quarta-feira, 15 de abril de 2015

Só um Porto de grande nível poderia condicionar a equipa de Guardiola como na segunda parte

Na ante-visão do jogo, aqui, Vítor Pereira dizia que seria um jogo da agressividade contra a posse. Venceu a agressividade, sobretudo porque na segunda parte conseguiu condicionar com a pressão o jogo de passe do Bayern, levando os alemães a perderem o discernimento, cometerem muitos erros, e em muitos momentos a permitirem recuperações de bola em zonas recuadas. A primeira parte foi diferente (atípica), e mais de acordo com aquilo que seria de esperar. Mas a entrada do Porto na segunda parte, desequilibrou completamente o jogo, deixando Guardiola sem reacção. Pressão, pressão, pressão. Depois, com bola, o Porto teve critério, como é habitual, tentando sair com qualidade para o ataque. Assim, com critério e qualidade, é que se enfrentam e se derrotam equipas deste tipo. Lopetegui não desistiu de pressionar como faz normalmente, não desistiu de reagir forte no momento da perda, não desistiu de tentar jogar como o faz normalmente com bola, e teve frutos.

Para um Porto destes aparecer, só com jogadores de nível mundial como Jackson e Oliver. Já não há palavras que sobrem para descrever estes dois monstros que actuam, hoje, na mesma equipa do pequeno campeonato português.

PS: Um jogo não são jogos, e por isso a segunda volta será duríssima!

23 comentários:

Adriano Fernandes disse...

Cada vez me parece mais que Lopetegui é um treinador de grandes jogos, de onde tem que mostrar realmente o que vale... Vamos esperar pela segunda volta e ver! Até se pode dizer que os 2 primeiros golos nascem de erros individuais do Bayern mas a pressão que o Porto impôs...

DC disse...

Tinha dito que queria o Leverkusen contra o Porto e não foi por acaso. Jackson destruía-os sozinho facilmente com aquela pressão desorganizada. Hoje ganhou 100x mais duelos aos centrais do Bayern que o Lewandowski aos nossos.

João Duarte disse...

Monstra a forma c que o Jackson aparece vindo de uma paragem de 5 semanas....

Clarence Seedorf disse...

Não acho que Lopetegui seja treinador de grandes jogos. Acho, pelo contrário, que o Porto tem uma equipa que gosta muito de jogar para a montra europeia. Sou do Porto, e adorei este jogo. Mas este fim de semana voltaremos a ver um Porto diferente deste, para muita pena minha (e claro que espero estar enganado...)

Óliver e Jackson: É como o Baggio disse.. palavras pra quê, senão para nos repetirmos mais ma vez...

Gostei da organização defensiva do Porto no jogo de passes Bayern. Quaresma esteve bem nesse contexto. O Porto Fez uma grande figura.


"Só passou metade, e ainda falta a parte mais dificil" -Lopetegui

João disse...

Segundo algumas aventesmas que pululam por aí, tendo em conta a maneira como raciocinam, o Guardiola certamente não valerá nada.

Então não é que perdeu um jogo grande, em casa do adversário, escolhendo jogadores com evidentes fragilidades técnico-tácticas...

Ai JJ, perdoa-lhes, eles não sabem o que dizem..

PS: não, o jj não é o melhor treinador do mundo.. mas também não é por causa dele que o Benfica não vence todos os jogos e todos os títulos

João disse...

Adriano, fiz a mesma leitura. Os dois primeiros golos não são resultados disso, mas o Porto obrigou o Bayern a bolas longas e dificultando a criação do processo ofensivo como o Bayern gosta.

Bem, na verdade, não vejo muitas vezes o Bayern, mas suspeito que é uma anormalidade.

J. Saro

Roberto Baggio disse...

DC, "Tinha dito que queria o Leverkusen contra o Porto e não foi por acaso. Jackson destruía-os sozinho facilmente com aquela pressão desorganizada. Hoje ganhou 100x mais duelos aos centrais do Bayern que o Lewandowski aos nossos."

Pois, mas estás enganado. Contra o Lever, seria o Lever a fazer isto que o Porto fez ao Bayern, pq seria o Porto a ter a iniciativa. Portanto, não estou bem a ver qual a relação entre este jogo, e um possível jogo com o Lever.

Adriano, sim. 2 golos vindos não se sabe bem de onde.

jorge gaspar disse...

Depois daqueles primeiros 30 minutos da segunda parte, algum mérito é preciso dar ao Lope e ao Baggio que sempre o tem defendido e valorizado.
O mais engraçado é que chega-se ao fim do jogo e o Quaresma, Herrera, Maicon, Fabiano e Indi parecem estrelas europeias.
É daqueles jogos que dão um banho de humildade a qualquer um.
Para além do Jackson e Oliver, Brahimi e os dois laterais fizeram um jogo espectacular. Sem Alexandro e Danilo será muito díficil ter bola em Munique. Veremos.

DC disse...

Fazia pressão alta como o Bayern fez e o Porto tem alternativas para isso como teve hoje. E duvido até que a reacção à perda do Leverkusen seja do nível da do Porto.
Com pressão "acéfala" como lhe chamou o VP e Jackson a conseguir receber e dar jogável como conseguiu hoje e consegue em 99% dos jogos eu acho que ganhávamos no Dragão e fora íamos ver (ou o Leverkusen tb não ia querer ter iniciativa em casa?).

Houvessem muitos mais Leverkusens ainda na Champions que eu estava muito confiante mesmo :)

José Moreira disse...

Fantástico!

Parabéns à equipa técnica e jogadores do FCP por este jogo. Foi simplesmente brilhante. Nem o wolfsburgo fez o Bayern jogar tão pouco.

