terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

Futebol. Um jogo de decisões.

Muito já por aqui foi abordado o tema. Ser posse, ser transições. Ser futebol directo ou jogo apoiado.

O futebol é um jogo de decisões. Naturalmente que o jogo pede muito menos a procura incessante da profundidade e do lançamento longo porque para tal ser bem sucedido é preciso jogar com o mau posicionamento adversário, a correcta desmarcação / movimentação do colega e ainda, e não menos importante a capacidade própria do portador para realizar um gesto técnico mais complicado (mais difícil colocar em profundidade a trinta metros, fazendo  bola passar entre central e lateral, do que jogar mais curto e apoiado).

Em suma, não se deve guardar a bola sempre, nem se deve procurar loucamente o chegar à frente mais rápido. Tudo depende do contexto. Tudo depende da situação de jogo.

Essa é a razão pelo qual mais uma vez se apresenta aqui o incrível video das assistências de Xavi. O espanhol como todos os enormes craques guardam quando devem guardar, mas lançam a ruptura quando assim se impõe. Repare como ao 1'50'' após recuperar não guarda a bola nem um segundo. Porquê? Porque se impunha que soltasse rápido na frente no colega em melhor posição. É um dos baluartes da boa tomada de decisão.




Porquê novamente um post tão próximo de outros anteriores? Às 19.55 na BTV2 (só recuar dez minutos), uma frase exactamente igual à que já por aqui se produziu várias vezes. Reportagem sobre Dennis Bergkamp. "Foi um dos melhores com quem já joguei. Fazia sempre o que o jogo pedia" Henry

1 comentário:

Guilherme disse...

e a esse respeito este livro devia ser leitura obrigatoria em qualquer curso de treinadores, ensino publico ou catequese:

http://www.amazon.co.uk/Stillness-Speed-Story-Dennis-Bergkamp/dp/1471129535/ref=sr_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1455059046&sr=1-1&keywords=bergkamp