sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Múltipla da semana.



ARSENAL X SUNDERLAND

A dois pontos da liderança, o Arsenal recebe o Sunderland no Emirates onde costuma ser letal, numa temporada em que tem reais chances de almejar mais que um lugar na Liga dos Campeões.
Como habitual uma dinâmica ofensiva fantástica dos pupilos de Wenger. Movimentação de todos os jogadores, apoio, coberturas, rupturas, à esquerda, à direita, tornam a equipa londrina difícil de parar. Ozil, Carzola e Alexis baralham marcações e sabem decidir dentro do bloco. Pressionantes e rápidos após recuperação alta, a sua matriz de jogo ofensivo encaixa como uma luva nas marcações individuais dos extremos e do duplo pivot a meio campo do Sunderland.



Sunderland a visitar Londres no seu típico 442. Uma equipa com dificuldades individuais para a realidade da Premier League, mas ainda assim e como todas as equipas da Liga com um plantel cheio de internacionais como Defoe, Fletcher, O’Shea e M’Vila.
O francês (M’Vila) é um dos habituais do pivot defensivo do meio campo ao lado de Cattermole. Um jogo muito físico, de transições rápidas e verticais, e pouca criatividade entre linhas são os traços ofensivos do Sunderland. Defensivamente extremos acompanham laterais e desprotegem a linha média, tornando-se mais fácil construir de frente para os quatro defesas, e encontrar espaços para explorar posteriormente a profundidade.




MANCHESTER UNITED X WEST HAM


De volta a Old Trafford para a Premier o United de Van Gaal.
O técnico holandês vai variando o sistema como forma de baralhar adversários e permitir explorar os pontos fortes dos seus jogadores. Um possível 3x5x2 como em Leicester aumentará as opções ofensivas, mesmo que defensivamente a transição fique menos segura. A muita projecção ofensiva dos laterais, permite que avançados (Martial ou Deepay e Rooney) e Mata, Herrera e / ou Schweinsteiger apareçam sempre a dar linha de passe dentro, arrastando marcações e prontos a enquadrar de frente para a última linha adversária, explorando posteriormente os movimentos de ruptura. Será muito complicado para o West Ham pontuar em Old Traffor, onde mora um United com argumentos para voltar a tempos idos.




Um West Ham de matriz muito agradável o que se desloca a Old Trafford. Lanzini e Zarate trazem o perfume sul americano para um jogo de um estilo mais atractivo. Procuram construir, chegar à zona de criação onde os argentinos assumem protagonismo e então explorar um pouco mais as características condicionais dos poderosos fisicamente Sakho e Moses. Por ser uma equipa que não se coíbe de jogar o que o jogo pede, prevê-se algumas perdas importantes na pressão do United. A transição defensiva do West Ham sofre sempre algumas dificuldades, que se notarão mais perante a muita qualidade individual que enfrentarão em Old Trafford. Nos momentos em organização defensiva povoam bem o centro do terreno, mas consentem alguns espaços à frente da última linha que poderão ser vitais por ser a zona de Rooney.



VALÊNCIA X BARCELONA

Na primeira aparição de Gary Neville, não é ainda expectável que o Valência mude a sua matriz, devendo manter o seu 433 na recepção ao Barcelona.
Valência que foi sempre menos equipa que o que as suas individualidades fariam pressupor. Muito estáticos os interiores. Pouca mobilidade dos extremos e dificuldades no controlo da última linha. Apesar do excelente Alcácer na frente, o Valência não parece ter movimentos e dinâmica suficiente para na criação fazer emergir o seu inteligente avançado. Demasiado cedo para mudanças. E muito mais quando do outro lado surge o poderoso Barcelona




Barcelona volta a sair de casa depois da visita ao Santiago Bernabéu. Num grande momento individual e colectivo, a equipa de Luis Enrique que já era das melhores do Mundo nos momentos de transição ofensiva, vai somando predicados e mostrando qualidades também em organização. De volta todo um manancial de combinações directas e indirectas que vão desmontando completamente as defensivas adversárias. Suarez nas rupturas, Neymar cada vez a definir melhor e o extra terrestre Messi, sempre único a construir, criar ou finalizar, elevam o Barcelona a um nível extra. Iniesta de volta a uma fase confiante, de volta a mostrar que na criação e construção quase não há paralelo para tamanha qualidade, e no Mestalla teremos um Barcelona protagonista, confiante e ultrafavorito.




WOLFSBURG X DORTMUND

O 442 clássico do Wolfsburg nem sempre controla com assertividade os espaços na frente da última linha e perante um Dortmund especialista e abusador de tais espaços, tal poderá ser um problema.
Todavia, ofensivamente é uma equipa muito dinâmica. Sobretudo após a recuperação da bola, sai com velocidade e objectividade na progressão e movimentação dos excelentes Schurrle, Draxler e do finalizador Bost.
Em organização demonstram variabilidade de movimentos e também apresentam argumentos. Por jogar em casa, por ser uma equipa valiosa, um provável empate na recepção ao Dortmund é cenário muito plausível.



Dortmund que surge na edição desta temporada da Bundesliga como uma equipa super atractiva. Um modelo que privilegia a posse, os momentos ofensivos, a criatividade e a tomada de decisão. Grandes os conceitos que Tuchel valoriza a aproximarem a sua equipa do topo da Liga. Defensivamente algumas dificuldades na articulação dentro do mesmo sector trazem problemas sobretudo se pensarmos que no outro lado estão jogadores de elevada qualidade.
Dortmund com bola, e sempre activo na transição defensiva. Porém, as dificuldades na sua organização defensiva poderão fazer com que não seja um jogo tranquilo. Um empate no campo do Wolfsburg seria um resultado bem expectável.




Sem comentários: