segunda-feira, 7 de setembro de 2015

O jogo na actualidade e o perceber as capacidades dos atletas. O duelo Messi - Ronaldo.

"O Slimani era um jogador que só se sabia posicionar para finalizar. Nós fizemos-lhe sentir que no futebol atual isso é muito curto" Jorge Jesus

O texto tem seis anos. Cada vez mais a ideia que o público tem sobre o jogo se vai alterando. Algo quase impensável há seis anos! E uma vitória muito importante do "lateral esquerdo". Todavia, aqui segue a sua transcrição, depois das palavras do treinador do Sporting CP.

"Os Box-to-Box e os trincos que correm kms

É comum afirmar-se que uma equipa deve ser construída através de diferentes características de jogador para jogador.

Ainda hoje, há quem pense que uma equipa deve ser formada por dois ou três "carregadores de piano", dois ou três artistas e um avançado alto e forte. Crê-se que o trinco deve correr kms e que à sua frente deve jogar alguém capaz de transportar a bola pelo campo fora. Que o extremo tem de ser um driblador.

Nada mais falso. Para se formar uma boa equipa, bastam 10 inteligentes jogadores, que sejam capazes de executar um passe e uma recepção, e um treinador com conhecimentos suficientes para transmitir e indicar o caminho a seguir. Nada mais é necessário, para além de tais características.

Na actualidade, o jogo de futebol, não mais, é um conjunto de 10 duelos de 1x1. As (boas) equipas movimentam-se forma harmoniosa e equilibrada por todo o campo de jogo. Em todos os momentos, há algo a cumprir, não só pelo portador da bola, e pelos jogadores que o rodeiam, mas também por todos os outros.

Em todas as ocasiões, há um posicionamento colectivo a ser cumprido, pelo que um extremo pode ter tanta relevância no processo defensivo quanto um defesa central.

Quando observar um jogador, a correr demasiado, tentando ser ele, a pressionar, em todos os momentos, o portador da bola. Quando perceber que determinada equipa sai para o ataque através da condução de bola de determinado jogador. Ou quando, perceber que determinado extremo recorre incessantemente ao drible, desconfie. Provavelmente não são os jogadores que são bons. É a equipa que é má. Tais situações, só são passíveis de acontecer, em equipas cujo colectivo seja débil.

Esqueça a disparatada ideia, de que um Pirlo necessita de um Gattuso. Numa verdadeira equipa, todos experimentam as diferentes funções. Isso é, claramente, algo que as melhores equipas europeias da actualidade nos podem ensinar.

PS - Alan e César Peixoto, dois "puros" extremos, cumpriram, na época 2008/2009, aquela que foi, provavelmente, a melhor época das suas vidas. Ambos jogaram, pela primeira vez, nas suas já longas carreiras, como centro-campistas. Relembre. Basta técnica, inteligência, e um treinador que indique o caminho."

O jogo como um todo!

Onde cada acção é importante. Porque são as acções e decisões "pequenas" na construção ou criação, que levam a que surjam as "grandes", as da notoriedade, na criação (último passe) ou finalização. 
Iniesta é uma máquina na construção, na criação. Ronaldo uma máquina na finalização. Iniesta aparece menos a finalizar e não tem o engenho de Ronaldo nessa fase. Ronaldo tem mil golos. De pé esquerdo, direito e cabeça. Após receber ou de primeira. 
Messi, o melhor de todo o sempre, é a perfeição em todas as fases, em todos os momentos. O argentino não aparece com qualidade só na notoriedade. Descobre situações de jogo mais próximas do sucesso para os seus colegas, a cada bola que toca. Joga sempre para o espaço correcto (no pé? se no espaço, um centímetro à frente ou atrás?) e com o timming ideal. Messi é acertar sempre e aproximar a equipa do sucesso em todas as suas acções.
"Messi é muito melhor do que Cristiano Ronaldo. Messi tem influência no jogo. Cristiano não. Observa se ele tem influência no jogo do Real que não seja fazer golos ou fazer jogadas? Messi é influente" Daniel Alves.

12 comentários:

preto_nharro disse...

Seguindo esta linha de raciocineo, pq joga o slimani e n o montero?

DM disse...

É algo tão óbvio mas que ainda continua distante da percepção do habitual adepto de futebol. Tenho sofrido bastante nos últimos anos quando via o Carrillo assobiado por não optar por meter no Cédric em profundidade e procurar soluções no corredor central e o Capel aplaudido por fazer uma correria louca para tentar um carrinho perto da linha de fundo para chegar a uma bola que nem o Bolt conseguia impedir de sair de campo.

É interessante perceber que JJ considera Slimani um "indiscutivel", ao ponto de arrastar o Teo para 2º avançado e o Montero para o banco, quando para mim o ideal seria ter Teo a fazer de Slimani e Montero de Teo. Deve ser mesmo a capacidade que o argelino tem de aparecer bem nas zonas de finalização que criaram esta "paixão", que começou com Leornardo Jardim e continua com JJ. Também foi interessante perceber o que ele pensa do William. Acho que é inegável que o William vai render o dobro agora que está enquandrado num modelo de jogo onde as soluções de passe vertical são uma constante.