Esperava um FCP a não abdicar das suas ideias, mas não adivinhava consegui-lo fazer durante tanto tempo e com tanta qualidade.

A 2ª parte foi monstruosa.

Falta o mais complicado? Sim, é um facto. Mas o que já ficou feito deve encher de orgulho todas as pessoas do clube. De jogadores a meros adeptos.

Grande afirmação de personalidade e competência.

Pedro disse...

Aconteça o que acontecer na segunda mão ninguém tira esta enorme vitória ao fcp.
Só vi com atenção a segunda parte e foram 45 minutos impressionantes do fcp. Segundo li, parece que a primeira não foi bem assim o que demonstra alguma alteração efectuada por Lopetegui o que só aumenta o valor da vitória. Possivelmente serão eliminados o que será normal mas nesta fase são eles que estão em vantagem.

E não fosse Neuer e se calhar a eliminatória estava decidida.

Mindfuck disse...

Repararam na marcação individual feita pelos 3 do meio campo do porto aos 3 do meio campo do Bayern?
O Thiago se precisa de ir à casa de banho, o Herrera ia de mão dada com ele.

ricnog disse...

Acho que o porto demonstrou muita personalidade, mas na segunda parte. Estratégia e mensagem bem transmitida pelo lopetegui.

Na primeira parte, depois daqueles 10 minutos, o Bayern foi fazendo o que quis. Faltando alguma qualidade. Lewandowski não conduz e temporiza como ruben ou ribeiry. Este Bernart, também só fez asneiras....e Dante é digno de um jogador de regional....lolol jackson fez o que quis dele e do boateng

O Porto muito muito forte na segunda parte, a não deixar o bayern jogar, até sair o oliver. Depois deste sair o porto não fez 3 passes.

Islander disse...

Adriano, os 2 primeiros golos são erros individuais? E o 3º? O defesa falha completamente o cabeceamento comprometendo-se e deixando o Jackson isolado...
Foram 3 erros individuais grosseiros para este nível, na minha opinião. Mérito para o porto que os pressionou para que isso acontecesse mas são erros individuais a mais num jogo deste nível e desta equipa.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Só vi praticamente a segunda-parte mas acho que o FCP fez um grande jogo. Um Bayern com muitas baixas importantes mas mesmo assim o FCP foi sempre capaz de pressionar a saída de bola e fechar muito bem o corredor central. Mesmo a atacar criaram sempre muitos problemas à equipa do Guardiola.

Semilheira disse...

Qualidade de decisão sem bola: Oliver sabe que a lateral esquerda está aberta e simula a recepção com um simples gingar de anca. Porto fica em 4x4 fácil. Ou a diferença de não ter Herrera/Quintero sempre a pedir mais um toquezinho na redondinha.

R.B. NorTør disse...

Não vi o jogo de ontem, mas acho que é um bocado surreal andar a fazer extrapolações daquilo que o Porto fez ao Bayern para aquilo que faria ao Leverkusen. Quanto mais não seja porque, como já alguém mencionou, a forma habitual de jogar do Bayer é diferente da do Bayern, mesmo ao nível das expectativas.

Bem lembrado quem mencionou que o o Guardiola deve ser uma treta se vem ao Porto e leva uma tareia destas! De facto o tipo bem podia ter pegado nas chuteiras e entrar em campo para mostrar como se faz, mas não, aposto que insistiu em não tirar o fato! :P Isso e a recuperação milagrosa do Jackson. De facto com Monstros fica mais fácil...

Estou curioso de ver o que acontece para a semana. Penso que a diferença é grande o suficiente para o Porto a conseguir gerir, desde que não ocorram arbitragens do nível da do Sporting em Gelsenkirchen...

manelmadeira disse...

Muito bem dito.

Ricardo Perna disse...

Todos falam muito da "recuperação" do Quaresma como jogador de bola, mas eu cá confio mais em vocês que nos outros todos :), pelo que é a vocês que pergunto: Lopetegui será o Ferguson de Quaresma? E aos 31 anos ele conseguirá de facto mudar e colocar as mais-valias técnicas que tem ao serviço da equipa?

Ou esta mudança de que toda a gente fala não existe na prática e ele está na mesma?

Roberto Baggio disse...

Para mim, é o mesmo jogador. Exactamente o mesmo, numa equipa diferente.

JON disse...

Eu também acho que é o mesmo, porque ele não ia aos 31 anos passar a compreender miraculosamente o jogo. O que mudou foi a capacidade que o Lopetegui teve de fazer perceber que nas coisas óbvias, a equipa vem primeiro.

Quer isto dizer que se calhar agora já não quer bater os livres todos, já está disponível para ouvir o que o treinador lhe pede em termos defensivos (daí a executá-lo bem, já são outros quinhentos), já é capaz de se calhar correr um bocado mais sem bola... Esse tipo de coisas.

O Lopetegui também foi inteligente e percebeu que não o pode alienar e simplesmente tirá-lo da equipa porque senão ele, com o apoio dos adeptos acéfalos, rebentava o balneário. Mérito para o treinador. Treinar também é gerir balneário e expectativas.

DC disse...

Baggio acho que também lhe incutiu outras coisas já que ele agora já se oferece mais no meio, já temporiza muitas vezes, já procura a tabela.
Ainda continua a errar muitíssimas decisões mas teve uma mudança muito positiva.

Ricardo Perna disse...

É que a mim parece-me que há algumas diferenças, de facto... não chegam para o mudar completamente, porque tem 31 anos, não 19 ou 20, mas se conseguir que ele condicione o ego e o coloque ao serviço da equipa só isso já duplica as ações de sucesso que ele tem durante o jogo, mesmo que continue a errar mt...