segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Imaginação - Sub21 ou AA?

Parece inexplicável o facto de nos dois últimos jogos da selecção as melhores exibições individuais terem pertencido a dois jogadores que há muito pouco tempo disputavam o Europeu de Sub21. Bernardo Silva e João Mário partilharam o mesmo relvado de Nani, Ricardo Carvalho e Ronaldo. É deles que se fala porém. Não é de agora que eles estão prontos para entrar na equipa principal portuguesa. Há muito que se afirma que têm qualidade para lá estar, porque acrescentam naquilo que é a maior lacuna da nossa selecção - falta de imaginação gritante. É na criatividade que os dois mais se destacam dos outros.

"Portugal tem William, Bernardo, e João Mário, todos no mesmo onze. Tendo em conta o contexto, pode dizer-se que beneficiamos de uma batota."
Carregue no Link acima!

PS: A federação precisa de criar com urgência um plano e um rumo para o futebol de Portugal.

16 comentários:

Sergio Gonçalves disse...

Hoje, fiquei com a sensação que o selecionador andava a ler este blog. Estou a referir-me ao selecionador albanês. Só vi a 2ª parte, mas eles dominaram o jogo. O nosso meio campo...

GV disse...

Viva!

O que defendes/defendem como ideias a introduzir pela FPF na definição desse plano e desse rumo?
Juntamente com a Liga definir regras nas competições que promovam uma maior utilização de jogadores formados em pt?
Sendo em princípio o incentivo/obrigatoriedade de aposta na formação uma medida de médio/longo prazo, que outras medidas teriam efeito catalisador mais imediato na qualidade do futebol praticado pelos AA?

Cumps,

Blessing disse...

defendo que alguém tenha uma ideia transversal para todos os escalões nacionais ao nível da federação.

GV disse...

Ideia de jogo comum a todas as seleções?

Ruben Ribeiro disse...

Que que acharam da exibição do Veloso hoje ? Gostei da exibição dele até. Tendo em conta o contexto, em que as linhas estavam bastante longe umas das outras e não havia mobilidade dos apoios, acho que até jogou com algum critério e foi dos poucos que tentou jogar futebol apoiado em vez de profundidade.
Acaba contrato em Janeiro e quer vir para o Sporting, podia ser um bom reforço para mandar o Adrien pra a terra dele.

No entanto só li críticas ao rapaz, será ainda os preconceitos de ser pouco intenso ou gordo (que curiosamente esta bem magro) ?

bio disse...

Epa é Baggio, eu já nem pedia para eles fazerem o trabalho deles, porque é isso que estás a pedir.

Eu já só peço para o Fernando Santos colocar os melhores.

Que esteja calado o jogo todo e que entregue o jogo a quem joga.

Porque pior já me parece impossível.

Pedro Gama disse...

Boa tarde. Tenho um blogue sobre mitos. Gostava que lesse este post que escrevi:http://futebolmitosemitos.blogspot.pt/2015/09/a-selecao-portuguesa.html. Concordo plenamente com o que escreveu. Fernando Santos tem usado velhos e bons. Eu prefiro novos e velhos

Pedro Gama disse...

Concordo plenamente com o q foi escrito neste post. Para a seleção prefiro jogadores com qualidade, mas bons, já Fernando Santos prefere experientes. Espero uma avaliação, deixo aqui o link de um post q escrevi para o meu blogue de mitos:http://futebolmitosemitos.blogspot.pt/2015/09/a-selecao-portuguesa.html

Jorge Gaspar disse...

Hoje percebo o que disse o baggio no euro sub21. Sempre a aprender

Dennis Bergkamp disse...

Não é preciso olhar para muito longe, para conhecer federações que realmente se preocupam em fazer o seu trabalho.

Formadores de treinadores (que é diferente de treinadores), que vão aos clubes de x em x meses dar formação a quem lá exerce funções de treinador.... de borla. Garantir que essas pessoas são "formatadas" para um jogar comum, a previligiar o mesmo tipo de ideias.

