sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

"Ronaldo máquina de execução ... técnica"

"Ronaldo formatou à base de “ hard work “ o seu corpo para se tornar uma máquina de execução técnica que lhe permite estar a um nível altíssimo na execução e antecipação de situações de finalização".

A afirmação é de Fernando Valente, e é difícil recordar alguém que anteriormente se tenha referido ao bola de ouro de forma mais assertiva.

É muito comum, e também verdadeiro ouvirmos centrar muito do sucesso de Ronaldo na forma como evoluíu / caminhou fisicamente. 

Todavia, ainda que Ronaldo seja de facto um monstro físico, é ser um monstro de execução técnica que o separa do comum dos mortais. Quantos outros futebolistas não são tão ou mais rápidos, não têm tanta ou mais força, ou não são mais ágeis que o prodígio português? A forma persistente como trabalha fisicamente para ser cada vez melhor é louvável. Mas, quantos não o farão em igual proporção? 

Ronaldo fisicamente é tudo o que se diz. Mas e como tão bem referiu Fernando Valente é por se ter tornado uma máquina de execução técnica que tem o sucesso que tem. Que marca a infinidade de golos que marca. É na excelência do seu gesto técnico, sobretudo a finalizar (e com qualquer superfície de contacto com que toca a bola!!) que Ronaldo é absolutamente estratosférico! Foi no evoluír do seu gesto técnico a finalizar que atingiu e atinge marcas outrora impensáveis. E não no incrementar das suas capacidades físicas. Ser mais rápido e mais forte não garante sucesso na hora em que o pé toca na bola.



20 comentários:

DC disse...

Sublinha-se mesmo a finalização. Porque no outro dia vi uma estatística que falava dos jogadores com mais dribles efectuados com sucesso na Liga BBVA e o Messi aparecia em 1º com 81. Ronaldo aparecia fora dos 10 primeiros, com 27 dribles, tantos como o Cuenca em metade dos jogos.

Formatou-se para finalizar apenas. Se isso faz dele melhor jogador do que se tivesse trabalhado outras coisas, tenho dúvidas.

Pedro disse...

Concordo a 100%.

Há um pormenor engraçado na fobia de Ronaldo pelo treino e pela melhoria contínua: os livres directos.

A sua eficácia é assustadoramente má, principalmente comparado com tudo o resto em que é, realmente, formidável.

Gonçalo Matos disse...

acredito que se tivesse trabalhado outros gestos técnicos como o fez com a finalização também conseguisse atingir o mesmo grau de perfeição.
mas na realidade decidiu (decidiram?) que se trabalhasse o gesto técnico que mais facilmente permite que desequilibre jogos pela sua acção individual. trabalhando o passe, por exemplo, ficaria sempre mais dependente da qualidade dos seus colegas de equipa, da qualidade que estes tinham de dar seguimento à acção de Ronaldo.
não sei se concordam com isto, até porque acaba por dar uma perspectiva "egoista" e egocentrista ao Ronaldo.

DC disse...

Gonçalo, eu acho que foi uma opção dele e acho que decorreu principalmente do confronto com Messi e da obsessão com a bola de ouro. Ele percebeu que precisava de números para lutar pelos troféus individuais com Messi e apostou na obtenção dos números.
Antes de Messi, ainda em Inglaterra e aquando da sua primeira bola de ouro, era um jogador diferente.

Roberto Baggio disse...

Mas decidia pior do que agora DC...

Gonçalo Matos disse...

eu também acho que passou por ele e, sendo treinado pelo Mourinho, o mister até deve ter chorado de alegria.
sim,decidia pior. mas também decidia pior há dois, tres anos no Real do que agora.

Valter Ribeiro disse...

Opah decidia pior também por estar em inglaterra onde o futebol só se joga para a frente...

Mike Portugal disse...

Por acaso o leitor que falou dos livres diretos, fez-me lembrar que a sua eficácia a marcá-los diminuiu um bocado. Será que ele anda a descurar essa parte do treino?

Futebol Táctico disse...

Este post vêm um pouco na senda do nosso debate no chat do Posse. Continuo a dizer que Messi é muito superior por oferecer muitos mais ao jogo da sua equipa e por ir de encontro às minhas ideias de jogo e forma de ver o Futebol. O Ronaldo é fortíssimo na finalização. O mais forte, sem dúvida. Qualidade (no gesto, seja ele qual e como for) e eficácia (muitos golos, leia-se). No entanto isso é, como disseste, 5% do jogo. Para mim, deveria melhorar tudo o resto de forma a chegar, pelo menos, perto do patamar do astro argentino. Não te sei dizer se era ou não melhor jogador se tivesse decidido focar-se noutros aspectos (principalmente cognitivos) do seu jogo, tão pouco se iria ganhar tantos troféus. No entanto, eu preferiria. Em termos de qualidade técnica, acho que deve melhor no passe e recepção, parece-me um pouco menos forte. É, apenas, a minha opinião.

