terça-feira, 1 de março de 2016

Obsessão pelo controlo contra a criatividade / liberdade

É muito isto o jogo do próximo sábado que determinará quem atacará a restante liga na liderança.

De um lado um treinador obcecado pelo controlo ao limite. Pelo reduzir ao máximo possível a aleatoriedade e o lado caótico do jogo. Praticamente todos os comportamentos sem bola quer ofensivos quer defensivos saem da sua cabeça e são treinados durante a semana. A liberdade concedida é apenas ao portador da bola e mesmo este já sabe onde estarão a cada instante e espaço os colegas e de que forma se movimentarão. Todos os posicionamentos treinados ao milimetro. Tudo sai de si. Os extremos que vêm dentro, a largura dos laterais, a saída em construção a três, as linhas de passe dentro, as rupturas e os apoios.

Do outro lado maior liberdade para que os jogadores possam por si descobrir caminhos. Sem bola há uma organização base que é obrigatória cumprir (442). Com muito menos pormenor que a do seu antecessor. Com muito menos trabalho em cima de uma ideia que venha do gabinete. Com bola jogadores com muito mais liberdade quer nos posicionamentos quer nas decisões. O que é bastante interessante quando se tem jogadores com criatividade e inteligência para colocarem as suas ideias no campo. A junção Pizzi - Gaitán - Jonas - Mitroglou dá uma dinâmica ofensiva interessante pelas decisões que estes emprestam ao modelo encarnado. Já quando joga Guedes o jogo do Benfica torna-se mais vertical, ou quando joga Carcela mais individual, menos ligado à equipa e consequentemente mais lateralizado e de maior perdas. Ou seja, um modelo que concede liberdade excessiva que acaba por resultar muito bem quando há qualidade na interpretação do jogo pelos atletas e menos bem quando fica confinado a jogadores com pouca qualidade.

Em suma, provavelmente ofensivamente um treinador que ajuda os menos aptos a chegar lá pelas restrições e pela forma como guia os seus comportamentos mas que talvez restrinja negativamente a criatividade dos mais aptos, contra um treinador que porque não retira o caótico do jogo e que consequentemente sujeita a situações de menor sucesso quem tem mais dificuldades, mas que aprende e utiliza as ideias dos melhores e mais criativos.

Defensivamente garantidamente que maior controlo, maior percepção de todos sobre a situação de jogo e como reagir a ela será mais benéfico. Ofensivamente tudo a depender da qualidade individual. Se Jorge Jesus tem batido todas as pontuações das últimas décadas do Sporting, também é justo referir que Rui Vitória tem mantido o SL Benfica próximo das pontuações dos tempos recentes. O que é um feito!

38 comentários:

Alberto disse...

Van Basten algumas perguntas :D

Quer isto dizer que JJ num grande Europeu iria de alguma forma limitar a criatividade das grandes estrelas?

Existe um equilíbrio? Modelo defensivo de JJ, mas uma maior liberdade criativa para o processo ofensivo?

Achas que Rui Vitória tem potencial para melhorar nos próximos anos, ou não tens visto evolução dos processos?

Pedro disse...

O derby (e o campeonato) será decidido pelo ataque que melhor conseguir aproveitar os muitos erros defensivos que ambas as equipas cometem. Espero que, desta vez, o SLB consiga concretizar o que desperdiçou contra o fcp.

hra disse...

Este vive no mundo da lua.
O SLB n vai conseguir nem metade das oportunidades q teve contra o porto q só não saiu envergonhado da luz porque o jogo foi propício para o casillas brilhar dado i tipo de oportunidades que i Benfica dispôs.

NSC disse...

Muito difícil para o Benfica.
Mas o Sporting é obrigado a ganhar. Com o calendário que tem, caso não ganhe, é bem provável que entregue o campeonato ao Benfica ou ao Porto.

Futebol disse...