Os niveis de treinador em PT são máquinas de fazer dinheiro as associações. Não são uma maneira de dotar TODOS os que trabalham no treino com conhecimento e competências para ajudar a potênciar jogadores. Os preços são obscenos, os horários são o horror (como é que faz algum sentido, as aulas do curso serem nos horários de treinos e de jogos de 95% das pessoas que frequentam os cursos? cabe na cabeça de alguém, ter de faltar a treinos e a jogos durante não sei quantos meses? ou acham que as pessoas vão tirar os cursos e só depois é que vão treinar????).. e nem se fala do que se aprende, tendo em conta o que se paga.


Não adianta "obrigar" os clubes a utilizarem só jogadores portugueses, se depois metade das equipas baterem nela de olhos fechados, 1/4 bater nela de olhos abertos, e mais 1/4 tentar meter a menina no chão e olhar a volta antes de decidir.

Continuam a aparecer jogadores "apesar de" e não "graças a".

David Cardoso disse...

Não percebo como é possível o Bernardo não ser titular (indiscutivel) desta seleção ... uma qualificação arrancada a ferros , temo que com o CR7 a não ficar mais novo, nas futuras qualificações se preve muito sofrimento...

Em relação ás camadas jovens a unica coisa que melhorou foi feito pelos clubes, com a instalação das equipa B , que permite aos miúdos terem ritmo de jogo e competição, caso não seja repensado pela federação um plano e um rumo para o futebol de Portugal ,muito sofrimento virá daqui pra frente...

GV disse...

Entendo Bergkamp e não sabia desses aspetos dos horários das aulas dos cursos, etc...

Então aparentemente há um lobby que ganha dinheiro com a formação de treinadores, eventualmente muito pouco preocupado com a formação em si, e, é há um lobby que ganha dinheiro com as transferências da américa do sul, etc...

Isto enquanto a federação assobia para o ar e os clubes têm cada vez maiores dificuldades financeiras; uns por alinhamento com os lobbys e gestão danosa consequente, outros porque vivem apenas das transmissões televisivas e dos patrocínios que conseguem.

Problemas de massa crítica sem acompanhamento federativo... e depois há também a Liga onde se exercitam os egos clubistas em vez de se procurarem soluções efetivas para os problemas comuns...

A médio/longo, retiro que há a questão da formação e do acompanhamento dos treinadores, há a questão das contratações excessivas de estrangeiros (a limitar mais mas não a eliminar; vidé Premier League - os jogadores pt continuam a aparecer... mas qtos são desperdiçados a favor de valores questionáveis ou no máximo comparáveis; vidé Taliscas desta vida) e ainda há a questão do alinhamento da ideia de jogo intra-seleções.

Não me parece haver uma qualquer medida que altere as coisas de forma imediata e não me parece que haja um lobby forte dentro do negócio futebol que combata as questões aqui abordadas. Assim parece complicado e não havendo esse lobby, as mudanças são muito graduais e as mais bruscas serão de fora para dentro, ou seja, imposições da UEFA, etc... Será que nem nisto somos capazes de gerir no que é nosso?

Ruben Ribeiro disse...

Bergkamp e a questão das cunhas, em muitos dos cursos grande parte dos meninos ex-jogadores nem metem os pés nas aulas nem nas avaliações, mas depois tem sempre as melhores notas.
Pelo menos na AFP é assim.

Edson Arantes do Nascimento disse...

A França foi a Lisboa dar uma boa lição do que é trabalhar com tino. E no final do jogo falou-se apenas do árbitro, de sorte e de azar...

Eu vi uma equipa que, independentemente do treinador (na qualificação não há tempo para treinar), vai jogar mais ou menos da mesma maneira. Ideia essa que os clubes desse país, de uma forma geral, também abraçam. É uma mistura de jogadores potentes e fortes com alguns rapazes de fisionomia diferente e melhor entendimento do jogo. Não é espectacular mas garante a sobrevivência de forma tranquila e até algum sucesso desportivo (gerações e gerações seguidas com óptimos valores, vários de qualidade muito superior) e económico.

E depois vi outra equipa que é uma coisa indefinida. O próprio F. Santos (que eu não aprecio, apesar das suas equipas de longa duração apresentarem alguma qualidade ofensiva) foi filmado, no jogo com a França, a fazer gestos de grande insatisfação.

