sábado, 1 de agosto de 2015

Lopetegui, o corredor central, e a segurança.

O FC Porto, conforme o esperado, já se mostra muito mais competente na aquisição dos comportamentos que o treinador quer do que os principais adversários. Por ser o segundo ano do treinador com a equipa, e sendo que a maior parte dos jogadores já fazia parte do plantel, o trabalho de Lopetegui é mais simples que o de Jesus ou que o de Vitória. E apesar da grande evolução que já demonstra, colectivamente, para esta fase da época, os comportamentos em organização ofensiva não dão para já sinais de evolução.

Os extremos do Porto continuam a ser as grandes referências em termos de criação. As alas do Porto continuam muito bem servidas, e por isso o treinador do Porto continua, e bem, com a ideia de dar protagonismo a quem joga mais perto da linha lateral. Porém, o jogo do Porto carece de variabilidade, com o objectivo de criar dúvida a quem defende, e criar melhores condições para os extremos e laterais usarem a sua qualidade individual. Os médios jogam na maior parte do tempo fora do bloco, em segurança, e arriscam pouco em progressão por forma a queimar linhas. Os centrais  e os médios não têm como objectivo buscar o passe vertical. Os posicionamentos adoptados não permitem que se procurem outro tipo de opções, fora aquelas que o treinador pede. O jogo interior do FC Porto acontece em dois momentos apenas - quando o avançado baixa para pegar; quando os extremos fazem movimentos interiores. Mais fácil de parar uma vez que na maior parte do tempo os extremos recebem com contenção e cobertura.

O Porto continua dominante, forte em posse, forte na transição defensiva, com boas referências de pressão, e com algumas movimentações ofensivas de qualidade. Mas, para já, não mostra qualquer evolução no sentido de utilizar mais o corredor central. Carece de melhorias em organização ofensiva, para que os jogadores mais desequilibradores recebam em melhores condições para causar dano. Para isso o Porto precisa de mostrar que também pode ferir pelo corredor central, ainda que o lance acabe por se definir no corredor lateral. Falta criatividade, atrevimento, capacidade de desequilíbrio individual, no corredor central, é certo. Mas antes disso falta a intenção - pelo posicionamento/pelo dedo do treinador - de o utilizar. Demasiado seguro é este jogo de posse do Porto, porque do ponto de vista do posicionamento não permite criatividade na utilização dos três corredores.

9 comentários:

Gonçalo Matos disse...

Acho o Tello horrível. A unica coisa em que é forte é a explorar a profunidade e se a situação tiver um nivel de complexidade normal, erra quase sempre.
mas parece-me que vai jogar muita vez, este ano

DC disse...

Concordo, embora me pareça que as dificuldades técnicas dos médios horríveis que jogaram mais tempo contribuem para isso.
Acho que com Imbula e Evandro e com o médio que certamente ainda chegará, as coisas vão evoluir.
E parece-me que se nota um pouco mais de intenção de explorar o meio, mas sempre com más execuções.

E estes resultados a zero são fantásticos para o treinador perceber o que falta à equipa.

Roberto Baggio disse...

"embora me pareça que as dificuldades técnicas dos médios horríveis que jogaram mais tempo contribuem para isso."

Sim...

"Acho que com Imbula e Evandro e com o médio que certamente ainda chegará, as coisas vão evoluir."

Não chega evolução individual, porque estarão sempre limitados em termos de linhas de passe ao que o treinador dá. É preciso variar colectivamente. Mas também me parece que melhore.

"E parece-me que se nota um pouco mais de intenção de explorar o meio, mas sempre com más execuções."

Não achei por acaso. Mas como sempre posso tar enganado.

"E estes resultados a zero são fantásticos para o treinador perceber o que falta à equipa."

Esperemos que sim

Ze Miguel disse...

Que tal o André André?

nonameslb disse...

Nao sei se tem qualidade suficiente para agarrar o lugar mas eu adoro ver jogar o Sergio Oliveira,pode vir a ser um grande craque se tiver minutos.

jorge gaspar disse...

Baggio, é incrível a diferença a nível ofensivo deste Sporting com duas ou três semanas para este Porto com 1 ano, e o melhor do Jesus até é a organização e transição defensiva. No Sporting, vês 3, 4 jogadores a darem opção de passe junto á defesa contrária, no corredor central. Para além disso nunca vês 2 jogadores a darem opção de passe, junto á linha.
Continuo a achar que o Brahimi é um dos melhores jogadores do campeonato e que está muito mal aproveitado neste Porto, sempre com poucas opções de passe.
Achas que o Jesus tem melhor plantel este ano que no ano passado?

Blog de Portugal disse...

Tá bom para ir para o Málaga.

Roberto Baggio disse...

Jorge, acho que são equivalentes. Nem melhor, nem pior (11). Se for plantel, sim o Benfica tinha melhor. Mas no onze inicial as diferenças já não existem.
Quanto ao resto, por isso é que um é o melhor treinador em Portugal, e um dos melhores do mundo, e os outros são só os outros.

E eu até sou mais adepto de um estilo mais pausado como o do Porto. Mas o JJ é fodido. Nada que não se soubesse já, e que não fôssemos avisando. O tipo operacionaliza como ninguém.

Drakemeister "kiko" disse...

Relativamente a essa carência de ferir as zonas centrais tenho um nome a apontar, Imbula. Acreditem, vai fazer muito a diferença.