Artur Semedo disse...

pessoalmente, entendo as coisas precisamente na lógica inversa da do Gonçalo: esta especialização obriga a que o resto da equipa seja capaz de criar condições para que ele possa pôr em prática aquilo em que se tornou. quero com isto dizer que, se equipa, seja por não ter qualidade suficiente (como sucede na selecção), seja por ter sido completamente anulada num determinado jogo, ou seja por ter um modelo colectivo mediano, não for forte, ele não é tão capaz de oferecer qualquer coisa que compense essas fraquezas, quanto seria se não se tivesse especializado somente no derradeiro momento ofensivo. dito de outra forma, se a ribeira secar a meio do caminho, ele também não a consegue levar até ao mar.
se, pelo contrário, ele tivesse dedicado mais aos momentos anteriores à finalização, mesmo que ele não tivesse um "ronaldo" a quem passar a bola, por muito criar acabaria sempre por contribuir mais.
resumindo, e na minha forma de ver, é uma certa diferença entre estar apoiado por dez gajos para se evidenciar como o melhor e estar integrado num onze em que ajude os outros dez a serem igualmente melhores...

bolas de ouro, no cu, e às dúzias! :D

DC disse...

Verdade Baggio, mas também tinha mais bola do que tem agora.

DC disse...

Estou a bater palmas ao comentário do Artur :D

Calheiros disse...

http://twentyminutereads.com/2015/01/12/faster-higher-stronger/

José Moreira disse...

Até por aqui se percebe a dimensão estratosferica de Messi.

Ronaldo trabalhou/trabalha a sua dimensão física e técnica de finalização, tendo-se tornado numa das mais impressionantes máquinas finalizadoras da história. Por seu lado, Messi executa a uma velocidade inigualável, sendo muito melhor na decisão, sem perder por muito na finalização.

Será fantástico um dia poder dizer ao meu filho que vi estes dois a top, muito para lá do que o youtube poderá guardar.

Futebol disse...

LOOOL o FÍSICO?!!! Deus me livre!! ainda tanto mas tanto aprender sobre o Homem!

Filipe Martins disse...

Ainda que não concorde com esta dimensão física, e especialização de finalização do Ronaldo. Pois a unica coisa que me parece que o Ronaldo ganhou no Ginásio foi musculo, ele não trabalhou a técnica incessantemente. Tecnicamente ele sempre foi fortíssimo, nos iniciados por exemplo jogava a 10 e dava cabritos no meio campo (tinhas uns 45 kg lol), virgulas, tesouras quando só meia duzia ainda as fazia(no mundo) com regularidade em jogo. A sua tecnica de passe e recepção são tão boas quanto um jogador de 180 para cima, ou seja com maiores dificuldades do que jogadores com 170 para baixo, assim como a sua capacidade de drible. Ter um centro de gravidade mais baixo ajuda e de que maneira, na altura do arranque e sobretudo em espaços curtos. Dai o Messi ser mais eficaz. Agora o que na minha opinião distinque Messi de Ronaldo e talvez concordem ou não está na equipa. Messi joga numa equipa onde 100% dos seus executantes prima pela tomada de decisão, a sua academia prima pelo ensino do jogo e pela tomada de decisão e Messi cresceu nesse meio ao lado de jogadores que são o Terror dos Terrores, Xavi, Iniesta, Busquets. Ronaldo nasceu numa academia Sporting onde o Modelo era 2 3 passes no meio e bola nos corredores, para depois os craques resolverem no 1x1 ou 1x2. Foi para Inglaterra, onde o panorama era ainda melhor, com mais espaço para as correrias e tempo para executar, deram-lhe massa muscular (porque em inglaterra pensa-se com o musculo, mas o rapaz também se lesiona menos) aprendeu a aparecer em zonas de finalização e o que já tinha acabou por torna-lo numa maquina de golos. Quando chegou a Espanha os treinadores mudaram o estilo de jogo do RM de forma a torna-lo mais rentável para o Cristiano, mais transições menos passes, mais espaço. E na minha opinião Cristiano é assim Forte fisicamente, peca na tomada de decisão talvez por nunca ter tido uma equipa ou um modelo que o ensinassem a fazer as coisas de outra forma. Agora o rapaz é eficaz, tal como o Messi, só que ao Ronaldo já o vi jogar em 3 campeonatos ao Messi ainda só o vi jogar numa equipa, acho que era engraçado vê-lo em Inglaterra só pelo gozo de ver se numa equipa sem magos conseguia ser tão eficaz mesmo tomando melhores decisões que o Cristiano. Atenção são 2 filhos mas gosto de dos 2 de forma diferente ;)

fui disse...