À aí muita confusão sobre o que é liberdade e a criatividade... Uma não tem que forçosamente estar ligada com a outra... Liberdade para que? Para fazeres o que quiseres e onde quiseres? ... Onde entra a criatividade em ambos os modelos? ... JJ dá-lhes espaço para criarem no momento de decisão, mas os companheiros estão em liberdade? Não... Pois se o estivessem, já mais conseguiriam recuperar a bola como o conseguem. Um ganha porque tem de facto um modelo forte... O outro ganha por tem uma equipa muito experiente e com muito talento no momento golo!!

Edson Arantes do Nascimento disse...

Parece transmissão de pensamento, tenho andado a ruminar sobre este tema.

A questão central é que temos de nos deixar de grande tretas e grandes conceitos e assumir que a liberdade e a satisfação (pessoal ou conjuntural) podem ser atingidas de várias formas.

Há vários caminhos para o sucesso: e para mim, ter sucesso significa ter prazer e liberdade naquilo que se faz. Seja o que for.

O JJ é um grande treinador de futebol. Um sábio. Mas é um ditador. E isto é um problema, ou melhor, ao fim de algum tempo torna-se um problema. Porque cansa as pessoas que convivem diariamente com o ditador. Porque tira mérito e responsabilidade individual a cada um dos elementos. Porque desvaloriza as competências das diferentes pessoas com quem convive.

Aparentemente, o JJ tem dificuldades em respeitar o individuo.

O Benfica evoluiu muito, a vários níveis, com a passagem do JJ pelo clube. Os jogadores que trabalham com ele passam a conhecer o jogo como poucos. Há comportamentos na equipa do Benfica que eu continuo a identificar com o antigo treinador. É uma raiz muito forte sobre o jogo. Que fica. Que deixa marcas.

Mas a vida tem outras coisas. O conhecimento nunca é linear, o jogo de futebol não tem nada de linear. Nunca.

O conhecimento é cognição, é cérebro, é estímulo. E cada cérebro é um cérebro: é impossível haver dois cérebros iguais. Há sempre outros caminhos, outras possibilidades. E hoje, a cada jogo que assisto, sinto que os jogadores do Benfica são mais alegres, mais soltos, e que entram para dentro de campo com outra satisfação.

Menos tensos. Mais sorrisos. Menos preocupações, mais liberdade.

Independentemente de quem vai ganhar ou perder, pelo menos a mudança no Benfica serviu para eu aprender mais algumas coisas sobre a vida. O Rui Vitórias está longe de ser um sábio do futebol, na minha opinião, mas pelos vistos sabe algumas coisas sobre o ser humano.

Uma salva de palmas para ele.

disse...

Este comentário do Edson não é só o melhor comentário de sempre num blogue de futebol.

É uma grande reflexão daquilo que é a vida.

Uma salva de palmas para ti!

Blessing disse...

Edson, não é que não concorde com tudo o que disseste. Concordo absolutamente. Faltou foi o catalisador fundamental de tudo o que disseste. De um lado e do outro, os méritos (marca forte sobre o jogo com Jesus; Maior alegria com Rui Vitória) só se conseguem por um motivo: Vitórias. Sem elas, ditador ou não, não há méritos. Não há aquisição de comportamentos. Não há alegrias. E para mim, continua a haver uma equipa bem mais próxima da vitória do que a outra. Apesar disso nada significar... Claro

DM disse...

Edson, até porque o mais importante no futebol é a amizade, como disse o Honoris (e bem) no seu blog acerca do Chelsea de Hiddink :)

Que monte de baboseiras. Não fossem as vitórias e queria ver toda essa alegria em campo.

Bem se via a alegria quando as coisas correram menos bem. A alegria, boa disposição, amizade, jantaradas, descontração etc são muito bonitas quando há vitórias. Quando não há, tudo se perde.

@Blessing, até acho estranho tu concordares quando há bem pouco tempo o Lateral Esquerdo fez um post a criticar exatamente isto, sobre motivação.

Diogo Santos disse...

