quinta-feira, 7 de maio de 2015

Na qualidade individual Barcelona é monstruoso

Foi um jogo de futebol como deveria ser sempre, jogadores contra jogadores. Aquilo que os treinadores permitem às equipas do ponto de vista ofensivo eleva o espectáculo, e entrega a notoriedade a quem a deve ter sempre. Por isso, como nunca, fomos capazes de perceber a diferença que faz ter ou não ter criatividade no último terço.

Semelhanças. Jogo dividido em posse. Duas equipas a tentar conseguir chegadas com a bola controlada ao último terço.

Diferenças. Onde uns precisavam de um toque outros precisavam de dois ou três, onde uns tinham capacidade para segurar outros falhavam recepções, onde uns tinham capacidade para sair e ir embora outros perdiam constantemente a bola. Barcelona tem Piqué, tem Alba, tem Alves,  Iniesta,  Busquets, Neymar, e Messi. Todos eles criativos. O Bayern tem Thiago e Alonso.

Primeira parte 

O primeiro lance de algum potencial surge ao minuto 6, onde um mau controlo do espaço (distância entre a última linha e as restantes), permite a Messi ganhar uma bola na profundidade entre Boateng e Bernat e soltar para Suarez, que de frente para os últimos três do Bayern em posição frontal (2x3) atira para Neuer defender. No minuto seguinte, surge o primeiro lance em que uma equipa consegue sair da pressão, de forma segura. O Bayern com uma combinação na saída de bola, sempre em passe curto, consegue libertar Bernat. Inicialmente aproveita muito bem o espaço conduzindo a bola para dentro, mas depois em situação de 4x3 (com perseguição) não conseguiu aproveitar o que os colegas lhe estavam a oferecer. Tivesse libertado em Thiago, e seguido em desmarcação pela esquerda, e estava quase que garantida a criação de uma situação de finalização. Mas contra a última linha, e muitos colegas, Bernat não foi competente. No minuto seguinte, Alonso erra o passe e Piqué de primeira enquadra Rakitic que, depois de uma tabela com Messi, fica numa situação de 3x2 (com perseguição) e não define da melhor forma. No seguimento deste lance, o Bayern recupera, e Alonso enquadra Lewa que acelera em condução para uma situação de 3x3 (com perseguição) mas não opta por trazer o lance para dentro, acabando assim por prejudicar as suas próprias hipóteses de sucesso com o lance.
A primeira grande ocasião de golo, numa altura em que o Bayern ainda jogava com três na última linha, resulta de um mau domínio do espaço desses três elementos. Mais preocupados em gerir individualmente os 3 da frente do Barcelona, a última linha permite que uma bola de Ter Stegen para Messi (que ganha a primeira bola) isole Suarez. 1x0 que não aproveita.
Ao minuto 11 o Barcelona, novamente em transição ofensiva. aproveita o mau posicionamento de Benatia (percebeu que devia ter adoptado um posicionamento mais conservador, junto dos seus colegas de sector, fechando o espaço interior).. Neymar limitou-se a aproveitar o espaço, soltou para Alba que de imediato enquadra Suarez no corredor central para uma situação de 4x3 que o uruguaio desaproveita. De seguida o Bayern acalma o jogo. O Barcelona coloca todos atrás da linha da bola, e novamente em construção a equipa de Guardiola consegue encontrar uma situação que procurar muito no seu modelo de jogo (igualdade numérica na grande área). Com passe curto, a bola entra no corredor lateral e Bastian percebendo do posicionamento de Lewa e Muller (2x2) cruza e o avançado polaco não consegue finalizar.
A segunda grande ocasião de golo surge numa altura em a equipa de Guardiola ajustava o sistema, mudando de três para quatro na última linha. E por uma série de ressaltos e ajustes no posicionamento Suarez ganha a bola dentro da área e coloca em Neymar, que dentro da pequena área chuta contra Rafinha. Ao minuto 17 o Bayern cria a sua melhor ocasião do jogo. em construção, desta vez adopta o jogo directo da linha defensiva para Muller, que ganha muito bem a primeira bola para Lewa. O polaco, no meio de 4 jogadores do Barcelona, descobre muito bem o movimento de Muller e inicia ele a marcha para atacar a finalização. Muller entrega, e Lewa só com Stegen pela frente não consegue desviar, nem deixa passar para Thiago que entrava ao segundo poste.
No minuto 23, depois de uma recuperação de bola na zona do meio campo, Muller encontra Lewa que perde no 1x1 com Pique no corredor central. No minuto 25 o Barcelona consegue finalmente em construção criar um lance com potencial. Busquets tratou de aproveitar o posicionamento adiantado da defesa do Bayern, que sem contenção não se preparou para controlar a profundidade. Alba, com a linha defensiva batida, faz o passe para dentro da área, onde apareciam Messi e Neymar, mas Boateng que vinha a recuperar ainda consegue o corte na pequena área.
Decorria o minuto 38 quando Guardiola sofreu pela primeira vez por uma dinâmica que ele muito trabalhou enquanto esteve no Barcelona: o aproveitar do movimento contrário da defesa. Bola vem da linda de fundo para a entrada da área, obrigando por isso a defesa a subir. Iniesta, de primeira, aproveita para colocar Alves em boa situação para finalizar apesar da dificuldade da recepção.
A terminar a primeira parte Alonso consegue depois de uma recuperação a meio campo enquadrar Bastian. 3x3 novamente mal aproveitado. Bastian não conduz para obrigar alguém a sair e entrega de imediato a bola, e depois de a entregar não foi capaz de oferecer a linha de passe que o seu colega precisava.

