terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Tomadas de decisão na zona de finalização. Exemplifica um miúdo de 11 anos.

Miúdo(s) de onze anos a exemplificar o que tantos adultos não conseguem sequer perceber.

2x1+GR. Deve-se sempre fixar e soltar?

Não! Deve-se progredir fixando, mas a decisão seguinte depende da linguagem corporal do adversário, naturalmente. Se este tapa a linha de passe, ou se se preocupa mais com o adversário sem bola, há que progredir até ao fim.

Ora veja:

video

E ainda 2x0+GR (entretanto chegou a ajuda).

O mesmo miúdo de onze anos exemplifica o que é aproximar a equipa do golo.
O Guarda redes fixado continua centrado no portador. Que opção deve ser tomada?

Ora veja:


video

24 comentários:

PedroF disse...

Ou o miúdo é treinador por vocês ou anda a ler este blogue :)

PedroF disse...

Uma pergunta, como é que o miúdo, no segundo vídeo, conseguiu marcar aquele golo? Não é nenhum Paulo Sousa, vê-se logo. Estava à espera que aquela distância a bola tivesse ido parar à bancada.

Paolo Maldini disse...

ahahah pedrof, que grunho...sp a dizer q no fut profissional é assim e assado, e depois acha q os profissionais n sao capazes de fazer merdas que putos de 11,12,13 anos fazem (fugir aos fdj,etc)

Maddox disse...

PedroF, se calhar no FM tem grandes skills no remate... o Paulo Sousa não tinha! loooooool

João disse...

Só acredito nessa do P Sousa se derem o link do blogue... eheh

É que uma coisa é não perceber nada disto... tipo eu... mas há limites.

J. Saro

Rui Pintado disse...

Como o dr sweden começou a bloquear os meus comentários, queria partilhar aqui o que lá deixei:

"n aprova os meus comentários?" escrevi

"Você está obcecado com o meu blog. Porque não cria um blog a falar sobre o meu blog? Está na moda."

"dr, mas não foi o dr que criou um blog a falar dos outros blogs…? Eu quero seguir o mestre, mas sinto que ainda é cedo…" disse eu

"lol" respondeu o herudito

depois já não passou na censura o comentário seguinte:

"dr, fui ver o histórico do blog. Criou-o a 10 Outubro e 2 dias depois já só falava de outro blog…e andou a cantarolar parvoíces sem ninguém lhe passar cartão.... até que depois de tanto insistir lá foi enchovalhado, desmascarado, humilhado... até que já ninguém lhe passa cartão... primeiro era o guru do futebol profissional, depois nos comentários baixou a crina depois de exposto ao ridículo. enfim, morreu e toda e qualquer visita já só serve para o tornar alvo de chacota. E agora ainda nega que criou o blog logo para falar dos outros...? o mais que conseguiu foi reunir meio duzia de exilados dos blogs q o expuseram ao ridículo..

e agora adeus, pq também eu vou tentar aprender com quem sabe qualquer coisa! Sinto-me defraudado consigo, doutor!"

Roberto Baggio disse...

Conheço esse puto, e tem 12 anos hahahahah Craque.

PedroF, o puto tem uma enciclopédia de futebol em casa, não precisa de ler o blogue para nada :)

Ps, o Bergkamp dentro de dias mostrará um de putos de 9 lol. Se calhar n é preciso

PedroF disse...

Baggio, como treinador, como é que lidas com jogadores destes que são tão novos e já sabem (quase) tudo? Qual é a relação deste tipo de jogadores com os colegas? Há partilha de conhecimento?

PedroF disse...

Baggio, como treinador, como é que lidas com jogadores destes que são tão novos e já sabem (quase) tudo? Qual é a relação deste tipo de jogadores com os colegas? Há partilha de conhecimento?

Leandro Enzo disse...

Criei um algoritmo onde coloquei as variáveis "tomada de decisão" e "patetice" e cheguei à seguinte conclusão:

Tomada de decisão
Miúdo de 11 anos - 100
Dr. Turco - 0

Patetice
Miúdo de 11 anos - 0
Dr. Turco - 100

Abraço

Dennis Bergkamp disse...

Se alguém estiver disponível para abraçar um projecto ambicioso, e tiver interesse em iniciar-se nas lides de analista de jogo... É uma questao de dias até que miúdos de 8 e 9 anos apareçam em video a replicar o que está neste post.

O mais incrível é que isto também é possível em adultos, não há nenhum fenómeno na puberdade que retira inteligência as pessoas.

Roberto Baggio disse...

PedroF, dou-lhes muito carinho, e mostro aos outros que aquele é o caminho a seguir, reforçando as acções dele. Tento não obstruir no crescimento deles, e colocar-lhes em dificuldades no treino.

A relação destes com os colegas é perfeita. Os colegas reconhecem um craque, e tratam-no bem sempre. quanto a partilha de conhecimentos depende da personalidade. Já tive jogadores que o faziam, e já tive outros que nem abriam a boca...

José Lopes disse...

Já viram esta entrevista ao JJ?
https://www.youtube.com/watch?v=o-mcgJqRsIk

Roberto Baggio disse...

eu ja vi... os outros n sei...

rochacj85 disse...

