quarta-feira, 3 de junho de 2015

A história de um jogador

A história do Rui é a história de uma equipa que perdeu o campeonato no último jogo. A história deste guarda redes é a história de uma equipa que ganhou a possibilidade de entrar na última jornada como equipa melhor posicionada para ser campeã.

Nesta época, que para mim terminou Domingo, estivemos envolvidos na luta pela conquista do campeonato até ao último jogo. E até lá, num campeonato que disputámos com uma equipa que está sob coordenação do Maldini, a melhor posição era a nossa. Dependíamos de nós, tendo apenas que vencer o último jogo do campeonato, fora de casa, para celebrar. Acabou por não acontecer e a equipa técnica que o Maldini supervisiona ganhou o seu respectivo jogo e festejou o campeonato.

Para quem viu o jogo de fora, a imagem que fica é a de um jogador que comprometeu por completo as expectativas da equipa matando o jogo na primeira parte com um erro individual. Para quem vê o jogo de dentro, a imagem é a de um jogador que depois de erro terrível - que deixou a equipa desolada e desconcertada; que deixou a equipa descrente das suas possibilidades de dar a volta ao resultado - teve a coragem para continuar a dar o que sempre deu aos colegas: mais uma solução de passe. Com ele em campo estivemos sempre em superioridade. Ele era sempre mais um jogador com o qual os colegas não se fartavam de interagir. Estar na posição em que ele esteve e fazer o que ele fez na segunda parte é de quem os tem bem sítio. E se ele estava péssimo ao intervalo e inconsolável no final, eu no fim estava feliz por perceber que para lá da sua qualidade está um jovem cheio de coragem para fazer aquilo que muitos futebolistas se recusam a fazer - jogar futebol. E é essa coragem que lhe vai valer no futuro. Sinto um orgulho enorme por ter tido a possibilidade de o treinar.

video

Para fechar, a mensagem do treinador campeão a quem dou mais uma vez os parabéns.

7 comentários:

Jorge disse...

Grandissimo Rui e excelentes treinadores...
No passado fim de semana vi uma equipa do meu clube desistir de jogar futebol por terem medo do adversario. O treinador apesar de ter miudos que sabem jogar muito bem, intimidou-se e optou pelo chuto para a frente para tentar ganhar a final com sorte. Quase que ganharam o que teria sido uma licao pessima para todas as pessoas envolvidas.
A equipa do Rui perdeu o jogo mas ganhou muito com esta experiencia gracas ao feedback do treinador...
Parabens a todos.

Cole disse...

https://www.youtube.com/watch?v=8TVCiDq0FcU

"Ok señores, como siempre"

Fidelidade ao que acreditamos. Para o melhor ou para o pior. É de mais autenticidade que precisamos e menos de pessoas que "vendem" aquilo que acreditam para atingir o resultado imediato.

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

O vosso guru não saiu de Portugal....
Jesus no Scp....

Gonçalo Matos disse...

Acho que o meu comentário de ontem não foi enviado.
O Rui é um miudo incrível, com uma maturidade muito acima da sua idade. Era frequente ve-lo a observar os nossos adversários e muitas vezes conversavamos sobre o modelo da nossa equipa e doutras equipas, algumas profissionais.
É louco qb, tem muita confiança e nunca, nunca foi abaixo.
Teve erros, como todos têm. Alguns destruiriam a confiança de quase todos, mas no caso do Rui, não significavam nada. Era habitual, depois de um erro, ve-lo arrancar defesas do outro mundo.
Melhor ainda, era normal, depois do erro, ve-lo adiantar-se no terreno para controlar a profundidade e para dar mais soluções aos colegas.
Grande Rui!

R.B. NorTør disse...

Parabéns aos intervenientes. Como formadores de futuros homens é sempre bom ver aqui malta a focar-se no que realmente importa, a personalidade dos "putos" e menos no imediatismo. Putos que aprendem a ultrapassar dificuldades são os que acabam por ir mais longe, mesmo que a vida os afaste do desporto.

Abraço aos dois e obrigado pelo trabalho.

Rafael Antunes disse...

Parabéns a todos os envolvidos... Keep leading the way!!!!

R.B, na mouche!!!!!

Costa disse...

O Rui é um guarda-redes líbero. Primeiro jogador na fase de construção. Foi fantástico vê-lo a fazer isso durante a época, e a arriscar na finta aos avançados adversários. Estivesse a perder ou a ganhar assumia o risco de o fazer. Fixava o ponta adversário e a jogada começava por aí.

No último jogo deu uma casa monumental, estava visivelmente nervoso, ele e a equipa toda. Mas mesmo após o erro, levantou-se, continuou a ser ele, fintou pro duas vezes o ponta adversário, recolheu algumas bolas e levantou logo a cabeça à procura de uma linha de passe e ainda teve tempo para fazer um bom par de defesas.

Tenho orgulho em poder dizer que o Rui é guarda-redes no meu clube de sempre. Mesmo tendo uma equipa técnica constituída por picaretas, sendo mesmo um deles apanha-bolas profissional e outro vendedor de nougats.

Envelheci 10 anos a ver o Rui esta época, porque, como qualquer bom guarda-redes, é louco. Provocou-me várias avarias cardíacas. Não trocava essas avarias por nada. Deu prazer vê-lo jogar esta época.