Na minha opinião, o Sporting estará sempre mais preparado para ganhar do que o Benfica. Não confio muito na tanta liberdade dada pelo Rui. E tendo o Jesus trabalhado com a maioria dos jogadores do benfica, sabe aquilo de que eles são capazes e com a sua qualidade de posicionamentos, o Sporting estará muito mais próximo da vitória. Nos 3 jogos ja realizados esta época, o Sporting foi sempre superior e soube contrariar a tal liberdade dos criativos do Benfica.
Continuo a achar que ter uma equipa é melhor que ter meia dúzida de jogadores. E para mim o Sporting será o principal favorito, com muita pena minha.

Aza Delta disse...

Belo post. Concordo na íntegra.

Deixo no entanto uma pergunta: qual dos dois preferem (para cada situação)? a tal obsessão pelo controlo(à cabeça penso em Guardiola, Jesus e Vitor Pereira num passado recente em Portugal); ou o estilo que caracteriza um Ancelotti no Real, ou um Luis Enrique no Barcelona actual?

Olhando para o que foi o histórico de vencedores da champions (luis enrique, ancelotti, heynckes, chelsea de di matteo) nos últimos anos, dá que pensar.

Blessing disse...

DM, quem falou sobre motivação? O Edson? Eu? Ou tu?

Edson Arantes do Nascimento disse...

É óbvio, Diogo. É factual (no confronto directo). Mesmo assim, no total de jogos a quantidade de vitórias equivale-se, ao contrário daquilo que quase todos esperávamos.

O Sporting está muito mais próximo de ganhar do que o Benfica: mas apenas podemos afirmar isto sobre o trabalho do treinador. A outros níveis (potencial técnico, organização, scouting, finanças) o Benfica está muito mais preparado. Isto é La Palisse.

O que me interessa é o seguinte: a médio-prazo, que consequências tem a mania do controlo numa organização, seja ela qual for? Entendes o meu dilema?

Estou a falar de estímulos e do processo cognitivo. Que efeitos tem um ditador no teu cérebro? Que efeitos tem uma liberdade condicionada por estímulos dirigidos e escolhidos apenas por uma pessoa, em contraponto com um ambiente mais aberto, com uma multiplicidade de estímulos distintos?

Evoluímos mais na unidade ou na diversidade?

Será que o Benfica entendeu este problema e foi por isso que escolheu o Vitórias, mesmo sabendo da sua falta de competência futebolística? Não sabemos, porque não estamos lá dentro. Mas os sinais são públicos.

É que nós temos de considerar que o JJ passou seis anos no Benfica. Seis anos são muitos dias. O desporto profissional é um mundo-cão. É uma profissão difícil. E todos conhecemos os episódios de completo descontrolo emocional de jogadores, JJ, assessores, dirigentes.

Foram vários.

Sobre as comparações: parece-me que o Guardiola, por exemplo, é muito mais flexível do que o JJ. Basta ver que ele chegou a Munique e mudou muita coisa. Adaptou-se. Adaptou-se ao país, aos jogadores, à competição. O próprio discurso - muito centrado no conjunto e muito pouco nos seus méritos pessoais - é substancialmente diferente.

O JJ até uma língua diferente tem dificuldade em aprender. O Guardiola chegou a Munique a comandar os treinos em alemão. Nas calmas.

Hoje em dia, o Bayern é um camaleão táctico. O que significa que a base do trabalho está associada a uma ideia humana, a um conceito humano, de liberdade no processo cognitivo. De integração.

O JJ gosta mais do conceito de robô. Só que ele tem de considerar que, até hoje, ainda não fomos capazes de inventar um sistema de inteligência artificial com um décimo da capacidade do nosso cérebro.

É preciso viver. E deixar viver.

Marco Van Basten disse...

Edson, mas será que este grupo do SLB teria esta percentagem de vitórias se antes n tem passado pelas mãos do JJ? É que muito do que de bom se faz tacticamente nasceu ali...

Há coisas que não se esquecem... Já agora, o Braga no ano pós JJ tb esteve mt perto de acabar em 1o. Mas se ele n tem lá estado no ano anterior... isso teria acontecido?

Marco Van Basten disse...

Alberto,

acho que sim, mas tendo os melhores iria ganhar na mesma

O Maldini na equipa dele tem esse equilibrio, pergunta-lhe...

