segunda-feira, 12 de outubro de 2015

"Nunca houve tristeza, os resultados não estavam a sair. Andávamos a perder nos últimos minutos mas a nossa sorte vai mudar"

Quem o afirma é Cláudio, o Guarda Redes do Tondela que foi suplente de Matt Jones no período em que Vitor Paneira liderou a equipa.

É gratificante perceber que há neste desporto quem consiga raciocinar ignorando os chavões e ideias habituais. Maior o impacto quando se trata de um habitual suplente.

Cláudio sai valorizado. Se não pelas suas qualidades enquanto guarda redes, pelo seu carácter e percepção de que no futebol a derrota não traduz necessariamente incompetência. Tal como a vitória não garante a competência.

Vitor Paneira, sempre elegante e inteligente enquanto pisava os relvados, prometia numa equipa demasiado fraca individualmente mostrar credenciais. 

O pequeno Tondela procurava com Paneira crescer. Percebiam-se as ideias e mesmo nos jogos de dificuldade elevada nunca abdicava de atacar e ter um futebol positivo. Penaltys falhados nos últimos minutos e golos sofridos na compensação retiraram pontos importantes. Porém, lamentável não é a pontuação com que Paneira deixa a sua equipa (e ainda assim acima da linha de água). Lamentável é que não se tenha percebido que o caminho estava a ser bem desenhado. Que a cultura do apenas defender e a prática do anti-jogo nunca acabará premiada. Nem que a vitória passe para seis pontos e o empate se mantenha a um, haverá sempre quem abdique de jogar. Até quando serão esses os premiados?

8 comentários:

Unknown disse...

Sem o V. Paneira, o estigma do tondela vai morrer de vez! Se quiserem ter tondela vao imediatamente buscar o rapaz que tanto fez pelo clube!

nuno disse...

É uma verdade que, com Paneira, o Tondela nunca se limitou a defender. Honra lhe seja feita. Mas eu vi praticamente os jogos todos - não fui à Madeira - e talvez por isso não posso concordar contigo, Maldini. O Tondela do Paneira não existia nos últimos 40 metros, tirando um ou outro rasgo individual por jogo. Era um futebol demasiado incipiente que privilegiava as bolas paradas ofensivas. A única vitória do Tondela do Paneira foi quase fortuita. É rever o golo em primeiro lugar e saber, em segundo, que o Tondela não fez mais nada durante os 90 minutos. Contra o Estoril, por exemplo, o Tondela só foi para cima do Estoril nos últimos 5 minutos quando se apanhou em desvantagem e foi totalmente em desespero de causa.

Bem sei que, hoje em dia, é muito giro dizer que se pretende isto e aquilo, mas depois passar à prática é que distingue os homens dos rapazes. A teoria só engana incautos.

E, finalmente, o plantel do Tondela pode ser fraco qualitativamente, mas parece-me que o Paneira foi o treinador que o ajudou a formar. Foi ele que disse que jogadores queria e que jogadores não queria, não me lixem. Se o Tondela não tem um criativo, um jogador capaz de pensar o jogo, no plantel a culpa é de quem? Minha? Não fui eu certamente nem nenhum adepto que escolheu ter 5 médios de características defensivas no plantel e não ter um dez.

Anónimo disse...

O Paneira pretendia ficar com 4 jogadores do plantel da época passada onde estavam incluídos médios ofensivos. Portanto, não poderemos afirmar que a construção do plantel foi da exclusiva responsabilidade do Paneira.

David Cardoso disse...

Infelizmente ainda muitas pessoas vem o futebol como um momento e não como um projecto

nuno disse...

Eu não disse em momento nenhum que foi exclusiva responsabilidade dele. Mas que ele teve responsabilidades isso é inegável. Jogadores do plantel da época passada o Tondela tem 7 + 1 ex júnior. Nenhum com as características indicadas.

Edson Arantes do Nascimento disse...

É giro como vemos o futebol de maneira diferente. Completo, pelo menos que me lembre, só vi o jogo contra o Sporting, onde o Tondela criou várias jogadas de perigo (três ou quatro) e discutiu a partida. Gostei da forma como defenderam.

Mas recordo também um resumo, de um jogo em casa, em que o Tondela teve tipo duas bolas no ferro e mais umas falhadas na cara do redes contrário. Se não me engano ficou empatado... Ou talvez tenham ganho mesmo no fim, talvez (não interessa muito para o caso).

Sinceramente, mesmo reconhecendo a falta de conhecimento profundo do Tondela, fiquei surpreendido com a rescisão com o Paneira. Ainda por cima para ir buscar o Rui Bento, que me parece um retranqueiro de primeira...

R.B. NorTør disse...

Edson, quando perguntei, no post anterior, pelo Tondela, era precisamente por ter essas mesmas impressões. Desde esse jogo que andava a tentar ver outro jogo, mas «o satélite» não os passava.

Sobre Rui Bento não tenho opinião, pelo que fico à espera de outro jogo com uma equipa digna de tv para comentar.

R.B. NorTør disse...

talvez um bocado fora de sítio, mas para a eterna discussão do que é uma ocasião clara de golo, é só ler no link abaixo o que se diz de Belerin. E salvo erro há por aqui no blog uns elogios ao tipo datados de Agosto de 2014...

http://www.theguardian.com/football/blog/2015/oct/16/premier-league-10-things-to-look-out-for