terça-feira, 28 de abril de 2015

Na área a cobertura é na linha da bola

Há poucos dias atrás, escrevia no meu facebook o que já estão fartos de me ver escrever no blogue. Jorge Jesus, este homem que não se sabe expressar correctamente na sua língua mãe, que não fez um curso superior de desporto, que não assistiu a nenhuma aula que lhe ensinasse futebol, é o grande operário da revolução defensiva desde Arrigo Sacchi. Parece impossível que se possa catalogar como génio, um tipo que não tem uma relação académica ou um vocabulário adequado, nem tão pouco que não domine todas as competências, dizem, que se exigem ao treinador. Mas na sua área de trabalho e neste momento específico do jogo - o defensivo - não há ninguém no mundo que se compare. Ele inova, revoluciona, aponta o futuro. E isso é ser genial!

Apesar do Benfica não ter estado presente no jogo entre Porto e Bayern, o golo de Boateng de imediato me levou a tecer considerações (no facebook) sobre a mais valia de Jesus para a evolução do jogo. Tendo eu mostrado em comparação um lance que ocorreu na meia final da Liga Europa, em Turim, realçado pelo grande Allas, aqui. Não há melhor forma do que a comparação para mostrar as vantagens e desvantagens de cada abordagem, e o risco que cada uma delas acarreta.
video

A habilidade para transmitir as ideias aos jogadores, a coragem para lhes entregar novidades que para a esmagadora maioria são apelidadas de perigosas, não tem preço. As coisas são simples, quem quiser aprender como se deve defender no futebol moderno que venha a Portugal fazer um estágio com Jesus, que ele lhes mostrará nada menos que perfeição. Neste exemplo, poder-se-ia tirar que, o Benfica o faz para aproveitar o fora de jogo nas situações de bola parada. Mas para quem está acostumado a analisar o Benfica percebe que, a ideia é superior ao momento estático e está presente em todos os momentos em que a bola entra na linha da área. Ou seja, na área a cobertura é na linha da bola. Tudo o resto é do Guarda Redes. A ideia, como sempre, como em todos os momentos, é afastar o adversário da baliza, é tirar-lhe espaço útil de jogo, é fazer campo pequeno, ainda que a maioria caia na tentação de tentar meter jogadores em cima da linha de golo quando aumenta a proximidade ao Guarda Redes. Defender da mesma forma quando bola está na área do adversário ou na nossa dá imenso trabalho.

Tal perfeição em todos os aspectos defensivos só é possível pelo foco e obsessão do treinador por esse momento. Pela vivenciação constante dos mesmos princípios no treino, pela vivenciação constante desses mesmos momentos em jogo, pela exigência constante do treinador a cada lance que ocorre em jogo, pelo treinador não colocar a jogar quem não seja competente no cumprimento destas tarefas. Imaginando que o Benfica jogava como o Barcelona de Guardiola esta perfeição no momento defensivo nunca seria possível. Porque o foco do treinador seria dividido de forma diferente pelos momentos do jogo, e também os jogadores não iriam experimentar de forma constante, em jogo, o momento defensivo.

Para marcar um golo ao Benfica quando o nível de aquisição dos comportamentos colectivos é este, quando o nível de foco é este, é preciso ser excelente na forma de atacar, ou ter muita sorte. E isso diz muito da bitola actual do treinador encarnado.

36 comentários:

Roberto Baggio disse...

Para finalizar, e porque me lembrei agora, muitos de nós não nos lembramos mas esta forma de defender (nos cantos em particular) já deu uma derrota ao Benfica e das grandes - final da Liga Europa contra o Chelsea. O golo de Ivanovic... Se Maxi (creio) não tem saído do poste teria cortado o lance. Jesus desistiu dela pelo insucesso imediato? Não. Ajustou colocando jogadores mais fortes a atacar a zona central e o segundo poste. Os frutos estão aí.

Manuel Sá disse...

Grande texto!!! Continua a falar de futebol que ninguém se farta!!!

Manuel Sá disse...

Grande texto!!! Continua a falar de futebol que ninguém se farta!!!

Same Old Guy disse...

