terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

A partida de Montero e a não utilização de Carrillo.

São dois tiros de possíveis consequências importantes. Não que com ou sem ambos se pudesse prever algo com exactidão. Porém, garantidamente que são duas opções que retiram uma percentagem importante de maiores possibilidades de se ser bem sucedido.

O Sporting tem na presente época mais oito pontos somados, mais golos marcados mesmo sem os desequilibradores e menos golos sofridos que em idêntico período da temporada passada. Todavia, porque o SL Benfica não abrandou em relação ao mesmo período da temporada passada o crescimento leonino poderá tornar-se insuficiente para chegar ao troféu maior.

Em que medida sairão lesadas as aspirações leoninas com as opções de abdicar de dois dos mais desequilibradores em termos ofensivos? Já depois de ter iniciado a época sem Nani.

Numa Liga onde uma grande percentagem das equipas aborda os jogos com os grandes sempre com muita gente atrás da linha da bola. Onde a organização defensiva é sempre forte, mais não seja pelo número de pernas, ofensivamente a criatividade individual e capacidade para desequilibrar com bola,  seja em drible ou pelas decisões em passe retirando adversários da situação de jogo e enquadrando colegas é sempre tão determinante quanto a qualidade da movimentação, perder Montero depois de antes ter perdido Carrillo retira possibilidades.

Montero tinha / tem a capacidade para jogar em espaços curtos. Para baixar, atrair, soltar. E claro, para finalizar com mestria. Já na presente época pelo jogo "fora da caixa" que ofertava ao Sporting, mesmo na hora do aperto, havia resolvido problemas. 

A partida de Montero retira soluções diferentes ao Sporting. Retira variabilidade e diversidade ao seu jogo. Retira-lhe soluções ofensivas e confina-o a um jogo mais previsível e de muita "fézada" no jogo aéreo de Slimani. Já a não utilização de Carrillo havia trazido um Sporting menos capaz de desequilibrar no último terço. Um Sporting muito menos perigoso do que o que seria, mesmo que a equipa tenha continuado a ganhar. Além de empurrar Ruiz para um corredor lateral, onde inserido num modelo que privilegia alas com outras capacidades, sobretudo condicionais, acaba por perder preponderância relativamente ao que oferece no corredor central.

30 comentários:

LSL disse...

LSL
Concordo com essa análise na integra. A saída de Montero, depois de Jesus ter reequilibrado a equipa sem Nani e sem Carrillo, será fatal para o Sporting. Não que Jesus avaliasse a capacidade de Montero na sua plenitude. Demasiadas vezes o colombiano - o bom colombiano que o plantel tinha - ficou do lado de fora, quando a sua técnica, leitura de jogo e compreensão dos movimentos e necessidades da equipa faziam dele um elementos decisivo e insubstituível Recordo o último jogo em casa com o Braga em que a entrada de Montero tardou, tardou mas ainda foi a tempo de mudar completamente o jogo e desfazer a resistência da defesa bragarense. Ou o penúltimo em Alvalade, quando nos salvou no último minuto. Ontem em Alvalade era o nome mais falado. Jesus cometeu um erro ou, o que vai dar no mesmo, colaborou com ele tendo aceitado este acto de lesa Sporting. Mas ontem Jesus cometeu outros erros. Abdicou de Mané -um dos raros que joga bem em espaços curtos dentro da área - abdicou de Bruno César -um dos raros que chuta bem de meia distância - e manteve Ruiz -que sendo muito bom, não será como ala, e ontem nem em lugar nenhum, estava numa noite péssima.
Estamos agora muito mais longe do título - apesar do empate pontual esturricámos 7 pontos, num ápice - e muito pior preparados para ainda tentar conquistá-lo.
A propósito, foi impressão minha ou Semedo quando entrou mostrou a segurança, velocidade, o dinamismo, a capacidade de sair e de acelerar o jogo a partir de trás, que Coates nunca exibiu? Jesus nunca foi um brilhante psicólogo, pois não.

Cantinho do Morais disse...

E é isso mesmo.

Foram tiros no porta-aviões, com o Barco(s) a ir ao fundo.

Um líder não pode mudar tanto.

Tiago disse...