Segunda parte

A segunda parte começa com Boateng a explorar bem o espaço atrás da pressão do Barcelona, colocando em Muller que recebe mal, mas ganha o ressalto, A bola acaba por sobrar para Lewa que não tendo o melhor enquadramento com a baliza preparava-se para rematar já dentro da área, tendo sido parado em falta. Ao minuto 56 novo erro em posse que acaba depois de uma série de ressaltos nos pés de Messi que inicia a progressão interior, tabela com Neymar e remata em posição frontal na zona da meia lua. Dois minutos depois, Neymar recebe no corredor lateral e chama a si cinco jogadores do Bayern em condução/drible, depois não consegue soltar em Suarez que ficaria em excelente situação para finalizar, dentro da área. 
Passados mais dois minutos, nova perda do Bayern, que não foi agressivo a recuperar defensivamente, e a bola cai nos pés de Messi que trabalha com Alves. Messi transforma um 3x4 num 1x0 que Neuer corta por uma má recepção de Neymar.
No minuto 63 o Barcelona tentava sair em organização, mas o Bayern recupera. A forte reacção à perda do Barça, depois de um série de disputas, permite recuperar à entrada da área, onde Messi enquadra Rakitic (4x3) que deveria ter conduzido para provocar o 2x1 com Neymar. Solta logo o passe, permite que Rafinha se coloque entra a bola e a baliza, mas ainda assim Neymar consegue enquadrar e rematar dentro da área. Ao minuto 70 num lance bem construído Bernat enquadra Thiago à entrada da área, que podia ter aproveitado o mau posicionamento da última linha do Barcelona para colocar Lewa em excelente situação para finalizar (1x0), ou Lahm com a bola controlada atrás da linha defensiva. Opta pelo remate, em posição frontal, que acaba nas mãos de Stegen. Quatro minutos depois, Thiago coloca na profundidade em Lewa que passa de cabeça para Lahm. Este de primeira coloca em Muller (4x3) que com tempo e espaço não ataca Pique, optando por tocar de primeira em Bastian, que também não esboça a mínima intenção de atacar a última linha passando novamente para Lahm. Quando a bola lhe chega, apenas existe a opção do cruzamento ao segundo poste, onde Muller estava só. Mas aí já os jogadores do Barcelona estavam o suficientemente perto para apertar e condicionar o cruzamento, e já a situação tinha deixado de ser tão vantajosa em termos de número e espaço, apesar da bola estar dentro da área.

O primeiro golo de Messi surge de novo erro individual na primeira fase de construção. Alves recupera e enquadra Messi que à entrada da área, desta vez, não perdoa. O segundo golo de Messi dois minutos depois é inarrável. Três minutos depois surge uma transição ofensiva de mais um passe falhado de Boateng. Neymar em boas condições para colocar Suarez num 1x0 erra o passe e obriga o colega a travar a corrida, que ainda assim, com a dificuldade da recepção consegue rematar mas não nas melhores condições. No último minuto de jogo, quando o Bayern voltou a estar perto da área do Bayern, o Barcelona recupera e coloca em Suarez que é travado em falta. Mas caprichosamente a bola vai parar aos pés de Messi, o arbitro deixa seguir, e se há alguém que sabe como criar 1x0 é Messi. A bola entra perfeita em Neymar, que frente a Neuer não perdoa.

