terça-feira, 12 de maio de 2015

Controlo da profundidade

Não é possível fazer com que Messi desapareça do jogo durante os noventa minutos. Também não é possível controlar por inteiro tanto talento e tanta qualidade na tomada de decisão numa só equipa. Mais difícil ainda será conseguir ferir em organização ou transição ofensiva sem a qualidade técnica e a criatividade que se pede, a quem deve decidir em pouco tempo e com pouco espaço. Porém, Guardiola hoje continua a perder para Messi por trabalhar a última linha para jogar com o fora de jogo. E contra certas equipas, contra certos jogadores, tal é fatal. Hoje percebe-se que é fundamental para qualquer equipa que queira ser sempre ofensiva - que queira jogar com as linhas juntas e subidas, que queira defender com poucos e em transição, que queira defender em igualdade numérica - o controlo dos espaços em largura e em profundidade. A última linha deste Bayern não é trabalhada para retirar o espaço que concede, em alguns momentos, na tentativa de asfixiar o adversário. Não usa a bola como referência e por isso sofre. Sobretudo contra jogadores com cérebro para aguardar pelo timing exacto para meter o passe, e colegas fortíssimos a aproveitar o espaço nas costas. Assim, a última linha fica sempre exposta ao que o adversário apresentar. Controlando a profundidade continua a existir o fora de jogo, e o mesmo continua a ser uma vantagem. A diferença é que surge como consequência do comportamento colectivo de subir ou baixar consoante a bola (coberta ou descoberta) e não como um objectivo.

24 comentários:

Tiago disse...

Então Deus tem alguma coisa a aprender com Jesus. :)

DC disse...

Há que o rasgar quando merece.
Hoje foi triste, perceber que chegou ao ponto do Barça poder desistir do jogo e pensar em Madrid durante 45 min.
Fiquei convicto que se o Barça quisesse continuar a destruir a linha defensiva deles na 2a parte tê-lo-ia feito tranquilamente. Muito mau.

Claudio disse...

Controlo da profundidade não existe neste bayern. Será erro de operacionalizacao ou será pouca competência dos actores principais ( jogadores). A linha defensiva do bayern piora a cada jogo que passa

Benfiquista Tripeiro disse...

O Guardiola sai um bocado chamuscado desta eliminatória, terminando a época "apenas" com o título óbvio e obrigatório para o bayern. Com tantos milhões, de certeza que os alemães dão a época como um (quase) fracasso. Continuará?

aimarbenfica disse...

nao me lembro ao certo, mas diseste que nao e possivel defender como a equipa do jj e atacar como o de guardiola.
Ps: como pode o guardiola melhorar.

aimarbenfica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Perna disse...

Lembro-me de ver o segundo golo do Barça e pensar: "aquele tipo (o defesa que mete em jogo o Suarez e possibilita a corrida desenfreada), se fosse o Luisão, tinha posto o Suaréz em fora de jogo sem espinhas».

Eu percebo muito pouco de larguras e profundidades, confesso, mas percebo bem mais agora do que antes de conhecer este blogue. Obrigado por isso :)

Com uma linha defensiva capaz, este Bayern teria outras condições para fazer esse controle, não? É que Rafinha, Boateng, Bernat, parecem todos muito maus, ou é impressão minha? Ou seja, o treinador falhará (o Jesus tem o Jardel e o Eliseu e safa-se bem), mas os jogadores também não ajudam...

David Cardoso disse...

Guardiola gosta de defender com bola ,problema que para isso nã contar com ribery robben e Alaba a este nivel fica complicado, esses 3 dão uma dimenssão estratosférica na equipa, que depois nem nos lembramos dos problemas na defesa pq com eles para alem da equipa ter sempre a bola, tem a bola com uma qualidade e agressividade abismal

R.B. NorTør disse...

"Alguém que me diga uma melhor forma de ganhar a este Bayern do que a forma como o Wolfsburg soube ter a bola? Não, eles não jogaram em posse. Limitaram-se sim a fazer alguma coisa cada vez que tinham a bola. Alguém sabe uma melhor forma de aproveitar os espaços que o Bayern deixa nas costas do que sair com qualidade da sua zona de pressão, e só depois definir o lance? O Wolfs ontem mostrou a cada transição o que é preciso fazer: sair com a bola controlada da primeira zona, e depois sim procurar o espaço. O melhor espaço, o espaço livre. Com 2,3,4 jogadores pela frente, com tempo e espaço para definir, é tudo muito melhor. Sem uma organização defensiva de top, ontem ganhou quem atacou melhor." - Já tem tempo e foi dito http://lateral-esquerdo.blogspot.pt/2015/01/a-derrota-que-espantou-o-mundo.html

Edson Arantes do Nascimento disse...