Acho q tem potencial! Este é um ano de grande aprendizagem para ele! Deve estar a aprender mais do que os jogadores com ele! Mas isto n lhe retira qualidades!

Nairo disse...

Tu que és o sabichao e que juras a pés juntos que o benfica não terá nem metades das oportunidades que teve no clássico, podes já adiantar o resultado de sábado?

hra disse...

Edson, isso é entrar no campo do esoterismo. Sobre essas dúvidas que tens só mesmo perguntando ao Lito Vidigal.

Antonio disse...

Touché! Brilhante

DM disse...


"E hoje, a cada jogo que assisto, sinto que os jogadores do Benfica são mais alegres, mais soltos, e que entram para dentro de campo com outra satisfação.

Menos tensos. Mais sorrisos. Menos preocupações, mais liberdade."

O que esta mensagem passa é que o Rui Vitória é um excelente motivador, que dá alegria e vontade de jogar aos jogadores. E que é por isso que ganham. Porque o treinador apesar de no aspecto técnico ser uma nulidade, consegue extrair através do psicológico o melhor dos jogadores. Este era o tipo de comentários que via serem rasgados de alto a baixo aqui neste blog. Alguém acredita efetivamente nesta baboseira? A felicidade ou infelicidade do grupo está dependente dos resultados. Ou o Klopp no Dortmund deixou de saber motivar os seus jogadores quando começaram a perder e começaram a ficar tensos e com menos alegria? Ou melhor - ter treinos exigentes torna o grupo infeliz, como é sugerido?

Se o objetivo é que os jogadores do Benfica mais sorrisos, menos preocupações e mais liberdade então que se contrate um psicólogo a sério. Poupa-se dinheiro e temos vitórias na mesma :)

Mas também, de quem diz que "A outros níveis (potencial técnico, organização, scouting, finanças) o Benfica está muito mais preparado." já se aceita tudo. É como aquela questão da estrutura que ganha campeonatos. A mesma estrutura que escolhe um Rui Vitória para treinador e que contrata paletes de jogadores - tudo por mérito do scouting e da qualidade técnica e organizacional, claro. Se calhar, com a saída de Jesus também ficaram todos mais soltos, menos tensos e felizes, e em breve vão começar a passar borrachas no passivo e contratar Guardiola (que terá de se adaptar à estrutura, claro), Messi e Ronaldo.

Diogo Santos disse...

Edson, eu também prefiro troca de ideias, ao contrario da ditadura. Mas isso não impede de um treinador ter uma ideia de jogo, e acho que é isso que falta ao Rui, o facto de deixar os jogadores entregues à criatividade, é prejudicial à equipa. Penso que podia haver espaço para as 2 coisas. Com o Jesus as equipas dele estão sempre mais preparadas para os jogos, quanto mais não seja na qualidade defensiva.

E também é muito daquilo que o Van Basten diz: "mas será que este grupo do SLB teria esta percentagem de vitórias se antes n tem passado pelas mãos do JJ? É que muito do que de bom se faz tacticamente nasceu ali...

Há coisas que não se esquecem... Já agora, o Braga no ano pós JJ tb esteve mt perto de acabar em 1o. Mas se ele n tem lá estado no ano anterior... isso teria acontecido?"

Quanto ao Guardiola, acho que para liga que quer que ele vá, vai adaptar a sua ideia de jogo, a sua filosofia à liga onde estiver e à equipa e jogadores que tiver à disposição. Acho-o em constante busca da perfeição e não acho que seja tão controlador como o Jesus.

Blessing disse...

DM, estava a pensar fazer um super comentário. Estava a ficar mesmo bué bonito. Até que me lembrei disto:

"E não será inépcia do treinador o não conseguir inverter essa onda de resultados negativos? A parte mental também é "trabalho tático". A motivação dos jogadores. Motivar os jogadores é uma arte, que rende frutos. Há jogadores que com certos treinadores parecem melhores, e com outros piores - e nem sempre se deve à tática.