Em relação ao duelo Ronaldo - Messi... eu não vou na tese de que tirando os golos a Ronaldo é um jogador banal. Ronaldo é sinónimo de golos porque os treinadores aproveitaram a sua capacidade técnica e fisica inigualável para o tornar num monstro de golos. Mas o Ronaldo que não é só um um finalizador dá muito à equipa (quando apareceu no Sporting e nos primeiros tempos do Manchester era assim). Ainda no jogo da seleção tem uma jogada onde mostra alguma da capacidade do Ronaldo-não-máquina-goleadora, onde fixa 3 adversários e solta no momento exato para o Nani que ficou isolado para criar uma situação de golo. O problema é que os treinadores (e acredito que o próprio jogador) convenceram-se que o importante é ele marcar golos e acabam por isentá-lo de todas as responsabilidades na construção de jogo ofensivo, onde poderia ser monstruoso também.

Mike Portugal disse...

DM,

"Deve ser mesmo a capacidade que o argelino tem de aparecer bem nas zonas de finalização que criaram esta "paixão", que começou com Leornardo Jardim e continua com JJ."

Não só. O Slimani tem a capacidade de "encostar" os defesas centrais adversários quase à área deles e não deixar que eles subam muito, coisa que nem o Teo nem o Montero fazem. Isto também tem muito a ver com a capacidade de pressing que ele faz constantemente nos defesas e que os outros 2 fazem muito menos. A capacidade física dele permite-lhe fazer isto os 90m e ajuda a equipa a defender.

No processo ofensivo, de facto, não ajuda ter as tábuas que ele tem nos pés, que fazem com que falhe receções de bola e passes simples. Eu também gostaria de ver uma dupla Teo/Montero, mas enquanto o Slimani estiver a marcar golos e em forma, o JJ não o vai tirar.

BlessedCarrot disse...

gostava realmente de ver o Monteiro a segundo avançado mais que meia parte.
Aliás o JJ disse-o na entrevista de domingo passado. Onde diz
Montero não rendeu mas a culpa é minha.
Diz mais:
Vê o Teo mais como 9 mas tem slimani ... Logo joga o Teo a segundo avançado e terá de se adaptar sabendo que tem o Montero como opção mas este terá também de se adaptar

DM disse...

@Mike Portugal, isso é mais por correr muito e muitas vezes sem sentido do que por ser inteligente a fazê-lo :D E não referi isso porque não acredito que seja esse "o" factor que levam os treinadores a escolhê-lo.

E já agora uma pergunta para os autores do blog: o que acham do comentário do JJ em relação ao Gelson Martins? Sim que ele passou na sua formação pelo Fofó, e pelo que percebo vocês estão de alguma forma ligados a este projeto.

Gonçalo Matos disse...

Eu, neste momento, prefiro o Slimani ao Teo. E nunca pensei dizer isto.

Nao vi nada do Teo que justificasse que o Slimani saisse. Teo é melhor tecnicamente mas tem capacidade de decisão horrível, não compreende os timmings dos passes, nao percebe quando combinar ou quando ir na acção individual... Não é tão forte na pressão, não ataca tão bem as zonas de finalização.

Não que eu ache que o Sli é bom, só acho que para já é melhor que o Teo. Pode ser que com mais meses de trabalho com JJ, o Teo melhore.

Quanto ao Montero, já de há muito que sou fã e que quero que jogue... Mas os comboios continuam a passar e ele nunca parece conseguir apanhá-los (assim como o A. Martins). Se é sempre azar com as equipas técnicas ou se há culpa do jogador, também já começo a por em causa...

Ricardo Salazar disse...

Boas,

Li isto e pensei imediatamente em vocês:

"R: Tinha o André Martins...
JJ – Sim, mas o André [Martins] é mais um segundo avançado."

Depois de tudo o que por aqui li relacionado com a posição deste rapaz, qual foi a vossa reacção ao ler isto?

Nuno Almeida disse...

Um pouco off-topic, mas também relacionado com a técnica vs força, deixo este link: http://backpagefootball.com/icelands-football-revolution/66012/
"...Technique is now valued over physicality..."

Nuno disse...

Um defesa central pode ter 1.60m, desde que seja inteligente e que seja capaz de executar um passe e uma recepção ??
Concordo que um Pirlo possa fazer as funções de um Gatuso e vice-versa. Mas não é melhor ter um pirlo e um gatuso do que dois gatusos (ou dois pirlos)?
Na variedade de tipos de atleta (digamos assim) não estará a solução ideal?

Paolo Maldini disse...

Ricardo, já jogar o Adrien ali já contraria o que era a ideia de um 6 para o JJ há uns anos atrás... meter o A.M já iria contra tudo o que ele axa... :)

B Cool disse...

havendo 2 pirlos, seria sempre preferível que jogassem, fosse em relação a 2 gattusos, fosse em relação à grande maioria dos jogadores, porque qualidade técnica e inteligência são características bem mais importantes que capacidades físicas

B disse...

Excelente comentário