sexta-feira, 27 de março de 2015

Miguel Leal, treinador do Moreirense.

Porque sentado no café tudo é sempre demasiado fácil, as dificuldades de um treinador nas palavras de Miguel Leal.

"É sempre um desafio escolher os jogadores. As pessoas às vezes dizem que conhecem os jogadores, mas eu só conheço os jogadores quando treino com eles. Quando estão noutra equipa só os conheço de os ver jogar. Tenho uma noção do valor competitivo e de rendimento que pode dar, mas não conheço a pessoa em si. É importante conhecer a pessoa, para que se possa rentabilizar o máximo que podem dar"

"Agora sim (risos). Ultimamente está a aparecer, mas quando cá chegou... Foi uma luta, vocês não sabem a luta que foi para conseguir transformá-lo neste jogador; e ele com alguma resistência. Agora já olha para trás e diz que valeu a pena. Ele agora já vê um futuro muito mais risonho" Sobre a capacidade de Battaglia para "rasgos individuais"


4 comentários:

Bonga disse...

Desta entrevista fiquei com a sensação que a metodologia do ML assenta muito numa espécie de "periodização" que é mais psicológica do que propriamente táctica. E quando digo periodização refiro-me concretamente a isto:

"Considera a componente emocional tão importante como a tática?
«Tem um lugar muito importante. Na nossa equipa tem. Dou grande atenção a isso. Muita. Todas as semanas dou uma palestra sobre questões desse género: controlo das emoções, formação de objetivos, atitudes de sucesso, funcionamento do cérebro, inconsciente, dor…» "

E a isto:

"Teoricamente em determinadas fases podemos fazer x pontos, noutras y pontos; isso vai tirando pressão em alguns jogos. Às vezes, o adepto, os próprios jogadores e a imprensa, valorizam muito uma vitória e depois desvalorizam outra. O jogador anda muito entre o oito e o 80. Com esta estratégia focalizo os jogadores num conjunto de jogos que lhe vai permitir atingir os objetivos. Às vezes o rendimento é mau num jogo, mas consegue-se recuperar noutro, às vezes até onde menos se conta. Conseguindo um objetivo, temos logo outro a seguir. Isso vai dando confiança, tranquilidade e faz com que jogue menos ansiosa. É uma estratégia diferente, reconheço isso».

«Se estiver numa equipa grande de certeza que terei de arranjar outra estratégia, mas para uma equipa de média dimensão penso que tira muita pressão. Por exemplo a questão de jogar em casa; jogar fora vale exatamente os mesmos pontos. Jogamos para fazer pontos, o que interessa é no final de cada ciclo ter aqueles pontos e se assim for a equipa está no caminho certo.»
"

Concordam?

Rui Cesar disse...

À pergunta:
Qual é a sua ambição máxima enquanto treinador?
Miguel Leal responde:
«Chegar à Premier League ou à Bundesliga.

O chegar a estas ligas depende muito da visibilidade que ele possa atingir na sua carreira.
Mas queria perguntar se acham que o Miguel Leal é um treinador para agarrar um lugar num dos 3 grandes? Pelo menos em comparação com os que lá estão actualmente, JJ, Lopetegui e Marco Silva.

Cumps,
Rui

David Cardoso disse...

Gosto muito do Battaglia, no próximo ano vai ser interessante ver ele naquele meio campo do Braga juntamente com o Tiba, tendo em conta que não acredito que o Danilo ainda continue no Braga pro ano.

João disse...

Offtopic:

http://www.espnfc.com/blog/espn-fc-united-blog/68/post/2367302/lionel-messi-and-wayne-rooney-show-us-that-football-is-a-thinking-game-simon-kuper

Só mais uma confirmação da "predominância do cérebro sobre o físico"!