Essa falta de confiança geral dos jogadores também se deve à falta de confiança que têm em quem está no banco, ou à falta de capacidade deste para conseguir galvanizar a sua equipa e fazê-los acreditar que conseguem dar a volta ao resultado. Que são capazes de enfrentar qualquer adversário. Treinadores como Guardiola ou Jesus, por exemplo, nunca tiveram 4 ou 5 derrotas seguidas nas suas carreiras como aconteceu a Van Gaal ou Mourinho :P"

Vê lá se adivinhas quem escreveu, há muito poucos meses atrás. Afinal, motivar é ou não uma arte?!

Continuo a dizer que o único que fala em motivação és tu. E penso que, entre os intervenientes, Van Basten, Edson, eu, tu, continuarás a ser.

Blessing disse...

O Edson falou disso no seu comentário. A herança que jj deixa tem muita influência na equipa. E teve o cuidado de nunca deixar transparecer que era a maior alegria da equipa, por estar menos tensa, que leva ao resultado. É o resultado, que leva a alegria, e a uma maior descontração. Depois isso, juntar à menir exigência, as menores responsabilidades, no fundo a ter menos em que pensar no jogo, dá o que tem dado. Fluidez enorme nos comportamentos técnicos, confiança imensa. Foi isto que apreendi do comentário dele. Também ele me pode vir dizer que estou enganado.

Agora não se pode fugir ao resultado da liderança rui vitória. Boa escolha de jogadores para o onze. Bom a lançar miúdos. Sem receios disso. E essa tal liberdade que dá (sendo objectivo dele ou não) funciona muito bem para os jogadores citados no artigo.

Edson Arantes do Nascimento disse...

Boa dica Van Basten, mas vê o que escrevi no primeiro comentário:

"O Benfica evoluiu muito, a vários níveis, com a passagem do JJ pelo clube. Os jogadores que trabalham com ele passam a conhecer o jogo como poucos. Há comportamentos na equipa do Benfica que eu continuo a identificar com o antigo treinador. É uma raiz muito forte sobre o jogo. Que fica. Que deixa marcas."

Concordo plenamente contigo. O JJ deixou marcas, boas marcas, mas o facto é que nós não somos só táctica. Ou só bonacheirismos. Ou só físico. Ou só isto ou aquilo. E também não há só uma maneira de atingir os objectivos.

Então parece-me que no essencial estamos de acordo, Diogo.

David Cardoso disse...

Ganda post Edson... Brilhante... Hj sim devias te chamar Edson Abrantes loll, algum tempo atràs vi gente aqui a escrever que sem Jonas e gaitan o SLB lutava para nao descer... Sobre o classico acredito que se o SLB nao perde o jogo terà grandes probabilidades de ser campeao nacional mesmo que o porto vença o Braga...

Futebol disse...

Quem acha que o Guardiola não é pelo menos igual ou até mais controlador do que JJ... Não entende nada do que vê! O treino do Guardiola tem como base central o controlo tático da equipa... É repetir e repetir e simular situações de jogo! E existe milhentas provas nas suas declarações após os jogos... Lembro-me de uma flagrante, "perdemos o controlo apenas por 7 minutos"...

Rumo Norte disse...

A grande crítica epistemológica que tenho a este blog é o foco, quase único, na decisão e organização como fatores determinantes do jogo. Eu penso que o futebol é o mais perfeito dos desportos exatamente por ter tantas variáveis que não pode nunca ser perfeito. ATé o Barcelona de Guardiola, aqui elogiado por todos, a melhor equipa de sempre, foi derrotado pelo "resultadista" Mourinho no Real (e antes disso, no Inter). E lembro-me bem da progressão de resultados quando Mourinho chegou ao Real, no confronto direto com o Barça: 5-0, 2-1, 1-1, vitória na Taça do Rei com um golo de Ronaldo, de cabeça, no prolongamento. (Cito de memória, perdoem-se se cometo algum erro). Ou seja: capacidade física, motivação, criatividade na técnica, e até a sorte e a "memória muscular"/instinto, chamemos-lhe assim, podem, em qualquer momento, decidir um jogo. Mas concordo que, no médio prazo, a organização de equipa e a conjugação da técnica individual com a capacidade cognitiva em movimento (essa "decisão" de que tanto se fala) são os fatores mais importantes. No curto e no longo prazo, a sua importância, ainda sendo grande, já não é tão decisiva.