Bernat é muito mau? Parece-me um excelente jogador. Especialmente com bola.

Não percebo muito bem o rasganço ao Guardiola de alguns comentadores. Ontem não havia nenhum jogador, tirando o Neuer (e mesmo assim eu gosto muito do Ter Stegen), que entrasse no onze do Barça. Nem mesmo Ribery, Robben e Lewa (prefiro-o ao Suarez) tinham espaço garantido.

As equipas do Guardiola têm alguns problemas na transição defensiva e na organização defensiva. O Real demonstrou isso claramente no ano passado e há outros exemplos claros disto.

Parece-me que é por isso que aqui no LE já se disse que o Jesus é fantástico nestes dois momentos, porque com matéria-prima de baixa qualidade a equipa apresenta uma excelência de movimentos que não existe em mais lado nenhum.

Ontem, no entanto, voltamos a ver a história do futebol em andamento linear: a melhor equipa defrontou as melhores individualidades (que estão ao nível da estratosfera, diga-se). Ganhou quem tem as melhores individualidades. É a história do futebol.

Para mim, registo que o Bayern foi muito melhor equipa do que o Barcelona nos dois jogos - e que foi eliminado nunca abdicando das suas ideias, nunca desistindo de cumprir os princípios básicos do jogo, nunca desistindo de procurar o resultado dentro de uma filosofia inabalável.

Tudo isto obrigou Messi a ser Messi. Único. E o Guardiola a ser grande na derrota, porque nunca abdicou de nada das suas ideias.

Foram dois grandes jogos.

Roberto Baggio disse...

" É que Rafinha, Boateng, Bernat, parecem todos muito maus, ou é impressão minha? Ou seja, o treinador falhará (o Jesus tem o Jardel e o Eliseu e safa-se bem), mas os jogadores também não ajudam..."

Toda a linha defensiva do Bayern era titular no slb. os jogadores não são desculpa para no segundo ano a linha defensiva ainda se comportar desta forma.

"Ontem não havia nenhum jogador, tirando o Neuer (e mesmo assim eu gosto muito do Ter Stegen), que entrasse no onze do Barça."

E o Thiago.

"porque com matéria-prima de baixa qualidade a equipa apresenta uma excelência de movimentos que não existe em mais lado nenhum."

Exacto. Lembro-me dos tempos em que dizia que a organização defensiva de Guardiola do Barcelona não era nada de especial, e a malta que por aqui ou no pdb passava ria-se. Quando o que acontecia era que defendiam tão poucas vezes, que tal era difícil de se notar. E os adversários atacavam-nos tão mal, que mais difícil ficava ainda de perceber isso.

"a melhor equipa defrontou as melhores individualidades (que estão ao nível da estratosfera, diga-se). Ganhou quem tem as melhores individualidades. É a história do futebol."

Aqui, 300% de acordo. Não vejo em que é que colectivamente este Barça é superior ao Bayern. Em nada mesmo. Tem melhores jogadores, ganhou.

"Tudo isto obrigou Messi a ser Messi. Único."

Bastava tirares o MEssi a esta eliminatória (esteve nos 5 golos do Barça), e já se notaria melhor a diferença de qualidade colectiva entre ambas equipas.

E eu ainda acrescento mais. Dizem, por aí, que mais uma vez ficou provado que Guardiola só ganhou porque tinha excelentes jogadores. Eu não discordo disso. É um dos motivos. Mas para quem não percebe a transformação que Guardiola operou neles, para os tornar definitivamente jogadores com esta dimensão, convido-os a ver a segunda mão da meia final da Champions de 2008/2009 em Stamford Bridge, contra o Chelsea.

Se nesse jogo encontrarem Pique, Busquets, Iniesta, Xavi, Messi, D.Alves, (que estiveram nestes jogos com o Bayern) e adianto já que foram todos titulares, ofereço uma viagem as Bahamas.

Roberto Baggio disse...

"nao e possivel defender como a equipa do jj e atacar como o de guardiola."

certo. mas jogar com o fora de jogo não tem nada a ver com esta história.

DC disse...