Mais uma vez, como no Dragão, a equipa de Guardiola evidenciou dificuldade naquilo que normalmente costuma ser forte - aproveitar as costas da pressão. Espaço que o Barcelona deixa na tentativa de gerir os homens mais adiantados do Bayern. Construiu melhor em organização, mas sofreu imenso com as transições pelos erros que cometeu em posse. Na segunda parte melhorou o controlo do jogo mas teve menos chegada. Cometeu menos erros, talvez, por ter tentado menos acções de risco Foi uma fase onde o Bayern até teve mais bola, mas nunca a conseguiu manter no meio campo do Barcelona durante muito tempo, obrigando-os a defender. Por outro lado, o Barcelona não mostrou excelência na construção, nem no futebol apoiado. Apesar de não ter sido excepcional a defender teve uma boa capacidade de concentração. Aproveitou os erros individuais, saiu bem em transição ofensiva, e tem um fenómeno em campo. Se a eliminatória ficou quase fechada é por ter individualidades tão fortes, e enquanto as tiver será sempre candidato a ganhar tudo. 

32 comentários:

Bonga disse...

Eu gostava de saber , se for possível explicar, como é que se podia defender aquele 2º golo do Messi. Proponho que se tente (é difícil, eu sei!) olhar para o golo abstraido-se da magia do argentino. Olhe-se para a organização defensiva do Bayern.... Para além do Benatia ter ficado a papar sono e ter os apoios todos mal orientados e se ter atrasado para chegar à cobertura ao Boateng (e isto não é pouco) haverá mais alguma coisa?

R.B. NorTør disse...

Parecia que estava a rever os lances. Então aquele do Messi a sair do meio de um cacho de Bávaros!...

Uma nota, vocês aqui normalmente dedicam-se mais aos aspectos técnicos, mas não andará o Bayern a precisar de um psicólogo? Digo isto porque o Bayern a jogar fora de casa se transfigura totalmente. Tivemos o jogo do Dragão, o jogo da semana passada em Leverkusen e agora este. Sim, neste Messi devia ser preso por violação e assédio, mas mesmo assim, ao longo do jogo houve um número de lances em que o posicionamento do Bayern impedia a bola de chegar a Messi ou a Neymar.

Depois do "mergulho" do Neymar (cujos protestos dão origem à desconcentração que leva ao primeiro golo) acho que o Bayern defensivamente se eclipsou, ou seja tudo o que havia sido o seu processo se esfumou.

O Barça naqueles últimos 20 minutos teve mais ocasiões flagrantes para marcar do que no resto do jogo todo. Se a eliminatória fica "fechada" (até ao lavar dos cestos é vindima, mas...) e se não está mais fechada ainda (naqueles 20 minutos finais se o Barça faz 4 ou 5 golos só chocaria quem não estava a ver o jogo) não se deve mais a uma incapacidade do Bayern em lidar com a pressão mental do que com uma incapacidade puramente técnica? Ou houve algum aspecto que me passou ao lado? (Não vale responder Messi... ;) )

Ricardo Perna disse...

Que análise, muito obrigado.... :)

Duas questões:

- Luis Suaréz, que desastre. Cada passe falhado e eu só me lembrava de vocês :)

- Este é daqueles jogos onde as individualidades fizeram mais falta ao Bayern, não?

Robben e Ribery, principalmente, fizeram falta pela necessidade de criarem desequilíbrios, de serem criativos. Muitas vezes, em transições ofensivas, Lewa e Muller ficavam "sozinhos contra o mundo". Uma vez conseguiram os dois construir uma finalização no meio de 5 ou 6 jogadores do Barça, mas não se podia pedir mais a apenas duas alminhas... faltaram criativos, como vocês dizem, e desta vez, o coletivo não conseguiu disfarçar, porque do outro lado tanto o coletivo como as individualidades, meu Deus, eram.... inarráveis, como vocês dizem :)

Roberto Baggio disse...

"- Este é daqueles jogos onde as individualidades fizeram mais falta ao Bayern, não?
"

Yup. De acordo.

Roberto Baggio disse...

"não se deve mais a uma incapacidade do Bayern em lidar com a pressão mental do que com uma incapacidade puramente técnica?"

n faço ideia

Roberto Baggio disse...

"Eu gostava de saber , se for possível explicar, como é que se podia defender aquele 2º golo do Messi."

não sei

joao santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
joao santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
DC disse...

Ando há muito tempo a dizer que não gosto de quase nenhum jogador do Bayern e ontem ficou explícito.
A maior parte não é de topo tecnicamente e muitos deles nem sequer entendem o jogo. 2 anos com Guardiola e continuam a soltar a bola o mais rápido possível mal ela chega ao pé. Criatividade, desequilíbrio, nada.