David Cardoso disse...

O q eu acho interessante é q muita gente aqui diz q essa alegria deve se às vitorias que dão motivação , mas pelo amor da santa para isso acontecer ele nao teve que ganhar jogos? Ou foi obra do espirito santo?
O jj è um enorme treinador , mas existe mais de uma forma de se vencer, eu prefiro a do JJ mas a verdade è que o SLB ganhando ou perdendo esta época tem jogado um futebol de qualidade , se fosse apenas uma questão aleatoriedade e de qualidade individual não estariamos a assistir o marasmo que existe hj em dia no Real Madrid...

RG disse...

Existe gente que calada são poetas, não é David??

"O q eu acho interessante é q muita gente aqui diz q essa alegria deve se às vitorias que dão motivação , mas pelo amor da santa para isso acontecer ele nao teve que ganhar jogos? Ou foi obra do espirito santo?"

Quantas "saíram" da sua cabeça?? Ou acreditas mesmo que sem Jonas e Gaitan, e mais tarde o belo momento de Pizzi as tinhas conseguido? Isto para não falar noutros temas....

Haja paciência!

Daqui a bocado andamos a dizer que o Ranieri é um mago da bola porque vence. Não tivesse ele Vardy e Mahrez não forma em que estiveram e era um dos últimos.

btw e off-topic: parece-me que os últimos resultados provam isso mesmo....Leicester começou a perder gás!

PS: "O jj è um enorme treinador , mas existe mais de uma forma de se vencer, eu prefiro a do JJ " Para quem em Julho/Agosto rasgou o homem nesta mesma caixa de comentários, estás a evoluir, ou então a bipolaridades atacou em força nos últimos meses.

DM disse...

Blessing, ou não percebeste ou não quiseste perceber o contexto do comentário. O que é que isso tem a ver com a amizade e a alegria referidas pelo Edson como sendo as responsáveis pelos bons resultados? Porque é isso que está em discussão. Aliás, basta pegar nos exemplos que eu dei (Van Gaal e Mourinho vs Guardiola e Jesus) para perceber o ponto. Ou os jogadores acreditam no trabalho do treinador ou não acreditam. Depois existe claro uma componente motivacional bastante importante, que ajuda quando as coisas correm menos bem. Mas daí até dizer que é isso que faz a diferença quando não há o resto...

Rui Vitória teve a sorte dos resultados. Numa altura em que estava a 7 pontos, contestado por todos os lados, o Sporting passados 4 dias perde com o União e recupera a distância pontual para 4 pontos. Não fosse esta improbabilidade e teriamos o prazer de ver a alegria e descontração que Rui Vitória passava para o seu grupo, com a contestação diária de estrutura, adeptos e dos próprios jogadores.

Pedro disse...

A propósito:

http://www.abola.pt/clubes/ver.aspx?t=3&id=600247

:)

R.B. NorTør disse...

David, no entanto em duelos com equipas de "valia igual ou superior" (Atlético, Galatasaray, Zenit, Porto e Sporting) o Benfica tem o registo de 3 vitórias e 7 derrotas (9 golos marcados e 13 sofridos se as contas não me falham - médias: menos de um golo marcado e mais de um sofrido por jogo). Fruto do acaso, ou ser grande contra os pequenos e pequeno contra os grandes?

Pedro disse...

A meu ver existem diferenças humanas enormes entre Jesus e Vitória.

Jesus para conseguir fazer o que quer precisa de ter controlo não será por acaso que ele falava bastante nos "treinadores de campo", os tais jogadores que servem para manter a equipa serena e que "espelham" a imagem do treinador no 11, no Benfica ele
reportava-se bastante nestes termos a JCesar Luisão Maxi e Lima, eram estes jogadores que faziam a equipa ficar dentro da imagem de controlo de Jesus, era Jesus o comandante e esses os seus generais.

