domingo, 24 de janeiro de 2016

O centro de jogo. A mudança.

Um jogo passou e já é possível perceber os primeiros sinais que José Peseiro começou a trabalhar na equipa. Regularidades que foram surgindo sempre pelas equipas que foi passando. 

A posse vertical. Que procura fundamentalmente explorar os espaços em direção à baliza, muitos apoios frontais, e se não conseguir aí circula de forma horizontal para depois voltar a alternar o ritmo de jogo. 

As bolas paradas. O trabalho ofensivo nos cantos e livres, numa tentativa de desequilibrar o adversário primeiro, antes de colocar a bola na área (canto curto). 

O centro de jogo. É aqui que se nota já uma grande preocupação do treinador. Não só por jogar mais no centro de jogo com muitas combinações entre jogadores, mas também pela forma como os seus jogadores se organizam para o jogar. O trabalho sem bola a que sujeitou, já, quem se prepara para receber é notório. Preocupação em explorar a variabilidade de soluções (apoio próximo e profundidade). X passos na profundidade e volta para receber no pé. X passos em aproximação e vai embora para receber no espaço. Movimentos estes de difícil coordenação, mas que visam a criação de melhores condições para receber, com um melhor enquadramento, com mais tempo e espaço. Na finalização. A grande preocupação em criar movimentos que permitam o aparecimento do passe atrasado. Um homem a movimentar-se sempre no sentido do primeiro poste para arrastar. Um a fingir que vai e a ficar mais atrás. Se possível, outro ao segundo poste. 

Toda esta sincronização melhorará com o tempo - se os resultados assim o permitirem. O acerto do timing entre o portador da bola e a desmarcação. Até lá, e pela forma como a equipa por vezes se mostra afastada do portador da bola, por forma a preparar os movimentos que está a trabalhar, bem como a falta de sincronização dos mesmos, poderá resultar em perdas que em determinado momento do jogo podem retirar a confiança (que já não é alta) à equipa. O pormenor ainda pouco trabalhado, que por vezes pode partir a equipa com sectores muito afastados - os jogadores que vão na profundidade, não recebem, e não regressam para posições conservadoras. Esse equilíbrio, difícil de conseguir, entre o que o treinador quer, e o entendimento que os jogadores têm do que se pede, será a chave do sucesso/insucesso imediato do novo treinador do Porto.

15 comentários:

Henrique disse...

As coisas que se conseguem com 2 treinos.

Cristiano Messi disse...

A retórica é bonita, mas teve uma sorte tremenda neste primeiro jogo.
O resto se verá.

...com tempo!

Blessing disse...

Cristiano Messi, muito bem visto.

Henrique, não conseguiu grande coisa ainda. Mas é normal. Foram só sinais de coisas que foram aparecendo, que não eram vistas antes e já se viram hoje.

Pedrooo317 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
David Cardoso disse...

Era um dos meus favoritos após a saida do JJ, todavia, embora as ideias são muito boas, parece ser o treinador certo no momento errado...

DM disse...

Vamos ver o que poderá dar Peseiro neste final de época. Ainda há muito para jogar e no Tugão tudo pode acontecer. Se ficar na próxima época e mantendo-se os planteis com a qualidade dos últimos anos, o Porto torna-se a meu ver o mais forte candidato ao título.

a/o vendedor(a) disse...

Boa tarde,

Relativamente a este primeiro jogo do Peseiro gostaria, se possivel, análise aos seguintes aspectos e se concordam com eles:

- Demasiada verticalização do primeiro passe, pós recuperação de bola, em detrimento de um futebol de apoio... resultando em demasiadas perdas de bola pela linha lateral e de fundo.

- Demasiados 2*1 no meio-campo, derivado de uma má cobertura frontal por parte do interior e do fraco apoio do lateral, que raras foram as vezes que os laterais fizeram cobertura ao meio estando mais fixados na linha durante todo o processo defensivo, esquecendo-se por vezes de fazerem a vasculação de acordo com o posicionamento da bola na zona do terreno.

- Durante o processo ofensivo, recuo demasiado do PL na tentativa de fazer o 1*2, deixando a zona frontal descompensada, sendo que o médio de penetração não "respondia" à chamada do PL, ficando o ataque coxo... Os extremos demasiado preocupados em fazer apoios frontais, perdendo ação na saída em velocidade, e povoando desnecessariamente a zona 8, facilitando a tarefa defensiva do adversário.

