sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Ferrari em grande velocidade no Restelo.

O cognome foi de autoria do seu ex treinador. É com Rui Vitória que os números ofensivos têm sido ainda mais avassaladores.

No Restelo mesmo antes de estar em vantagem viu-se um Benfica com os sectores tão próximos quanto o que haviam estado em Braga. Equipa muito junta no momento defensivo a colocar muita dificuldade aos adversários para jogar dentro do seu bloco.

Ofensivamente é hoje a equipa mais criativa da Liga e o regresso de um grande Gaitán a ligar com Jonas coloca a tão desejada nota artística nas exibições encarnadas.



Destaques individuais:

Mitroglou. O melhor reforço da época. Ainda que por vezes demonstre egoísmo na sua tomada de decisão, aparece com muita qualidade nas zonas de finalização e mesmo estando longe do nível dos colegas da frente na criação, acaba por perceber como pode ser útil, jogando simples e mostrando-se para tabelar. 

Jonas, Gaitán e Pizzi. Os dois primeiros bastante acima de Pizzi, mas também muita categoria do transmontano. Características identicas. Excelência na tomada de decisão, criatividade, movimentos a pedir bola no pé, e sempre fabulosos no seu trato. Gaitán, novamente a decidir fora da caixa com aquele passe interior para mais uma maravilha do incrível Jonas. 

Renato Sanches. Que qualidade! O miúdo já integra o lote dos médios centro da Europa com grande capacidade de desequilibrio. Notável a forma como quebra linhas e chama adversários a si em posse, libertando os colegas da oposição. Não prima pela criatividade, mas cada vez mais depois de atrair entrega. Mostra parecenças com outro médio muito bem sucedido na Luz, Enzo Perez. Agressividade a ocupar o seu espaço, ainda tem de continuar a evoluir sem bola. Todavia, o que aos dezoito anos já faz e com a facilidade com que faz com bola é impressionante. 



22 comentários:

7tacuara7 disse...

Como é que o Porto deve encarar esta avalanche? O Benfica vai chegar à próxima jornada muito mais preparado.
E o Carrillo só vem em Julho...

Pontapé Longo disse...

Vi, apesar de mais uma boa exibição, o Benfica a conceder novamente algumas oportunidades de golo ao adversário... dificuldades em transição defensiva pelo posicionamento distante dos médios centro? Renato sai muito e diagonais sem bola... centro despovoado?

Paolo Maldini disse...

também nao concordo com as diagonais sem bola de médio centro quando se joga em 442... depois da perda... mt complicado...

venis disse...

.. nesse caso, é o extremo contrário a dessa diagonal fazer de médio centro e supostamente levará alguém (pelo menos um) consigo..

venis disse...

o que eu já reparei no RS (e é uma jogada '(re)corrente' no Benfica) é a facilidade de perceber, qd ele pede a bola no meio e ela não entra (por exemplo qd se torna dificil haver progressão numa das laterais) poder ser jogada em profundidade, ficando o lateral nas covas..

Blog de Portugal disse...

Melhor trabalho da linha defensiva, sem sombra de dúvidas que evoluiu bastante em comparação com os meses anteriores.

E mito mérito para a forma como encontrou o equilíbrio em Pizzi. Mesmo que o Gaitán sem bola não recue tanto para defender, dá perfeitamente para ter mais recuados 4 defesas + 3 médios, um pouco à semelhança do que faz atualmente o Barça.

Acho que alguns pequenos conflitos e distanciamentos que possam ter havido no início ficaram sanados, em função de um objetivo comum (Benfica campeão). E o RV pode não ser tão bom no detalhe como o JJ, mas é certamente uma melhor pessoa com quem se pode trabalhar, pois é no aspeto humano que o JJ recebe muitas críticas...

Captain Redheart disse...

Isto é só dos jogadores ou tem dedo do treinador também? Ainda não consegui perceber.

R.B. NorTør disse...

Redheart,

Essa é a pergunta de 1 milhão de euros (para leigos). Há uma mudança óbvia no treinador, isso é claro, porque deixámos de ver lances recorrentes do Gaitán a ter espaço e a optar pelo cruzamento para a molhada, deixaste de ter lances de ataque do Benfica em que dois jogadores, ou mesmo só um, tentam furar uma barreira de adversários, tens mais preocupação em jogar a bola e menos em charutadas.

Por outro lado, as melhorias à frente têm escondido o que se passa atrás, em parte porque nem todas as equipas do campeonato têm jogadores para fazer frente a Gaitán, Jonas, Mitroglou e um super-Pizzi. O interessante do Benfica é agora a sequência Porto-Zenit-Sporting-(Braga?). Consoante a resposta nesses jogos aí se verá o que RV tem andado a fazer no campo de treinos. (E para avaliar isso, nem é preciso ganhar os jogos.)