Vitória prefere que a equipa responda por si, ou seja, treinador no banco equipa no campo, claro que existem sempre 1 ou 2 jogadores que são mais capazes de passar as ideias do treinador, mas esses mesmos jogadores não deixam de ser parte de um todo mais global, e o que se vai vendo nos relvados é inegável, no ultimo jogo a certa altura Lindeloff a dar nas orelhas a Samaris, tal como já se viu Almeida a dar raspanete em Gaitan, tal como já se viu Gaitan a dar raspanetes em toda a gente :P, ou seja como numa familia todos reclamam no final....o Pai Manda...LOL

Agora o que se repara é que a equipa marca muitos golos verdade, mas tb sofre alguns (demasiados para o meu gosto) mas ai se vê tb um pouco a diferença de estilos, Jesus no momento critica logo o jogador, e mais tarde reporta o erro à defesa, Vitória critica no momento o jogador e mais tarde fala em desatenção do grupo ou que determinado jogador esteve mal na abordagem mas que o grupo o ajudará a levantar-se...


A verdade é que Jesus, pega numa equipa de futebol, trabalha-a a seu tempo e adapta-a aos seus conceitos, coloca a equipa no entanto sob seu controlo total, vai tentando "agarrar" 2 ou 3 jogadores a si para que estes sejam os seus elos de controlo na equipa, neste caso, no Sporting esses elos são claramente Patricio William Adrien e João Mário...agora tb Bruno Cesar...
No Benfica, Vitória pegou num sistema que não era o seu...tentou se adaptar as qualidades que esse sistema tinha e tem e o que é que ele pessoalmente poderia fazer para melhora-lo ou pelo menos torna-lo mais "seu", depois agarrou o grupo pela forma como aborda o dialogo sempre em plano de igualdade, porque na verdade não há treinador sem jogadores, mas existem muitos jogadores sem treinador, e essencialmente penso que é por aqui; Vitória teve a opção de crescer com o grupo aprendendo com o que de bom tinha sido feito anteriormente e agarrou-se ao dialogo de unidade fazendo até o jogador menos utilizado se sentir de certa forma "responsavel".
Jesus chega...parte completamente com o passado do grupo entrega novas directrizes e pressiona e opta pelo controlo cerebral da equipa....


Vai ser um jogo de nervos......e espero ver o JJ de novo de joelhos...tal como espero ver o bonacheirão do rui com aquele sorriso disfarçado com um piscar de olho e um Thumbs up a apontar para o Jonas ;P


Abraço pessoal

David Cardoso disse...

RBNOrtor mais uma vez obrigado por teres atenção aos meus comentários , em relação a estas derrotas que te referes principalmente as 3 contra o SCP e 1 com FCP não são de culpa exclusiva do RV que caiu nisto tudo de paraquedas mas também da nossa famosa "estrutura" pelos erros que vai dando nas pre épocas , que fazem com que a equipa tenha dificuldades sempre nos inicios de época, a segunda derrota com o FCP enfim foi falta de sorte convenhamos , o RV é 1 treinador normal não mais do que isso, mas para vcs aqui no Blog que falam sempre em avaliar os treinadores não por vitórias ou derrotas , acho estranho tu que és 1 pessoa que sempre faz excelentes comentários aqui, que se faças 1 avaliação do RV apenas pelos jogos que fez com os grandes

JJ pode ser 1000 vezes melhor treinador mas graças a ele passei vergonhas em jogos grandes que nunca mais irei esquecer ( 5-0 ; 3-1 na taça de portugal pra além de terem vencido o campeonato em pleno estadio da Luz) mas independentemente de se gostar ou não do homem a verdade que o SLB está a melhorar , se vai chegar pra vencer este ano, não sei , mas é inegável que a equipa melhorou muito nos ultimos 4 meses da época e dizer q isso é obra só dos jogadores acho injusto.

RG "Quantas "saíram" da sua cabeça?? Ou acreditas mesmo que sem Jonas e Gaitan, e mais tarde o belo momento de Pizzi as tinhas conseguido? Isto para não falar noutros temas...."