Se me permite a minha modesta opinião...

Jesus evoluiu muito e fê-lo num grande, o que nem sempre é fácil, pois pedem-se: resultados, resultados, resultados!

Só espero que Marco Silva, o possa fazer também - evoluir - o que não é fácil, num clube onde por norma falta SEMPRE "paciência".

É um sentimento agridoce, ver o meu Sporting jogar esta época. Há tanto para melhorar, mas mesmo assim, houve tantas coisas positivas. Olho para o percurso de Jesus no Benfica e fico com esperança em relação a Marco Silva.

Grande blogue. Tenho andado a ler e gosto muito do seu "trabalho". Obrigado.

José Moreira disse...

Palavras para quê? Muito bom texto e soberba ideia de JJ.

Não alcanço é como um treinador tão forte no momento defensivo do jogo, em geral, insistiu tanto na contratação de um jogador como Eliseu. É só mau olho para laterais esquerdos ou largura e profundidade ofensiva justifica esta obsessão?

António Cunha disse...

Aqui fala-se de futebol! Bravo!

NONICKNAME disse...

Muito bom!

Rumo Norte disse...

O melhor exemplo disto (e que devia estar no video, em vez da jogada do último Benfica-Porto), é o canto contra da Juventus na Luz, em que o Benfica deixa quatro jogadores da Juventus em fora de jogo nos 2-3 segundos entre a marcação do canto e o toque de cabeça do Cáceres(talvez seis, porque o 16 - julgo que é o Pogba - estará talvez uns centímetros em off-side também, e não se vê o Pilro, que foi o marcador do canto). http://www.dailymotion.com/video/x1sip61_offside-corner-benfica_sport

Tiago disse...

No clássico, o único lance de perigo por parte do Porto (ressalto que vai parar aos pés do Jackson) resultou possivelmente do único erro em organização defensiva que vi no Benfica. http://videos.sapo.pt/RNePwHBHInZJ6NDauDYP

Não estou é a conseguir perceber qual o comportamento correcto para defender este lance.

A bola estava na linha com o Brahimi e três jogadores do Benfica sairam à bola (dois na bola, Eliseu no espaço), o Brahimi libertou no Danilo que cruzou e o ressalto veio parar ao Jackson.

Tendo o Eliseu ficado perdido da jogada, devia ter alinhado com a linha defensiva, ou saído para cobrir o DD que cruzou?

Rumo Norte disse...

E há uma jogada na Luz este fim de semana em que, na sequência do canto, a bola rechaça para a linha média e o Oliver (deu-me a sensação mas não juro, que estava no estádio e não consegui identificar bem), quando vai cruzar de novo para a área, olha e vê quatro jogadores do Porto em fora de jogo. Como é inteligente, já não saiu cruzamento, e foi mais uma jogada de perigo que se perdeu.

É disto, que quem não percebe de futebol não vê, e que faz do JJ o génio que o Baggio refere. Eu achei este jogo muito interessante do ponto de vista tático. E o Jesus, claramente, ganhou o jogo.

Jorge disse...

Roberto:

Voces ja veem falando do modelo defensivo do JJ ha anos e ate eu (treinador e jogador amador) tenho aprendido imenso com o que voces teem escrito.
Acho por isso estranho nao ver este modelo de jogo nao ser adaptado por outros treinadores, ainda por cima quando o Benfica do JJ teve alguma visibilidade na Europa.
Em outras actividades competitivas, nao so no desporto, da-se grande importancia a manter-se a par das inovacoes, com os rivais a tentarem adoptar/adaptar modelos que funcionem, por isso acho estranho o mesmo nao ser feito no futebol. Acho ainda mais estranho neste caso, em que o modelo nao depende tanto da qualidade dos jogadores (o que seria uma possivel desculpa para nao se adaptar o modelo de jogo do Guardiola) mas da qualidade do treino...

DC disse...

Durante o jogo comentei isso, que não fazia sentido o lopetegui bater cantos para o 2º poste, a dois toques digamos, quando o JJ faz isto.
O post está muito bom exactamente por frisar esse foco neste momento do jogo.

Sandro Barbosa disse...

