sábado, 31 de outubro de 2015

Redondo para Maradona, Maradona para Redondo, Redondo para Maradona. O aniversário de Deus é sempre festejado aqui.

“si yo fuera Maradona
viviria como él
Si yo fuera Maradona
Nunca m’equivocaria”

Tudo em Maradona é uma lenda.

Foi em noventa e quatro, que a FIFA destroçou, definitivamente todo um sonho de criança que virara adolescente.

Era uma criança oito anos antes, mas já Argentino. Eles têm o Maradona, não se cansava de repetir o meu mais velho, e mais astuto primo Sérgio.

Os telejornais abriam com os feitos de um baixinho que dominava o mundo. Foi o meu primeiro melhor jogador do mundo, e todos sabemos quão especial isso é. Os seus golos no México, as suas infindáveis jogadas que destroçavam todos quanto os que cruzavam o seu caminho. Ainda que de baixa estatura, de tão brilhante que é salta mais alto que Peter Shilton e de cabeça elimina a Inglaterra. A nossa Argentina sagrara-se Campeã Mundial. Como poderia ser diferente? Nós temos o Maradona!

Três anos depois, quis o destino que o caminho do Napoli se cruzasse com Portugal. O Maradona vem a Portugal. Recordo perfeitamente a emoção que foi saber que tal aconteceria. De facto, impossível é recordar um outro momento em que alguém com maior importância por cá tenha passado. É em oitenta e nove que pela primeira vez me desiludo. Não com Maradona. Nunca com ele. Alberto Bigon deixa o astro sentado no banco de Alvalade, e ainda hoje não percebo porque não se colocou aquele banco no museu do clube. Maradona entra, mas é o dezasseis. O melhor dezasseis da minha vida, garantidamente. Mas Maradona era o dez, e desde então que não esqueci mais o nome do treinador italiano que me atraiçoou. É nessa eliminatória que alguém comete o maior feito que recordo. Ivkovic, guarda redes do Sporting, defende um penalty de Maradona.

É em noventa e quatro que se comete a mais terrível injustiça de que há memória. Maradona está de volta, está bem e recomenda-se. Volta a carregar um país nos seus ombros. Joga, marca, faz jogar. Vamos ser outra vez campeões, penso. Temos o Maradona!

Já depois de destroçada a selecção grega, o telejornal volta a abrir com Diego. A infame FIFA volta a castigá-lo. O uso de cocaína é a mentira avançada para retirar do torneio o seu mais brilhante astro. É claro que uma organização maior teme o que pode almejar a Argentina nas asas de Maradona. Uma enorme mentira, que será um dia corrigida. Ainda hoje estou certo disso.

Nao. Maradona nunca me desiludiu. A culpa esteve sempre nos que à sua volta gravitavam.

10 comentários:

bio disse...

Lembro-me muito bem de 94... Não sei se estás a gozar ou não, mas tenho a nítida sensação de que Don Diego foi mesmo "encavado", aproveitando os erros do passado...

Grande, enorme D10S, o melhor jogador que vi jogar...

Gonçalo Mano

MOS disse...

"En una villa nacio, fue deseo de Dios".

Lamento não ter visto o Deus mais humano desse esporte.

ricjo disse...

Saltou mais alto que o Shilton, mas com a mão chegou à bola. Não com a cabeça. Grandíssimo jogador, indubitavelmente.

Cantinho do Morais disse...

João Havelange é o nome do carrasco.

Esse Mundial tinha de ser o do "Tetra". Mas afinal foi o da "Treta".
Deram ao melhor de sempre a estocada final. De maneira baixa, suja, cobarde. Que o enfrentassem em campo. Usassem o Romário, Bebeto, Dunga, Branco, Cafú e, até, o Ronaldo (que estava no banco, com 17 anos, ainda no Cruzeiro).
Mas não, tiveram medo. Medo de Maradona e do que, com ele, os seus pares Redondo, Batistuta, Caniggia, Ortega, Simeone e Sensini podiam fazer.
Uma vergonha.

ps: lembro-me perfeitamente dessa eliminatória com o Nápoles. Por Alvalade(s) já passaram Maradona e Messi. Um luxo, uma honra.
Em pleno Mundial de 1990, Ivkovic repetiu a gracinha, defendendo novo penalty de Maradona. Tal como o Sporting, também aí acabou eliminado. Ficava pelo caminho uma excelente selecção que o Mundo, infelizmente, nunca pôde ver (Ivkovic, Katanec, Stojkovic, Prosinecki, Jarni, Savicevic, Pancev, Boksic e Suker). Mas isso é outra história...

Blessing disse...

Este é talvez o conto dos contos. E fantástica a interpretação pessoal que lhe deste. Grande artigo Maldini!

Blessing disse...

Este é talvez o conto dos contos. E fantástica a interpretação pessoal que lhe deste. Grande artigo Maldini!

martin vazquez disse...

" o mamma mamma mamma
o mamma mamma mamma
sai perche mi batte il corazon?
ho visto Maradona
ho visto Maradona
eh, mamma , innamorato son. "

a pessoa disse...

Lembro-me deste 94 e de como o golo frente à Grécia fez todo o mundo sonhar. Lembro-me também da abertura do telejornal e do sonho a cair por terra.

Ninguém fez tanto o mundo sonhar como Maradona, isso sem dúvida.

Pedro disse...

O maior dos maiores!!!

João Martins disse...

Existem e sempre existirão grandes jogadores de futebol. Mas não existirá mais nenhum Maradona... Tudo era natural, rebelde, mágico. Nasceu com um dom, e viveu como quis. Como um Deus!