Top!

Dennis Bergkamp disse...

Eu a pensar que a entrevista era nova...

óbvio que vimos =)

PedroF disse...

Baggio, não te parece que o jogador que faz tudo bem explicar aos colegas o que fez e como fez é das melhores formas que os miúdos têm de aprender? Aprender com os pares, com os da sua idade, com aqueles a quem a qualidade, parece-me muito saudável, até numa óptica de crescimento pessoal.

Roberto Baggio disse...

Parece...

Pedro Ferreira disse...

"Roberto Baggio14 de janeiro de 2015 às 12:25
PedroF, dou-lhes muito carinho, e mostro aos outros que aquele é o caminho a seguir, reforçando as acções dele. Tento não obstruir no crescimento deles, e colocar-lhes em dificuldades no treino."

Podes elaborar melhor? O que queres dizer com tentas não obstruir no crescimento deles e colocar-lhes dificuldades no treino?
Não são esses aumentos de dificuldades com os estímulos certos que os farão evoluir?

De que maneira preparas, ou tentas criar bases, para que esse miúdo que por enquanto se destaca, continue a ser superior aos outros nos escalões superiores?

E já agr a título de curiosidade pois foi coisa que vivênciei ao longo dos anos que joguei, quando esse miúdo que é superior aos outros têm comportamentos negativos ou opções de jogo prejudiciais há equipa ou há tua ideia de jogo, é chamado há atenção? Ou preferes uma abordagem mais soft de modo a que o continues a ter na mão?

Abraço

Roberto Baggio disse...

Quero dizer que não lhes dou grandes indicações sobre comportamentos ofensivos. Pq alguém que chega a tenra idade e já sabe "tudo" sobre o jogo ofensivo, deve ser estimulado para continuar a descobrir o resto. Ou seja, crio o contexto de dificuldade, e ele que o ultrapasse sozinho. EX: atacar em inferioridade... Tento, sobretudo não limitar as opções dele ao nível da tomada de decisão. Outro exemplo: Colocar as possibilidades todas de passe fora do bloco, ou todas dentro sem largura, e ver como é que ele resolve... Coisas do género. Quando nda disto servir, tem de subir de escalão. Simples. lol. tenho um de 2005 a jogar em 2003 por isso. Apesar das dificuldades físicas, trata a bola como nenhum outro de 2003.

Nestes escalões não há ideia de jogo... Há potenciar das qualidades individuais deles. T~em obviamente algumas opções que prejudicam a equipa, mas aí, nunca critico... discuto com ele. pergunto-lhe o pq dessa opção, pgto se havia outras, tento-o entender. E depois continuo por aí, se jogasses ali, o que achas que acontecia? e se jogasses no outro? tento perceber a intencionalidade. no fundo o que quero é desenvolver isso, que todas as acções sejam intencionais, "conscientes"...

Pedro Ferreira disse...

Insisto novamente neste aspecto porque como te disse joguei tanto fui 11 e fatal em divisões a sério e cruzei me com colegas muito acima da média mas que a percepção do jogo, não sei se derivada da idade ou do Que, era muito baixa.. Chegávamos ao ponto de não cumprir jogadas treinadas nem respeitar posicionamentos porque sabíamos de ante mão que esse colega não ia efetuar o que tínhamos treinado.. A nossa evolução como equipa estagnou nesse ano pq basicamente ele jogava sozinho e resolvia muitos jogos e colectivamente deixamos de ser uma equipa forte.

Deparas te com situações destas? Ou não se coloca esta questão?

Roberto Baggio disse...

Pedro, estou a falar de miúdos de 11 anos. e aí não há problema nenhum... é aí que ele tem espaço para ser prejudicial ao crescimento colectivo pq o que interessa é o individual, n o colectivo.
Chegado aos inicados (13/14 anos) se continuar tão forte individualmente que resolve tudo sozinho, é subir de escalão que aí de certeza que não vai ter o sucesso individual desmedido. e vai ser obrigado a procurar por outras soluções...

Pedro Ferreira disse...

Então deixa-me colocar-te a questão noutra perspectiva.. És treinador de juniores por ex.. tens um Fábio Paim da vida na tua equipa..

Que tipo de estímulos se podem criar para que ele continue a evoluir e não a estagnar?

Eu lembro-me que joguei contra o Paim quando ele estava nos juvenis do Sporting se não estou em erro, e na 1ª parte o menino jogava à direita, e na 2ª à esquerda..mas o jogo todo era uma brincadeira para ele.. fazia o que queria com a bola, desmontava a nossa equipa toda, voltava para trás e repetia a dose,e eventualmente quando os minutos começavam a passar lá ele marcava uns golos ou criava umas jogadas que resultavam em golo.

Naquela altura era de facto fantástico naquele contexto..

Se tivessem numa situação idêntica que abordagem teriam?

Roberto Baggio disse...

Subir de escalão. Está respondido acima. Se é fácil para ele, é preciso continuar a dar dificuldade para evoluir. Nos seniores, o sucesso das suas acções nunca seria igual.