Assim que vi este lance lembrei-me aqui do blog e desse post da Juventus.

Enquanto leigo tenho de perguntar:
O que é que existia antes de Jesus? Estes comportamentos da linha defensiva parecem tão lógicos que é dificil (para quem desconhece) imaginar que se defenda bem de outra forma. Como é que se fazia o controlo da profundidade antes do bola coberta\bola descoberta, por exemplo?

Roberto Baggio disse...

Rumo Norte, se carregasses nos links do artigos... anyway, são situações análogas. Independente do número de jogadores que ficam ou não fora do lance.

JON disse...

Eu continuo-me a rir é quando ainda hoje, a falar com um benfiquista, ele me dizia "sim, gosto do Jesus, mas acho que ele continua a perder por não jogar em 4-3-3, fica sempre 2 contra 3 no meio nos jogos grandes".

FACEPALM!

Digo mais: não há muitas equipas no mundo capazes de jogar contra este Porto com a linha defensiva tão subida e não levarem 1 bola na profundidade o jogo inteiro. Nem uma para amostra...

Só quero o raio do homem longe...

Mário Felício disse...

Pois, o que custa é ouvir "pseudo-entendidos" em futebol, em muitas das televisões, dizerem que na primeira parte o FCP anulou o SLB, e que na segunda, obrigados a arriscar, que abriu mais e que foi por isso que o SLB teve mais espaço.

Ninguém viu a mudança de posicionamento do Jonas, nem a segurança defensiva que Fejsa trouxe, e muito menos perceberam que na primeira parte, se alguém anulou alguém, foi o JJ ao fechar todos os caminhos que o FCP poderia aproveitar. Pode ser iletrado, mas é inteligente como o raio o senhor JJ, e isso provou-se com a primeira parte de inteligência.

Excelente post!

Tosta Mister disse...

Já no Sp Braga, JJ utilizava esta forma de defender nos cantos batidos para fora.

Frederico Andrade disse...

AInda ontem me lembrei disto. O golo sofrido ontem pelo Sporting não teria acontecido se fossemos treinados por jesus. Continuo a defender o Marco Siva porque vi esta época (mais na primeira metade) situações em termos ofensivos como nao via há muito. Não percebo é como é que depois de quase um ano de treino o Marco Silva ainda não conseguiu ainda ajustar os comportamentos defensivos. No estoril ele conseguia? nas vossas análises ao Estoril de Marco Silva não consegui perceber o que achavam.
Obrigado e parabéns .

Frederico

Frederico Andrade disse...

AInda ontem me lembrei disto. O golo sofrido ontem pelo Sporting não teria acontecido se fossemos treinados por jesus. Continuo a defender o Marco Siva porque vi esta época (mais na primeira metade) situações em termos ofensivos como nao via há muito. Não percebo é como é que depois de quase um ano de treino o Marco Silva ainda não conseguiu ainda ajustar os comportamentos defensivos. No estoril ele conseguia? nas vossas análises ao Estoril de Marco Silva não consegui perceber o que achavam.
Obrigado e parabéns .

Carlos Paixão disse...

Para alem de algumas estrelas de filmes porno com as quais gostava de as experimentar na sua profissão, leio posts destes e tenho quase tanta ou mais vontade de vos conhecer e 'experimentar' na vossa profissão..

Nos dois casos ate pagava para tar um dia inteiro a falar de bola..convosco é claro! (com as outras a bola era outra!)

Sandro Barbosa disse...

Frederico, e esse nem foi o pior golo. Apesar de colectivamente os comportamentos se calhar não serem os melhores, o golo até resulta de duas falhas individuais (mau corte do william e depois penso que é o Paulo Oliveira que também falha o cabeceamento). Mais grave, penso, foi o sofrido precisamente frente ao Benfica num bom exemplo de um lance que uma equipa do jj nunca consentiria um golo.

Mas é dificil fazer uma crítica justa ao Marco Silva este ano, sendo o 1º num grande, e com muito pouca
qualidade individual na defesa.

GV disse...

Viva!

