quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

A afirmação do Tiaguinho

Tem sido mais lenta do que o expectável. Porém, dentro daquilo que é o normal na nossa Liga. Os miúdos mais talentosos, com maior criatividade para resolver os problemas acabam demasiadas vezes preteridos por outros mais robustos e mais aptos nos aspectos condicionais. Mais capazes de sem bola comer metros, recuperar terreno e bolas.

A nossa Liga está a anos luz das melhores Ligas europeias. Os jogadores não têm a qualidade de outros, o jogo torna-se um jogo com mais perdas, mais transições. Mais repelões. Menos pausado, menos pensado. Uma larga franja de equipas prefere dentro destas características ter os que crê mais aptos para jogar este tipo de futebol. Talvez ver mais além seja procurar outras coisas. Renunciar ao típico jogo de liga portuguesa e procurar ter uma equipa que consiga menos perdas e que não precise da "cavalice" para se sentir segura. Talvez o caminho não seja procurar os mais aptos para o estilo da nossa liga, mas tentar criar um estilo diferente. Quem está no terreno terá garantidamente mais capacidade para o perceber.

Por aqui fica apenas o lamento porque ainda hoje nas equipas de nível médio / baixo, ainda não se pensou que se pode fazer as coisas de forma diferente.

Uma equipa de Tiaguinhos destoava daquilo que se pensa importante para singrar na nossa liga. Mas será que o diferente não seria melhor? Será que toda aquela capacidade técnica e de decisão não mudaria o estilo da equipa de tal forma que o jogar próprio de uma equipa desta natureza não sentiria necessidade dos "cavalões" que servem sobretudo os momentos defensivos do jogo?

Tiago já leva hoje mais tempo em cima do que na temporada passada. Aos poucos irá lá chegar porque quem tem tamanha qualidade, mais não seja por experiência acabará por se adaptar para sobreviver. Todavia, a certeza de que há potencial para muito mais. 

9 comentários:

Blessing disse...

Excelente. Como diria o mister Valente, não temos é cultura de jogo para lidar com estes talentos

Rui Pinho disse...

Os Tiaguinhos têm que nascer 10 vezes!

João Filipe Abreu disse...

Para mudar é preciso conhecimento, coragem, inovação e capacidade técnica. Há pouco disto pelas equipas da principal divisão. Falta de visão e algum receio de procurar outras formas de ganhar, que a médio prazo garantam mais sucesso. Mas sobretudo falta de capacidade técnica, pode ser que esta fornada de novos técnicos com mais estudos, mais astutos e empreendedores, consigam trazer uma lufada de ar fresco e apostem mais nos Tiaguinhos do nosso campeonato.

Aza Delta disse...

O que mais me confunde, é ele ter sido peça importante no Belenenses que dizimou a concorrência na Segunda Liga. Assim que subiram mudaram as prioridades...

Paolo Maldini disse...

Sim, Aza. Eu segui ao pormenor e dezenas de vezes no Restelo, essa época... Foi deslumbrante. Esperava que por agora estivesse na porta de entrada de um grande e não a conquistar espaço onde n só o tinha como era craque.

Jorge disse...

O problema e semelhante por estes lados e em outras modalidades e a solucao passa por um maior conhecimento e coragem por parte dos dirigentes. Isso permitiria a seleccao de equipas tecnicas que saibam implementar um modelo de jogo diferente e apoiar essas equipas tecnicas e as suas escolhas por um periodo suficientemente prolongado, necessario para implementarem a mudanca de modelo e cultura.
Seria importante que um clube de menor dimensao mostrasse que esse tipo de mudancas permitiriam ser competitivo com menos recursos (tecnicos inovadores subvalorizados, e.g. o treinador do Santa Clara, e jogadores inteligentes subvalorizados, Tiagos Andre Martins,...).

Sam disse...

o pior de tudo é a cultura do dirigente que não dá tempo a quem tem ideias. Alias, nem entende as ideias e por isso não ve necessidade em dar tempo!

Pedro Sesinando disse...

mas este Julio Velazquez boas ideias parece ter e não está com medo de as pôr em prática - ou muito me engano ou o Tiago Silva terá muito a ganhar com este treinador.

DM disse...

Maldini, quem também vai conquistando o espaço dele aos poucos é o João Carlos Teixeira. Saiu muito novo do Sporting, num dos piores atos de gestão de transferências de jogadores que aconteceram no Sporting (e foram bastantes nos após pré-Bruno de Carvalho), e até pensei que ia acabar por "desaparecer". Mas a chegada de Klopp deu-lhe uma nova vida e tem feito regularmente parte das convocatórias.

Daquela geração fantástica, talvez a melhor de sempre, onde estavam Dier, Ilori, João Carlos, William, João Mário, Bruma, Mané, Esgaio, Tobias, Farley, Wallyson, Palhinha, Ruben Semedo, Iuri Medeiros praticamente todos se estão a conseguir afirmar no futebol profissional. O Tiago, que é da mesma geração e que também tem muita qualidade, tem um grande defeito que é não ter sido formado num clube grande. Isso ainda pesa muito infelizmente, na hora de apostar ou não num jogador. E mesmo esses também sentem muitas dificuldades.