É uma equipa de C. Ronaldo, que até nos pontapés-de-baliza exige a bola para si e que decide e faz tudo como quer, de Quaresma, de Pepe (enquanto este bate na frente a toda a hora, R. Carvalho está sempre a pensar o jogo todo), do fraco-fraco-fraco Danilo, do Éder mas também do B. Silva, do Nani, do William...

Há uma contradição inultrapassável. Porque depois o trabalho nos clubes também é feito por ilhas e sem grande discussão de ideias. É a sensação que tenho, pelo menos.

Os jornalistas também têm alguma culpa porque a malta que fala sobre desporto parou um bocado no tempo e só agora se começa a notar algum ar fresco, que aprecia analisar o jogo (ou mesmo o desporto em geral) de uma forma mais abrangente.

Blog de Portugal disse...

Penso que o trabalho maior tem que ser feito nesta "estrutura de fundo" muito corrompida que governa o futebol português:

1 - Problema da formação dos treinadores já mencionado. Nenhum clube aceitaria receber essas formações, tendo que as pagar. Alguém teria que pagar aos formadores, mas a FPF diria que não tinha dinheiro, apesar de estar a construir a Cidade do Futebol e pagar 700 euros por dia a cada jogador num Euro ou Mundial.

2 - Pensar apenas no resultado e não na verdadeira formação dos jogadores, apesar de a conversa ser no sentido contrário. Basta ver o que também foi mencionado no Euro sub21.

3 - Preferência por jogadores estrangeiros em vez de nacionais, dado que um estrangeiro custa mais dinheiro, mas movimenta muito mais dinheiro, que permite que algum vá caindo nos bolsos de uma série de dirigentes dos clubes e seleções (para nem falar dos empresários...)

4 - Corrupção que ninguém relata no nosso país. Ou alguém acredita que só mesmo o Porto, Boavista e Leiria eram os corruptos do nosso futebol? Deve-se contar é os jogos do nosso campeonato em que NÃO há tentativas de aliciação dos árbitros, por uma equipa envolvida nesse jogo ou não.

5 - Falta de dinheiro na formação (à exceção de 4/5 contextos), que leva naturalmente a que todos os treinadores queiram chegar ao futebol profissional, pois é impossível sobreviver com o que pagam na formação, levando a que as prioridades estejam erradas.

6 - Falta de um consenso sobre como deve ser o treino e a formação de jogadores em Portugal, porque à exceção de alguns (não todos) treinadores da formação que podem só viver com isso (que são muito poucos) e alguns "iluminados", como os autores do blog, ninguém que saber disso. Para quê?
Tínhamos as melhores equipas do Mundial sub20 e sub21, não interessa para nada se a Alemanha já está a preparar o Mundial de 2034 (não é mentira) e nós ainda não fizemos nada.

7 - Como em tudo o que se passa neste país, o vício das cunhas ainda leva a que muita gente incompetente desperdice recursos humanos de muita qualidade.

E mesmo que mudássemos isto tudo, ainda estávamos longe da qualidade da Alemanha, Espanha e França... A nossa sorte é que ao fim de contas muito se resume a um 11vs11 em que há muita imprevisibilidade e aleatoriedade...

R.B. NorTør disse...

A questão não é exclusiva da modalidade futebol, no futebol simplesmente a visibilidade é muito maior.

Há dois exemplos claros a nível europeu, que são França e Alemanha. No caso alemão lembro-me de alguém aqui no blog explicar bem como eles evoluíram depois do fiasco de 2000. Sei que no Posse de Bola há um link para uma entrevista ao Paul Breitner onde isso é abordado.

No caso da França é algo transversal a tudo o que é desporto, principalmente porque o desporto é utilizado para fazer as vezes da antiga tropa no que integrar culturas diferentes. Há uma estratégia nacional que vai do nível local ao nacional, passando pelo regional, que inclui não só competição como formação, quer de atletas quer de treinadores.

Quando estava a ver o jogo, do qual só vi a segunda parte, dei por mim a pensar que, em sinal aberto, agora só se vê a selecção e pouco mais. Quando o espectáculo que a selecção dá é este e os putos mal têm tempo de jogo fora dos clubes, ao contrário do que alguns dos picaretas que aqui comentam tiveram, não pode isto ser uma receita para o desastre? Nesse sentido, faz sentido no futebol de formação «perder-se» tempo a passar vídeos?