domingo, 6 de março de 2016

O Sporting de Braga de Paulo Fonseca

Não tendo assistido à maioria dos jogos, fica a estupefação pela classificação. Tão longe dos três primeiros. Como? Para uma equipa tão "excitante".

Porque colectivamente está na linha da frente. Uma organização fantástica em todos os momentos. Hoje, perante o FC Porto mostrou até a quem jogou o derby de ontem o que é encontrar soluções do ponto de vista táctico para sair a jogar com bola controlada logo na construção. Mesmo quando a cinco minutos do fim sofreu o empate e poderia esperar-se que procurasse fechar o jogo de outra forma. Uma superioridade inacreditável ao longo de todos os noventa minutos, mesmo contra um adversário que tinha tudo em jogo.

Em organização defensiva, as duas linhas de quatro sempre muito juntas. Excepção muitas vezes para o extremo do lado oposto. Presumivelmente para que partindo com maior profundidade, esteja mais próximo de ser mais objectivo na transição ofensiva. Mas, também o extremo do lado oposto a identificar os momentos em que a sua presença mais baixa e mais dentro era necessária. Boa articulação entre médios nas coberturas e pouca bola consentida a entrar nos apoios frontais à frente dos defesas centrais. Transição defensiva forte na reacção à perda de quem parte em cobertura, ganhando segundos para a equipa voltar a reorganizar-se nas suas linhas de quatro. Bom pressing na construção adversária quando assim entende.

E com bola, fantástico! Sempre muitas linhas de passe, sempre comportamentos bem definidos. Sempre a jogar mesmo na pressão. Combinações, bola a entrar no bloco adversário. Transição bem definida e Rafa... 

O português tem momentos de pura genialidade. Aos vinte e dois anos é seguro afirmar que terá uma carreira importante. Velocidade incrível e qualidade na condução. Capacidade para decidir em espaços curtos, sempre com uma qualidade técnica incrível. Com espaço a fazer lembrar os melhores. Desequilibra e finaliza. Tem lugar na selecção nacional até ao pé coxinho.

Paulo Fonseca vai voltar e Rafa vai lá chegar. Nem há dúvidas sobre isso.

21 comentários:

Diogo Marques disse...

Uma pergunta muito direta: Porque é que o porto ainda defende tão mal depois de ter mudado de treinador? O treinador ainda não teve tempo de implementar ideias defensivas novas ou não acha que a equipa defenda mal?

NSC disse...

O Fonseca no Benfica era uma excelente notícia.
Mas quer-me parecer que no ano que vem vai para Alvalade.

Masakari Howell disse...

Porque é muito inconstante, nem sempre faz um jogo assim tão bem conseguido - arrisco até dizer que fizeram ontem o melhor jogo da época. E também sofreu um pouco com as várias frentes - ainda está na LE, está na final da Taça.

R.B. NorTør disse...

Van Basten, a tua pergunta de porquê tão longe dos três primeiros responde-se em duas partes. Primeiro, porque nem sempre os processos estiveram assim tão à vista. Em segundo, porque a qualidade ao dispôr está um pouco aquém dos três primeiros.

Lembro o jogo com o Rio Ave da primeira volta, com um Rio Ave fechadíssimo e o Braga a teimar em jogo lateral e cruzamentos na linha. Lembro o jogo de Alvalade em que, na segunda parte e antes da entrada de Alan (após o golo do empate), o Braga apenas recorre ao balão para lançar ataques. O Braga perde em Alvalade depois de estar à frente com dois golos em parte por causa disso. Na qualidade individual, Alan ainda é dos melhores do Braga, e necessitaria de um guarda redes de outro gabarito.

Pessoalmente acho que o PF seria o sucessor lógico do JJ no Benfica e que este campeonato seria um passeio se os métodos dele tivessem como alvo jogadores da bitola dos que moram na Luz.

Barbosa disse...

Epá o Peseiro para aí durante o primeiro mês jogou 3 competições, sempre jogos a meio da semana, e ainda teve vários problemas de lesões que o obrigaram a trocar muitos dos que seriam titulares, principalmente na defesa. Chegar a um clube com a época a decorrer, ter de jogar para o título, e conseguir operacionalizar nessas condições, é obra!

Pedro disse...