Este período da história do futebol estava destinado a ser considerado a Era Messi. Só Ronaldo conseguiu alterar isso, transformando-se e lutando para ficar na história, não como o melhor de sempre, mas como alguém que com um inigualável esforço e persistência conseguiu que seja impossível falar deste período sem ser a Era de Messi e Ronaldo. Se não tivesse alterado a sua técnica de finalização para obter estes números estratosféricos hoje não seria mais que um Robben, por exemplo. É também preciso entender que nunca alguém conseguiu fazer algo assim na história do futebol: ganhar bolas de ouro com estilos de jogo completamente diferentes, alterar a sua forma de jogar mas atingir a perfeição nas duas formas. É essa capacidade que faz de Ronaldo algo único na história do futebol.

João disse...

Messi e Ronaldo fazem-me lembrar Federer e Nadal no tenis. Também nesse desporto parecia já estar a história (da era moderna) feita e em 10 anos o record de Slams do Sampras é batido por dois jogadores.

Dois jogadores distintos a um nível (para as suas funções) estratofericos. Um jogador que parece uma máquina perfeita em execução técnica e decisão e outro de com níveis físicos alicerçados sobre um talento.

Há muitas semelhanças nalguns pontos. Ex: cada um teria mais títulos individuais se não existisse o outro (roubam títulos um ao outro) e o extremismo dos fãs de um e outro que não reconhecem o mérito do adversário.

J. Saro

joao santos disse...

Como alguem ai falou. Ronaldo é tambem o jogador da historia do futebol que conseguiu ser um dos melhores do mundo, com 2 estilos de jogo totalmente diversos. Nunca um jogador mudou tanto. Quem vê o Ronaldo de 2006 2007 nos videos e o de hoje, vê um mundo que os separa. Evolução positiva? Não sei se...mas de uma forma ou de outra é brilhante no que fazia e no que faz hoje.

Tenho pena que a ultima imagem seja a que sempre fica. E um dia quando se falar de Ronaldo, recordarão um jogador esforçado e dedicado VS talento inato de Messi. E essa história redutora nao conta tudo. Ronaldo tinha tambem magia e muito talento. Mas na era de Messi, de um talento inalcançavel, focou-se exclusivamente nos numeros e perdeu muito encanto. E o encanto é essencial para adoçar as memorias e aquecer os coraçoes, quando daqui a umas decadas for momento de se decidir o lugar reservado aos dois, nos melhores da historia do futebol.

Quero tambem destacar um detalhe que à partida parece estupido(e muitas vezes acho que é), que sob o foco da racionalidade é ridiculo, mas que após visionar, comparar e antes de se iniciar um jogo, saber mais ou menos o que se vai passar, acaba por me dar uma convicção plena do que vou dizer.

Chuteiras escuras são kriptonite para C.Ronaldo. No inicio pensei que se tratava da minha percepçao como espectador. Mas depois, fiz o tal exercicio. Quantos dribles nos jogos com chuteiras claras, quantos com as escuras. Ha qualquer coisa nele, um interruptor que o faz ter mais vontade e tratar a bola com mais suavidade quando joga com claras. Reparem nessa merda. É inacreditavel a diferença. Quando joga com as claras, conduz a bola mais colada ao pe, da mais toques curtos na conduçao o que facilita do dribe. Eu dizia aos meus amigos, e riam-se e eu era um maluco. Entao, começaram a reparar e a dar-me razao. Ninguem sabe explicar o porquê. Depois eu e outro maluco, juntamos uns videos que pululam por ai, com todos os toques dele nos varios jogos e fomos estatisticamente, contando os dribles com sucesso, chuteira escura vs clara. Voila, grande diferença. A serio, é uma cena surreal. Nos poucos trechos de epoca em que ultimamente ele vai usando chuteira clara, é como se o seu corpo recordasse os antigos movimentos, como se parte da memoria motora so se reconhecesse dessa forma e o bicho volta a deslizar com elegancia.

martin vazquez disse...

acham que messi com o passar dos anos irá tb passar por este processo e tornar se acima de tudo um finalizador ou imaginam o a recuar um pouco no campo e ser mais um jogador de ultimo passe?