quinta-feira, 10 de março de 2016

Ri Vitória

Ponto prévio. Quando me convidou para escrever neste espaço, o Maldini apenas pediu para que não inventasse. Para me reportar unicamente ao que via no campo de jogo, sem falar em motivações e psicologias, não porque não importem ou não sejam em demasiados casos até decisivas, mas porque não estando presente, tudo o que podemos fazer é especular. Mesmo que com todos os indícios a apontar no mesmo sentido. Este texto respeitará ao máximo o pedido e a excepção será até uma das "teorias" do próprio.

Rui Vitória acabou de ir buscar a liderança à casa do maior rival e chega na Liga dos Campeões onde o seu antecessor havia chegado apenas por uma vez em cinco épocas. Não há como negar. Está próximo de obter uma marca melhor que Jorge Jesus, que terminou sem qualquer troféu a época em que chegou aos quartos de final da Liga dos Campeões.

Como é possível, se não tem qualidade?

Primeira premissa desde logo completamente falsa. Rui Vitória é um bom treinador, mesmo estando apenas a reportar-me ao que é possível confirmar pelo relvado. Na vertente táctica. Antes de ser autor, segui o blog desde sempre. A critica foi sempre para com as equipas que não eram equipas. Cujos posicionamentos defensivos eram em função do adversário. Equipas sem ideias comuns, onde a aleatoriedade de tudo, sobretudo posicionamentos era levada ao limite. Equipas que com bola tinham cada um por si. Extremos no desequilibrio individual, ponta de lança para finalizar somente, defender era para os médios centro e para a linha defensiva. De lá para cá muito mudou e as equipas de Rui Vitória são trabalhadas. Qualquer um consegue identificar a organização no conjunto encarnado! Ninguém pode afirmar que os jogadores são soltos no campo sem uma ideia. Impossível não perceber que há uma ideia geral muito bem definida. Porque se defende que Jorge Jesus é melhor, tal não significa que se inferiorize quem quer que seja. De facto, se esta época tem provado algo é a excelência do agora treinador do Sporting, que se prepara para bater um recorde pontual de décadas em Alvalade, ao mesmo tempo que colocou pela primeira vez em mais de uma década o Sporting próximo de ser campeão.

Posto isto. É o modelo de Rui Vitória aquele que mais te agrada?

Não. Porque ao contrário, por exemplo, do de Jorge Jesus, não tem os posicionamentos tão definidos. Não trabalha tanto o pormenor. No modelo de Jorge Jesus podemos identificar sempre o mesmo posicionamento nas situações que se repetem. O mesmo posicionamento para os onze! E não somente para quem está no centro do jogo. E posicionamentos pensados para ligarem a equipa entre os momentos. Por exemplo, Jefferson aparecer a rematar à trave no jogo com o Benfica não foi uma casualidade. Como já se demonstrou há alguns anos na altura em posts sobre o SL Benfica, nas equipas de Jorge Jesus em organização ofensiva o lateral do lado oposto assume posição de interior para garantir superioridade na transição após a perda. Tudo é ao pormenor. Jefferson estava ali, como estará em todas as vezes que a jogada se desenrole pelo lado direito, estando o Sporting em organização ofensiva. 

Por isso, se foi afirmando aqui que para os de Jesus o jogo será sempre menos caótico. Há uma maior identificação com os comportamentos a adoptar em cada situação, em cada espaço, em cada momento.

O modelo de Rui Vitória não é assim. Há uma ideia geral. Há princípios especificos. Mas não é tão pormenorizado ao ponto de definir o posicionamento dos onze. É tudo muito mais pensado unicamente no centro do jogo. E mesmo ai, há uma liberdade muito maior. É por haver essa liberdade que vemos jogadores com vários anos de SL Benfica a repetir comportamentos antigos e outros recém chegados que se posicionam de forma diferente. É por não haver esse pormenor em todos os momentos, em todas as fases. Pegando no exemplo em cima, Eliseu aparece dentro com bola no lado oposto em organização ofensiva. Já Nélson Semedo não. Maxi no FC Porto aparece dentro. E os dois laterais do Sporting também. 

O Benfica de Rui Vitória, tal como o Braga de Domingos fizeram ou estão a fazer uma época extraordinária após a saída de Jorge Jesus. O mérito é total de ambos (Rui Vitória e Domingos). Todavia, não se pode ignorar o trabalho anterior que ainda é tão visível em muitos comportamentos. Não é igual pegar numa equipa que nunca teve organização ou numa que praticamente todos os jogadores estão habituados a um determinado tipo de jogo. Mesmo que tal também implique dificuldades gigantes em satisfazer quem estava habituado a um nível elevadíssimo. Seja directores, jogadores e próprio publico. E num clube da dimensão do Benfica todos querem meter a colher.