"Mas quer-me parecer que no ano que vem vai para Alvalade."

:)

RG disse...

"Tem lugar na selecção nacional até ao pé coxinho."

O problema aqui é se o seleccionar sabe tirar partido do jogador como PF...não me parece.


"Mas quer-me parecer que no ano que vem vai para Alvalade."

Mas está tudo doido????? Só pode....

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Peseiro para mim aceitou ser queimado...
É que tempo não tem...não temos centrais de jeito, fisicamente temos jogadores de rastos!
E falta um criativo!

Barbosa disse...

Da maneira que está o campeonato, a única possibilidade de um dos 3 treinadores sair, é JJ ser campeão - um feito! - e ir algum tubarão europeu buscá-lo. De resto, seja qual for a classificação, (agora que RV já ganhou um clássico) para o ano vamos ter os mesmos 3 treinadores de certeza.

Quanto a PF, se não sair para o estrangeiro, a próxima vaga que houver num dos 3 grandes (para o Porto pode ser mais difícil) é dele.

NSC disse...

«"Mas quer-me parecer que no ano que vem vai para Alvalade."

Mas está tudo doido????? Só pode....»

Veremos.

Pedro disse...

Se JJ não for campeão dificilmente ficará no scp. Mas, por outro lado, o contrato é tão elevado que não sei como dão a volta à questão.

Fala-se de uma proposta milionária para RV ir para a China.

R.B. NorTør disse...

Eu acho que ir para a China com o título de campeão, ao mesmo tempo que dava lugar ao PF, era bonito.

Mark Rodriguez disse...

Eheh, empacotar o Rui Vitória para a China (preferencialmente com o campeonato ganho) e ir buscar o Paulo Fonseca fazia as delícias de muito benfiquista, mas parece-me improvável. Creio que sairá para fora, provavelmente mostrando trabalho num clube grande de um campeonato mais periférico (à imagem do Marco Silva ou do Vítor Pereira) e depois então poderá ambicionar a voos mais altos. Seja como for, a qualidade do trabalho que tem desenvolvido é evidente, considero-o um dos três melhores treinadores portugueses neste momento.

Frigoliny disse...

R.B. Até lhe pagava o bilhete e ia buscar o PF a Braga de riquexó.

Paulo Sérgio Portugal Malheiro disse...

Rui Vitória foi muito menosprezado!
Se na Lc passar o Zenit, o que vão continuar a dizer?
Com tantas lesões e ausências, se passar na Rússia tem de ser mais estimado!

RG disse...

"Se JJ não for campeão dificilmente ficará no scp. Mas, por outro lado, o contrato é tão elevado que não sei como dão a volta à questão."

Isto é tão descabido, que não soubesse eu que estava no LE ainda pensava estar a ler o visão de mercado.

O projecto de JJ são 3 anos, garantidamente está contente por lá estar, e sabendo ele o que se passa, está cada vez mais determinado a derrubar a "estrutura". Tudo o resto, é tempo a mais que vocês perdem a ver o Da Silva.

Fora isso ainda existem outras situações extra JJ que impedem a saída.

Mas não fora a falta de neurónios, rapidamente lá tinham chegado.

Pedro disse...

É isso, é isso. :)

Ricardo Gil Dias Lopes da Cunha disse...

Sobre o Sp. Braga, superiormente treinado (liderado) pelo Paulo Fonseca, e assunto central deste post, gostaria de perguntar como olham para o processo de rotatividade.

É que esta rotatividade não é pontual, apenas quando a equipa defronta adversários europeus e/ou tem jogos de grau de dificuldade média/alta. Não. A rotatividade (trocando sempre 2-4 jogadores, em média) já vem desde Outubro ou Novembro.

Por norma, há 3/4 jogadores por posição (central, lateral, médio centro, médio ala, avançado) e o mais curioso é que as duplas raramente são repetidas de uma partida para a outra.

Por exemplo: no centro da defesa, tanto jogam Boly, como André Pinto, como Ricardo Ferreira e as "sociedades" vão mudando. Acham que essa decisão por parte de Paulo Fonseca é meramente por questões de ordem física (esforço/recuperação) ou é baseada nalguma "nuance" estratégica em face de uma ou outra particularidade do adversário?