E aí se calhar coloco um bocadinho de culpa ao Pep por ainda não lhes ter conseguido meter alguns desses conceitos na cabeça, embora admita que deva ser muito difícil.

Mas naturalmente ontem, trocando os 11 de treinador, o Pep tinha ganho facilmente. Este Bayern nunca chegará aos calcanhares do Barça. É impossível quando em vez de Messi Iniesta e Busquets há Schwein Lahm e Xabi Alonso.

Roberto Baggio disse...

"Mantinham na maioria das vezes, 3 à frente da linha da bola. Assim nunca afundaram no terreno."

3 não. 2. 3 só quando Neymar não conseguia recuperar. Messi e Suarez sim, sempre.

Ancelotti fez o mesmo em Munique

Manuel Nascimento disse...

No 2º golo, antes de Messi.
O Bayern aborda mal posicionalmente o momento em que decide pressionar o Barcelona, que toca de Piqué para Busquets. Mas ter Busquets também torna tudo muito fácil. Antes de receber olha para a direita, para perceber o que o rodeia, já viu / leu tudo à sua esquerda, pára a bola e desmonta com um passe super simples, mas vertical, a pressão de 3 do Bayern. A cobertura está muito longe e Rakitic tem espaço entre linhas. O resto já se sabe.
O lance é muito facilitado, é certo, mas a classe e a inteligência de Busquets também não tem preço. Dás-lhe uma abébia e também te desmonta uma equipa inteira, só precisa de meio segundo de desatenção do adversário para o conseguir aproveitar. Sempre atento. Lindo.

Tiagolas disse...

Piqué criativo???? Mais técnica de passe tem o Mascherano.

Jorge Frias disse...

O Mascherano é uma catástrofe. O lance da 1ª parte em que Muller cruza e Lewa não consegue encostar é de apreciar o Mascherano.

Roberto Baggio disse...

"Piqué criativo???? Mais técnica de passe tem o Mascherano."

agora sim já posso dizer que já li tudo

DC disse...

O Mascherano se calhar tem muita técnica de passe e vê é mal ou tem algum nível de daltonismo.

Pedro disse...

Fiz uma pequena pesquisa no site e fico triste de nao haver nem uma mencao ao futebol praticado pelo bayern Campeao europeu de 2013.

Seria importante saber a vossa opiniao de como uma equipa demolidora que derreteu um barcelona por 7-0 na champions no espaco de dois anos ser uma equipa tao pouco consistente.

Como explicar que esse bayern que continua ano apos ano a ser um all star da bundesliga se permita ao luxo de perder competicoes internas quando os seus directos rivais tem menos materia prima aquando da conquista de todas as competicoes.

Como explicar isso sem dizer o obvio.. Que o Guardiola pegou numa besta e que a tranformou em algo esteril.

Quanto ao jogo...

o bayern poderia ter levado o empate e rasgo de messi deseqilibrou..sim e uma parte da historia.. mas a verdade e que o bayern foi ao intervalo com um nulo simplesmente porque tambem fizeram "batota". Jogam com o neuer!

Miguel Pinto disse...

Arrisco a dizer que se Messi estivesse no SLB este estaria a jogar as meias finais da champions.

João André disse...

À muito que sigo este blog e procuro intervenções do Baggio porque me revejo em muito que ele diz, esta é minha primeira vez que comento.
O meu objectivo com este comentário é agradecer todo o vosso trabalho e que não parem porque secalhar como eu há muitos que não participam e admiram as vossas palavras.
Não conheço nada deste projecto mas se tudo isto é feito por simples paixão é de louvar porque sem dúvida este é melhor blog de futebol deste país.
Especial agradecimentos ao Baggio e ao Maldini que adorarei conhecer pessoalmente.
Vocês não têm conta youtube onde mostram os vossos videos??
Por acaso não têm nenhuma liga fantasy?
Espero que este projecto cresca porque já estou farto de ver gente sem querer evoluir.

Gonçalo Matos disse...

Pedro,
Achas que é normal uma equipa ganhar sempre tudo? Eu não.
Modelo de jogo actual muito mais interessante, muito mais dinâmico.
Acho que mesmo a percentagem de vitórias é mais alta agora.
Não te esqueças também que não jogaram três dos melhores jogadores do bayern e que o jogo basicamente foi decido por um jogador, do Barcelona.
Colectivamente não houve grandes diferenças

João disse...

Vi isto hoje no jornal e lembrei-me logo de vocês. Impressionante como no mesmo sítio em que dá a solução e a resposta adequada ao problema, consegue também dizer aquela barbaridade tão comum... enfim..