Convicção de que Rui Vitória no Sporting nunca teria feito o número de pontos que Jorge Jesus já leva, batendo recordes de décadas em Alvalade, porque a herança seria totalmente diferente em termos de hábitos e comportamentos em campo. Nos jogadores não há resets imediatos. Sobretudo enquanto estão juntos. Ninguém acredita que se eu sair da minha equipa e amanhã chegar outrém que mantém o mesmo sistema táctico, que as dinâmicas mudem radicalmente. Que os jogadores que aparecem em determinadas zonas, que fazem determinadas coisas a cada instante passem a fazer totalmente diferente.  Apenas se "apanharem"  alguém com o perfil de Jesus ou outros tantos, que preparam e definem em tudo o pormenor.

Chegamos à teoria que o Maldini partilha em privado para a espantosa pontuação de Rui Vitória no Benfica 2015 / 2016. E fazendo algum sentido, é ai que se poderá afirmar que Jesus perde o campeonato. Se tal suceder, porque as probabilidades de cair para uns ou para outros não são tão díspares como de repente se quer fazer crer. Foi Jesus quem ao longo de todo o tempo deu "asas" e "vitaminas" ao Benfica para prosseguir na sua perseguição. Incapaz de ultrapassar o final da relação com o seu antigo clube, o treinador do Sporting foi dando armas nas suas declarações, dia após dia, semana após semana, para que do outro lado da circular ninguém adormecesse. Ninguém desligasse. Ninguém caisse de forma natural e silênciosa. As próprias bancadas do Estádio da Luz nunca se desuniram mesmo quando tudo parecia seguir para o abismo. Sem a adrenalina que Jesus provocava no outro lado, talvez tivesse chegado um "desistir", um "abrandar". Foi Jesus quem manteve o Benfica alerta e a respirar.

Hoje ri Vitória porque o sucesso está ao virar da porta.

36 comentários:

Blessing disse...

Marco, sobre a agora tão evidente união RV, com os jogadores, com a estrutura, escrevi hoje no meu Facebook

"Essa "união", para mim, resulta também de um imponderável chamado Sporting. Ou melhor, Bruno de Carvalho e sobretudo Jorge Jesus. Eles, na minha opinião, são os principais responsáveis pela forma como os jogadores focaram e quiseram mostrar que o maior mérito era deles, e não do "cérebro". Se o Sporting tem sabido estar calado o Benfica ter-se-ia afundado sobre o seu próprio ruído. Externo, e sobretudo interno. Não há ninguém na "estrutura" que não tenha dado Rui Vitória como "morto". Não há nenhum jogador que não o tenha feito. E mesmo os adeptos, que o defenderam durante tanto tempo, também o estavam a matar na sua maioria. Acontece que o Sporting fala muito e por esse motivo os jogadores unem-se ao treinador. E por arrasto a estrutura e os adeptos. Boom. A minha opinião é esta."

Futebol disse...

Vieste foi ao sítio errado!! Isso num blog da Maria, tinhas seguidores!! ... Resumindo, vens para aqui a mando de alguém defender o Rui, rebaixando o Jesus!! Isso cola com bacocos, mas com Treinadores, já não!
isso é o que ver muita TV á segunda á noite!!

José Moreira disse...

O Blessing resumiu muito bem o que se passa, quer dizer, o que me parece visto de fora... bem de fora. Concordo, foi JJ e o Sporting que deram gasolina ao fogo do Benfica que esteve muito, muito próximo de apagar. Já no Benfica de JJ se tinha cometido esse erro em relação ao FCP. Pelos vistos, no Benfica a lição parece ter ficado melhor apreendida do que em JJ.

Isto parece-me tão evidente quanto a diferença de qualidade entre RV e JJ.

RuiG disse...

"Resumindo, vens para aqui a mando de alguém defender o Rui, rebaixando o Jesus!!" ???? Ou não leste o post ou não entendeste NADA do que leste.

DF disse...

Essa teoria faz todo o sentido! Aliás, todo o texto faz sentido...

e não me esqueço das noticias plantadas na CS (e em facebooks...) em determinado momento para matar o Rui Vitória... lembro perfeitamente de uma capa a dizer N sei qts milhoes no banco com Carcela, Djuricic e Cristante... a dar a entender que era culpa dele esses jogadores (que custaram milhoes! Mais outros que ng sabe onde andam, tipo Mukhatares, Freionbauers, Benitez, Tarabts, Bilals e afins) não jogarem um piço ...

Paolo Maldini disse...