Não consigo concordar que o Bayern tenha sido melhor equipa na eliminatória.
Uma equipa à qual é tão estupidamente fácil criar situações de golo não esteve bem.
Goste-se ou não do LE, ele tem uma equipa muito bem preparada para as transições ofensivas (claro que Messi ajuda muito). E o Bayern foi das equipas que pior as defendeu este ano contra o Barça.
Para mim o Pep preparou mal os dois jogos. Ofensivamente sim, nota-se que os jogadores são fracos, mas defensivamente o Barça era só querer acelerar um bocadinho e estava na cara do Neuer.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Eishhhhh granda penalti...

Esqueci-me do Thiago, que eu adoro. Mas mesmo assim o Thiago ia lutar com o Xavi, Rakitic, Busquets e Iniesta!!

Roberto Baggio disse...

Tiras o Messi do lance, e o Barcelona tinha marcado, criado, qtos golos? é tbm isso. agra mete o messi a definir os lances do bayern em que a bola foi parar ao bastian, ao muller, ou ao lewa, cm ficaria o resultado, em termos de ocasiões limpas criadas?

Edson Arantes do Nascimento disse...

Oportunidades fáceis...? Ok.

Ontem na primeira-parte o Barça fez basicamente três remates e dois golos. O Bayern marcou um golo, falhou dois na cara do Ter Stegen e este jovem ainda fez duas grandes defesas em cabeceamentos.

A diferença é que a contenção alemã atrasou-se dez segundos... E isto na cabeça do Messi é a morte do artista.

Na primeira-mão aconteceu exactamente a mesma coisa. Uma ou outra oportunidade clara para os dois lados. Jogo equilibrado a caminhar para o zero-a-zero. E depois Messi a resolver praticamente sozinho.

E achei mesmo que o Luis Enrique - repito como sempre disse: é um treinador como muitos que há por aí, não é nada de especial - arriscou muito com aquela brincadeira na segunda-parte.

O Barça não faz a mínima ideia do que é defender sem bola...

DC disse...

Ok Baggio, mas o Messi sabia-se que ia jogar antes do jogo. E quem é que se lembrou de H-H no primeiro jogo? Não foi o Pep?

As premissas eram estas, o Messi, Neymar e Suarez eram do Barça. Isso o Pep sabia.
E sabendo isso, acho que esteve mal, preparou mal e saiu tudo errado ao que ele planeou.

Edson, sim, muitas oportunidades fáceis. Era uma bola na profundidade e tinhas um 1xNeuer. Foi isto a eliminatória toda. Suarez, Neymar, Rakitic, etc, etc, etc... na cara do Neuer.

DC disse...

Já agora, assim sem rever o jogo:
1s 10 minutos da 1a mão: Suarez e Dani na cara do Neuer

1a meia-hora da 2a mão: Rakitic e Neymar duas vezes na cara do Neuer.

Oportunidades que dão golo no mínimo em 50% das tentativas.

Ter Stegen quantos 1x0 defendeu?

Roberto Baggio disse...

"Era uma bola na profundidade e tinhas um 1xNeuer. Foi isto a eliminatória toda. Suarez, Neymar, Rakitic, etc, etc, etc... na cara do Neuer."

"1s 10 minutos da 1a mão: Suarez e Dani na cara do Neuer

1a meia-hora da 2a mão: Rakitic e Neymar duas vezes na cara do Neuer.

Oportunidades que dão golo no mínimo em 50% das tentativas.

Ter Stegen quantos 1x0 defendeu?"

Não defendeu pq n teve um MEssi, um Iniesta, um Busquets, um Alves, que soubesse o que fazer e qd fazer em situações em que tinha espaço para conduzir, em que tinha superioridade numérica, ou que tinha espaço nas costas.

Teve sempre um Muller, um Lewa, ou um Bastian a definir esses lances.
Cada lance destes do Bayern nos pés de um do Barça, tinha dado 1x0, ou melhor. Tens aí um artigo com o lance do Muller, lgo aos 5 minutos em cima. A eliminatória foi tudo isto! Lances destes para o Bayern de grande potencial, desperdiçados nos pés dos já citados em cima.

João F disse...