Mais do que a perda de Montero e Carrillo, acho que há erros na utilização de Teo em vez de Bryan no meio e também da não entrada de início de Gelson. Isto nos jogos em casa.
Nos jogos em casa, o Sporting está a perder as 1ªs partes dos jogos consecutivamente e acho que a inclusão do Gelson de início traria muito mais velocidade no inicio do jogo. O Sporting anda consecutivamente a entrar lento nas partidas, demasiado paciente e isso só dá confiança e estabilidade às equipas que, em Alvalade, apenas querem o pontinho.
Chega-se à segunda parte e é ver a outra equipa a parar o jogo de todas as formas possíveis. Se o Sporting entrasse mais rápido e pressionante, se entrasse avassalador :), poderia mais facilmente marcar na 1ª parte e resolver os jogos com mais facilidade.
Teo não tem dado nada e a sua utilização parece simples teimosia de JJ (foi ele que o quis, vai insistir nele até ao infinito). Na minha opinião faria muito mais sentido Bryan no meio (melhor decisão nas tabelas à entrada da area). Também não percebo a entrada do Barcos ontem. Um tipo sem ritmo nenhum, com 3 dias de treino? O jogo não estava muito mais a pedir Mané ou mesmo Bruno Cesár?

JoãoMPN disse...

consideram neste momento o benfica o mais serio candidato ao titulo?

uma pergunta off topic. algum de voces treina ou conhece quem treine o atletico de portugal no escalão de juniores?

abraço e continuem o bom trabalho

R.B. NorTør disse...

E o Barcos? Não deu para ver nada na meia hora que jogou?

Furtivo disse...

Há que agradecer ao Presimente do Sporting, a necessidade de destruir é muito maior que a de criar!

T disse...

A 6 de Janeiro de 2016 Jorge Jesus acabou de cavar o buraco que já vinha a cavar desde início da época com tantas declarações arrogantes: "Mau colega, eu? Não o considero treinador"

Pois bem. Ontem não usou o Bruno César, não usou o Gelson de início... está completamente confuso, receoso e perdido na bolha de arrogância que o próprio criou.

Jorge Jesus está agora a perceber que afinal se calhar não é o Super-Herói que ganha com qualquer plantel e em qualquer estrutura clubística.
Afinal para além de um excelente treinador que é, precisa de ter um plantel excelente, e uma estrutura de apoio que o permita valorizar o que faz bem.

Só que o Sporting caiu no erro de pensar que o campeonato estava decidido em Novembro e que o resto seria passeio.
Agora precisa de ganhar outro ímpeto, mas Jorge Jesus começa a tomar más decisões, o plantel ficou mais curto em termos de qualidade individual (sem Carrilo e Montero), e o presidente Bruno de Carvalho está APERTADO com toda a porcaria que andou (e anda) a dizer... sabe que não pode continuar a criticar árbitros porque se arrisca a aumentar ainda mais o seu castigo.

A bolha inchou e agora está a vazar. O medo está à vista de todos.
Não é só uma questão táctica ou de jogadores.
Estão a pagar pelos erros próprios.

Blessing disse...

Sempre achei que o Sporting tinha menos qualidade que os rivais. Na linha defensiva, e no ataque as diferenças são mesmo muito grandes. O único joker que o Sporting tinha cedo deixou de poder jogar. Agora, sem Montero, a coisa fica muito, muito, muito mais pobre. É verdade que há lesões que enfraquecem ainda mais o grupo. O Sporting mais uma vez criou oportunidades suficientes para marcar e não ganhou. E se calhar tem que dar jogo ao Teo para um possível castigo de Slimani. Mas, tendo em conta o Brilhante mês de Janeiro do Benfica, e um não menos brilhante mês de Janeiro do Sporting, penso que deveria ganhar o jogo primeiro, e dar minutos depois. Teo e Barcos. Marvin, Rúben, Coates. Bruno César, e Mane.

bio disse...

www.visaodemercado.blogspot.com siga para aí sff

Blog de Portugal disse...

Acho que se está a exagerar nos comentários que vi (mas elogio por serem opiniões construtivas e com argumentação).

O B. César não jogou porque ainda estava ressentido da lesão, como até podem ver nas notícias ele há poucos dias estava lesionado.

Concordo que o JJ tem alguns defeitos, e pelo que falam dele o gajo deve ser o treinador mais teimoso de Portugal. Essa teimosia beneficia-o na maioria das vezes (costuma acertar no que faz), mas quando erra dá-lhe grandes prejuízos.