Juízo... não é assim que o Mendes te mete a ganhar uns trocos mesmo que nunca faças o 11 looool

Perfil Visivel disse...

E todas as provocações feitas pelo clube da luz ao JJ? não referes isso porque? quem é que falou em software? em traição só porque não foi para a arabia? em processos de 14Milhoes (1 euro por adepto)?

Blogs destes há muitos, fazem-se de imparciais até não aguentarem.

Marco Van Basten disse...

WTF, PerfilVisivel.. em que é que as provocações do SLB ao JJ iriam ajudar o Sporting a ganhar jogos...? Grow up

Barbosa disse...

JJ passa a vida a dizer que o que vem nos livros não lhe interessa, neste caso deveria ter lido o Art Of War.

Nunca interrompas o adversário quando ele está a cometer um erro.

Não é inédito no entanto perder vantagens de 5 ou 7 pontos. Ainda por cima se pensarmos que em teoria as suas equipas têm tendência a ir jogando cada vez melhor com o desenrolar da época. Terá tido sempre mais a ver com o crescimento dos adversários do que com a quebra das suas equipas?


Hélder disse...

Spot on! ainda acrescentaria um conjunto de factores que ajuda o Rui Vitoria, com o seu modelo de jogo e metodologias de treino que referes em cima (na minha opiniao, abaixo da media e do esperado para uma equipa como SLB), a atingir estes resultados:

Personalidade do treinador - Parece-me que RV tem uma personalidade que motiva os jogadores do benfica, ao mesmo tempo que deu a calma necessaria. Nao tem reacoes abruptas, exageradas. Nao anda atraz do conflito e picardia e quando o tem de fazer mostra assertividade.


Mentalidade dos jogadores - Nao tenho a mais pequena duvida, que a haver conquistas este ano, 75% do merito é dos jogadores e da mentalidade deles. Seja ao nivel da auto-motivacao, seja ao nivel da coesao enquanto grupo. RV sabe disso e refere-o sempre. Teria sido muito facil deitar a toalha ao chao, "queimar" o treinador, masformando-se UMA EQUIPA, UMA FAMILIA (palavras de RV), sentimos outro peso, outra responsabilidade. Este ponto vai de acordo ao que referes, quanto deste sentiment nao sera devido as bocas do outro lado?


Acho que ha 2 bons exemplos em inglaterra de como a psicologia tem o seu papel importantissimo no desempeno das equipas: Leicester e Chelsea.

ATENCAO: se pudesse voltar a traz no tempo e mandasse na SAD do benfica teria tentado ao maximo segurar o JJ!

Leandro Enzo disse...

Porque não conseguiu então Lopetegui no Porto fazer mais e melhor se os mecanismos estavam já tão bem enraizados e se o 11 do Porto, em comparação com o de Jesus, só era pior no guarda-redes e na posição do Gaitan? Depois da humilhação de Munique, ao Porto, "bastava" ter ido ganhar à Luz e passava Jesus... Mais, porque não consegue Peseiro mudar os comportamentos depois de Lopetegui?
Um abraço

cobra2 disse...

Concordo na generalidade, menos com isto"Não é igual pegar numa equipa que nunca teve organização ou numa que praticamente todos os jogadores estão habituados a um determinado tipo de jogo." . Acho que o Benfica do Rui Vitória não está a aproveitar os comportamentos que o Jesus possa ter deixado, porque a operacionalização não é a mesma (vocês próprios o disseram). Logo deduzo que o que se veja de bom no Benfica é de facto trabalho do Vitória, assim como o mau que se vê. Obviamente que alguns jogadores deste Benfica ficaram com alguns conceitos do Jesus, assim como de outros treinadores que tenham apanhado ao longo da carreira. Digo isto porque durante os jogos do Benfica desta época, não revejo qualquer comportamento semelhante ao Benfica da época passada.

João Roque disse...

Van Basten ou outro autor do blog,

Sendo - penso eu - evidente o crescimento do JJ a nível táctico (e não só) ao longo dos 6 anos que passou pelo benfica, parece-te(vos) que o JJ no seu primeiro ano de Benfica já era incomparavelmente melhor treinador que o RV actualmente?

vitor disse...

Essa do Domingos em Braga e o Rui Vitória agora na liderança do campeonato e nos quartos da Champions ser mérito de JJ é para rir. Porque ainda nenhum treinador se tinha lembrado de reclamar tal. Nem no Barcelona. Olha o Tata.

Luis Barroso disse...

Sempre que leio posts neste blog fico com a sensação que vos está a custar engolir o sucesso do Rui Vitórias. Acho que isso vem de o terem condenado cedo demais, enquanto se deliciavam com o impacto repentino do Jesus em alvalade. Houve até momentos em que se sugeriu aqui que o JJ era o melhor treinador do mundo!!