A organização defensiva do JJ parece-me de facto excelente. Com todas as características que o homem tem, boas e más, parece-me realmente notável o que consegue fazer com jogadores que depois se vão perder, legitimamente em troco de dinheiro, para outros clubes.

Mas o JJ precisa de mostrar mais se quer atingir a notoriedade que aparentemente gostaria. Tanto na organização ofensiva (que me parece estar finalmente a querer retificar, talvez só pelos intérpretes que agora tem) como na gestão da comunicação e postura (e nem me estou a referir tanto aos erros de português e de espanhol já agora :) ).

Pode ter chegado um pouco tarde de mais a este patamar de equipas, mas pode ainda fazer muita coisa muito interessante se permitir que uma certa humildade sóbria se instale (não a de berço, essa tem de raiz).

Cumps,

Rafael Antunes disse...

AMEN!

poison disse...

Excelente texto! Sempre fenomenal ler o que se posta neste blog.
É uma grande tristeza para mim é que nem os verdadeiros benfiquistas entendam tudo isso que JJ prepara nos bastidores e implanta tão genialmente em campo, ainda mais com a qualidade duvidosa do plantel de 2014/2015. Falta melhorar o meio de campo e talvez possamos sonhar mais alto.

Blog de Portugal disse...

Se fosse fácil estagiar com o JJ, todos os que andam por aqui já o tinham feito.

Lembro-me que no jogo em Turim foi um festival de organização defensiva, mais o sofrimento normal de uma meia-final em casa da Juventus. Mas foi jogaço!

Quanto ao canto, a abordagem é excelente. Mas se o canto fizer o arco conttário (se fosse um canhoto a batê-lo), seria a mesma abordagem? Ou o efeito da bola pode influenciar nisto?

Blog de Portugal disse...

Além disso, outra pergunta (por favor respondam, acho que são excelentes discussões):

- Tive a ler uns posts mais antigos, e num que refere o comportamento do SLB de pôr o adversário fora-de-jogo (subir a linha) quando o adversário conduz de fora para dentro. Certo?

Mas este comportamento pode ser aproveitado pelo adversário. Se imaginarmos um extremo que conduz para dentro, o AV e outros na sua zona descaem mais ao 2ºP (mas ainda em jogo) e só quando sai o cruzamento é que entram para finalizar.

Bem feito, no timing certo, ficam sozinhos para finalizar perante este comportamento do SLB.

Que é que vocês fariam se vissem o comportamento que descrevi e se fossem o treinador do SLB?
(É complicado, mas é bom pensarmos...)

Roberto Baggio disse...

"Mas se o canto fizer o arco conttário (se fosse um canhoto a batê-lo), seria a mesma abordagem? Ou o efeito da bola pode influenciar nisto?"

Não é o efeito da bola, é o sítio onde ela vai cair.

"Tive a ler uns posts mais antigos, e num que refere o comportamento do SLB de pôr o adversário fora-de-jogo (subir a linha) quando o adversário conduz de fora para dentro. Certo?"

Errado.

"Mas este comportamento pode ser aproveitado pelo adversário. Se imaginarmos um extremo que conduz para dentro, o AV e outros na sua zona descaem mais ao 2ºP (mas ainda em jogo) e só quando sai o cruzamento é que entram para finalizar."

Todos os comportamentos defensivos são passíveis de ser aproveitados. A diferença é que uns são mais facilmente aproveitados que outros.

"Que é que vocês fariam se vissem o comportamento que descrevi e se fossem o treinador do SLB?"

Rezar para que o adversário falhasse na bola.

NSC disse...

Um post sobre o JJ e ainda não apareceu cá o Pedro a espalhar sabedoria?

Blog de Portugal disse...

""Tive a ler uns posts mais antigos, e num que refere o comportamento do SLB de pôr o adversário fora-de-jogo (subir a linha) quando o adversário conduz de fora para dentro. Certo?"

Errado."

Então o que é que escrevi e estou a pensar mal? Não percebi.

Quanto ao efeito da bola, queria mesmo confirmar. Mas o que faz sentido, de facto, é o local onde ela vai cair.

Quanto ao rezar, em jogo só dá mesmo para isso. Mas como anulavas o comportamento que referi, sabendo que queres uma equipa com linhas subidas sempre que possível?

