sábado, 21 de novembro de 2015

Sporting CP x SL Benfica. Um duelo em 442.



O terceiro derby da época e novamente um duelo de 442.

Os "dados" do jogo a mudarem um pouco, em função de ser a primeira vez em vários anos que o favoritismo e consequente "obrigação" de tomar as rédeas da partida esteja do lado do Sporting. Mérito dos leões que após duas vitórias consecutivas e de forma clara, quer na qualidade de jogo quer no resultado final (sempre sem sofrer golos), acabaram por mudar a história recente.

A forma como aproveitará Rui Vitória a nova tendência é desconhecida. Todavia consegue prever-se que não haverá "vergonha" de ser uma equipa mais defensiva, menos preocupada com a construção aquando da posse. A pressão intensa do Sporting assim deverá obrigar o SL Benfica a um jogo mais frontal e directo. Retirando dessa forma as transições rápidas da equipa leonina. Mitroglu para a primeira bola com aproximação do extremo do lado da bola e de Jonas, ou Raul procurando diagonais nas costas adversárias será por agora uma dúvida do treinador do SL Benfica. 

Passar muito tempo em organização defensiva procurando explorar transições após erros do Sporting parece agora ser uma estratégia relevante. Tudo porque em organização ofensiva o Benfica não está à altura, e tudo o que retirará desse momento poderão ser perdas de bola decisivas, tal como aconteceram no Estádio da Luz.

Por incrível que possa parecer, por agora haver a tal "obrigatoriedade" de passar mais tempo em organização, momento que o Sporting está tacticamente preparado para jogar, mas cuja qualidade individual e capacidade para desequilibrar na frente perante maior oposição (menos espaço e mais adversários) ainda deixa algumas dúvidas, o jogo afigura-se de resultado ainda mais incerto. Como qualquer grande derby, naturalmente.

Um Sporting bastante mais preparado para todos os momentos. Com transições agressivas e bons comportamentos e posicionamentos em organização. Um Benfica menos capaz na ocupação e no restabelecimento posicional a cada nova situação de jogo. Mas, não ignorar que as agulhas do jogo poderão trazer situações de maior facilidade na resolução para os jogadores do Benfica (mais espaço menos oposição na transição) do que as do Sporting.












3 comentários:

Marco Morais disse...

O melhor período do Benfica nesta época foi no Calderón quando 'decidiu' fechar bem e explorar as transições. Até aí - quando jogou olhos nos olhos como prometeu Rui Vitória na antevisão - foi claramente dominado. A falta de organização é gritante e o posicionamento baixo ajuda a disfarçar. Este é um dos poucos jogos em que deveria jogar assim. Nos restantes será sempre mal-interpretado se o fizer. Mas o barco tem de ir para a frente, nem que seja à toa. Já rezava o Rui...

Mas isto das apostas é tramado. Apostaria, claro, no Sporting, mas o Benfica pode muito bem marcar nas duas, três, oportunidades que costuma ter nesses jogos. Afinal de contas o Sporting foi marcou nas primeiras três vezes que foi à baliza, na Luz. Isso muda o rumo de um jogo, mas não muda aquilo que vocês defendem: o Sporting está muito melhor preparado. Já ganhar sempre é outra coisa.

francisco disse...

"Mérito dos leões que após duas vitórias consecutivas e de forma clara, quer na qualidade de jogo quer no resultado final (sempre sem sofrer golos)" - Não concordo - no 1º jogo a "qualidade" foi idêntica e, em ambos os jogos, Benfica não marcou pq os árbitros não quiseram.

José Moreira disse...

Eu tenho alguma dificuldade em imaginar o Sporting de JJ a querer assumir o jogo de forma clara, como entendi do post. Mas esse também é um dos aspectos que me deixa na expectativa para o jogo.