Concordo que a venda de Montero (evidente que JJ não é o único com culpa nisto) e a entrada de Barcos ontem não foram boas apostas, nem o pareciam ser antes de isso se concretizar (depois de acontecer qualquer um vê).

Ainda assim, o JJ referiu de facto que o Barcos não deu a intensidade que a equipa precisava. Foi uma aposta de risco (saindo o Montero e Tanaka, era o único avançado que havia) e correu mal, por vezes acontece, tanto ao JJ como a qualquer outro treinador.

Acho que o Sporting teve bons reforços, sobretudo para poder efetuar alguma rotatividade com os jogos que aí vêm, e as naturais lesões e castigos, com o Zeegelaar, B. César, Barcos e Coates.

Ainda assim, o andamento que ele está a exigir nesta época, para uma equipa que não estava de todo habituada, está agora a fazer-se sentir e o rendimento difícil irá aumentar (o que não significa necessariamente que o Sporting vá perder mais pontos, o futebol é imprevisível).
Um pouco à semelhança do que acontece com os jovens jogadores, que na formação jogam ao ritmo 10 e a sénior têm que jogar a 100, com o Sporting está a acontecer isso esta época.
No Benfica, apesar de tudo, ainda tinha alguns jogadores que já vinham pelo que foi a sua carreira com grande andamento - Luisão, Saviola, Aimar... Isto, para não referir as diferenças dos departamentos médico e de recuperação de jogadores entre os dois clubes, e a experiência desses elementos que referi acima.
Neste Sporting, o único que se calhar já leva nas pernas uma carreira de elevado andamento é o Coates, e mesmo esse...
Ou seja, a adaptação ao esforço específico foi tremenda por parte dos jogadores do Sporting, mas está talvez agora a fazer-se notar. Digamos que perante o cenário que tinha, a opção de JJ foi espremer a equipa ao máximo e tentar aguentar assim até ao final da época, mas a pouco e pouco a equipa está a quebrar.

Claro que este é só um fator, e existem muitos outros. Concordo que só ter um desequilibrador puro (Gelson) limita bastante o jogo do Sporting, dentro deste modelo.


Apesar de tudo, JJ continua a ser um grande treinador, mas acredito que não esperava ver um crescimento tão forte do Benfica, que tem condições para continuar assim mais alguns tempos. E claro, ficaram-lhe muito mal aquelas palavras sobre RV.

Continua tudo ao rubro. O campeonato está muito interessante.

Mike Portugal disse...

O empate de ontem foi 90% culpa de JJ.
Preparou mal a equipa do ponto de vista psicológico (viu-se bem o nº de passes falhados de jogadores que não costumam falhar tantos) e, mais uma vez, continua a insistir num jogador que não dá NADA à equipa. Falo de Téo. Não é capaz de construir, de rematar, de fazer passes, nada....zero....ofensivamente não dá nada à equipa e defensivamente limita-se a pressionar o central, ora isso qualquer outro jogador pode fazer.

Outro jogador que está em baixo de forma é William. Sei que esteve lesionado e ainda treinou condicionado esta semana, e também percebo o porquê da aposta nele, mas claramente é um jogador que neste momento não pode ser titular.

Por outro lado gostei de ver Coates, Marvin já mostra ser superior ao Jefferson e a surpresa maior para mim, foi Ruben Semedo, que para mim, agarrou definitivamente a titularidade e já o tinha demonstrado no jogo passado.

JJ por melhor que seja, se não começar a escolher os melhores jogadores para jogar, arrisca-se a perder para um "treinador pior".

Barbosa disse...

Ignorando a saída de Montero e as escolhas para aquele 11 inicial, o que é que a troca Teo-Barcos poderia dar ao jogo ofensivo da equipa, que trocar Teo por B. César\Mané\gelson e mudar Ruiz para o meio, não fizesse melhor? Sem rever o jogo, arrisco-me a dizer que o Sporting não fez uma única penetração da última linha pelo corredor central que resultasse em situação mais ou menos clara.