Como explicava brilhantemente o Edson noutro dia aqui, há claramente fatores psicológicos. Mas não é só isso e não é só a herança boa do Jesus. Há um misto de fatores: jogadores bicampeões, chegada do Mitroglou, revelação Renato Sanches, etc, e há (e isso vocês têm desvalorizado) um modelo de jogo que é mais apoiado e objetivo. Menos nota artística e mais baliza. Há progressões mais lentas (este Benfica não é tão forte nos contra ataques rápidos), mas continua um ataque organizado forte e não descobre tanto na perda da bola.

É verdade que houve momentos importantes em que os posicionamentos defensivos no momento da perda faltaram, mas isso está melhor. Ninguém diz (mas é verdade) que a segunda parte do Sporting Benfica teve momentos em que o desposicionamento dos médios do Sporting foi tão mau quanto o desposicionamento dos médios do Benfica contra o Porto na segunda parte.

Contra o Zenit, pareceu-me que a ideia (pelo menos na primeira parte e na reação ao golo deles) foi a de manter a defesa alta, jogar mais junto (e daí alguns lances perigosos do zenit nas costas) mas em que essa mesma equipa compacta mostrou logo muita vontade e capacidade de marcar fora ao Zenit. Defesa alta mas risco controlado.

Deixo-vos um conselho amigo: esqueçam as comparações, e foquem-se no que realmente acontece em cada equipa. O que está para trás já lá vai!

A gola do Cantona disse...

Seria fácil criticar o Benfica de Rui Vitória (RV) à luz de um 2º lugar com 4 pontos para o líder e uma eliminação na prova mais importante da Europa. Se fosse fácil não seria para mim, e aproveitando que se vive um período de ouro e rejubilo pelas diversas conquistas, há várias “realidades paralelas” que têm de ser escrutinadas antes de nos empoleirarmos em resultados.




Eu gostaria de perguntar se não são notórias as falhas sistemáticas no modelo de jogo de RV?
Só eu é que vi que o portador da bola muitas vezes sem ser pressionado e os jogadores do meio campo estáticos à espera que tranquilamente se construíssem jogadas de perigo?
A defesa em linha com 6 elementos, com os médios esquerdo e direito a fazerem de laterais, controlando mal e deficientemente a profundidade, dando espaço para se construir nos 3 corredores?
Na transição defesa/ataque não é notório que os jogadores do Benfica não têm soluções de passe e que por vezes são obrigados a enfrentar 2/3 adversários?
Não é notório o espaço intrassectorial entre Samaris e Renato, por vezes demasiado longe, criando espaço para construção no corredor central?
Não se nota que na construção de jogo, organização ofensiva, há demasiados jogadores atrás da linha de bola, e que a qualidade individual dos jogadores tem decidido os jogos em momentos chave?


A verdade é que no futebol os resultados toldam-nos a visão e o que parece ser perfeito está longe de o ser. Há muito trabalho a ser feito nesta equipa e a humildade será sempre um “plus” de uma equipa e de um treinador. Também não é menos verdade que no plano humano estes jogadores controlaram bem os níveis de ansiedade, estando prontos para dar tudo pelo seu clube e treinador, e isso será meio caminho para se superarem.


Nada do que disse serve para tirar o mérito a várias conquistas dos encarnados, mas sim falar do jogo pelo jogo e de uma realidade esquecida pelos resultados positivos e, portanto, uma realidade paralela não tão distante do paraíso da luz.

Análise de Jogo disse...

Concordo com o texto, Jesus está a pagar pela sua vaidade.
No meu ponto de vista o Sporting também não teve uma boa abordagem ao mercado de inverno.

Gaia Hunter disse...

Aquela defesa Nelson Semedo, Lindelof, Samaris. Eliseu tem claro dedo do Jesus.
Depois com a voz de comando de Ederson, claramente trabalhado por Jesus qq um consegue.
E a dupla Semedo Fejsa jogam juntos desde os infantis.

Isto aluga-se um treinador por uma epoca e depois vai por osmose entre OS jogadores.

Paolo Maldini disse...

Van, editei algumas coisas, ok? Mas ficas obrigado a falar sobre o ponta recomendado ao Vitor Pereira para o Fener e que hj a Bola refere como alvo do SLB :)

GV disse...