Roberto Baggio disse...

"num que refere o comportamento do SLB de pôr o adversário fora-de-jogo (subir a linha) quando o adversário conduz de fora para dentro. Certo"

"Então o que é que escrevi e estou a pensar mal? Não percebi."

O fora de jogo é uma consequência do comportamento defensivo do SLB, não é um objectivo. Por outras linhas, eles não jogam para o fora de jogo. Eles sobem as linhas quando o adversário não tem condições de explorar o espaço nas costas. E isso são coisas completamente diferentes. Quem joga muito com o fora de jogo, por exemplo, é Guardiola. Por isso digo que o fora de jogo não é um objectivo, e o subir das linhas não tem nada a ver com a condução de fora pra dentro. A linha sobe e desce consoante a bola. Foi isso que leste/escreveste mal.

"Mas como anulavas o comportamento que referi, sabendo que queres uma equipa com linhas subidas sempre que possível?"

«"Mas este comportamento pode ser aproveitado pelo adversário. Se imaginarmos um extremo que conduz para dentro, o AV e outros na sua zona descaem mais ao 2ºP (mas ainda em jogo) e só quando sai o cruzamento é que entram para finalizar."

Todos os comportamentos defensivos são passíveis de ser aproveitados. A diferença é que uns são mais facilmente aproveitados que outros.

"Que é que vocês fariam se vissem o comportamento que descrevi e se fossem o treinador do SLB?"

Rezar para que o adversário falhasse na bola

Baresi disse...

Tive no estádio e achei o jogo super interessante tacticamente também.
E já revi o jogo todo na TV, e continuo com a minha ideia, o Benfica defendeu como um bloco incrível, e poderia ficar ali outro jogo que o FCP só causaria perigo num lance fortuito.

Baresi disse...

No estádio a ideia de Jesus pareceu me completamente clara, linha defensiva subida ao máximo, algumas vezes a 5m da linha divisória, e pressão rápida no portador da bola, principalmente quando ela estava em Maicon e Marcano.
Resultado, na primeira parte foram bem mais de 10 bolas que foram postas ou fora ou no Julio César, devido á falta de tempo e espaço que os centrais (não) tinham.

Uma nota para Eliseu: bate-se tanto no homem, como se batia em Melgarejo.
Ambos os jogadores chegaram ao final das suas temporadas com Jesus a jogar muito á bola, não falhando, e fazendo aquilo que Jesus quer.
Solidez defensiva, fazendo a diferença no ataque contra equipas de menos recursos.
Mas sempre jogando colectivamente e não individualmente.
Neste momento Eliseu é o melhor lateral esquerdo que o Benfica pode ter, para atacar a próxima temporada.

David Cardoso disse...

Baresi o melhor latetal esquerdo? O melhor lateral do plantel (tanto na direita como na esquerda)não joga, seu nome Silvio, faz mais de 4 meses que recuperou sa lesão,quanto ao Eliseu justiça seja feita tem melhorado, quanto a Melgarejo eu nunca entendi pq saiu, a LEsq espero q pro ano ou jogue Silvio ou compremos uma coisa melhor

Baresi disse...

Em Portugal existe sempre o estigma do "gordo", do "velho", etc.
Ás vezes, com o que leio, fico a pensar que o Eliseu esteve a jogar 6 ou 7 anos na Liga Espanhola por piedade.
É óbvio que é diferente defender com 20 metros nas costas, do que jogar sistematicamente com 40/50, mas isso é um processo gradual em que o jogador se vai habituando á equipa.


O Silvio é um bom lateral, esteve lesionado muito tempo, e a opção dele não jogar parece me uma opção clara para ele assinar pelo Benfica a custo zero no final desta época, e vai agarrar o lugar do Maxi, se ele sair pra Itália ou Turquia como se vem falando.

Antonio disse...

Já leram http://expresso.sapo.pt/o-clube-onde-nao-ha-treinadores-e-ninguem-se-importa-de-perder=f922341? O que acharam?

Blog de Portugal disse...

Já percebi melhor Baggio. Obg pela explicação.