Assumindo que avançados com as características daqueles que JJ parece preferir são um "mal necessário" para a eficiência\eficácia do modelo, quanto desse modelo seria realmente sacrificado se a escolha recaísse sobre mais Monteros e Saviolas? E quanto é que ganharia? Sendo que o problema parece ser relativo aos momentos defensivos, mesmo perdendo o que quer que seja que Slimani e Teo dão à equipa nesse aspecto, isso não seria suficientemente compensado por uma muito maior capacidade ofensiva? Se marco mais estarei sempre mais perto de ganhar, mesmo não sendo perfeito a defender. Mais do que o inverso. Ou não?

Diogo Correia Carvalho disse...

E diz-me uma coisa: ainda consideras o JJ muito superior ao RV?!

Gonçalo Baião disse...

Brilhante análise. Subscrevo a 100%.

Pedro Simões disse...

Vou ficar á espera de um texto a falar do desnorte de JJ quando mete o barcos que chegou há uns dias ao plantel... Quando o RV apostou no Victor Andrade e Clésio houve imediatamente direito a um texto a mostrar o desnorte de RV...

João Duarte disse...

Só gostava de saber se ja se pode dizer que o WC passou ao lado de uma carreira?
É que desde que deixou de jogar encostado aos centrais (tempos do LJardim), tem vindo gradualmente a perder influência.

Cá para mim, o JJ está louco para que ele saia e possa comprar um jogador com mais intensidade.

Paolo Maldini disse...

http://possedebolla.blogspot.pt/2015/10/ruben-neves.html

ultimos comentários, João.

Paolo Maldini disse...

Diogo, a qualidade e competÊncias ou falta dela dos treinadores não se vêm da forma que tu vês, ne? Se não numa época todos passam de bestas a bestiais e de bestiais a bestas N vezes...! Nessa visão Há 2 meses um era mta bom outro mta mau. Em 2 meses um aprendeu mt e outro desaprendeu mt. Não funciona assim...

há por ai textos a explicar a minha visão sobre a avaliação das suas competências.

GV disse...

Blessing, não posso deixar de comentar que folgo muito saber que, afinal, sempre achaste que o Sporting tinha menos qualidade que os rivais...
Cumps,

Blessing disse...

GV, fomos sempre escrevendo isso ao longo do blogue. Que o scp só não era super favorito pq a qualidade não era assim tanta. Acho eu.

Aza Delta disse...

http://lateral-esquerdo.blogspot.nl/2015/06/o-melhor-treinador-portugues-chega-ao.html

"A perspectiva de que terá de investir como nunca para satisfazer as necessidades do seu treinador é falsa. O plantel do Sporting não é tão inferior ao do SL Benfica como sempre se pretendeu passar, ainda que com a saída de Nani, não existam por Alvalade autênticos jokers como Jonas ou Gaitán. Em tudo o mais, sempre vimos no SL Benfica jogadores a renderem ao máximo do seu potencial por integrados num modelo de jogo extraordinário na realidade portuguesa.

Pensar que Adrien, William, Paulo Oliveira, Jefferson, Montero ou Carrillo têm assim tão menos qualidade que Maxi, Eliseu, Jardel, Samaris, Pizzi ou Lima (e aqui está mais de metade da equipa titular campeã) é de loucos. Foi sempre o colectivo de Jesus a fazer emergir as individualidades. Por isso, sentiram sempre mais estes a partida que o colectivo benfiquista sentiu a falta de quem quer que fosse."

isto não querendo picar nem nada que se pareça, porque também prefiro o JJ, e sou benfiquista.

abraços.

DM disse...

A mim o que mais me choca da saída do Montero é a relativa tranquilidade que impera no seio sportinguista e a falta de relevância para os rivais. Montero era só mais um. Até para o treinador. Mesmo sendo um dos melhores jogadores do plantel do Sporting. JJ tem opções que são bastante discutíveis e que lhe podem custar troféus esta época. Uma delas, é a aposta em Gelson em detrimento de Iuri Medeiros. Outra, a aposta constante em Teo para uma posição para a qual não está talhado e em que se torna praticamente inexistente em campo. E por último, este mercado de inverno onde manda vir 2 laterais para lá de mediocres para o lugar de suplentes melhores que eles (Zeegelaar e Schelotto para os lugares de Jonhatan e Esgaio) e a saída inexplicável de Montero.

PT disse...