Eu entendo e até acompanho uma parte do post, mas há pelo menos 2 aspetos onde identifico a tal, para mim, excessiva defesa do JJ e/ou desvalorização do "outro lado":

Neste post: "Todavia, não se pode ignorar o trabalho anterior que ainda é tão visível em muitos comportamentos."

versus

12jun15: " (...) durante algum tempo será possível ir mantendo alguns princípios gerais e algum pormenor, mas que ao longo do tempo a tendência será para se deteriorar e desaparecer. Esta ideia baseia-se no facto de um não conhecer as ideias do outro no pormenor, e por isso em treino haverá diferenças. Havendo diferenças no treino, haverá também ao nível do jogo. E por isso, em pouco tempo as ideias de um vão embora e as ideias do outro irão prevalecer."

...Sabendo ainda que jogam agora alguns jogadores no Benfica que nem trabalharam com o JJ...


e


A teoria apresentada na parte final parece-me parcial, só identifica eventuais efeitos positivos para o Benfica da postura do JJ, mas não pondera o eventual peso inverso que essa mesma postura poderá ter tido.

Sobre isto cito-me a mim mesmo (parte de um comentário que fiz aqui em fevereiro):
"O JJ durante alguns meses não queria "largar" o balneário do Benfica porque sabia que tinha ficado com ascendente sobre vários jogadores e prolongando-o retiraria espaço ao novo treinador, essa atitude manhosa mesmo mesmo à JJ tem um efeito complicado ainda para mais contra quem não faz do alarde e das posições muito vincadas o seu estilo, como é o caso do RV. Só com tempo e muita calma se dissipa esse efeito e tem que se saber aguentar todo o tipo de comentários vindos de todos os lados e mais alguns... Hoje a equipa parece estar unida em torno do treinador. Muito bem o RV a esse nível, até ao momento!"

x24 disse...

Lindelof, renato, nelsimho, GG, ederson, carcela, mitro, raul nunca foram treinados por jj. Lisandro andou mais tempo emprestado do q a treinar com jj. Pizzi jogava mais noutra posiçao. Domingos teve tantas modificaçoes?

Se a influwncia do jj era tanta pq demoraram 6 meses a começar a jogar bom futebol?

R.B. NorTør disse...

X24, Ederson, GG e Lindelof foram treinados e os jogadores de campo somaram minutos com JJ.

NSC disse...

Ou seja: para umas equipas é o legado de treinadores anteriores que está por trás dos resultados. Treinadores esses aos quais esse mesmo raciocínio não se aplica.
Muito bem.

Marco Morais disse...

Acho que é fácil de perceber a desconfiança inicial para com Rui Vitória. Tudo o que lhe conhecíamos não era especialmente bom e, fazendo o transporte dessas ideias para um Benfica campeão, os resultados seriam, sempre, inferiores.

E assim foram... durante algum tempo. Algo que mudou porque a abordagem do próprio treinador também mudou. Digam-me um comportamento colectivo do Benfica, que o VSC ou o Paços de RV tenham tido? Talvez o jogo-exterior com a redundância de cruzamentos (arma que, ao contrário das minhas expectativas tem dado muitos golos ao Benfica).

RV, depois, juntou linhas, soltou o segundo médio, mandou subir os laterais, não abdica de dois avançados, e sai a jogar a três. Até o lateral - a fechar o meio para evitar transições, já lhe pude observar (ao contrário do que diz o Van Basten num post no qual concordo com a generalidade). Já nem falo da marcação zonal das bolas paradas... (no Vitória era assim?)

Ora RV tem mérito, isso é óbvio. E até que tenha bebido muito do Benfica anterior (acho que há muito do Benfica LAB nessa nova abordagem), isso também não lhe retira mérito algum. Percebeu o contexto, percebendo que para um máximo rendimento do plantel, o mesmo teria de jogar num modelo aproximado ao do ano passado. Até o trinco encosta bastante aos centrais (outra). Podem discordar, mas eu encontro muita tentativa de semelhança com o passado. Há esse esforço e, tenho quase a certeza, houve esse estudo. Costumo até dizer, a brincar, que afinal foi o Benfica que ficou com o software.

Isto, repito e sublinho, em nada tira o mérito a quem não tinha revelado, ainda, nada que me fizesse esperar estes resultados. Pensei que fosse teimoso e que fosse insistir num 4x2x3x1 desta vida e andar a despejar bolas para os flancos e depois para a área, enquanto a defesa abria buracos como queijo suiço (ainda aconteceu, até dezembro). Esperei o mesmo dele no Benfica que esperei do PF (que ainda hoje não joga para assumir um jogo-grande) no Porto. Mas enganei-me. O que acho mal é não se reconhecer o mérito de JJ nisso. Pelas bases que deixou - e isto em nada tem a ver com os jogadores treinados por JJ mas sim com o modelo - Jorge Jesus tem mérito neste Benfica. Ou perguntem ao Tuchel - que não tem nenhum jogador treinado por Guardiola - se aquelas ideias saíram todas da cabeça dele? Nota-se bem a influência, mas RV e o Benfica nunca vão admiti-la.