Se fores por aí RG te pergunto tantos jogos o SLB goleou este ano sem o Gaitan que tava lesionado , sem Salvio , sem N semedo , Sem Fedja , falas do Pizzi como se ele fosse um Iniesta ou coisa parecida... se formos por aí o Guardiola afinal não é tão bom treinador pq ele até hj só treinou equipas com jogadores TOP , é a velha desculpa , quando não se gosta de um treinador os jogadores que são maus e quando as coisas correm bem é obra do mestre Pizi( que pelos vistos já se transformou em Iniesta ou coisa parecida) e companhia.

" Para quem em Julho/Agosto rasgou o homem nesta mesma caixa de comentários, estás a evoluir, ou então a bipolaridades atacou em força nos últimos meses.

RG se calado eu sou 1 poeta tu acordado precisas de óculos pq nunca aqui falei mal do JJ, sempre achei ele 1 treinador fantástico e continuo achando , bipolar será 1 coisa que nunca serei na minha vida , deves estar a me confundir com alguém mas caso aches que não, procura 1 comentário meu aqui a dizer mal do JJ como treinador , já chamei o judas até de milagreiro tendo em conta aquilo que ele está a fazer no SCP loll ,saudações benfiquistas e agradeço teres tirado um pouco do teu precioso tempo para decifrares a minha vil ignorancia ;) e mais 1 coisa posso não estar de acordo com a opinião de alguem aqui mas irei respeitar sempre ... cmpts

Luis Barroso disse...

Idem :)

Luis Barroso disse...

Já aqui vi algumas críticas ao comentário do Edson mas imagino que qualquer dessas pessoas que criticam dificilmente seria capaz de fazer um comentário a um post que tivesse mais respostas do que o próprio post!

De resto, acho que a explicação dele ajuda a explicar a razão porque, ao contrário do que previam muitos (inclusive neste blog), o Benfica não afundou com o Rui Vitória

disse...

Um ponto de discussão: Com a opção vincada de abdicar das competições europeias para "all-in" no campeonato, JJ não colocou pressão extra nos seus jogadores para o que falta?

E friso o "vincar" pq o SLB também aposta no campeonato, mas a opção mais forte e clara, e frisada, pelo campeonato veio de JJ.

Blessing disse...

Oh DM, mas qual amizade e alegria responsáveis pelos resultado??? Eu ler o que escreveste tem a ver com contexto. Porque num contexto motivar é uma arte, noutros já não é. Tu andares a ler o que ninguém escreveu, contradizendo a arte da motivação, já vale. É pá, há coisas. O comentário do Edson define perfeitamente rui vitória. Como podia definir, por exemplo, Ancelotti, ou Luis Enrique. Por oposição à Guardiola, ou Jesus. Que vem no sentido do que foi escrito no post. Só não entendeu, quem não quer ler, e quem acha que, por exemplo, seria impossível um jogador render mais, um grupo de jogadores renderem mais, do ponto de vista ofensivo, com liberdade total do que amarrados à um modelo de jogo de qualidade. E consequentemente que isso arraste o colectivo.

R.B. NorTør disse...

David, quando submeti o comentário lembrei-me disso! O motivo é que é mais fácil falar desses números do que de outros que, esses sim, dão uma melhor imagem de como decorre o jogo.

O que faltou, e não consegui fazê-lo de cabeça, até porque não pude ver todos os jogos em causa, foi colocar o número de ocasiões claras a favor e contra. Se bem me lembro do arranque da época, esse rácio será até mais desequilibrado do que o dos golos marcados/sofridos.

Eu não fui buscar jogos "grandes" fui buscar os jogos em que me pareceu que o adversário tinha ao seu dispôr qualidade equiparável ou superior ao Benfica. Se tivesse de caracterizar o Benfica de RV diria que é um bully: um tipo que deixando muito a dever à inteligência se serve da força para impôr a sua vontade. Forte contra os fracos e fraco contra os fortes portanto.

Como de costume, espero engolir todas as críticas em Maio com champanhe e no Marquês. ;)