«Por acaso discutimos isso. E eu disse-lhe exatamente o que penso: Pep, em determinados jogos continuas a expor a tua linha defensiva no momento da transição. Está a acontecer-te isto, isto e isto. Esta é a minha opinião, se quiseres reflete», Vitor Pereira sobre o Bayern que defrontou o Real Madrid em 2014

A linha defensiva do Bayern apenas percebe um comportamento - na altura da perda de bola e mesmo em organização defensiva encurta sempre espaços procurando deixar o adversário em fora de jogo e reduzindo espaços entre os sectores. No entanto, não se pode ter este comportamento em todas as situações de jogo. E isto é que é a parte dificil de trabalhar - levar os jogadores a entender que devem alterar o seu comportamento perante situações diferentes apesar de estarem dentro do mesmo momento de jogo (transição defensiva).
Com os jogadores adversários com bola de frente para o jogo sem pressão (bola descoberta/não pressionada) a linha defensiva não pode ter o comportamento que Pep pede aos seus jogadores. Ainda para mais contra adversários de uma qualidade enorme. Os movimentos de ruptura principalmente do Neymar e do Suarez eram muito dificeis de ser controlados. Aliado a isto o nº de jogadores que dão o equilibrio no momento em que o Bayern tem bola muitas vezes não é o mais seguro. Constantemente se via situações em que apenas ficavam os dois DCs para 2/3 atacantes do Barça.

Não acredito que a qualidade individual da linha defensiva do Bayern tenha qualquer influencia neste comportamento até porque Jesus o faz no SLB com jogadores de menor qualidade. Também o FCP de Vitor Pereira fazia muito bem este controlo da profundidade. Embora de forma um pouco diferente da de Jesus. Priviligiava sempre o encurtamento de distancias tal como Pep mas sempre com a preocupação do espaço deixado nas costas, na colocação dos apoios dos elementos da linha defensiva e garantido sempre o equilibrio com 3 homens (DCs mais o DL do lado contrário).

Ao ver estes jogos senti pena daqueles quatro elementos da linha defensiva - estavam super expostos porque os comportamentos que Pep lhes pede não são os mais adequados em situações de bolas descobertas.

P.S: Parabéns pelo texto. Tanto em Camp Nou como ontem pensei exactamente nisto - no horrivel controlo da profundidade por parte da Linha Defensiva de Pep.

Jorge Carolo disse...

De facto nem todos percebem o luxo que é poder ver todos os fins de semana um equipa com comportamentos defensivos do melhor que há no mundo em Portugal!!

O JJ devia tar a berrar para a tv em casa:
Bola descoberta cara$%#!!!! Protejam a profundidade fod$%#&!! Isto é piners!!!

Também me lembrei da entrevista do Vitor Pereira aquando do seu estagio em Munique!!
Se calhar recebe hj uma chamada do Pep!!

Cantinho de Todos disse...

o JJ defende (muito!) bem quando abdica de ter bola pq qd assume o jogo nem por isso, e não me venham com o nosso campeonato pq a diferença de qualidade entre benfica e a maioria das restantes equipas é abismal.

Em relação ao Barcelona e Bayern a diferença entre jogadores não explica tudo, até porque n percebo como é q a base de jogadores da seleção alemã subitamente passou a n ter qualidade. Adoro o Guardiola mas a opção por nunca fazer contra-ataque apostando no ataque organizado sistemático e na rápida recuperação de bola é uma boa maneira de retirar aleatoriedade ao jogo, mas só funciona quando tens mais qualidade que o adversário, ou pelo menos quando o adversário se acagalha e ao defender com 10 deixa de conseguir fazer contra-ataque.

Blog de Portugal disse...

Penso que Guardiola e equipa técnica deviam dotar a linha defensiva de vários comportamentos, dada a diversidade de adversários, sendo alguns jogos muito importantes.

Como comportamento-padrão asfixiar o adversário, subindo as linhas, deixando muito espaço nas costas e tentando ter o adversário em fora-de-jogo.

Como outros comportamentos alternativos:
- O tal regular a linha defensiva conforme a bola coberta/descoberta, tentando colocar os adversários em fora-de-jogo

- Regular a linha defensiva conforme a bola coberta/descoberta, mas acompanhando as penetrações dos adversários nas costas.
Teria que ter mais tempo a defender, mas não sofreria tantos golos como ontem, acho eu. E seria em casos muito especiais.

João disse...

<<"Ontem não havia nenhum jogador, tirando o Neuer (e mesmo assim eu gosto muito do Ter Stegen), que entrasse no onze do Barça."

E o Thiago.>>

Lahm, Lewandowski e Muller, não? Pelo menos o polaco ou o alemão entravam no tridente, a meu ver.

J. Saro