Pedro disse...

Ena!! :)

Paolo Maldini disse...

what...?

Ricardo disse...

Continuo na minha: as melhorias existentes são mais individuais do que coletivas. Portanto, pouco dedo do treinador, mais o saber dos jogadores.
De resto, mantenho que esta série de jogos é que vai deixar perceber alguma coisa. E digo: um desaire vai bastar para que este castelo de cartas se desmorone com facilidade.

Tantos Lixos disse...

Demasiados dogmas por aqui.
Mesmo um leigo como eu consegue perceber a dificuldade que tantos catedráticos por aqui, têm em perceber o que diferencia RV.
E enquanto não percebem isso continuam com o argumentário que aplicaram a JJ durante toda a época de 2009.
Dogmas e preconceitos, sempre o mesmo.
E blá .. blá .. blá que agora é que se vai ver, como se os adversários estivessem eufóricos por irem defrontar este frágil adversário que é o Benfica.


Ricardo disse...

A única coisa que diferencia RV é mesmo a quantidade industrial de água que ele consome durante os jogos.

Benfiquista Tripeiro disse...

Ricardo, não percebo nada de bola, sou um simples adepto.

Mas sei olhar para números:

59 golos (Jesus nunca conseguiu igual)

Mais 2 golos sofridos do que a melhor defesa do campeonato.

Goleadas atrás de goleadas.

9 jogos seguidos a vencer para o campeonato, últimos seis com média de 4 golos por jogo.

Nem Saviola+Ramires+Pablito+Tacuara+Di fizeram igual. Eram mais fracos que estes, queres ver? Ou então que comprem muitas fraldas, porque andam cheios de mija.

Nem tanto ao mar nem tanto à terra. É impossível não haver dedo do treinador. Impossível.

R.B. NorTør disse...

Maldini, acho que o Ena era para mim, mas o Pedro só diz ena porque leu mal a nossa última troca de impressões.

Tripeiro, dizes que é impossível não haver dedo do treinador e vens com golos, mas muitos golos também há em jogos de solteiros e casados, e também havia no interturmas quando eu andava no secundário. Nesse sentido é que a sequência frente a equipas mais iguais será interessante para perceber o que RV tem andado a fazer. Porque criar situações claras de golo com JJ criávamos muitas e falhávamos muitas. Por outro lado mesmo sofrendo um golo na primeira parte havia futebol para virar resultados (e quantas vezes os virámos na descontra?) enquanto que este Benfica sofre a bom sofrer se não começa a ganhar.

Até arriscava perguntar aos Lixos quais são essas coisas que diferenciam RV do resto, mas não quero alimentar um troll...

Benfiquista Tripeiro disse...

R. B., concordo com tudo o que tu dizes, apenas afirmo que ali também há dedo do Vitória, não pode ser só inspiração individual. Acho eu, os entendidos do blog que esclareçam melhor este assunto, por favor (não estou a ser irónico, atenção).

Sim, estas 3-4 semanas vão ser a doer e serão o verdadeiro teste de fogo ao Benfica de Vitória.

DM disse...

Gostava que fizesse a análise oposta. Comparar a forma como as equipas adversárias do Benfica se posicionam nos jogos contra eles e como se posicionam nos jogos contra Porto e Sporting. É sempre fácil jogar quando há espaço para isso.

António Viegas disse...

Mesmo que o homem conseguisse ganhar a Liga dos Campeões, não chegava. Os especialistas deste blogue continuariam a dizer que tinha sido só devido à qualidade dos jogadores. Também não admira, depois de tudo o que disseram do homem, não querem dar o braço a torcer. Compreende-se...
Enfim, cada um vê apenas aquilo que lhe dá mais jeito...

Paolo Maldini disse...

António, o que é que se disse do homem...?

Rui Pinho disse...

Estou a gostar muito de ver este Benfica que só faz cruzamentos e aquela equipa do catedrático que joga que se farta e cria n ocasiões e marca n golos sem recorrer a cruzamentos. Oh... Wait...

Ricardo disse...

Também estou a gostar muito de ver os trolls avençados a saírem da toca...

António Viegas disse...

Maldini, a sério que não te lembras? Este blogue começou a atacar RV logo na pré época. Que os jogadores já tinham desaprendido e tal, que até o Jonas parecia não ter qualidade e tal... olha, faço minhas as palavras de outros comentadores: depois destes jogos todos, quem ainda consegue dizer que isso se deve apenas aos jogadores, ou não percebe nada de bola, ou está de má fé...