segunda-feira, 14 de março de 2016

Treinadorius de Bancadis

O Treinador de Bancada é uma espécie com particularidades super interessantes.


Para além de possuir uma capacidade extra sensorial muito desenvolvida, que lhe permite sentir se o jogador A ou B está cansado, se está  ou não motivado, ou saber se treinou melhor do que os outros durante a semana. Mas não é isso que nos traz por cá hoje.


Ontem, tal como todas as semanas foi possivel assistir a imensas manifestações  da especie Treinadorius de Bancadis (em latim) por meios de comunicação classicos como Facebook, Twitter e Café Central.

Para os Treinadorius de Bancadis as substituicoes sao como a poção  mágica  do Panoramix. Se estão  a perder é fazer entrar o suplente numero 3 e como por magia a equipa vai ganhar. Se estão  empatados, não serve o numero 3, tem de ser o 4. E se estão a ganhar, a melhor substituição  será  o numero 5 porque vai reforçar o meio campo.


E vão  alterar o resultado porque sim, porque se fez substituições.


Os Treinadorius de Bancadis não conhecem os jogadores. Acham que conhecem, mas não o podem conhecer, porque não estão com eles todos os dias, não vivem o treino e o jogo com eles.

Os Treinadorius de Bancadis, não planeiam o treino, e não  o vivem, logo não  podem saber, ou perceber, o que se passa. Onde se está, para onde se vai e o que se pretende fazer.

Os Treinadorius de Bancadis não percebem, que no alto rendimento, há mil e uma coisas que influenciam a decisão  de substituir alguem por alguém e quando. Não  se faz a pensar na Sra do Caravaggio ou nas poções do Panoramix. Substitui-se para alterar o Todo. E altera-se para o melhorar, sempre. Para o adaptar aquilo que o jogo se está a tornar.

Como pode um Treinadorius de Bancadis avaliar se algum jogador esta a ter baixo rendimento? E como pode dizer, que se tivesse sido substituido que ia mudar seja o que for para melhor? Não sabia se as opcoes que estavam no banco seriam mais valias? Mais valia.... Mais valia.......

Mais valia estar calado.


E cuidado, porque esta especie reproduz-se rapidamente, e tem uma capacidade de infiltração  incrivel.

15 comentários:

Nuno Ferreira disse...

Outra coisa que se assiste desta espécie é a definição das substituições antes do jogo começar.
Do género: "Joga O Zé, o Manel e o Quim de início. Depois aos 60min entra o Alfredo para o lugar do Zé e aos 75min o Chico para médio defensivo. Tá ganho!"

Rafael Antunes disse...

Substituições é com o Norton!!!! Uma cajadada, dois coelhos!!!!

Rui Pinho disse...

Isto tudo, dito por treinadores de bancada. Está engrassade!

Bernardo disse...

Sugerem que o fã não tenha opiniões sobre o jogo porque não está habilitado para isso? Ou apenas que quando as expressa tenha em atenção que lhe faltam muitos elementos para poder fazer afirmações categóricas?

Blessing disse...

Demais!

Blessing disse...

Bernardo, que expresse com noção que não domina muitos aspectos, e que não tem conhecimento de outros. Mas, que se expresse sempre!

Marcos Correia disse...

Gosto muito de ler o vosso blog mas de vez enquando parece-me que se revelam um pouco arrogantes. Este foi o caso mais flagrante. Sim, os treinadores de bancadas mais expansivos são muitas vezes quem menos percebe de futebol mas aí está, free country, cada um pode dizer a barbaridade que lhe apetecer, sobretudo no café habitual da esquina depois de quatro ou cinco finos. Quando residia em Lisboa ia várias vezes à casa do FCP ver os jogos e, agradeço a vocês e ao Posse de Bola, conseguia perceber melhor que a maioria o que se estava a passar (ou não a passar) e o que se devia fazer. Mas não me sentia superior, apenas mais bem informado e uma vez ou outra tentava explicar algumas opções tácticas e sobretudo apelar à calma.

E honestamente, sinto saudades por vezes de ver o futebol pela emoção, sem ligar ao lado científico. Este estado puro que muito adeptos habitam durante o jogo é um escape que muitos necessitam após uns dias ou semanas de rotinas.