Pedro disse...

E Jesus não beneficiou nada do trabalho que Quique (e/ou Pako) deixou no clube? Curiosamente quando esse "trabalho" se esfumou foram três anos a ver os outros a festejar. Não beneficiou nada do trabalho deixado por Marco Silva? A evolução de jogadores como João Mário não foi trabalho de treinadores anteriores?

Só JJ é que deixa legado. Nenhum dos outros deixa?

Tiago disse...

Relembro só uma coisa, o erro de JJ no confronto com Rui Vitória dá-se graças a uma mentira dum jornalista.
JJ só tinha atacado Rui Vitória nas alturas dos jogos entre ambos e com óptimos resultados diga-se.
No dia seguinte ao jogo da taça, JJ devia ter-se calado. Mas não se calou (é claro que nunca saberemos se foi só por isto) porque numa conferência de imprensa um jornalista mentiu-lhe ao dizer-lhe que Rui Vitória lhe tinha chamado "mau carácter" e "mau colega".

Radagast disse...

Um pouco na sequência de um comentário que deixei a outro post, e ao qual não regresso porque já vai longe (Maldini e Ricardo obrigado pelas respostas), ainda vejo, e sei que continuarei a ver, porque é o que vocês pensam, é o que vêem e é também o que vocês vêem por pensar como pensam, uma menorização excessiva do Rui Vitória.

Ao ponto de, sem ruborizarem, insinuarem (mais afirmarem do que insinuarem, mas enfim), que grande parte do sucesso do RV se deve ao trabalho desenvolvido pelo JJ...Isto quando o JJ pouco ou nada trabalhou com mais de metade dos jogadores habitualmente utilizados hoje, e quando vcs são os primeiros a apontar detalhadamente a superioridade táctica do JJ. Isto é, no mínimo, contraditório. (Até porque eu poderia dizer que o que o JJ está a fazer se deve ao Marco Silva, ainda que os instrumentos à disposição deste fossem inferiores aos de que dispõe o JJ)

Eu, ignorante na matéria, vejo uma equipa menos trabalhada tacticamente nos processos defensivos mas em que os jogadores seguem pela sua cabeça uma ideia geral que aceitaram como sua. Foram conduzidos a isso, não lhes terá sido imposto. Mesmo a atacar vejo uma equipa que quer (muitas vezes sem conseguir) segurar mais a bola e que, apesar de tudo, não quer "despachar" o ataque. Há coisas que são boas.

Regresso à questão do invisível, que não é tanto assim. A exigência táctica do JJ é maior, a sua busca pelo detalhe e a preparação exaustiva são inquestionáveis. É, tacticamente, possivelmente um dos melhores treinadores da actualidade. Mas isso é apenas uma parte de se ser treinador.

Van Basten, Maldini, muito desse invisível não o é tanto. A partilha das vitórias e das derrotas é visível. Individualizar jogadores como responsáveis pelos insucessos é visível. A exaltação é visível. O desgaste sobre os subordinados (assim os vê o JJ) é visível. RV é um tipo de líder que faz parte de uma equipa tendo responsabilidades especiais. O JJ é o tipo (supostamente) brilhante que lidera pela "perfeição" e pela exigência.

Há várias formas de liderar, mas aquela que é mais consistente no tempo (que no futebol existe poucas vezes, é certo) é aquela que conduz e não a que impõe, aquela que revela serenidade (que o Ricardo criticou no outro comentário como sendo sinónimo do RV não saber o que anda a fazer) e não o desgaste e o apontar de responsabilidades publicamente.

O RV não é tosco. É menos brilhante, mas há muitas maneiras do gato ir às filhoses.

André disse...

Concordo com a premissa que foi o JJ e o scp que deram a adrenalina necessário para acordar o Gigante. Aliás o ponto chave, quando a contestação se fazia sentir, foi qdo o arrogante JJ disse que RV era um "não treinador" ou qq coisa parecida. RV que parece-me sempre teve boa relação com o plantel, viu nesse mommento a união do grupo reforçar-se e nas bancadas todos pediram uma resposta à altura e esqueceram os diálogos sobre substitutos para RV....

Apesar de tudo, gostaria de ver uma análise vossa sobre a evolução do modelo de RV os comportamentos adquiridos estavam lá no inicio da época e a equipa jogava de forma bastante diferente...este tempo todo passado e parece-me evidente que, com falhas, existem um comportamento coletivo bastante diferente.

