobertura defensiva.

Mas, claro que todos estes conceitos podem ser apenas vistos em futebol amador. Garantidamente que a imagem mostrada é uma excepção, porque há quem garanta que no futebol profissional se faz diferente. No futebol profissional o Adrien tem de soltar imediatamente a bola porque os futebolistas profissionais não têm capacidade para progredir sem oposição e porque Carrillo iria ficar em fora de jogo. Sim, no futebol profissional os jogadores encontrando-se do lado de fora dos defesas com a bola do lado de dentro (ou seja conseguindo ver tudo) não são capazes de se manter em jogo, nem que tenham alguns metros ainda em atraso (sobretudo quando estão com pica, como perceberemos mais adiante).

Mas, atenção há uma nova teoria muito aplicada no futebol profissional. Para além da dos defesas honestos, claro.


Parece que no futebol profissional os jogadores da defesa movimentam-se em sentido antagónico ao do ataque. Sim, contenção tem tudo a ver com ir a correr subindo no terreno na direcção do portador da bola quando este já progride em velocidade no sentido da nossa baliza. Isso do baixar o centro de gravidade, colocar apoios, ir recuando é só para o futebol amador. No futebol profissional os defesas é que atacam os avançados. 

É óbvio que os defesas do Estoril só iam recuando porque estavam a ganhar balanço para depois num movimento antagónico atacarem o Adrien. Suponho que o nome da nova teoria seja o "defender à toiro da ganadaria profissional da Suécia".

Ninguém sabe ao certo se defender à toiro da ganadaria é uma forma de se tornar num defesa central honesto. Todavia, apesar de Paulo Oliveira mostrar qualidades é sempre de desconfiar quando alguém com este entendimento do jogo faz recomendações. Pelo sim pelo não, nunca vou pedir centrais honestos... 

21 comentários:

BB disse...

Não deviam dar tanto tempo de antena a um picareta ;)

Gandaia disse...

"Se eu tento criar fórmulas sobre a tomada de decisão de um jogador de futebol, outros criam fórmulas que permitem avaliar, ainda que de forma indireta, a tomada de decisão dos departamentos que gerem grandes clubes de futebol (confrontando o valor pago e o valor que o algoritmo disponibiliza)"


Eu acho que em breve iremos ver no futebol profissional professores de Álgebra nos treinos...

Mauro Silva disse...

Não hajam dúvidas que o gajo faz doutrina. Só faz é doutrina no que é errado, mas isso é um mero pormenosr, sem importância alguma. xD

LGS disse...

Mas a defesa pega de cara ou de cernelha?

Gandaia disse...

@ LGS

Eu penso que seja de cara, sempre é mais honesto enfrentar o boi de frente...

Roberto Baggio disse...

Então, mas se, se, se, eles se movem para a bola, então por que não chutar para a frente e correr? É que nem compensa o risco do passe. É que os defesas não o apanham, por estarem no movimento oposto. Até para o Luisao, em condução, esse movimento defensivo é um mimo!

Paolo Maldini disse...

cala-te baggio essa movimentação defensiva é a nova moda em todas as capitais europeias. se fosses profissional saberias!

Hugo disse...

"É óbvio que os defesas do Estoril só iam recuando porque estavam a ganhar balanço para depois num movimento antagónico atacarem o Adrien. Suponho que o nome da nova teoria seja o "defender à toiro da ganadaria profissional da Suécia"."

LOL top!!

Eu jogo futebol do mais amador que há, mas o conceito de linhas subidas ou não é uma coisa que ninguém parece perceber. Bolas!, nem pedia a linha toda, só pedia o jogador mais perto...não percebem que têm de dar uma cobertura de modo a que o adversário, caso o colega seja passado, não tenha nem tempo nem espaço para pensar e executar. Deixam-se sempre estar longe como tudo...

LGS disse...

@ Gandaia

Mesmo que isso implique não cumprir paulatina e tempestivamente todas as etapas do futebol neo-materialista? :P

Baresi disse...

Hoje segui o campeonato italiano com alguma atenção, e o primeiro golo do Sassuelo ao Milão, e o golo do Inter à Juventus são uma bela forma de exemplificar a um miudo a arte de "como não se deve defender".

Aliás, a maneira como a Juventus joga muitas vezes em 1x1 na defesa (como aconteceu no golo) é algo que me deixa perplexo...

Roberto Baggio disse...

Perplexo pq? n conheces o treinador?!

DM disse...

Na situação da imagem apresentada não há organização defensiva que valha. A superioridade numérica do adversário nas condições em que se cria torna praticamente impossível a defesa deste tipo de lances, quer suba quer recue. Aqui não há progredir com a bola ou não progredir com a bola. A partir do momento em que o Carrillo começa a correr e se encontra a 2/3 metros do ultimo defesa o Adrien tem de soltar a bola, pois o risco de cair no fora de jogo é enorme. Aqui o problema foi a execução técnica e não a decisão. Avaliar jogadas através de snapshots é sempre algo muito interessante se começarmos a ter Professores de Algebra nos treinos, mas o próprio JJ, que vocês idolatram, opta sempre pelos videos. Pois avaliar uma situação que decorre durante 20 ou 30 segundos por uma sequência de 3 ou 4 imagens não serve para avaliar rigorosamente nada. No limite, posicionamentos, e mesmo assim...

Zinedine disse...