Foi a emoção que me trouxe ao futebol e a adorar o futebol. E mesmo sendo um adepto minimamente instruído, por vezes tudo esqueço para deixar apenas ir a frustação, insultando a mãezinha do treinador, jogador ou árbitro.

Barbosa disse...

O Chelsea perdeu com o PSG. Afinal o Mourinho sempre tinha razão, os jogadores é que não querem jogar. Como é óbvio.

aimarbenfica disse...

São lixados pá.

Nairo disse...

Concordo

Dennis Bergkamp disse...

A carapuça não serve para todos. Há claras diferenças entre fãs de futebol, e treinadores de bancada. O futebol profissional só existe porque existem fãs. É para eles que se joga

Radicalmente diferente do foco do post.

Eu adoro sandes de presunto, mas não vou ter com um padeiro e dizer que ele devia usar mais ou menos trigo, nem apertar com o suinicultor para ele deixar de dar bolotas a partir das 10 da noite porque senão o presunto não sai tão bom.

Pedro disse...

quando o contexto e um blog com caixa de comentários...

não e exactamente a mesma coisa que eu me sentar ao lado de um treinador a dizer-lhe como deve treinar a equipa.

Compreendo onde querem chegar, mas o treinador de banca e um espécime que tenta entender o jogo, embora o faca de forma rudimentar. Na cultura germânica Thor, o deus trovão, com o martelo, era a maneira que eles tinham de explicar um fenômeno que não compreendiam, descargas elétricas e o subsequente ruído. O tempo passou, a ciência evoluiu, hoje sabemos mais do que sabíamos na altura.

O meu pai ha uns anos dizia que era preciso cruzar, hoje em dia ja evoluiu para cruzar apenas em situações em que exista pelo menos um equilíbrio no numero de defesas e atacantes. Daqui a uns anos estará a falar em privilegiar o corredor central. Sao mais de 10 anos de batalha, mas a medida que pessoas como vocês vao divulgando o conhecimento, este vai-se difundindo.

A menos que vocês queiram estar para este tema como o Dawkins esta para a luta entre a ciência e a religião, ai, forca nisso. ;)

LR disse...

Dito isto espero que aquela alarvidade que li aqui há uns dias sobre o Benfica-Jesus-Rui Vitória não tenha mesmo passado de uma excepção. Eu venho aqui á segunda feira mas não é para saber os numeros do totobola...

DM disse...

E no entanto, há situações em que o coro de treinadores de bancada diz exatamente aquilo que se deve fazer e o treinador é o último a perceber.

Há um coro de treinadores de bancada que disse ao Jesus que devia ter mantido o Iuri Medeiros no plantel e emprestar algum dos outros e ele optou pelo contrário. Entretanto, o dispensado já leva mais de 20 intervenções diretas para golo e uma participação superior a 50% nos golos da equipa, o fantástico Moreirense. Enquanto na equipa de Jesus, anda dificil encontrar um extremo forte na finalização, criativo e excelente tecnicamente :D

Rui Dias disse...

Estes são o tipo de posts que nunca deveriam aparecer por aqui....

Então portanto o treinador de bancada não pode/deve opinar porque não percebe a coisa....mas e se for um treinador que não seja o treinador da equipa que está a ser falada? Esse pode opinar? Com quem conhecimento de causa?

Transpondo isso para outros sectores...o que achas do orçamento do estado? Não me digas que não tens opinião por não seres licenciado em economia nem teres feito parte da elaboração do mesmo?!

Quando vais a um concerto não opinas sobre a qualidade do cantor? E se o gajo cantar mal naquele dia não o vais dizer? Olha que se calhar o gajo na noite anterior apanhou um resfriado e é por isso que não está a cantar tão bem....é tenso em conta que não estiveste com ele em casa não podes opinar porque não viste!

Este tipo de texto é a chamada conversa de cócó! É dizer coisas que toda a gente ja sabe!

Obviamente que o gajo que está na bancada não está tão informado como o treinador! Obviamente que (em teoria) percebe menos da material que ele! E novidades?

Mas que impacto tem a conversa da Malta da bancada na performance da equipa?....

Não perceber que escreveste o que escreveste e ser exactamente igual a um treinador de bancada é que é tonto....

Lamento a minha franqueza mas como não sou licenciado em comunicação é o melhor que consigo fazer....