Neste momento, é mais fácil acertar numa combinada do Placard do que num onze titular do Sp. Braga.

Embora seja possível vislumbrar uma tendência (hoje o MaisFutebol faz um estudo sobre isso), não fica fácil descobrir quem joga:

1. Baiano, Djavan, Goiano e, ainda, Ringstad?
2. Boly, André Pinto, Ricardo Ferreira ou, ocasionalmente, Arghus?
3. Vukcevic, Mauro, Luiz Carlos ou Felipe Augusto?
4. Alan, Rafa, Josué ou Pedro Santos?
5. Hassan, Stojiljković, Rui Fonte ou Wilson Eduardo?

Se do ponto de vista do grupo esta rotatividade até parece benéfica, pois mantém toda a equipa motivada e disponível, qual a vossa opinião quanto à influência no modelo de jogo?

Obrigado.

Antonio disse...

Off topic (não sei se conhecem) http://spielverlagerung.com

Jorge Cunha disse...

O Braga 2015/16 joga futebol de grande qualidade, e neste momento tem todos os processos muito bem assimilados! Já vi o Braga jogar futebol de muita qualidade em épocas anteriores, com Jesus, L.Jardim, Domingos e até mesmo com Jesualdo Ferreira na primeira passagem por cá... No entanto nenhum deles conseguiu apresentar tantas soluções para todos os momentos de jogo.
Efectivamente a qualidade do futebol praticado não se reflectem a qualidade do futebol praticado... E isso deve -se quanto a mim aos seguintes factores:
- Djavan, ou melhor a sua falta durante várias fases da época. Djavan é de extrema importância na manobra ofensiva do SCB, da profundidade que nenhum outro lateral oferece é por isso encaixa lindamente com os movimentos interiores do Rafa;
- Chegada tardia dos avançados. O SCB começou a época com uma dinâmica muito forte e com processos já bem consolidados com excepção do ultimo passe/ finalização/movimentação. E isso deveu-se em parte a tardia chegada dos avançados de referência (Hassan e Stockovic) agravada pelas dificuldades naturais de comunicação ( um egípcio e um sérvio a jogar em Portugal), ao contrário do início de época, onde o Hassan e o Stockvic tendiam a ocupar os mesmos espaços, agora os seus movimentos aparecem bem definidos, com o Hassan no apoio, a recuar e jogar entre linhas e o Stockovic a dar profundidade;
- Outro factor é a natural cadência de jogos de quem está em 4 frentes... Pese embora o plantel do Braga seja equilibrado, o mesmo não significa sejam todos da mesma qualidade e que dêem todos o mesmo ao jogo.

Blog de Portugal disse...

Finalmente um post sobre o Braga! É, para mim, a melhor equipa a jogar em Portugal, sobretudo se tivermos em conta o menor valor individual em comparação com os 3 grandes.

O PF e respetiva equipa técnica fazem um trabalho extraordinário na preparação e operacionalização dos treinos, nas análises... Conseguindo juntar os jogadores para essa ideia de jogo, conseguem criar um futebol espetacular.

Contudo, as maiores dificuldades têm advindo de quando se vê muito obrigado a jogar por fora, onde não é tão forte em possíveis combinações que sejam feitas exclusivamente no corredor lateral, ou então em cruzamentos para a área.
Acaba por perder muitos pontos nos jogos fora por isso, por estar em 4 frentes, e também por outros fatores: menor qualidade individual do que nos 3 grandes, menor massa adepta (muito menor!), menos campos inclinados a seu favor...


Ricardo, quanto à questão da rotatividade. Há que sublinhar que este Braga tem um plantel muito forte, e sobretudo muito equilibrado. O nível dos jogadores em cada posição é muito nivelado. Além disso, a grande maioria dos jogadores já é suficientemente experiente para saber jogar com as características uns dos outros, onde também existe "dedo do treinador".
Isto permite que joguem uns quaisquer 11 e o jogo saia muito fluído, com todos sintonizados na mesma ideia de jogo. Isso facilita imenso a tal rotatividade, permite estar em várias competições, permite que não haja azias no grupo e todos estejam do lado do treinador. Ou seja, todos os santos ajudam.

Simplesmente uma equipa fantástica! É um gosto de se ver!