Estes a meu ver foram alguns dos pontos negativos e a corrigir, não referi pontos positivos, porque já estão referidos no próprio post.

Aguardo se possível uma apreciação de quem sabe da matéria.

Cumprimentos

Blessing disse...

Vendedor,

1) concordo
2) concordo
3) concordo com a descrição do que se passou. Discordo que sejam desvantagens. Acho que isso só traz vantagens, tendo em conta a forma como eu entendo o jogo.

Ulisses Soares disse...

Um bocado off topic mas gostava de saber a vossa opinião:
O que acharam de Esgaio a Pivot? Achei uma opção muito interessante. É muito inteligente a jogar e na linha perde essa sua capacidade.

Pedrooo317 disse...

Tendo em conta que a equipa em melhor forma é indiscutivelmente o Benfica porque é que não fazem uma análise do que melhorou e do que continua mal?

Paulo Silva disse...

Boas,

Desde já dizer que admiro imenso o vosso trabalho e as vossas análises, mesmo não concordando com tudo, é de louvar alguem que preste um excelente trabalho daquilo que mais interessa no futebol e menos se discute em Portugal!

Gostava de vos deixar um desafio. Em posts vossos, referiram várias vezes o trabalho no espaço entre linhas como um dos fatores mais importantes no rendimento ofensivo numa equipa e se bem me lembro, afirmaram que é um aspeto muito pouco trabalhado no nosso campeonato. Penso que sejam já evidentes mudanças na atitude e estratégia ofensiva do Benfica com a assinatura de Rui Vitória ( apesar da de todo o sector e transição defensivo/a continuar demasiado fragilizado/a). Deixo-vos um desafio de análise ao trabalho frequente de Pizzi entre linhas dos adversários sempre (ou quase) com uma leitura inteligentíssima das ultimas fases de jogo da equipa. Dentro desta proposta deixo várias questões passíveis de abordagem :
Como analisam a mudança de dinâmica de Jonas, parecendo agora descobrir também em Pizzi um foco posicional e jogando mais com o facto de carcela ser um jogador que "pega" menos pelo jogo no meio.
Será esta a principal razão de evolução do Benfica ou consideram que seja a tão badalada evolução e picos de forma dos seus jogadores?
Será Pizzi uma alternativa viável na ala direita da Seleção para o Europeu? Não iria aumentar a dinâmica e polivalência do ataque organizado de Portugal? A verdade é que este jogador continua a ser subestimado e a nível Europeu só Ozil faz mais passes para ocasião por jogo e com Ronaldo na frente ...

Esta mais por curiosidade ;) Como analisam a evolução da postura da equipa do Benfica ´mesmo notando-se em várias fases do jogo que existem ainda muitas lacunas por emendar. Todos sabemos que o aparecimento dos resultados têm grande culpa nisto mas a confiança é tão grande e a rapidez com que a estabilidade se assumiu na equipa chocou-me um pouco, porque na minha perspetiva um dos grandes fatores é a confiança no trabalho do treinador que os jogadores obtiveram durante o tempo.

Desculpem o texto grande e claro que isto não passa de uma proposta, se não fizerem a análise gostava que me dessem um feedback deste assunto pelos comentários!
Continuem com o excelente trabalho e que todos fossem como vocês que é disto que o futebol PortuguÊs precisa!

Cumprimentos


Rui disse...

Maldini, Para quando uma reflexão sobre a importância de Renato (entre a primeira e segunda fase de construção) e Pizzi (no posicionamento e critério no passe que se seguem)na melhoria do jogo interior e capacidade ofensiva deste benfica, um pouco à imagem de Adrien e João Mário no Sporting??

Blessing disse...

Pedro, quando voltar a ver com atenção o Benfica posso fazer isso. Abraço

Blessing disse...

Paulo, tenho de voltar a ver o Benfica com atenção. Tenho visto, mas sem estar muito atento. Abraço

pedro santos disse...

off -topic: O RV já merecia um artigo daqueles com muitas linhas e bonequinhos todos giros que vocês gostam de fazer com o JJ.