DM, mantem-te atento que vou-te explicar porque é que és burro:

1. Quem te diz que os autores do blog não preferem também os videos? Se fosses inteligente partirias logo para o entendimento de que sim, preferem. E os leitores também preferiam análises em vídeo, naturalmente. No entanto, criar um snapshot, ou até uma sequencia de snapshots com comentários, é várias ordens de magnitude mais fácil que criar um vídeo. Se calhar é por aí?

2. Uma coisa é analisar uma jogada por um snapshot, como tu crês ingenuamente que está a ser feito. Outra coisa é analisar um snapshot por um snapshot. Até para mim, que percebo pouco do jogo, um snapshot tem vários elementos de análise suficientes para retirar ilações. Alguns elementos são temporalmente independentes, outros fazem intuir o que se passou previamente na jogada, ambos são robustos qb para análise. Compreendido?

Roberto Baggio disse...

para-quedista contra atacaaaaa
algum malandro lhe furou o para-quedas, ups!

Baresi disse...

COnheço o Allegri, de ter sido campeão à umas 3 ou 4 épocas e de ter ficado prai em 7º ou 8º na temporada passada, mas sinceramente não sigo muito a liga italiana.
Ele mudou o sistema táctico da equipa, para uma típica defesa de 4 e para jogadores que estavam habituados a explanar o seu futebol num 3-4-3/3-5-2 parece que está a ser uma alteração um pouco complicada para a equipa. Os laterais subiram pouco, aquilo estava uma confusão.

Mas marcação hxh? Parecia que estavam num jogo à parte, só deles...

O triste é que os próprios italianos não percebem que estão a anos luz do futebol jogado por essa europa fora.

Roberto Baggio disse...

Então não conheces o Allegri :)

Leandro Enzo disse...

Qualquer dia algum friorento escandinavo ainda virá pedir que se naturalize o Maurício porque tem uma agressividade honesta mas pelo menos mantém a bandeirola de canto inviolada... (a baliza que se lixe!) :-)

PS - parem com as referências ao Sueco por favor. Caso contrário aquele ego dispara para níveis incalculáveis :-) Lembrem-se das sábias palavras do Manuel Machado "Um vintém será sempre um vintém e um cretino..."

rochacj85 disse...

Grande post! Obrigado! :)

DM disse...

Até podia perder o meu tempo a discutir com intelectuais do futebol, esse desporto onde alguem com a 4ª classe aparentemente é rei, mas quando se parte para o insulto barato não vale a pena perder tempo :) Deixo só isto: fosse o futebol um jogo tão exato como 70% das análises deste e outros blogs fazem parecer e não teria 1/10 dos adeptos e todos os grandes treinadores seriam verdadeiros catedráticos.
Fiquei com a vossa opinião, que vale o que vale e pode ou não estar correcta que eu ficarei na minha.
Pois quando se desce ao nível de um idiota... :)

Gonçalo Matos disse...

DM,

"Na situação da imagem apresentada não há organização defensiva que valha. A superioridade numérica do adversário nas condições em que se cria torna praticamente impossível a defesa deste tipo de lances, quer suba quer recue."

Daí que a defesa recue, com o intuito de permitir que cheguem jogadores que se encontram em transilção, procurando reduzir a sup numerica do adversario.

"Aqui não há progredir com a bola ou não progredir com a bola. A partir do momento em que o Carrillo começa a correr e se encontra a 2/3 metros do ultimo defesa o Adrien tem de soltar a bola, pois o risco de cair no fora de jogo é enorme. Aqui o problema foi a execução técnica e não a decisão."

Se o Adrien conduzisse, fixasse um defesa e soltasse a bola o Carrillo fica 1x0. Assim ficou 1x1. Quanto ao fora de jogo, ja foi discutido.

"alguem com a 4ª classe aparentemente é rei"

se for JJ, é rei em Portugal e seria rei em muitos outros paises.

Rui Pintado disse...

Boa noite,

estou extremamente aborrecido porque o Dr Sweden deixou de aprovar os meus comentários! Assim, deixo aqui o que queria escrever lá:

Boa tarde Dr Sweden,
não sei se foi somente impressão minha mas fiquei com a ligeira sensação que ficou desagradado com as minhas questões. Eu posso ser um leigo em futebol mas tenho muita sede de conhecimento e tento absorver o máximo de pessoas informadas como o Dr. E percebo toltamente que não queira revelar esses estudos que dizem que os jogadores profissionais com a baliza aberta e a apenas 9, 10 metros e em posição frontal falhem mais do que o que marquem. Não se pode revelar tudo e qualquer dia aqui o aluno ainda passava o dr ;) ;) ;)

Se me permite, tenho mais um conjunto de questões que por certo me ajudarão a perceber melhor o futebol profissional e quem sabe chegar um dia a ser um dos muitos que o leêm que serão lideres e terão um papel importante no futebol.

Imagine o Dr o seguinte cenário.

O lance é o mesmo, mas é o Paulo Sousa que leva a bola, o gr em vez de tentar defender vai marcar o Ronaldo fenómeno.

Nesta situação qual é a melhor decisão, uma vez que o Paulo Sousa tem problemas de finalização?

a) O Paulo Sousa com a baliza aberta, tenta ainda assim passar ao Ronaldo que está marcado

b) o Paulo Sousa espera para que chegue um colega para lhe passar a bola para ser outro a chutar para a baliza deserta.

Sabe dr, eu costumo jogar na rua com os meus amigos e tenho lá um sacana que quando tem a baliza sem ninguém e está a 8, 9 metros dela, marca sempre golo. Ele manca um bocadinho, mas com esta eficácia superior à dos profissionais, não sei se não daria um bom avançado.



nao percebi porque o dr do futebol profissional deixou de aprovar os meus comentários :(