Pepa, sobre Paulinho, jovem de 17 anos que vai para o Liverpool

http://s2.postimg.org/s3n0ett09/IMG_20150507_144441.jpg

Interior-Direito disse...

Pedro, a equipa demolidora do Heynckes tem uma época de existência. No ano anterior, tinha perdido tudo...

Vai la ver quantos campeonatos revalidou o Bayern nos últimos anos, já agora...

Vasco disse...

https://www.facebook.com/CarlosPintadoCoach/videos/vb.123665854379336/831202283625686/?type=2&theater

Pedro disse...

Gonçalo matos.. Sim quando o plantel teóricamente e mais forte que nas duas anteriores épocas e o dos rivais mais fracos. Em termos de consumo interno sim se espera que se ganhe tudo para mais quando não houve alteração da equipa técnica.

Dizer que o jogo foi decidido por Messi e só olhar para os últimos 15 minutos de jogo. O barcelona foi sempre superior e só neuer por ser do outro mundo permitiu que o resultado se mantivese a zeros. O bayern teve uma oportunidade de golo em todo o jogo. Mas chegou a chutar a baliza? E que não me lembro de uma defesa do guarda redes do barcelona..
Interior direito. E uma pergunta para ti? Em quantos anos assististe o ganhar D um campeonato do bayern e champions contra o segundo classificado da bundesliga?

jorge gaspar disse...

"como é que se podia defender aquele 2º golo do Messi."

Eu teria fechado o espaço para o meio. Dava ao Messi a oportunidade de seguir em frente e provavelmente rematar com grande propabilidade de fazer golo. O lance nunca seria fácil para o Boateng, mas ao ter dado espaço para o Messi vir para o meio, deu lhe a oportunidade de o enganar por completo. Se não o deixasse vir para dentro, dificilmente o Messi ficaria numa situação tão fácil (só com o Neuer pela frente) como aquela em que ficou.
Correria sempre o risco do o Messi o conseguir ultrapassar face á velocidade do Argentino com bola. Ainda assim, penso que seria a melhor opção.

Mike Portugal disse...

"como é que se podia defender aquele 2º golo do Messi."

Não faço ideia, mas sei o que NÃO deve ser feito. E foi precisamente o que o Boateng fez, que foi virar-se de frente para o Messi em vez de acompanhar a corrida dele.

DC disse...

Mike, então tu achas que o Boateng se devia colocar de costas para o Messi numa zona onde ele já pode chutar à baliza se quiser? E logo ele que tem má pontaria e nunca marcou golos dali...

Mike Portugal disse...

DC,

Virar de frente para um gajo que vem em corrida contra ti é que não, certo?

DC disse...

Mike, eu acho que ele tem que proteger a baliza e foi o que fez, deu-lhe o lado de pior ângulo e de pior pé.
O problema é que o pior pé do Messi é melhor que o dos outros todos.

jorge gaspar disse...

Ele virou de frente para o Messi, porque o Messi virou-se para dentro. Aí já não tinha grandes hipóteses de fazer o que quer que fosse. Se o Messi tem continuado para dentro estava criada uma situação de 3 para 2 numa zona de finalização e a probabilidade de ser golo era grande. Ainda assim,o Messi resolveu da melhor maneira ficando 1 para 1 com o guarda-redes.
Se houvesse superioridade numérica da parte da defesa, o Boateng podia ter dado o lado dentro. Sem superioridade numérica era preferivel tentar levar o Messi para uma zona mais afastada do centro. Tenho poucas dúvidas de que seria a melhor decisão, mas duvido muito que conseguissem evitar o golo.

M disse...

O messi não chuta à baliza, o Messi faz passes para dentro da baliza...

Interior-Direito disse...

Pedro, reformula lá a pergunta que eu não percebi.

jorge gaspar disse...

DC vê o lance outra vez e vê como está posicionado o Boateng no momento em que o Messi dá aquele toque para dentro (momento imediatamente antes da finta). Nesse momento ele nāo está a dar o lado de pior ângulo e pior pé ao Messi, ele está simplesmente posicionado entre o Messi e a baliza. Se o Messi tem seguido para dentro o Boateng já tinha sido comido na mesma. A partir do momento em que ele recebeu a bola, o Boateng teria de o obrigar a ir em frente diminuindo o ângulo e tendo de decidir com o pior pé. O problema é que o pior pé do Messi faz aquilo que se viu.
99% da jogada é puro talento daquele sacana. Naquela situação, o Messi deve conseguir fazer golo mais de 50% das vezes contra qualquer central.