segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Gelson, o menino que promete apaixonar a Europa.

Franzino e atrevido. Humilde e talentoso.

Gelson Martins caminha para ter o mundo a seus pés. O talento é inegável. A forma como se esquiva  e baila, enganando opositores faz lembrar outros extremos genais que passaram por Alcochete.
Miúdo humilde, pacato e trabalhador, impressiona como se transforma no campo de jogo. Torna-se atrevido. Não tem a responsabilidade de assumir, mas não se coíbe de o fazer sempre que a bola contacta com as suas botas. 

Gelson não é só talento. Qualidade técnica e capacidades físicas. E desequilíbrio. Gelson é aquele menino de rua que julgávamos esquecido pelo futebol moderno. Que cresceu no seio dos mais velhos, obrigado na rua a desenvolver competências também enquanto pessoa que o fazem sobreviver no meio dos tubarões. Perseverança, capacidade de sacrifício. É aquele jogador que se formou não só como atleta mas como pessoa / personalidade para o jogo. Alguém que mais do que nascer, vivenciou para triunfar.

Tal como Nani chegou ao Sporting já jogador. Pronto para os últimos retoques. Mas sempre com a humildade dos que chegam mais longe.

Já lá iam muitos anos desde que não aparecia um menino capaz de serpentear por entre os mais velhos e de maior estatuto. É uma pérola que não engana.


15 comentários:

Honoris disse...

Falta-lhe perceber quando deve ou não meter velocidade. Quando tiver capacidade para perceber as situações em que deve temporizar, será um extremo muito muito bom

Pedrooo317 disse...

Acho que o texto é demasiado exagerado.

Gonçalo Matos disse...

Não consideras que ainda lhe falta perceber melhor os momentos em que deve partir para cima e aqueles em que deve fixar e soltar?
Acho o forte no 1x1 mas algo frágil na compreensão do jogo..

Rafinha disse...

Tem uma tomada de decisão pessima no ultimo passe. Quando melhorar esse aspecto vai ser top. Ainda assim considero-o muito melhor que G. Guedes. Mais um craque na forja.

DM disse...

Esperem só então até o Matheus Pereira aparecer com mais regularidade ;D

Concordo com o Honoris e os restantes. O Gelson ainda não percebe os momentos do jogo. Ainda joga demais consigo próprio e pouco para a equipa. Quando melhorar neste pequeno grande aspeto, tem tudo para ser um excelente extremo.

Artur Semedo disse...

@ Honoris, Gonçalo Matos, Rafinha...
http://fat.gfycat.com/DearestShockedHog.webm

presumo que seja +/- isso que ele lhe esteja a dizer, aqui...

bio disse...

Eu percebo o entusiasmo do Maldini.

O puto tem aquele futebol traquina e encantador.

Sim, tem falhas na decisão, mas a sua capacidade de desequilibrar fora e, fundamentalmente, dentro, faz dele um caso excepcional no panorama nacional, "hiper-robotizado".

É caso para dizer, se ele desequilibrar 83 vezes durante um jogo, umas 5/6 vezes deve acertar e vai criar perigo e/ou golo.

Nota: adoro o Matheus.

Gonçalo Mano

m1950 disse...

Para mim o Matheus é melhor , mas tenho muito apreço por Gelson e pelo seu estilo de jogo , se estão impressionados penso que o melhor ainda está para vir.

Os seus problemas na definição passam pelo facto de acabar os dribbles com a cabeça para baixo , é algo que ele tem de trabalhar.

Na equipa B entrou também depois dos Sackos e Dramés , e começou também assim individualista e parecia um dribblador tonto , depois foi mostrando grande capacidade para se envolver no jogo interior a jogar com os apoios e foi na reta final o jogador mais importante do Sporting B qiue contava com elementos como Gauld , Mallmann e o próprio Matheus.

Acredito que este será o seu caminho na equipa A , vai evoluir bastante e compreender que não joga sozinho e que uma tabela por vezes é melhor que um dribble contra tudo e todos , tenho a sensação que a saída de Carrillo pressionou-o e tenta sempre fazer as coisas muito depressa.

Atualmente Matheus é um jogador mais pronto para a alta competição pois entende melhor o jogo , mas as características de Gelson agradam mais a JJ. Espero que os 2 sejam muito bem aproveitados pelo Sporting.

hra disse...

O melhor adjectivo para este menino é talento cru.
Já cumpre bem defensivamente o seu pape. falta domar a sua ânsia de sacar um coelho da cartola. Caso para dizer que pensa mais rápido com os pés do que com a cabeça. Tenho dúvidas que se faça grande jogador, mas fico da esperança de estar enganado.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Gosto muito. Já é um grande jogador e não descortino tantas deficiências assim na decisão. Tem 20 anos. É normal que não seja perfeito.

Fisicamente incrível e depois com uma técnica e uma facilidade a executar e uma assertividade muito difícil de encontrar. E agora tem o melhor professor que poderia apanhar aos 20 anos.

Pedrooo317 disse...

Edson não acho que a idade esteja totalmente relacionada com a tomada de decisão. Nem acho que o Jesus seja o melhor professor que poderia apanhar aos 20 anos.

Fraguito disse...

acho que argumentos são muito mais importantes para a discussão do que impressões.
Para impressões, das boas, vou pesquisar ao Google por Monet...

Mike Portugal disse...

Pedrooo317,

Concordo com a questão da idade VS tomada de decisão. Embora a experiência também traga uma melhoria na tomada de decisão, geralmente.

No entanto não concordo com a última parte. O JJ era mesmo quem ele precisava nesta fase, para lhe incutir tática naquela cabeça, que muitas vezes ainda só quer fintar.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Com mais experiência e conhecimento do jogo qualquer jogador pode (eventualmente) perceber melhor os momentos certos para acelerar, pausar, passar, fintar... Ainda que a idade/experiência não seja o único factor a considerar, realmente também concordo.

Veja-se o Messi, por exemplo. Passava o tempo todo a acelerar (bem... e que acelerações!!) e agora não. Joga com a pausa de forma super-inteligente e acelera apenas quando o jogo pede. O que o terá feito mudar? E mudou para pior ou para melhor?

Sobre o Jesus e a influência no Gelson... Com o Jesus o jovem vai aprender (ou reforçar, porque se calhar ele sempre cumpriu, eu é que não sei porque não o vi jogar antes) que é preciso defender sempre. Que é preciso cumprir sempre com o jogo posicional. Vai aprender que o cruzamento não é solução para tudo e que muitas vezes no meio é que está o ouro. São óptimos ensinamentos, que não encontra facilmente, como sabemos.

Nené disse...

É só lagartos a delirar...