quarta-feira, 16 de março de 2016

Mesmo problema, diferentes solucoes.

O jogo, caotico e imprevisivel, coloca-nos constantemente diferentes problemas.

A maneira de solucionar esses problemas vai variar conforme quem os esta a viver, tendo em conta as suas capacidades e as restricoes (ou nao) do Jogar em que esta inserido esse jogador (ou jogadores).

Na figura abaixo, facilmente conseguimos perceber, pelas diferencas fisicas claras entre as duas atletas, que uma resolve aquele tipo de problemas em forca, enquanto que a outra procura flexibilidade, e equilibrio.

Passando para o Futebol, as coisas tornam-se ainda mais especiais, porque a todo o momento o problema muda e se torna diferente.

Um 1v1 tem duas maneiras de ser visto. Pelos olhos do portador da bola, e pelos olhos do defensor.

Se o portador da bola for o Hulk, o defesa devera comportar-se de uma maneira. Se for Cristiano Ronaldo (versao inicio no Man United), o defesa tem de se comportar de maneira completamente diferente.

Sao diferentes, porque oferecem respostas, para o mesmo problema, totalmente diferentes. Hulk tem uma resposta pouco variavel, porque em cada 10 vezes, vai 9 para o seu lado esquerdo, enquanto que Cristiano Ronaldo, naquele tempo, tanto ia para a esquerda, como para a direita, como por cima, ou por baixo do adversario.

Sera tanto mais dificil de defender, aquele jogador que tiver mais solucoes para o mesmo problema, pela incerteza que cria no defensor.

Numa prespectiva macro, passando o 1v1 para 11v11, sera tanto mais dificil de defender uma equipa que tem muitas solucoes, do que uma equipa que joga sempre da mesma maneira, independentemente do problema que encontra.

Esta semana, Ederson e Mitroglu mostraram uma solucao "nova" para um problema que a pressao do Tondela estava a criar.

O Tondela pressionava muitas vezes com 3 a saida de bola do Benfica, e estava a subir muito as restantes linhas, criando dificuldades a uma saida segura. A solucao foi utilizar a profundidade maxima de Mitroglu, para jogar directo nele (muito diferente de "bater na menina"). Ao fazer isto, o Benfica mostrou, tal como Cristiano Ronaldo a anos atras, que era capaz de ter varias solucoes para o problema que o Tondela estava a criar. Assim, torna a sua saida mais imprevisivel. E perante isto, o Tondela acaba por baixar as linhas, "com medo" de levar uma bola nas costas, permitindo que a saida curta possa ser mais segura.

Uma equipa que joga em ataque posicional, e ja perto da area tem o problema de o adversario estar fechado sem pressionar, se rematar de longe 2 ou 3 vezes, vai mostrar que tem mais solucoes do que se apenas tentar rematar dentro da area. Mesmo nao sendo o que realmente pretende, mostra ter mais solucoes. Tendencialmente, o adversario vai sentir necessidade de pressionar o portador para este nao rematar de longe, abrindo espacos.



2 comentários:

Vasco disse...

Parabéns :)

Rui Dias disse...

Brilhante analogia! Gostei muito!