O que nao percebo e que o JJ ainda recentemente disse numa entrevista que os jogadores espanhois preferidos dele eram o Iniesta e o David Silva, se nao me engano. Entao porque e que escolhe sistematicamente um perfil oposto nas suas equipas?
Um dos melhores jogos da epoca, se nao mesmo o melhor na minha opiniao, foi a vitoria em Moscovo com o Ruiz e o Montero a frente, Gelson e Matheus nas alas.

Pedro disse...

"a falta de relevância para os rivais"

DM, para os rivais o sporting vendeu um suplente. A pouca relevância resulta daí. Se fosse o Slimani a ser vendido o cenário seria diferente.

Paolo Maldini disse...

Aza, essa frase que copiaste acho q fui eu q a escrevi. Continuo a pensar o mesmo! Acho que a diferença de individulidades do SLB p SCP é sobretudo o Jonas e o Gaitán (que fazem toda toda toda a diferença). E neste momento o Renato tb assumiu uma importância que não sabia que iria ter. Nem o conhecia bem...

GV disse...

Blessing, vê por favor os últimos comentários desta caixa:
https://www.blogger.com/comment.g?blogID=2548474698306496530&postID=1428237243219975682&isPopup=true&bpli=1&pli=1
Cumps,

Blessing disse...

GV, sim já li o comentário. E de facto tens razão relativamente a esse comentário. Mas seguindo os posts percebes facilmente onde se quer chegar. O Sporting tem pouca qualidade na frente. Sempre se foi dizendo isso. Sobretudo quando ficou sem Carrillo. E agora é olhar para a linha defensiva deles e chorar a rir não? Marvin e Rúben titulares? Coates quase sem treino titular? Se antes o slb já tinha uma vantagem depois do SCP ficar sem o seu joker, é pensar no mesmo agora.

GV disse...

Blessing, concordo que o plantel do Benfica é genericamente superior ao do Sporting, mais ainda no ataque. Mas já o achava no ano passado, seguindo a lógica do que escrevi na dita janela de comentários. Na altura não te respondi mas haveria exemplos a dar do que eu estava dizer.

GV disse...

E de facto sem Carrilho e sem Montero... Não percebi bem a não aposta em Montero por parte do JJ, parecia um jogador, em organização ofensiva, talhado para o papel de 2º avançado que o JJ usava na Luz. Teria falhas de posicionamento e falta de intensidade quando a equipa está sem bola?

GV disse...

RB NorTor, não sei se estás a acompanhar isto, não te cheguei a responder ao comentário de novembro no link que coloquei acima e agora a resposta já tem que ser mais abrangente e é até oportuna :)...
Como penso que te cheguei a dizer algures numa destas caixas de comentários há 2 ou 3 meses, aguardava por fevereiro para avaliar melhor o Benfica do RV. O mês ainda não terminou mas muita coisa mudou... Mais corredor central e menos cruzamentos, organização ofensiva interessante - penso que o Renato veio desbloquear o corredor central, as penetrações o furar das linhas adversárias, com algumas parecenças com o Enzo mas numa lógica diferente (o Maldini terá feito semelhante comparação há tempos e concordo bastante) - não sei quanto mérito nisto tem o RV, se apenas deixou acontecer ou se trabalhou e induziu, mas tem pelo menos o mérito da tranquilidade com que se colocou numa complicada mudança de treinador com uma pré-época mal agendada, etc. O JJ durante alguns meses não queria "largar" o balneário do Benfica porque sabia que tinha ficado com ascendente sobre vários jogadores e prolongando-o retiraria espaço ao novo treinador, essa atitude manhosa mesmo mesmo à JJ tem um efeito complicado ainda para mais contra quem não faz do alarde e das posições muito vincadas o seu estilo, como é o caso do RV. Só com tempo e muita calma se dissipa esse efeito e tem que se saber aguentar todo o tipo de comentários vindos de todos os lados e mais alguns... Hoje a equipa parece estar unida em torno do treinador. Muito bem o RV a esse nível, até ao momento!
Relativamente à organização ofensiva do JJ no Benfica, prefiro esta! Mais pausa e mais equilíbrio, cujas ausências sempre critiquei no JJ. No entanto, para mim, ainda há muito por ver na transição (que seria expectável estar melhor enquadrada com o tal equilíbrio) e organização defensivas e estes jogos agora com o Porto, Champions, etc, até ao jogo com o Sporting, vão ser a prova dos nove para este Benfica do RV.