Nélio Marques disse...

Não concordo nada, O Jesus não treinou grande parte dos jogadores que têm jogado este ano, Nelson Semedo, Lisandro, Lindelof, Renato Sanchez, Pizzi nesta posição, Mitroglou, etc... Eliseu continua a ser mina de ouro do Benfica para os adversários.
Jonas está a ter uma performance em tudo superior do que quando jogava com o JJ, inclusive no numero de golos marcados.

Esta constante visão da superioridade do Jesus no treino e em aspectos técnicos acho que é um bocado exagerada, visto que, ele depois têm lacunas enormes no ego e na forma como gira tudo à volta dele. E as coisas não se dissociam

Bem sei que não se sabe o que lá vai dentro, mas seria interessante analisar as atitudes de alguns ex jogadores dele no final dos dérbies, que demonstra uma relação assim não tão próxima.

Abraço

David Cardoso disse...

No início de época fui assistir uma palestra do Manuel Sérgio e curiosamente não me esqueci de uma coisa que ele disse, que após o Guimarães vencer a taça de Portugal ao SLB , no balneário depois do jogo, o RV telefonou-lhe disse "se eu tivesse apenas falado de futebol a estes jogadores eu nunca teria ganho esta taça".

Parabens pelo post ,o RV ainda é jovem acredito que ainda terá muito que aprender e com tempo irá evoluir ainda mais como treinador , tal como o JJ que ao meu ver é muito melhor treinador hj do que quando chegou ao SLB.

Espero que RV fique mais tempo no SLB ,não por ser super fã do seu modelo de jogo , mas pq infelizmente esta estrutura do SLB pode ser boa em muita coisa, mas em escolher treinadores não tem sido o seu forte , nenhum foi escolhido por causa do modelo de jogo (nem mesmo o JJ que foi somente por ter tido sucesso em Braga e Belém tal como RV em Paços e Guimarães)

Nuno Mendes disse...

Apontar um erro de comunicação estratégico de Jorge Jesus como a principal causa do sucesso do Rui Vitória, é tanto redutor, como injusto, especialmente para a classe de treinadores. Diria mesmo algo contraditório, tendo em conta o que já foi dito aqui, noutros casos, mas em contextos semelhantes. Mas uma coisa me parece-me clara, Jorge Jesus percebe muito sobre o jogo, sobre o treino, sobre como operacionalizar, mas sobre pessoas entende muito pouco, e essa é outra componente fundamental para quem tem a responsabilidade de liderar.

cobra2 disse...

R.B. NorTor quando é que o Ederson foi treinado pelo JJ?

Pedro Simões disse...

Um gajo por aqui ás vezes fica confuso... Estamos praticamente no final do campeonato e o Benfica ainda joga à JJ?

Então não foi por aqui que se disse que o RV ia "morrer" porque ao passar do tempo os processos deixados por RV iam desaparecer porque a metodologia de treino era diferente, que estes métodos eram superiores aos de RV e a equipa se ia ressentir e ia ser um Benfica pior?

Eu acho que o Benfica não está assim tão pior, está diferente... Tenho ainda algumas dúvidas se será este o modelo ideal ou se foi aquele que RV conseguiu encontrar como o melhor face a muitas ausências de gente que seria titular.... Falo de Luisão, do Nelson Semedo, do Salvio(principalmente este porque é muito diferente de Pizzi), o regresso de Fejsa para a posição 6 o que permitiu encontrar um menino que vai mais à frente e tem uma agressividade que nenhum médio que lá jogou teve. Sem esquecer que Lima é diferente de Mitro, portanto, comportamentos diferentes...

E a base de comparação para sermos minimamente honesto terá de ser a primeira época de JJ... Eu lembro-me bem que apesar de sermos uma equipa muito ofensiva cometíamos muitos erros nos posicionamentos defensivos e nas transições ataque-defesa... Além de que a equipa, ou melhor, os jogadores serem muito melhores dos que estão agora...

Chegar a esta altura do campeonato e anda achar que é quase tudo fruto do legado de JJ é uma contradição vossa... Ainda para mais quando têm jogado jogadores que nunca calçaram com JJ como Lisandro, Nelson Semedo, Renato Sanches, Mitroglou, Jiménez, Pizzi a jogar na posição de raíz, Lindelöf, Carcela, Guedes...

Não esquecer que o JJ que saiu do Benfica não é o mesmo que entrou... Ele próprio foi evoluindo o seu modelo de jogo... O que será de RV daqui a 6 anos?

Abraço!!!

Blessing disse...

Pedro, o JJ beneficiou muito do trabalho do Marco e do Leonardo. E foi o próprio a dizer! Já no Benfica, também o disse que não beneficiou de nada.

De resto também não acho que este Benfica ainda tenha alguma coisa de JJ. Pelo menos colectivamente. Individualmente é outra história. Acho que este Benfica já é de Rui Vitória, há largos meses.

Abraço

João Filipe Abreu disse...

Um post nada imparcial e intelectualmente desonesto. Mas vamos lá justificar o porque deste comentário.

Jorge Jesus não rebaixou o Benfica. Jorge Jesus aponto aquilo que é visto por todos, aquela equipa tem muito trabalho dele, em muitos momentos ainda é o Benfica que Jorge Jesus trabalhou, é um ferrari, se tem mãos ou não, o Rui Vitória, para conduzir, logo se vê. Está a comportar-se bem.

Este Benfica roubou o 1º lugar ao Sporting porque as arbitragens assim o permitiram. Entendo que queiram apenas falar do jogo jogado, mas se há um post que sai das quatro linhas, convém falar de tudo o que se passa nas quatro linhas, em primeiro lugar. Tenho dificuldades em atribuir mérito, até ver mérito, numa equipa que foi a Guimarães conquistar três pontos por deficiência técnica de um árbitro. Onde está isto escrito? Ou até mesmo um post com o mesmo número de caracteres sobre o benefício do Benfica, em relação às arbitragens?

Há princípios específicos? Há sim. Nos corredores. Este Benfica joga imenso pelos corredores, joga no cruzar de bolas e isso é o início da caminhada que o afasta das ideias de Jorge Jesus. Estranho os elogios escritos, sobretudo que vão contra a corrente intelectual do blogue. Estranho, mas entendo. É a bajulação necessária para algo mais.

Falam de um ataque de Jorge Jesus ao Benfica. E o contrário? Não estava Jorge Jesus a ser atacado? A dignidade de Jorge Jesus não foi atacada? Vá, não sejam tão parciais.

Gosto das vossas ideias sobre o futebol, partilho muitas delas, mas quando entram na clubisse, são incapazes de manter a coerência e a imparcialidade. Tudo bem, não são obrigados a tal. Agora, não se comportem como pessoas imparciais quando não o são e a isto eu chamo de desonestidade intelectual.

O Ri Vitória agora, mas a época termina em Maio/Junho e ai podemos ter um Ri Azia. Calma. Tirem conclusões no fim, por agora, Rui Vitória ganhou tanto quanto Jorge Jesus ganhou quando chegou aos quartos da Champions, zero.

Rui Dias disse...

Caro amigo neste momento olhando ao jogo do Benfica a única coisa que é identificável na equipa que tenha a ver com jj é a sua foto colada no balneário da equipa com um alvo pintado na testa!!! Desde o comportamento da equipa ao comportamento individual dos jogadores....é da noite para o dia! E atenção que como benfiquista há uma grande parte desta mudança que me chateia!!!

Se me dissesses isso há uns meses dar te ia razão...mas já lá vai...

A isso se deveu muito as mudanças na equipa!

Quantas vezes se viu (até se fez ressalva disso aqui no blog) o Luisao a sair e o resto a dormir?.... Mas o Luisao não joga há 3 meses! O gaitan esteve fora 2! O Eliseu mudou mais depressa do que se muda de roupa! O samaris nem se fala! O único jogador que usa praticamente tudo o que aprendeu com jj é o puto Almeida...e só por isso tem sido opção. É competente e aprendeu-o com jj!

Agora vê bem...na defesa Ederson, Nelson, Lisandro, lindelof - tudo novo!

Meio campo....Renato ( que com este futebol nunca jogaria com jj) , Guedes, carcela...um novo e outros que nada aprenderam com Jesus (se tivessem aprendido não jogariam como jogam)!

E avançados apenas um trabalhou com jj...

Portanto ou vão treinar a alcochete ou não estou a ver como aprenderiam....

Até poderias ter razão em tudo se a Malta não acompanhasse o Benfica....

Grande parte do sucesso do Benfica deve se a qualidade individual de alguns jogadores e a um espírito de entreajuda que se criou...vamos ver se isso chega para o título!

Mas que ninguém duvide que se o Sporting não for campeão o maior derrotado é o Jesus! Com a equipa que apanhou e com as pedras que pode comprar ...e tudo isso ligado ao conhecimento que tinha de muito do que se faz na luz nunca poderia mandar 13 pontos á viola em 10 jornadas!

É uma pena jj ser a besta que é! Imagino k que seria se o homem tivesse vontade de passar o seu legado a outros treinadores jovens!!! Um caso sério...era o que era!

Isso e saber fechar a boca poderiam leva lo ao topo da Europa!